Como estamos?

Apesar dos esforços da OTAN em prejudicar a Rússia com sanções, suas expectativas se frustraram, levando à Rússia um notório avanço no conflito ucraniano pela libertação do Donbass. Nesse cenário, o especialista Leonid Savin responde questões pertinentes sobre a atuação do Ocidente e as estratégias russas.

Por Constantino Ceoldo e Leonid Savin

Quase seis meses se passaram desde o início da Operação Militar Especial da Rússia na Ucrânia, e o cenário diante de nossos olhos não é o que o Ocidente esperava.

As expectativas cultivadas pelas chancelarias ocidentais aqui no Império dos Bons, eram ver uma Rússia perder rapidamente seu impulso inicial, acabando atolada em uma rasputiza de lama, sanções políticas e econômicas e derrotas militares que se tornaram cada vez mais aparentes até os exércitos russos teriam que parar e retornar a Moscou com a cabeça baixa e o rabo entre as pernas, derrotados e humilhados.

É difícil entender o que passa pela cabeça de muitos analistas ocidentais que negam as evidências ou, pelo menos, não suspendem o julgamento na pendência de eventos mais definidos. Talvez um sentimento equivocado de patriotismo leve alguns deles a se alinharem sistematicamente com o que agora é o lado errado desde a queda do Muro de Berlim e a dissolução da União Soviética. Pensar nos outros também traz à mente Udo Ulfkotte, as necessidades da vida diária e aqueles pequenos e indispensáveis ​​luxos que tornam a vida tão agradável para algumas pessoas, que se esquecem de que são apenas rabiscos astutos e pagos.

Apesar do impressionante número de sanções que o Ocidente impôs à Rússia de Putin, apesar da ajuda militar, econômica e de inteligência fornecida ao regime de Kiev, o Donbass agora está quase totalmente liberado e Moscou está se preparando para libertar Odessa e a Transnístria também. A menos que aconteça uma reviravolta inesperada no terreno em favor de Kiev e seu presidente capaz de tocar piano com seu próprio pênis, é muito provável que a guerra termine com a vitória russa e a realização dos objetivos que Moscou estabeleceu para si mesma.

Que objetivos, a médio e longo prazo? Leonid Savin, especialista geopolítico russo, respondeu às nossas perguntas sobre o possível futuro à frente.

1) Por que a política externa americana está presa há décadas nos trilhos usuais com os quais todos estamos familiarizados agora?

A principal técnica dos EUA é simples. Na política interna baseou-se na fórmula do triângulo de ferro (corporações – lobby – governo) que também afetou a política externa. Mas, para as relações internacionais, Washington usa o princípio do bastão e da cenoura mascarado sob a ideia de poder duro/poder brando. Mas o objetivo é o mesmo – controle de recursos no exterior, domínio e hegemonia.

2) É possível que a situação atual, incluindo a guerra na Ucrânia, se deva à razoabilidade excessiva da Rússia em relação ao Ocidente?

É por causa da irresponsabilidade e lógica distorcida do Ocidente. Mesmo nos EUA, muitos cientistas e políticos concordaram que a crise na Ucrânia foi resultado da expansão da OTAN impulsionada pelos EUA. Agora vemos muitas iniciativas executadas por governos ocidentais, especialmente pelos EUA para isolar e separar a Rússia. Espírito da Guerra Fria ainda em suas cabeças. Mas os tempos da Guerra Fria acabaram. A Rússia não vai esperar para ver como o Ocidente tentará destruí-la.

3) A Casa Branca, o Pentágono e o Departamento de Estado estão seguindo o mesmo curso de ação acordado? Ou podemos esperar outra “fronda dos generais” como aconteceu com a Síria?

Parece que a Casa Branca e o Departamento de Estado têm consenso sobre a Rússia. O Pentágono é mais cuidadoso, mas segue ordens de Biden e Blinken. Recentemente, o Departamento de Defesa anunciou que fornecerá assistência adicional à Ucrânia. Então, em geral, vemos uma estratégia unida contra a Rússia.

