A Morte de Daria Dugina: Demonstração da Falência Moral do Ocidente

O assassinato de Daria Dugina pela inteligência ucraniana (com cúmplices ainda desconhecidos), celebrado, relativizado e justificado pela maior parte da mídia ocidental, é a prova final de que o Ocidente não tem mais salvação.

Fomos atingidos pela notícia do assassinato de Daria Dugina em um ataque terrorista que, como afirmou Maria Zakharova, a porta-voz do Kremlin, levou o selo da SBU ucraniana. O alvo do atentado foi provavelmente Aleksandr Dugin, o pai de Dasha, mas como o destino quisesse, ele não entrou no carro depois de um festival que ele havia participado com sua filha. É provável que os dois tivessem planos diferentes após o festival, então Daria levou o carro do pai e Dugin a seguiu em um carro de amigos. Na estrada que leva a Moscou, o Toyota da Dasha explodiu em uma bola de fogo. A filha de Dugin morreu no local diante dos olhos de seu pai.

Isto ocorre quando o Capitólio dos EUA debate se deve declarar a Rússia como um Estado “terrorista”. Isto está acontecendo quando a tão anunciada ofensiva ucraniana de agosto, na qual um milhão de soldados iriam recapturar os territórios perdidos em fevereiro, provou ser uma farsa, acabou se revelando nada mais do que a vanglória de um cocainômano, intempestividade dos gângsteres de Kiev.

O assassinato de Daria Dugina, o bombardeio da usina de Energodar e os ataques à população civil de Donetsk são os únicos “sucessos” recentes que a Ucrânia pode mostrar em uma guerra que perdeu. Enquanto isso, a ação metódica, lenta e cautelosa das armas russas libera uma praça do mapa de Donbass todos os dias e sangra as tropas de Zelensky incessantemente e continuamente. O exército ucraniano se parece cada vez mais com a Wehrmacht de ’44, na véspera de Bagration.

Aleksandr Dugin era um alvo fácil, desprotegido e famoso, a vítima ideal para um rufião do calibre de Zelensky, sempre tão atento ao impacto da propaganda. Dugin não pertence ao círculo governante da Rússia, por mais que a imprensa atlantista insista, e é bastante crítico a Putin, mas a caricatura predominante no Ocidente do “Rasputin do Kremlin” e “ideólogo” da campanha de libertação de Donbass fez dele um alvo perfeito para a figura histriônica que governa os tristes destinos da Ucrânia. A FSB já havia desmantelado várias tentativas da SBU de assassinar figuras públicas russas, a mais conhecida das quais foi a tentativa de matar o jornalista Vladimir Soloviov; mas o sentimento predominante dentro da Rússia era de completa segurança: os russos não têm consciência de estarem em guerra, a vida cotidiana continua como de costume, inalterada. No entanto, temia-se que algo como o que aconteceu hoje à noite pudesse acontecer.

Filósofo, ensaísta e geopolítico de renome mundial, Dugin foi um alvo fácil e óbvio para o terrorismo ucraniano e é estranho que nenhuma medida tenha sido tomada para sua proteção, como aquelas tomadas para um general, um diplomata ou um funcionário de alto escalão. Além disso, intelectuais com forte presença pública sempre foram alvo do regime do Maidan: em abril de 2015, Oleg Buzina, um brilhante escritor e jornalista ucraniano que favorecia a manutenção dos laços com a Rússia, foi sequestrado, torturado e morto pelos esquadrões da morte de Poroshenko; seu caso foi apenas mais um numa caça aos jornalistas e editores “pró-russos” que nenhuma mídia ocidental se importava. O caso de Buzina é famoso por causa do status intelectual da vítima e porque seus assassinos foram identificados e até mesmo presos, apenas para serem libertados pelo mesmo Ministério Público que arquivou o julgamento por crimes econômicos de Hunter Biden. Este é o regime em vigor em Kiev e defendido pelas democracias liberais do Ocidente.

Mas as potências atlantistas já são mais do que veteranos no uso do terrorismo contra a Rússia: nos anos 90, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos estavam por trás dos ataques dos salafistas chechenos (o idílio dos anglo-saxões com o extremismo islâmico vem do Afeganistão, onde sua criatura favorita, a Al Qaeda, nasceu). Vladimir Putin, ao leme da inteligência russa naqueles anos, não tirou as conclusões necessárias até 2007. Nada de novo sob o sol: como no Afeganistão, Iraque, Síria e Líbia, a América e seus satélites matam, torturam, bombardeiam e matam à fome seus adversários, mas os “terroristas” são sempre os outros.

