O que está acontecendo entre Sérvia e Kosovo?

As tensões se acenderam novamente nos Bálcãs, com a ameaça de guerra pairando na fronteira entre Sérvia e o Kosovo, província autodeclarada independente e que foi tomada da Sérvia pela OTAN. O estopim são os desmandos do governo em Pristina, que quer banir os documentos sérvios, utilizados pela minoria sérvia oprimida que ainda habita o país.

Alta tensão entre a Sérvia e Kosovo. Na cidade de Kosovska Mitrovica, localizada no norte do país, ao longo da fronteira sérvia, ressoaram sirenes e sinos de igrejas e mosteiros, confirmando uma possível escalada.

A centelha que despertou tensões locais antigas e nunca adormecidas pode ser encontrada nas novas medidas administrativas lançadas por Pristina. De fato, em 1 de agosto, o governo de Kosovo havia decidido iniciar um novo registro de veículos e não reconhecer o registro de documentos emitidos pela Sérvia. A polícia de Kosovo começou essencialmente uma operação para começar a proibir a entrada no país de cidadãos com documentos de identidade emitidos por Belgrado. Protestos e manifestações irromperam imediatamente. Cidadãos de origem sérvia se reuniram no coração de Mitrovica e mais além.

Segundo a agência de notícias russa Tass, citando o diário Vecherne Novosti, as Forças Especiais de Kosovo foram transferidas de Pristina para o norte e para Metoquia, onde as queixas dos cidadãos sérvios acima mencionados estavam em andamento. Anteriormente, foi relatado que a população sérvia de Kosovo havia protestado nas principais rodovias da região através da construção de barricadas. Várias dúzias de pessoas bloquearam a estrada principal entre Pristina e Raska.

O aviso de Belgrado, o alerta da KFOR

No chão, há todos os ingredientes para que um conflito possa irromper. Não menos importante porque Belgrado reforçou os dispositivos militares ao longo das fronteiras do que não considera um Estado independente, Kosovo.

A Aliança Atlântica está em alerta. De fato, a OTAN disse estar pronta para intervir no norte de Kosovo com sua missão da Força Kosovo (KFOR) – da qual a Itália também é membro – se sua estabilidade estiver “em risco”. Salientando que estava em contato tanto com o lado kosovar quanto com o lado sérvio, a KFOR apelou para o diálogo, mas também declarou que estava pronta para tomar “todas as medidas necessárias para manter a estabilidade”.

À noite, as autoridades kosovares fecharam dois postos de fronteira com a Sérvia devido a bloqueios de estradas criados por manifestantes de etnia sérvia kosovar. A mídia internacional noticiou que o presidente sérvio Aleksandr Vucic, em um discurso televisionado, mostrou um mapa de Kosovo coberto pela bandeira sérvia e advertiu que se os sérvios forem ameaçados, a Sérvia sairá vitoriosa. “A Sérvia nunca esteve em uma situação tão complexa e difícil”, disse Vucic em um discurso à nação.

A origem das tensões

Após uma noite agitada, para dizer o mínimo, o governo de Pristina tomou uma medida para reduzir a tensão no norte do país, uma área, a propósito, com maioria sérvia. O procedimento que impunha a proibição de placas de matrícula e documentos de veículos sérvios foi adiado por um mês, para o primeiro dia de setembro. As autoridades de Kosovo pediram aos cidadãos que removessem as barricadas e restaurassem o sistema viário no norte do país. Vucic disse que esperava que a escalada fosse reduzida, e disse que era extremamente importante que o diálogo continuasse e que as questões fossem resolvidas pacificamente.

Mas qual é a raiz das tensões? Como mencionado, trata-se de uma prática burocrática, aparentemente inofensiva: as placas de matrícula dos carros. Para entender melhor a questão, precisamos dar um passo atrás. Após a declaração de independência de Kosovo da Sérvia há 14 anos, quase 50.000 sérvios residentes no norte do país continuaram a usar documentos e placas de matrícula emitidos por Belgrado. Nas últimas horas, o governo de Kosovo estava pronto para introduzir novas medidas para obrigar todos os cidadãos, inclusive os sérvios do Kosovo, a terem placas de matrícula e carteiras de identidade homologadas. Daí os rumores. Agora a situação parece ter se normalizado, mas a paz nestas partes é muito frágil.

Fonte: InsideOver

Imagem padrão
Federico Giuliani

Jornalista italiano, especializado em estratégia de comunicação política.

Artigos: 1

Deixar uma resposta