4) Rússia, mas também Alemanha. A crise na Ucrânia também visa castrar as aspirações de Berlim por uma maior independência de Londres e Washington? Na sua opinião, Berlim poderia ter buscado a proteção de Moscou nos últimos anos, perseguindo uma agenda de longo prazo?

Eixo Moscou-Berlim-Paris é o pior pesadelo para os atlanticistas. Na verdade, no livro de Brooks Adams escrito no final do século 19 você pode encontrar teses sobre a necessidade de os EUA impedirem a amizade da China, Rússia e Alemanha no futuro em benefício de Washington. Os EUA temem a integração continental da Eurásia de qualquer forma. Por isso eles usam a estratégia Dividir e Conquistar. Até agora não há sinal de que Berlim iniciará uma política soberana e independente. Alguns ministros fazem apenas passos tímidos. Ouvimos dizer que a Alemanha não fornecerá mais armas e armas para a Ucrânia, por causa da necessidade de manter a Bundeswehr em estado normal. É legal, mas não o suficiente. Por outro lado, uma boa lição da Rússia, lidando com o fornecimento e os preços do gás, será útil para os políticos alemães pensarem da maneira certa.

5) A Operação Militar Especial na Ucrânia está seguindo o plano?

Sim, exatamente. Está indo passo a passo. Não há prazo concreto, mas metas. Agora a República Popular de Lugansk está liberada. O próximo passo é a República Popular de Donetsk e outras regiões da Ucrânia. A cada dia há menos chances para a ditadura de Zelensky e mais oportunidades para as próximas demandas russas.

6) Kiev corre o sério risco de ficar sem saída marítima e a extensão de seu território amplamente reduzida, mesmo em favor de alguns de seus “amigos” na fronteira ocidental?

“Amigos” na fronteira ocidental estão muito interessados em integrar essas partes da Ucrânia em seu próprio território de vez em quando. Acho que esse tipo de ocasião surgirá em breve. Mas o litoral também tem importância estratégica para a Ucrânia. Na verdade, as regiões que produzem a maior parte do PIB da Ucrânia (setores industriais no Sudeste) estão agora sob controle russo. O porto de Odessa será um bom prêmio após mais sucesso na região de Zaporozhie e na região de Nikolaev quando estiver sob administração russa (espero que muito em breve).

7) Você pode nos dar uma atualização sobre os (infelizmente) notórios laboratórios biológicos dos EUA na Ucrânia?

A última notícia foi sobre conexão sobre cidadãos russos desaparecidos na Ucrânia desde 2014 e atividade desses laboratórios. Agora as investigações estão em andamento.

8) Vamos falar sobre a economia. O sistema MIR torna a Rússia independente da SWIFT e a salvo de sua eventual exclusão?

Dentro da Rússia, podemos usar Mastercard e Visa – ainda não há problema para isso. O MIR é mais independente porque é produto interno, mas limitado no exterior. Agora os governos russos em processo de negociação para instalá-lo em países amigos.

9) Como será a nova moeda de reserva internacional? Será exclusivo ou coexistirá com o dólar?

No mercado de câmbio de ações russo, vemos que o yuan é mais útil do que o dólar americano agora. A China está construindo seu próprio sistema de transações. Além disso, Pequim e Moscou concordaram em organizar mais uma moeda global para evitar qualquer dependência.

10) O momento unipolar americano acabou de vez?

Sim, claro. Mas como qualquer mudança global teremos turbulências por algum tempo.

11) Se me permite, gostaria de concluir com uma pergunta ingênua: por que os povos ocidentais ainda têm tanta certeza de que seus governos são “bons”?

Existem algumas razões. Os governos são do povo e o mito da democracia continua forte. E as elites políticas têm ferramentas de influência desde a educação e a mídia de massa até o aparato repressivo. Finalmente, nas últimas décadas houve uma séria decadência do pensamento político independente efetivado pelo consumismo.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Nova Resistência
Artigos: 577

Deixar uma resposta