O último adeus de Alexander Dugin a Daria Dugina, em Ostankino

Alexander Dugin, pai da jornalista e filósofa Daria Dugina, deu-lhe seu último adeus em um discurso proferido durante o serviço funerário civil de sua filha, tragicamente assassinada por um ataque desprezível do serviço de segurança ucraniano.

O texto completo do difícil discurso de Dugin foi disponibilizado para compartilhamento durante a transmissão ao vivo pelo canal de TV Tsargrad:

Eu queria educar minha filha da maneira a partir da qual eu vejo o ideal de um homem. Antes de tudo, a fé. Ela passou toda sua infância em acampamentos ortodoxos e indo à igreja. Isso é importante, mas eu também queria que ela fosse uma pessoa ortodoxa inteligente, então sua mãe e eu a aconselhamos a se tornar uma filósofa. E ela se tornou uma. Não sei dizer se ela é profunda como filósofa, mas ela tentou ir nessa direção. Agora, talvez surjam coisas que ainda não tínhamos visto, notado.

Desde sua infância, suas primeiras palavras, que naturalmente não lhe ensinamos, foram ‘Rússia’, ‘nosso poder’, ‘nosso povo’, ‘nosso império’. E foi isso que a tornou tão perfeita. Passando por provações difíceis, ela apenas se tornou uma pessoa muito melhor do que nós fomos.

Em nossa família, issi sempre foi, desde o início, uma realidade concreta: é preciso ser melhor, é preciso ser superior, é preciso ser mais corajoso, é preciso ser mais inteligente, é preciso ser mais perfeito. Às vezes não a elogiavamos e ela notava. Estávamos lhe dizendo: “Isto é uma falha, seja melhor, seja melhor, seja mais elevada”. E talvez tenhamos exagerado.

Ela não tinha medo, na verdade. E a última vez que ela e eu conversamos no Festival Tradição, ela me disse:

‘Papai, sinto-me como uma guerreira, sinto-me como um herói, quero ser assim, não quero nenhum outro destino, quero estar com meu povo, com meu país, quero estar ao lado das forças da luz, isso é o mais importante.’

Em minha última palestra com ela, eu lhe disse que a história é uma batalha entre luz e trevas, Deus e seu Adversário. E mesmo nossa situação política — nossa guerra na Ucrânia, mas não com a Ucrânia — também faz parte desta batalha da luz e da escuridão. Nem mais, nem menos. E quando estávamos saindo, um minuto antes de sua morte, a morte que aconteceu diante de meus olhos, a canção de Akim Apachev ‘Em Azovstal eles enterram demônios’ estava tocando. Ela queria ficar para ouvir, mas nós fomos mais cedo. Não teria mudado nada.

O sentido de sua vida: isso é o que é marcante, foi significativo, foi sólido; apesar do fato de ser quase uma menina (ela nem sequer viveu trinta anos), ela se foi. Porém ela se moveu na linha desta lógica, que se tornou sua lógica. E por isso estou muito grato e comovido: não pensei que ela fosse conhecida e que seria tratada dessa maneira.

Ela era o que era. Quanta duplicidade há em nossas vidas, quanta covardia, e ela não era assim, ela era inteira, foi educada dessa maneira, e seu jeito de ser é um argumento incrível, o argumento mais assombroso, talvez monstruoso, de partir o coração, de que ela estava certa. Que este é o caminho a seguir. Era por isso que ela não teria querido um destino diferente, uma vida diferente.

Ela amava a fama que lhe faltava, pois ela sempre foi pouco elogiada. E agora, quando o Presidente lhe concedeu a Ordem da Coragem, posso apenas sentir como ela está feliz, como ela diz: ‘Veja, papai, como eu sou boa, e você o disse’. Sim, fama amorosa por seu lado bom: o que há de errado com isso se tudo tem a ver com a luz? Se você se oferece no altar de seu país, com sua fé e sua verdade, se te dão o crédito, que mal há? Muito pelo contrário.

Sinto muito, não consigo falar, estou muito grato a vocês, estou grato a todos, a todo nosso povo, não sabia que poderia ser assim, e a todos que vieram, e a todos que responderam, a todos que escreveram. Acontece que eu não sabia quem era minha pessoa e meu amigo mais próximo e mais próximo dos outros.

Desculpe, acho que a última coisa que quero dizer é que para ela a vida tinha sentido, o sentido era a coisa mais importante para ela, ela vivia por esse sentido. E se isso afetasse alguém, sua morte trágica, sua personalidade, sua integridade, ela teria um desejo: ‘não se lembrem de mim, não me glorifiquem, lutem por nosso grande país, defendam nossa fé, nossa santa Ortodoxia, amem nosso povo russo’, porque ela morreu pelo povo, ela morreu pela Rússia no front, e o front está aqui. Não apenas ali — aqui, dentro de cada um de nós.

E o maior preço que temos que pagar só pode ser justificado pela conquista final, pela vitória. Ela viveu na época da vitória, e morreu na época da vitória. Nossa vitória russa, nossa verdade, nossa ortodoxia, nosso país, nosso poder.

Os entes queridos de Daria Dugina, colegas e militantes vieram para se despedir dela.

Os líderes das facções da Duma: Rússia Unida (Sergei Neverov), Partido Liberal-Democrático da Rússia (Leonid Slutsky) e Rússia Justa – Pela Verdade (Sergei Mironov) também falaram na despedida. Em seus discursos, os parlamentares enfatizaram que a menina seria vingada e as ruas e praças na Rússia teriam o nome dela.

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 585

Deixar uma resposta