Daria Dugina foi morta de forma particularmente covarde, lembrando as bombas de membros do ETA. Enviamos nosso amor e nossas condolências a Aleksandr Dugin, um pensador que admiramos, e esperamos também que este crime não fique impune.

***

Não há mais dúvidas, somente os jornalistas mais viciados e a ralé de escravos atlantistas podem negar as evidências: Daria Dugina foi morta por uma agente da SBU. A Ucrânia de Zelensky é um Estado terrorista: não só pelo que está fazendo no momento com os civis de Donetsk e o que fez com os prefeitos “pró-russos”, assassinados por seus esquadrões da morte, ou com as centenas de pessoas desaparecidas nos últimos meses, mas porque seus servidores realizam atos de terrorismo no sentido estrito da palavra.

Natalya Shaban (vulgo Vovk), nascida em 1979, portadora do cartão NG [Guarda Nacional] 057529 das Forças Armadas Ucranianas, emitido em 2020, entrou na Federação Russa em 23 de julho de 2022 e se estabeleceu em um apartamento alugado no mesmo bloco de apartamentos onde vivia Dasha Dugina. Natalya Shaban esteve no festival Traditsiya, para o qual os Dugins foram convidados, e deixou o festival antes de terminar na direção do oblast de Pskov, de onde entrou na Estônia, membro da OTAN e da chamada União “Europeia”, assim como um refúgio para os terroristas, desde que as vítimas sejam russas. Natalya Pavlovna escapou da prisão em questão de horas, o tempo que a FSB levou para identificar a vizinha fugitiva do prédio de apartamentos onde Daria Dugina morava e verificar o rosto da suspeita contra seus dados militares ucranianos, dos quais tem uma abundância, tanto pelo trabalho de seus hackers como pelo que conseguiu apreender em Mariupol e Lisichansk. Apesar de ter sido bem sucedida e se esquivar do FSB a sangue frio, presumimos que a vida futura de Natalya Pavlovna será muito difícil e sua velhice improvável.

A maneira como Dasha foi morta mostra que, assim como houve um comando da ETA em Madri nos anos 80, há um comando da SBU em Moscou na Rússia. O agente executor veio apenas para colocar a carga assassina; o trabalho de base já havia sido feito por outros. Tal ataque covarde, com o mesmo método utilizado pelo ETA, não pode ser realizado sem a previsão de uma estrutura que estabeleça as metas, as siga, evite os riscos e prepare o material para o executor. A FSB já havia abortado várias tentativas dos assassinos da OTAN, mas uma delas deve ter sido bem sucedida simplesmente por causa da probabilidade e porque nada é mais fácil para um ucraniano do que se misturar com a população russa. É lógico que a estrutura terrorista do regime Zelensky em Moscou é estável, mas pode não ser composta apenas de ucranianos.

Pouco depois do assassinato, um velho conhecido da pior política russa, Ilya Ponomariov, palhaço do oligarca Khodorkovsky (o antigo dono da companhia petrolífera Yukos) e sócio do imortal Navalny, o super-homem capaz de resistir a um tiro do mortífero Novichok, apareceu na televisão de Zelensky. Ponomariov é conhecido por várias razões: primeiro, por a Duma ter concedido ao Ministério Público russo o pedido de sua acusação no caso Skolkovo por desvio de fundos e apropriação indevida de fundos. Em segundo lugar, ele tem o triste mérito de ser o único deputado da Duma que votou contra a reincorporação da Crimeia na Rússia em 2014. Tal personagem só poderia acabar em Kiev, similis simili gaudet. Em 2012 ele já participava dos protestos financiados por Soros. Em 2014 ele escapa para os Estados Unidos e trabalha para o grupo de reflexão CSIS da rede Open Society, que o financiará com solicitude paternal. Da América ele marcha para a Ucrânia do Maidan, onde seu patrono filantrópico não tem pouco interesse na indústria energética.

É este herói do liberalismo global que apareceu na televisão de todo o mundo vangloriando-se das circunstâncias do ataque e anunciando que o assassinato de Daria Dugina foi obra de “bons russos”, membros de uma organização fantasma chamada Rospartisan, os guerrilheiros russos. Possivelmente o nome mais apropriado teria sido Rosquisling. Ele até se deu ao trabalho de editar um manifesto e aparecer sob uma bandeira horrível, fria e branca com uma faixa azul, como uma mortalha ou um lençol hospitalar. Ponomariov é um homem de Soros com contatos óbvios com o governo ucraniano e sua formação ectoplasmática é mera propaganda, um programa de TV dirigido pela SBU e pela CIA, o que não exclui que ele tenha algumas dezenas de pistoleiros em território russo. Não será por falta de fundos que ele não será capaz de encontrar colaboradores.

