Que o Otimismo Escatológico de Daria Dugina continue a nos guiar

A morte de Daria Dugina é um fato que vai além da tragédia pessoal e familiar. Estamos diante, também, do autossacrifício de uma autêntica filósofa, como raramente se encontra no mundo atual. Agora nos cabe tomar seu exemplo e trilhar seu caminho de autenticidade e fidelidade à Ideia.

“O combate espiritual é tão brutal quanto a batalha dos homens; mas a visão da justiça é o prazer de Deus somente”. Arthur Rimbaud

Como acontece frequentemente quando um ente querido parte de repente, temos esta impressão de irrealidade, lutamos para compreender o inevitável. Vagueamos como se estivéssemos num mundo flutuante, habitado por este estranho sentimento de que ainda poderemos conversar com nossa ente querida, que poderemos até mesmo discutir juntos as espantosas notícias que estão ocorrendo e que a afetam diretamente. Estão sob foco aqui as duas Darias que conheci: a pública e a privada, e esta pequena pessoa, tão infantil e ainda tão corajosa para estar no coração da guerra global e escatológica em curso.

Lembro-me de uma conversa telefônica com ela no início da operação militar russa, lembro-me distintamente de suas palavras:

“Ouça Pierre-Antoine, estamos vivendo momentos históricos. A Rússia vai ser forçada a criar seu próprio caminho a partir de agora, que é o que sempre defendemos”.

E, acima de tudo, esta frase, que ainda toca nos meus ouvidos:

“Eles podem acabar matando todos nós aqui em Moscou, mas agora a verdadeira luta já começou”.

Tudo isso foi dito no tom alegre e jovial que sempre foi a dela. Algo importante estava finalmente acontecendo. Não a trágica guerra fratricida entre europeus, que um dia terminará bem, se Deus quiser, mas a ruptura vital entre o Estado-Império russo e o imperialismo globalista; a ruptura entre a Terceira Roma e o pântano mundial de subversão cosmopolita.

Em outra conversa, ela também me explicou que nunca se deve desesperar, mas cultivar um “otimismo escatológico”. Estas foram suas palavras exatas. Acho que ela também deu uma palestra sobre este tema. Como estas palavras ressoam hoje.

Na verdade, é bastante difícil para mim falar sobre Daria, que eu realmente considerava uma amiga, bem como uma ativista metapolítica exemplar e, acima de tudo, uma filósofa de elite. Uma filósofa no sentido antigo e clássico, que trazia dentro dela uma obra teórica ainda a ser realizada em ato, mas uma obra que já vivia nela em potência. Em potência: como a árvore antiga e vigorosa já existe na semente, o rio ou o oceano na exígua fonte da montanha, a estrela mais ardente no fóton mais invisível e infinitesimal. Para tomar conhecimento disto, convido-os a revisitar esta entrevista com Daria de exatamente sete anos atrás, em agosto de 2015. Ouçam o nível intelectual desta jovem mulher, que lida aqui com conceitos neoplatônicos e teopolíticos que muito poucos realmente compreendem hoje em dia, e isto em um francês de alta qualidade. Uma apresentação feita com uma naturalidade e frescor incríveis.

Para ser comparado na França com o ódio, a inconsistência e a feiura moral dos sofistas impostos pela mídia, como Enthoven ou Lévy, que estão atualmente incitando o ódio contra a memória de nossa querida Daria e contra o trabalho de seu pai. Isto se deve ao ciúme visceral da verdadeira contemplação a que eles não podem ter acesso a partir de sua baixeza espiritual. Nossa cultura nacional está morrendo porque pessoas como Enthoven e Lévy estão impedindo a criação de pontes e laços vitais e espirituais entre as elites da juventude europeia, da qual Daria foi uma representante proeminente.

