Os EUA tem a mira sobre a China

A China definitivamente parece estar no topo das preocupações americanas. A CIA está lançando um novo projeto destinado a fomentar ações contra Pequim. Para isso, o governo dos EUA está até mesmo transferindo dinheiro que era destinado a investir em medidas contra o terrorismo. Na prática, isso significa que as tensões entre Washington e Pequim provavelmente continuarão sérias por muito tempo.

Recentemente, a Associated Press informou, citando fontes, que o centro de missão de “contraterrorismo” da CIA está tendo seu orçamento e pessoal redirecionado para um novo centro, que seria focado na China. As fontes referem que, embora o terrorismo continue a ser uma “prioridade” para a agência, a China é actualmente considerada a maior ameaça para os EUA, razão pela qual seriam necessários mais esforços para criar medidas destinadas a neutralizar o país asiático.

A notícia chega alguns dias depois que os EUA realizaram uma operação de inteligência militar que matou Ayman al-Zawahri, um suposto líder da Al Qaeda, em Cabul. À medida que a operação acontecia, a China intensificou seus exercícios militares no Estreito de Taiwan, formando um bloqueio aéreo e naval contra a ilha. Especialistas americanos supostamente sugeriram que esse fato provou que o terrorismo, embora ainda seja um problema, não é mais a principal prioridade americana, já que Pequim está aproveitando o tempo gasto em “contraterrorismo” pelos americanos para avançar ainda mais em suas ambições. Essa “nova situação” justificaria uma mudança de foco por parte da inteligência americana.

Douglas Wise, ex-agente da CIA que trabalhou no centro de contraterrorismo, comentou o caso e avaliou que a transição não será tão fácil, já que nas últimas décadas os EUA dedicaram grande parte de seu aparato de inteligência à questão do terrorismo . Wise acredita que uma “cultura” antiterrorista foi desenvolvida na CIA, que levará anos para ser superada por um novo foco. Ele ressaltou que será necessário um “plano racional” de transição, caso contrário a inteligência dos EUA ficará estagnada e sem capacidade operacional, o que sem dúvida favorecerá os inimigos dos EUA.

É preciso ressaltar, porém, que a notícia não é tão surpreendente quanto parece à primeira vista. Os EUA vêm promovendo um foco de inteligência para uma “missão anti-China” desde o ano passado, quando, em outubro, a CIA anunciou a criação de um centro de operações contra a China. O que parece estar acontecendo agora é simplesmente a oficialização desse novo foco de atenção, além do redirecionamento orçamentário e de recursos humanos. A China se tornará oficialmente o maior medo dos americanos e a prioridade de segurança nacional de Washington.

Além disso, a criação desse novo centro de inteligência anti-China, ainda mais especializado e equipado que o anterior, parece ser uma consequência direta do programa de política externa de Biden, que se propunha simplesmente a confrontar todos os países “inimigos” ao mesmo tempo, crescentes tensões em todo o mundo. Enquanto Trump direcionou a oposição a Pequim para um foco comercial provocando uma “guerra comercial”, Biden intensificou o confronto no campo militar e de inteligência, o que colocou o mundo em risco.

Resta saber quais dados justificariam essa avaliação sobre a existência de uma “ameaça chinesa”. A intensificação das atividades militares chinesas nos últimos dias veio como resposta a uma provocação americana. Se os EUA não tivessem enviado a presidente da Câmara Nancy Pelosi a Taipei, a China não teria iniciado os exercícios atuais. Parece não haver sentido em considerar Pequim uma ameaça por responder a uma provocação que os próprios EUA fizeram.

Obviamente, ambos os países têm várias divergências e podem, sem dúvida, ser considerados estados rivais, mas não parece de forma alguma prudente direcionar essa oposição para um aspecto de inteligência. Isso torna a situação mais séria e abre precedentes para uma cadeia interminável de contramedidas. Se a inteligência dos EUA tem a China como foco, a inteligência chinesa também será forçada a ter os EUA como alvo principal. E assim, as tensões só tendem a aumentar.

Também é necessário notar que o terrorismo tem sido considerado a principal ameaça global nas últimas décadas. O combate ao terrorismo é uma prioridade de segurança nacional em quase todos os estados. A possibilidade de substituir a importância de combater esse inimigo global pelo combate a um país específico é algo verdadeiramente ultrajante e motivo suficiente para aumentar ainda mais as tensões.

A melhor medida que os EUA poderiam tomar em relação à China seria simplesmente parar de provocar o país asiático e permitir que seu processo de reunificação nacional ocorra da forma mais pacífica e soberana possível. Quanto menos interferência americana nos assuntos chineses, mais pacificamente as tensões serão resolvidas.

Imagem padrão
Nova Resistência
Artigos: 585

Deixar uma resposta