O Assassinato de Daria Dugina e o Holocausto da Europa

Aparentemente, existem atentados terroristas condenáveis e outros que não o são. Na perspectiva atlantista, o assassinato de Daria Dugina se enquadra nessa segunda categoria, para coroar a falência moral de um Ocidente decadente.

Os povos da Europa estão testemunhando o macabro espetáculo de sua auto-aniquilação. Eles pagaram, e ainda estão pagando, por um assento confortável para sentar e assistir ao extermínio de sua terra natal enquanto comem pipoca.

Eles logo mudarão seu papel: de sua função passiva e consumista como espectadores (esta é de fato a “sociedade do espetáculo”) eles se moverão rapidamente e sem se dar conta para outros espaços funcionais mais dolorosos: escravos e vítimas de um holocausto horrendo. O holocausto da Europa.

Coisas sérias estão acontecendo. Em meio ao bombardeio de obuses e notícias e manipulações insípidas, o mundo está mudando e na verdade já cruzamos o limiar para outra era. O europeu médio, o espanhol médio, não sabe disso. Ele senta e observa e tenta se adaptar à antimoralidade orwelliana: verdade é mentira, a mentira é verdade. A guerra é paz… e assim por diante.

A antimoralidade da mídia e o jogo perverso da linguagem é algo com que todos nós estamos muito familiarizados aqui. As vítimas brutalmente e friamente assassinadas pela ETA “faleciam”. Como aqueles que morrem de câncer ou de um acidente de trânsito. Essa era a manchete dos jornais “patrióticos” bascos, os separatistas. O crime de sangue era “luta armada”. Outro dia, da mesma forma, os principais jornais e canais do sistema globalista falavam da “morte”, não do assassinato, de uma jovem de apenas 30 anos de idade, Daria, filha do filósofo Aleksandr Dugin.

Esta menina, uma filósofa como seu pai, uma militante convicta da causa eurasianista e antiglobalista, morreu por suas ideias. Ninguém no Ocidente será capaz, sem ficar marcado, de condenar este crime. A linha oficial, OTANista e ianque é assim: as ideias de seu pai, Alekansdr (as mesmas de sua filha) eram intrinsecamente criminosas. Amém a isso. A linha oficial é que o filósofo russo, o suposto “Rasputin de Putin”, encontrou o que buscou. Ele o pediu indo contra o único império que é “bom”, os EUA ou, mais precisamente, o império neoliberal turbocapitalista. Ele o buscou por dar cobertura ideológica à invasão da Ucrânia. Ele o buscou por educar uma filha desta maneira. Ele o buscou por dar fundamentação metafísica e geopolítica ao seu imperialismo pan-russo, e assim por diante.

Em resumo. Parece que há terrorismo condenável e terrorismo não condenável. A história soa muito familiar. Na Espanha (e no País Basco em particular), já deveríamos estar curados disso. Quantos progressistas olhavam para o outro lado cada vez que os corpos de pessoas inocentes eram desfeitos em pedaços graças às ações “patrióticas” de gudaris em busca de autodeterminação… e quantos filisteus aceitavam (aceitam) encontrar e fazer pactos com pessoas que trocaram a palavra “assassinato” pela palavra asséptica e cínica “morte” ou mesmo “execução”.

O Ocidente é essencialmente antimoral. Sobre a manipulação de sua própria história e sofrimento, ele construiu seu mito de ser o mestre e guia da humanidade. Este mito caiu em descrédito em três quartos do mundo. O Ocidente, ou seja, o império turbocapitalista e neoliberal, está tentando subjugá-lo, mas já está ficando claro que sua impotência e degradação são imparáveis. Com as últimas campanhas da russofobia e da sinofobia na mídia, e com o neocolonialismo sendo exercido em todo o mundo, inclusive na própria Europa Ocidental, não podemos deixar de notar, se mantivermos a cabeça fria, uma coisa é clara: a época é diferente. Seus dias estão contados. Um mundo multipolar, como o nosso já é, não pode suportar a antimoral dos EUA e da OTAN. Bombardear a vida de uma jovem, ou tentar assassinar seu pai por seus “crimes ideológicos” (pensar “incorretamente” ou lutar com suas ideias por sua pátria, a Rússia) não pode ser a base de nenhum império civilizado. A mídia otanista caiu no puro terrorismo, o mais cru e insuportável.

Agora eles vão reativar a jihad chechena, o “neonazismo” interno, os “oligarcas” descontentes, as lojas e sinédrios, os oponentes devidamente ungidos. Agora eles continuarão a fabricar novos Hitlers, e pela aparência, Putin e Dugin já o são. O império turbocapitalista já justifica da mesma forma que os “antifas” abatidos pela acne adolescente: “o fascismo não é para ser discutido, é para ser exterminado”. Biden, assim como seu império genocida (lembremos nosso 1898 na Espanha) não tem mais nada de adolescente sobre eles. Seu truque de passar pela vida com o disfarce de “antifas”, sabendo como sabemos tudo sobre suas revoluções coloridas, seus golpes militares, seus centros de tortura, suas experiências sociais, suas bombas nucleares e bioquímicas… Eles não parecem ser bons idealistas e “antifas”. É um império que já é muito antigo e inimigo da humanidade.

Há boas editoras espanholas que traduzem e publicam Dugin: Fides, Letras Inquietas, EAS, Hipérbola Janus… Desculpe se eu me esqueço de alguma delas. Comprem seus livros e os leiam. E descubra quem era Daria. Compare sua biografia com a de muitas jovens espanholas maquiadas, como produtos em série, pelo império do dólar. Olhe à sua volta e compare. Procure esse grau de comprometimento e desejo de se destacar em mulheres espanholas e europeias da Europa Ocidental de sua idade, mais ou menos. Não é fácil… Enquanto tudo apodrece ao seu redor, defenda-se através da leitura. E salve-se, condenando sempre a morte de inocentes. E salve-se de condenar as ideias. Você não precisa gostar da filosofia de Dugin, mas não condene este homem à morte por isso. Com máximas tão simples, salvamos a Europa e nos livramos do Ocidente.

Fonte: Adaraga

Imagem padrão
Aladino Yañez-Valdés

Ensaísta espanhol.

Artigos: 6

Deixar uma resposta