A busca pelo conhecimento filosófico foi toda a vida de Daria Dugina e o eixo existencial em torno do qual todas as suas ações e pensamentos foram coordenados. Seu constante compromisso metapolítico era uma manifestação exterior da ideia que ela carregava dentro de si e à qual ela era fiel. Ela havia herdado esta chama de seus pais, que a passaram para ela desde a infância, e isto de uma forma existencial e teórica. Daria carregou esta orgulhosa chama com graça e, acima de tudo, com simplicidade. Movida por esta visão interior (teoria), ela avançou na vida e dedicou todo o seu ser e todas as suas ações a ela. Nela, como nas grandes figuras históricas, ação e teoria eram apenas dois lados da mesma moeda, duas peças do mesmo símbolo que o verdadeiro sábio sabe unir (simbolismo) em uma síntese viva de ação e contemplação. E o que ela começou aqui certamente se encaixa perfeitamente com o que a espera do outro lado. Toda sua vida foi extremamente e radicalmente coerente, ecoando a visão de mundo que a animava. E com isso, ela era brincalhona, simples e feminina. Trabalhadora, séria e uma verdadeira jovem mulher.

Daria Dugina era uma personalidade “diferenciada”, como teria dito Julius Evola, mas ela não estava separada de sua condição feminina, que ela encarnou plenamente. Ela era solar e naturalmente irradiava seu eu interior para aqueles ao seu redor. Isto só poderia gerar ciúmes diabólicos nas fileiras do Maligno e entre certas bruxas a seu serviço. Durante sua vida, e sem entendê-la suficientemente bem, entramos em contato com uma Hipátia de nosso tempo que permanecerá na história (ou o que resta dela antes do verdadeiro Fim…).

Daria era uma verdadeira platonista, certamente a mais platônica de todos nós. Ela nunca desistiu da luta ou da busca de conhecimento (que é o mesmo para pessoas como nós). Ela deu sua vida pela ideia e a visão do mundo que a animava, e eu estou atônito. Estou atordoado, como se estivesse nas cordas de uma partida de boxe. Atordoado, tanto pela dor e raiva que sinto como pela compreensão da realidade da missão terrestre da Daria Dugina que eu conhecia.

É um orgulho caloroso poder dizer: eu conheci Daria Dugina! A tristeza mundana e temporal que sinto se dissipa um pouco quando coloco sua partida e sua missão em sua verdadeira perspectiva espiritual e metapolítica. Devemos compreender e aceitar seu papel providencial nos acontecimentos atuais e no sentirmos honrados por ter estado com um mártir e uma figura agora histórica durante sua vida. Aqui tocamos no que aprendemos nos livros enquanto tentamos nos formar e nos educar contra a lama e a frouxidão de nosso tempo: o espírito de milícia e sacrifício. E é uma jovem mulher que nos ensina isso! Que lição para toda a feitiçaria do feminismo globalista!

Os eurasianistas russos contemporâneos (o que quer que se pense de sua doutrina ou pontos de vista) estão na linha de frente do choque geosófico global de nosso tempo e estão pagando o preço do sangue. Daria Dugina, que era um elemento insubstituível das redes metapolíticas eurasiano-tradicionalistas russas, não foi alvo por acaso por parte das forças ocultas de nosso tempo. Além de procurar eliminar Daria (e quebrar seus pais através do sofrimento), nossos inimigos também queriam traumatizar nossas fileiras e derrubar uma personalidade que de alguma forma era insubstituível por causa da variedade e alcance de suas tarefas na guerra de informação. Daria Dugina era uma profissional autodidata em metapolítica e guerra de informação, duas disciplinas relacionadas que ela dominava em todas as suas dimensões como poucas outras e às quais ela deu suas credenciais. Ela foi uma verdadeira guerreira metapolítica de nosso tempo.

Seu assassinato político demonstra mais uma vez que a metapolítica é uma verdadeira guerra com verdadeiros beligerantes e verdadeiras mortes. O que Daria estava fazendo, como o que cada um de nós está fazendo em seu próprio nível, foi examinado e analisado em profundidade por nossos inimigos. Todo jogador sério na guerra de informação contemporânea vive com esta espada de Dâmocles pendurada sobre seu corpo físico (mas não sua alma, que é imortal e indestrutível).

