Reflexões sobre a Trajetória de Winston Churchill

Nos acostumamos a ver Winston Churchill retratado como herói por todos os liberal-democratas, mas será que a análise de sua trajetória política confirma esse adjetivo?

30 de novembro de 1874: nasce Winston Spencer Churchill no Palácio Blenheim, Woodstock, Oxfordshire. Após uma juventude aventureira e um passado como repórter em todos os pontos quentes do mundo, este político conservador britânico rompeu com a tradição moderada e equilibrada da política whig inglesa desde o início de sua carreira política.

No final do século XIX e na primeira década do século XX, houve uma divisão entre dois campos entre os conservadores britânicos: por um lado, os partidários das “tarifas protecionistas”, que queriam manter o Império Britânico em autarquia, abrigado da turbulência do mundo; por outro lado, uma franja mais liberal e militante, hostil a essas tarifas protecionistas, e a favor de uma aliança com os Estados Unidos. O jovem Winston Spencer Churchill foi, é claro, o porta-voz desta última.

Quando os protecionistas assumiram o controle do partido em 1904, Churchill juntou-se imediatamente aos liberais, ganhando sucessivos cargos ministeriais até se tornar Primeiro Lorde do Almirantado em 1911. Churchill se descreveu como um “imperialista liberal”, determinado a afirmar o primado britânico sobre os mares, especialmente no Mediterrâneo, contra qualquer poder credível o suficiente para desafiá-lo. Churchill esteve por trás da campanha dos Dardanelos, que terminou em um terrível fiasco. A campanha pretendia chegar a Constantinopla antes dos russos e, no processo, expulsar os alemães que dirigiam o exército e a marinha otomanos. Depois de um breve infortúnio, devido ao desastre de Galípoli, ele se encontrou como ministro no final da guerra.

Uma vez terminada a guerra, seu belicismo visceral, que era a principal característica de suas ações, o condenou a não receber mais apoio político. Temporariamente. Ele teve que esperar até 1924 para se dar a conhecer novamente, desta vez à frente de um movimento “antissocialista”, cujo objetivo era impedir o advento de um contrato social na Grã-Bretanha. Ele defendeu uma postura antissoviética na política externa, uma vez que o ideal revolucionário poderia infectar a Índia e os países árabes, governados pelos ingleses, e assim derrubar o império. Suas posições liberais foram ainda mais acentuadas durante o período de crise de 1926-32. Ele se opôs a todas as medidas para dar autodeterminação aos povos da Índia.

No final da década de 1930, ele se opôs à política de apaziguamento defendida por Chamberlain. A campanha norueguesa, que ele ordenou em abril de 1940, transformou-se num desastre e, ao contrário do caso dos Dardanelos durante a Primeira Guerra Mundial, este fracasso não lhe trouxe nenhuma desgraça: ele foi nomeado Primeiro Ministro. Suas posições não podiam ser descritas como antifascistas ou antitotalitárias: elas eram puramente pragmáticas. Para Churchill, era necessário manter o império, vinculá-lo definitivamente aos Estados Unidos e dominar os mares, com exclusão de todas as outras potências. Este programa o levou a buscar, em vão, o apoio de Mussolini, para transformar a Itália em um Estado fantoche no Mediterrâneo, para manter o controle absoluto sobre o Mar Mediterrâneo e para organizar uma península acessível para completar o cerco da Alemanha em seu flanco sul. Ele defendeu o apoio a Franco, para que a Península Ibérica, por sua vez, servisse de trampolim para um ataque ao centro do continente, como Wellington havia feito contra Napoleão.

Para ele, o inimigo prioritário era a Alemanha, simplesmente porque a Alemanha tinha muito peso na Europa e porque a tradicional política britânica de equilíbrio das potências continentais significava que a Grã-Bretanha tinha que se opor aos mais fortes do continente, aliando-se aos mais fracos e federando suas forças. Para Churchill, a ideologia não contava, ela era de menor importância. O “churchillismo” de hoje é a prática imperialista sem ideologia inspirada, diz-se, por Tucídides e Maquiavel. É um dos ingredientes do variado coquetel que é hoje o “neoconservadorismo” anglo-saxão, cujo denominador comum, o belicismo, é exercido no Oriente Próximo e Médio. Afetado pela trombose em 1955, Churchill, fisicamente muito fraco, retirou-se de todos os assuntos políticos, não interveio no processo da segunda onda de descolonização e morreu, aos 90 anos de idade, em sua magnífica mansão Chartwell, em 24 de janeiro de 1965.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Robert Steuckers

Nascido em 1956, em Uccle, Bélgica, formou-se no Instituto Maria Haps, ligado à Universidade de Louvain, onde obteve o mestrado em inglês e alemão. Ele dirigiu um escritório de tradução em Bruxelas durante vinte anos antes de se dedicar a várias tarefas de ensino de idiomas. Ele criara o think tank “Synergies européennes” em 1994, que organizou cursos de verão na França, Itália e Alemanha. Ele administra, com outros, o site Euro-Synergies, que apresenta aproximadamente 17.000 artigos. Steuckers é autor de vários livros e ensaios, especialmente a trilogia Europe, verdadeira summa sobre a identidade e história dos povos europeus, assim como La révolution conservatrice allemande e Sur et autour de Carl Schmitt.

Artigos: 1

Deixar uma resposta