O Desemprego na Quarta Revolução Industrial

“Você não terá nada e será feliz”, eis o lema do Grande Reset. Mas, por via das dúvidas, a elite globalista tenta se garantir reduzindo a população mundial. Por que? Porque se a quarta revolução industrial alcançar seus objetivos, bilhões de pessoas estarão desempregadas em algumas décadas. Fermento de caos global.

O termo “quarta revolução industrial” foi cunhado por Klaus Schwab, Presidente do Fórum Econômico Mundial. Muitos outros antes dele nos advertiram; eles disseram: a ideia de que a humanidade – na verdade, os países desenvolvidos – está enfrentando uma nova transformação que acompanha a tecnologia e terá um impacto mais rápido (e profundo) em nossa sociedade do que qualquer transformação anterior. Schwab simplesmente usou sua posição como membro do Comitê Diretor do Clube Bilderberg e como Presidente do Fórum Econômico Mundial para popularizar o termo. Ele é assim um dos rostos públicos da “elite”, daqueles que “puxam os cordelinhos”… Vale a pena conhecer seus critérios.

Ao ler um livro, o leitor assume que o autor é “sincero”. O autor não esconde nada, ele analisa um assunto mais ou menos objetivamente e expressa sua opinião. Na realidade, este não é o caso. Todo autor tende a esconder aspectos que não favorecem sua tese ou que poderiam provocar animosidade dos leitores, ou mesmo gerar reações indesejáveis por parte do leitor. Assim, é preciso ter muito cuidado ao ler A Quarta Revolução Industrial escrita por Klaus Schwab e prefaciada em sua edição em espanhol por Ana Botín (que aproveita a oportunidade para elogiar o Banco Santander, enfatizando o quanto ele se preocupa com os cidadãos…).

O grande reset, ou a panaceia universal

Schwab é também um dos doutrinadores do “grande reset”, a ideia de que a pandemia era uma oportunidade para moldar a “recuperação econômica e as relações globais”. Quando ele lançou esta ideia em 2020, ele foi acompanhado pelo Príncipe Carlos da Inglaterra, herdeiro do trono britânico e membro de outra das famílias de “elite” do mundo. Carlos, após ouvir as propostas de Schwab e as medidas que ele estava propondo em nível global, só concordou em dizer que tudo isso seria implementado “se o povo o aceitasse”.

Schwab deve ter sorrido com tanta ingenuidade (ou cinismo): se chegamos a este ponto, para aceitar a globalização apesar de suas falhas óbvias e da crescente instabilidade da economia mundial, se viemos a votar em “líderes mundiais” como Biden, Sánchez, Macron ou Trudeau, se aceitamos ser enterrados em casa por dois anos por causa de uma gripe de baixa mortalidade, como não podemos aceitar o “grande reset”, e ainda mais se ele nos é apresentado como um caminho cheio de pétalas de rosa.

Schwab, na época, definiu o “Grande Reset” afirmando que “a pandemia representa uma rara oportunidade para reimaginar, refletir, renegociar e reiniciar nosso mundo e forjar um futuro mais saudável, mais equitativo e mais próspero”.

A palavra de ordem do milênio é “sustentabilidade”

Durante os últimos dois anos, os laboratórios técnico-científicos não têm estado ociosos. A sociedade evoluiu, mas a pesquisa e a aplicação de novas técnicas não evoluíram. Além disso, enquanto as pessoas se preocupavam se deveriam ser vacinadas uma terceira ou vigésima vez, se estavam usando a mesma máscara há dois dias, se esta variante do vírus era mais mortal ou se era tudo um exagero, se o ERTE [Expediente de Regulação Temporária do Emprego, que flexibilizava o contrato de trabalho na Espanha] no final do mês e quanto tempo duraria… os laboratórios estavam, naquele exato momento, gerando técnicos para – como Schwab disse – embarcar no “caminho da sustentabilidade”.

“Sustentabilidade” é a palavra-chave em toda esta orgia de slogans: se não formos “sustentáveis”, o planeta morre. E, é claro, se os plos derreterem, se nossa “pegada de carbono” for tangível, se não criarmos plantas energéticas “limpas”… vamos pelo cano abaixo. Todos nós, o navio planetário, perecemos. E nós com ela. Então, quem poderia desistir da “sustentabilidade” do planeta?

E ainda assim é preciso analisar os termos para ver que é uma grande mentira: algo é “sustentável” quando continua com o tempo. E o tempo é uma linha infinita, ainda mais do ponto de vista humano. Esta ideia é complementada por outra: ‘desenvolvimento’ é um sinônimo de ‘progresso’. Se há desenvolvimento, há progresso. Assim, ao juntar os dois termos, é considerado um sintagma otimista: melhor “desenvolvimento sustentável” do que “pobreza insustentável”, é claro.

