Os EUA estão com medo da atuação da mídia russa na América Ibérica

Senadores estadunidenses começaram a exigir o bloqueio da transmissão da RT e da Sputnik nos países ibero-americanos. É a demonstração do medo da perda da influência estadunidense sobre os povos oprimidos das Américas.

Vários senadores americanos exortaram as principais plataformas de mídia social a censurar os meios de comunicação internacionais russos de língua espanhola financiados publicamente, como RT e Sputnik, num movimento que a embaixada russa naquele país condenou como um sinal do medo de que os ibero-americanos rejeitem a propaganda de Washington. É exatamente isso, pois os EUA têm medo de que a mídia russa liberte milhões de mentes ibero-americanas e assim acelere o declínio da influência daquele hegemon em toda a parte do mundo que condescendentemente considera ser seu chamado “quintal”.

Esse processo já está bem encaminhado há anos e também não tem nada a ver com a Rússia. Ao contrário, as massas ibero-americanas têm lutado consistentemente contra o jugo da hegemonia americana desde a independência de seus países há dois séculos. Sua busca por uma soberania genuína desde então tem visto sua justa parcela de sucessos e retrocessos, mas está mais uma vez em ascensão como a última fase da transição sistêmica global para a multipolaridade trazida pelo conflito ucraniano, que incentiva as massas a recuar contra o hegemon hemisférico como nunca antes visto que elas sentem sua fraqueza.

As consequências contraproducentes das sanções ocidentais lideradas pelos EUA contra a Rússia prejudicaram irremediavelmente a base econômico-financeira da qual a hegemonia daquela Grande Potência mais diretamente depende, o que, por sua vez, desencadeou um ciclo autossustentável de processos multipolares em todo o mundo e especialmente no hemisfério ocidental. O Presidente Putin, por sua vez, compartilhou seu manifesto revolucionário global na semana passada para inspirar as massas globais a se erguerem e a abandonarem o jugo hegemônico dos EUA de uma vez por todas, que é exatamente o que os ibero-americanos já vêm fazendo.

Ninguém em nenhum lugar do mundo tem a experiência que eles têm de lutar contra o imperialismo americano em suas muitas formas. As massas ibero-americanas vêm lutando há mais de dois séculos para este fim e assim aprenderam a reagir de forma mais eficaz contra seu vizinho do norte. Os EUA perderam o controle do hemisfério nos últimos anos e agora estão na grande defensiva estratégica diante da onda de revoluções democráticas das massas. A mídia russa ajudou a guiar sua visão de mundo, mas foram os locais que trouxeram mudanças tangíveis em suas sociedades e aplicaram seus próprios modelos multipolares.

Da África à Ásia e América Ibérica, todo o Sul Global está se erguendo como um todo para abandonar definitivamente as cadeias neoimperiais dos EUA. A mídia russa está relatando ativamente suas respectivas lutas e mostrando a todos que não estão sozinhos, mas cada um está desempenhando seu próprio papel em suas regiões de origem em busca do objetivo coletivo de libertar o mundo inteiro através da Revolução Global. É por esta razão que os senadores americanos têm tanto medo da mídia russa desde que Moscou motivou todos a avançar em direção à vitória final, no momento em que o hegemon global está em seu ponto mais fraco.

Seja em inglês, espanhol ou em qualquer outro idioma que produza, a mídia russa tem servido ao papel de articular a visão multipolar das massas globais, o que por sua vez esclarece o objetivo final de sua luta e educa seu público a se envolver ainda mais ativamente na Revolução Global. Nenhuma quantidade de censura pode mudar estes fatos. Pelo contrário, quanto mais os Estados Unidos tentam fechar a mídia russa, mais ela encoraja seu público internacional a reagir ainda mais ferozmente contra a hegemonia dos EUA, pois todos eles sentem o quão assustado e fraco se tornou o hegemon em declínio.

Fonte: One World

Imagem padrão
Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro "Guerras Híbridas".

Artigos: 11

Deixar uma resposta