O trabalho de Daria, seu trabalho, sua luta, eram todos realizados de forma natural e alegre, artística e diligente, como uma menina dotada que quer fazer o que seu pai lhe ensinou. A Providência queria que esta jovem fosse um mártir e um símbolo vivo que continuará a guiar todos aqueles que lutam no mundo contra a hegemonia globalista e pelo retorno da superioridade do Espírito sobre a matéria.

Diz-se que leva trinta anos para formar uma pessoa, e Daria foi escolhida pela Providência em uma idade em que grandes figuras históricas são frequentemente tiradas, em seus trinta anos, quando a maturidade começa a chegar e quando, após o ciclo da juventude, começa o ciclo da masculinidade ou da feminilidade. Daria vivia só e ainda não tinha uma família. Ela era uma presa fácil e exposta para quem quisesse atacar para traumatizar nosso campo.

Também me lembro de ela me dizer um dia: “Sabe, estudei muito, mas só agora estou começando a entender que não sei nada e, portanto, a começar a entender o que estou estudando”. Ela estava começando a adquirir aquele socrático “só sei que nada sei”, que é o início do acesso a essa forma de intuição intelectual suprarracional e apofática, que é a verdadeira porta para a sabedoria espiritual. Conhecimento que transforma a pessoa a partir de dentro e a faz compreender sua vaidade diante da Verdade, mas também lhe dá em troca uma vontade indestrutível regenerada pela experiência do vazio interior total, um vazio que se experimenta e se supera. Daria tinha essa vontade suprarracional. Uma vontade inacessível à razão discursiva, mas que não se baseia em instinto ou sentimentos, mas em um conhecimento superior intuitivo e suprassensível. Dizer isto deve ser considerado uma loucura na modernidade. Tudo isso está muito bem, há uma loucura e uma idiotice sagrada que nos protege da loucura do século e do mundo.

Daria, que amadurecia seu trabalho teórico no silêncio de seu coração, acabaria encarnando-o completamente para o espanto do mundo no brilho de seu compromisso absoluto.

Sua alma voltou a Deus entre a festa da Transfiguração e a festa da Dormição da Mãe de Deus, duas festas cardeais do calendário litúrgico ortodoxo. O ícone que é reverenciado durante a liturgia da Dormição é aquele em que a Virgem é retratada como uma criança nos braços de seu próprio Filho, que é retratado como um adulto.

Por analogia, e mantendo uma rigorosa linha de demarcação entre o platonismo e o dogma cristão, esta imagem do Filho carregando em seus braços sua Mãe Santíssima quando criança, evoca a ideia de que nossa irmãzinha Daria é de alguma forma agora nossa mãe no caminho que escolhemos: o da luta metapolítica.

A metapolítica é aqui santificada pelo martírio político, a metapolítica é de fato um “caminho” aristocrático e bélico contemporâneo, adaptado às condições externas de nosso tempo.

Daria é agora uma estrela polar que continua a nos guiar, sua alma brilha alto da “planície da verdade” enquanto espera pelo glorioso dia da ressurreição universal, quando todos nós nos encontraremos novamente.

Mais uma vez, gostaria de expressar minhas condolências aos pais de Daria, Alexander Gelievich e Natalya Viktorovna Dugin.

Por trás de cada morte há um mistério insondável para os vivos e a oração é nosso único recurso. A oração é o cordão umbilical entre nosso Criador e o nada de nossa condição humana decaída. Portanto, devemos rezar incessantemente, mesmo e especialmente quando somos incapazes de fazê-lo, quando nossa garganta e nosso espírito estão como que atados pela tristeza, e repetir incessantemente aquelas palavras sagradas que podem fazer tudo:

“Senhor Jesus, Filho de Deus, tende piedade de mim, um pecador”.

Deus deu, Deus tirou. Memória eterna.

Fonte: Strategika

Imagem padrão
Pierre Antoine Plaquevent

Analista político francês.

Artigos: 6

Deixar uma resposta