Entretanto, isto se aplica ao planeta Terra, ou seja, um planeta com possibilidades limitadas. É importante lembrar que não há mais petróleo na terra do que existe hoje, e que ele está diminuindo a cada dia. E o mesmo vale para qualquer outro mineral. Poderíamos prolongar a “era do silício”, graças ao fato de ser um dos elementos mais comuns no planeta… mas não podemos prolongá-la para sempre, porque o silício, como o petróleo, está presente na Terra em um volume específico e finito. A própria ideia de “desenvolvimento sustentável” implica a necessidade de um planeta com recursos infinitos. E este certamente não é o caso.

Bilhões de desempregados: o primeiro efeito da “revolução tecnológica”

Este tipo de ideias, que não têm base objetiva e são facilmente refutadas, estão no centro da teorização de Schwab sobre o futuro tecnológico que está por vir. Por exemplo, em uma demonstração de sinceridade, Schwab reconhece que a “revolução tecnológica” terá alguns efeitos negativos sobre o emprego. E ele diz: assim como a revolução do vapor, a primeira, gerou protestos contra ela, agora há o mesmo risco, mas não há problema, porque novos empregos e novas oportunidades de negócios serão criados. E assim voltamos ao “futuro mais saudável, mais justo e mais próspero” em que eles continuam insistindo. Esta ideia é verdadeira?

Naturalmente, cada revolução tecnológica gera novas expectativas e novos empregos. A revolução neolítica levou a um aumento no número de pessoas que trabalhavam na agricultura, a revolução de Gutenberg levou a um aumento no número de tipógrafos, impressores, encadernadores, e portanto curtidores, fabricantes de papel, etc. Cada revolução tecnológica gerou novos trabalhos que não existiam antes, mas há uma diferença hoje: a impressora já existe há mais de um século. Cada revolução tecnológica gerou novos empregos que não existiam antes, mas hoje há uma diferença: a prensa de impressão existe há mais de três séculos e, ao gerar empregos significativos em relação à população total, o fez gradualmente. Os efeitos da revolução do vapor, que começou em 1760, só começaram a ser sentidos na sociedade industrial um século depois, quando as indústrias têxteis alimentadas por caldeiras proliferaram em todo o mundo desenvolvido. Mesmo quando Henry Ford introduziu as linhas de produção e o taylorismo, seus efeitos sobre o emprego não foram imediatos; não foi até a Segunda Guerra Mundial que eles se generalizaram. Em outras palavras, entre a introdução de uma nova tecnologia e seu impacto social, passam algumas décadas.

Mas este não foi o caso com a “terceira revolução industrial”. A partir do final dos anos 60, a humanidade rapidamente embarcou no transistor e depois no microchip. Desde o advento da Internet até seu uso generalizado, foram necessários apenas oito anos. Muito menos para o surgimento e a difusão da geração inteligente de telefonia. O próprio Schwab nos dá algumas previsões: até 2025, o carro autônomo e os drones de transporte terão se difundido, a robotização das empresas terá chegado por volta da mesma época. E assim por diante. A novidade da “quarta revolução industrial” é a velocidade com que ela está se espalhando. Entenderemos então o “terror” de Schwab em relação à situação que poderia ser criada.

Por exemplo, existem 30.000.000 motoristas profissionais no mundo. Alguns deles trabalham para o que Schwab chama de “empresas disruptivas” (Uber, por exemplo), que é de fato uma “nova oportunidade de trabalho” na “quarta revolução industrial”, mas o que restará desses empregos todos após a chegada dos “carros autônomos” que não requerem motorista? Resposta: 30.000.000 motoristas desempregados no mundo inteiro.

Outra possibilidade: trabalhadores de armazéns de supermercados. Outras dezenas de milhões mais em todo o mundo que estão destinados a ficar desempregados assim que a robótica entrar nesses estabelecimentos.

Ainda mais: motoristas de entrega. De fato, outras empresas “disruptivas” (Amazon, Bangoog, Alibaba) exterminaram milhões de pequenas empresas, mas também é verdade que elas criaram empregos para motoristas de entregas, sem mencionar o fato de que dentro dos grandes centros logísticos da Amazon eles já estão completamente robotizadas e que em Barcelona, por exemplo, com o volume de nove blocos do Eixample (300×300 metros de superfície), eles empregam apenas 50 pessoas em suas diferentes equipes. Dentro de alguns anos, os drones no ar, miniveículos autônomos no solo, substituirão absolutamente todos aqueles que hoje ganham a vida com entregas. Sem mencionar que, com exceção das grandes cadeias em áreas de prestígio, o resto dos vendedores também estão destinados a perder seus empregos…

E não é apenas um setor que será afetado pela mudança, mas a maioria dos setores de emprego. Isto é algo que os sindicatos não reconhecem e não têm opinião (afinal, eles são remanescentes da segunda revolução industrial e assim permaneceram). O fato é que, em pouco tempo, os níveis de desemprego poderão superar os piores momentos das grandes crises econômicas e não serão gerados pela recessão causada por essas mesmas crises, mas pela mudança tecnológica.