É interessante notar que a figura de Aleksandr Dugin tem sido grotescamente ampliada pelos espelhos distorcedores da imprensa ocidental nos últimos tempos. Ao contrário da opinião comum, falta ao Dugin poder político e acesso aos círculos governamentais. É ridículo supor que alguém com a personalidade fria e forte do presidente russo seria influenciado por qualquer Rasputin, mas pode-se esperar qualquer coisa da mídia ocidental de “notícias”. O fato é que a imprensa europeia e americana transformou o pai da geopolítica contemporânea em uma espécie de Deus ex machina do Kremlin, o que é simplesmente risível para qualquer um que saiba alguma coisa sobre a situação. A única influência de Dugin é intelectual, principalmente devido a um livro didático acadêmico, seus Fundamentos da Geopolítica. A vida de Dugin é a de um famoso professor, mas é pouco diferente da de um russo com uma boa vida: sem Aurus blindado, sem guarda-costas, sem assento na Duma, sem assento na diretoria de uma grande empresa. Na véspera do assassinato, a estação de televisão ucraniana Groshi TV dedicou um programa a Dugin, destacando todas as fábulas da imprensa atlantista. Depois de Putin, Dugin é o russo mais demonizado pelo Ocidente, o que nada tem a ver com seu real status na paisagem política e até mesmo cultural da Rússia. Mas a estatura mítica que seus inimigos lhe deram faz dele um alvo extremamente fácil para uma operação terrorista de alto nível. Matar Dugin vai dar ao mundo a impressão de que a Ucrânia destruiu o “cérebro” de Putin, sua eminência parda, seu estrategista na câmera. Especialmente depois da embaraçosa propaganda ridícula de Zelensky feita da ofensiva de agosto.

Além disso, conforme descobrimos mais fatos, é claro que o alvo central era Aleksandr Dugin, mas o meio pelo qual ele deveria ser atacado era a desprotegida e indefesa Dasha. Quando o agente – o simples instrumento bípede de Zelensky, Arestovich e Biden – plantou a bomba, o alvo eram os Dugins. Apenas uma reviravolta do destino desviou o golpe, embora teria sido melhor, sem dúvida, que o pai não tivesse sobrevivido à filha. Mesmo assim, ainda é preciso ouvir que Dasha foi sacrificada por causa das ideias do pai. E, com isso, muitos sicofantes atlantistas justificarão o assassinato; como beatas hipócritas e avarentos com capuz negro e almas mais negras (se tiverem alguma), eles desviarão a responsabilidade por este crime para aquele que não tinha nenhuma. Como se a altamente inteligente e culta Dasha, especialista em política francesa e oradora brilhante, fosse incapaz de formar sua própria opinião, tão desmiolada e tão submissa à autoridade como uma jornalista europeia.

A família Dugin já havia sido sancionada por aquele convento de agiotistas que se chamam a si mesmos de “comunidade internacional”. E como Dasha estava orgulhosa disso: era como uma decoração que reconhecia sua luta contra o globalismo. Mas estas medidas tinham como alvo uma família sem fundos no exterior (o objetivo das sanções é “expropriar” ativos russos no exterior): O Ocidente aponta e a Ucrânia dispara – não nos lembramos já do que a ETA e o PNV faziam? Nossa memória é tão curta?

A Ucrânia continuará a atacar civis na Rússia, porque não pode lidar com os exércitos e milícias de Donbass; derrotada em Kherson, em Mariupol, em Severodonetsk, em Lisichansk, em Popasna, em Peski, o regime atlântico de Zelensky só tem este tipo de “vitórias”: matar uma intelectual indefesa, bombardear os bairros residenciais de Donetsk, bombardear a usina nuclear em Zaporozhya. Isto não é novidade, os gângsteres que governam a Ucrânia são uma reencarnação da China nacionalista de 1945-1950 e do Vietnã do Sul de 1975. Algum dia, espera-se que em breve, a coisa toda entrará em colapso. Então, quando tudo terminar, ficaremos com a memória da vulgar caneca de um palhaço infame e seu cruel, corrupto e senil souteneur; mas também a memória clara, limpa e bela de Daria Dugina, a Joana D’Arc dos povos livres, morta jovem, como os heróis, favoritos dos deuses.

Fonte: El Manifiesto

Imagem padrão
Quinto Sertorio

Analista político espanhol.

Artigos: 6

Deixar uma resposta