E o problema escondido por Schwab e todos aqueles que, como ele, acreditam num “futuro mais saudável, mais justo e mais próspero” é que os “novos empregos” que certamente serão criados não serão preenchidos por pessoal pouco qualificado, mas que os poucos empregos que são criados em relação aos perdidos exigirão altas habilidades tecnológicas, enquanto que os perdidos não exigem altas habilidades. Os empregos relacionados com a manutenção e o desenvolvimento dessas novas tecnologias irão, é claro, aumentar… mas nada mais. E nunca haverá tantos empregos criados como os destruídos por esta quarta revolução industrial. O acúmulo de desempregados irá inevitavelmente gerar situações explosivas de protesto social.

Isto explica muitas das atitudes dos governos atuais

A partir disto, podemos entender muitas coisas:

  • pode-se compreender por que os governos estão testando a possibilidade de um “salário básico de subsistência”.
  • compreende-se porque todas as medidas aprovadas pelos governos tendem a reduzir a população (começando pelo aborto e terminando com a eutanásia, ignorando as advertências sobre certos aditivos considerados responsáveis pela infertilidade masculina e feminina).
  • compreende-se que as pessoas sejam encorajadas a ter animais de estimação em vez de crianças.
  • entendemos por que existe uma permissividade crescente em relação às drogas e por que os efeitos negativos causados por drogas sociais aparentemente mais inofensivas estão ocultos e as campanhas contra o abuso de drogas desapareceram.
  • entendemos porque se insiste na questão LGTBIQ+, se ela serve a algum propósito, é para justificar o declínio da taxa de natalidade e como cobertura para grandes problemas que, é claro, não são causados pelo fato de que fulano e tal se olha no espelho e se vê como um sexo diferente daquele que lhe é atribuído por seu DNA.
  • compreende-se o interesse em desenvolver sistemas que geram mundos virtuais (o Metaverso e outras iniciativas similares) que facilitarão aos cidadãos a criação de uma realidade virtual na qual eles possam mergulhar, como desejarem, sem qualquer contato com a realidade objetiva, e na qual permaneçam em estado de letargia física.
  • compreende-se que o grande terror das elites econômicas e dos cultos globalistas é a reação da população a um futuro no qual a grande maioria terá que viver de caridade pública em uma situação muito bem descrita pela literatura cyberpunk.
  • também compreende-se porque os governos ocidentais permitem a imigração em massa sem restrições, o que contribuirá para a perda de identidade e a conversão das sociedades ocidentais em um tabuleiro de xadrez de pequenos grupos étnico-religiosos-sociais sem ligação, impedindo qualquer desafio global.
  • em resumo, compreende-se porque os governos e os grandes centros de decisão globalistas (ONU, UNESCO) e globalizantes (Clube Bilderberg, Fórum Econômico Mundial) estão com tanta pressa em ter leis, constituições e conceitos alterados antes que ocorra uma onda de protestos globais, impedindo a realização de seus planos para um “futuro mais saudável, mais justo e mais próspero”. Se estas mudanças legais e constitucionais vierem após a revolução tecnológica ter deixado centenas de milhões de pessoas desempregadas em todos os países, pode muito bem haver um retrocesso – mesmo violento – contra os promotores e presságios deste futuro. É por isso que eles estão correndo para apertar os parafusos na sociedade, criando falsos problemas, estabelecendo leis draconianas, reformando a educação para extremos ridículos, tentando apagar todos os traços de identidade na população.

É importante saber que a “quarta revolução industrial” é, em todos os aspectos, impossível e incompatível com o destino humano. Ela foi concebida por “elites” econômicas, beneficiárias da globalização, com concepções culturais globalistas. Foi concebida para seu próprio benefício e envolto em suas ilusões ideológicas. Não foi projetada para você, nem para mim, nem para nossos vizinhos, nem para nossos filhos.

Sua “quarta revolução industrial” não é o que a humanidade precisa.

Fonte: Strategika

Imagem padrão
Ernesto Milà

Analista político espanhol.

Artigos: 6

Deixar uma resposta