A Questão Polonesa: Partição da Ucrânia?

A intensificação do papel da Polônia no conflito agrava o grau da guerra entre a Rússia e o Ocidente, civilização contra civilização. Teoricamente, existem duas soluções: concordar em dividir a Ucrânia, tentando tomar para si o máximo possível e permitir que a Polônia aja por conta própria e não em nome da OTAN; ou seguir até o fim sob o risco de o confronto chegar ao nível nuclear.”

Alguns antecedentes sobre a Polônia: o plano de entregar a Ucrânia ocidental à Polônia já existia antes do início da Operação Militar Especial, quando o Ocidente estava apenas considerando a probabilidade de tal conflito. A OTAN acreditava que a Rússia destruiria o centro de comando em Kiev no início da operação e que isso seria um alerta para a Polônia; a transferência das embaixadas de Kiev para Lviv também estava ligada a isso.

A estratégia russa de se concentrar no Donbass e na libertação da Novorússia, e um certo atraso na operação devido à estratégia terrorista nazista aprovada por Kiev no leste da Ucrânia e a retirada das tropas russas de Kiev, corrigiram o plano inicial. Por um momento, pareceu ao Ocidente que o ataque russo havia falhado. Nesta situação, o cenário polonês foi adiado.

E foi, então, revisitado após a patética rendição dos neonazistas do batalhão Azov. Ficou claro que o Donbass e depois a Novorússia seriam libertados da Rússia mais cedo ou mais tarde e que a frente nazista entraria em colapso. Neste ponto, o Ocidente voltou-se novamente para o plano da “Ucrânia Ocidental como parte da Polônia”. A visita de Duda e os movimentos sem precedentes de Zelensky para integrar a Ucrânia à Polônia – efetivamente abolindo a fronteira – foram um ponto de virada. O plano, pronto desde o início, voltou a ser relevante.

Por um lado, isso torna a tarefa da Rússia muito mais fácil. Agora está claro para todos que a linha ocidental na política ucraniana atingiu um ponto crítico e a escolha não é mais entre uma “Ucrânia não independente” e o retorno da Novorússia à Rússia, mas onde os ucranianos viverão no final da operação: na Rússia ou na Polônia. É assim que se realiza o sonho da UE e da OTAN. Mas para o leste da Ucrânia isso não é aceitável. Finalmente ficará claro para todos por que a Rússia veio. Isso significa que o submundo pró-Rússia reviverá e os patriotas começarão a exterminar os coveiros da Ucrânia pouco a pouco por conta própria.

Haverá também alguma resistência na parte ocidental da Ucrânia, mas ainda não está claro o que prevalecerá, se o desejo servil de aderir à UE e à OTAN ou o puro nacionalismo ucraniano. No entanto, isso é de importância secundária: Kiev é governada por Washington, a população local e seus sentimentos são irrelevantes. A Rússia atua como libertadora de uma nação russa unida, como tem sido desde o século XVII. Aparentemente, é por isso que a questão da autocefalia da Igreja Ortodoxa Ucraniana e a expulsão da Igreja Ortodoxa Russa na Ucrânia se tornou tão aguda. Tudo indica que a integração à Polônia está sendo preparada em ritmo acelerado.

Isso poderia ser explorado se fosse apenas a Novorússia para nós. Vamos liberar o território de Odessa a Kharkov e anexá-lo de uma forma ou de outra, isso já está fora de questão. A Ucrânia Ocidental como parte da Polônia é, à primeira vista, aceitável. Para nós o que é nosso, e a outra metade da fracassada Ucrânia volta ao que sonhava.

Mas há outro aspecto a se considerar.

Primeiro, a OTAN, neste caso, se expandirá em nossa direção e substancialmente. Não em escala total, mas em meia escala.

Em segundo lugar, a introdução de tropas polonesas significaria o envolvimento direto da OTAN no conflito, o que significa que tudo é levado a um novo nível de escalada. A probabilidade de usar armas nucleares aumenta. Mais uma vez há a questão das linhas vermelhas, que a Rússia trabalhou duro e arduamente para estabelecer, e as fronteiras entre o leste e o oeste da Ucrânia, ou melhor, entre a Polônia e a Rússia, terão que ser definidas em batalhas com o contingente da OTAN. Isso é altamente problemático e corre o risco de transformar a situação em uma terceira guerra mundial.

Por fim, o terceiro ponto. A Rússia, ao concordar com a anexação da Ucrânia ocidental pela Polônia, perde seu status de amiga e libertadora do povo ucraniano fraterno, embora isso ainda não seja aparente para muitos. O estado “Ucrânia” não existe mais, mas existem ucranianos e ucranianos ortodoxos, e no oeste da Ucrânia eles são a maioria. Este é um problema a considerar. Acontece que estamos trocando “nossa” metade dos ucranianos pela metade de “outro”, e isso é negócio, não cumprimento de uma missão de libertação.

Como questão privada, a entrega do oeste da Ucrânia para a Polônia pode servir como um excelente argumento para os ucranianos capturados que, com fervor e raiva, estão do nosso lado para libertar o que consideram “sua terra”, não apenas sob coação, mas sob nosso comando.

Após a visita de Duda, Moscou se depara com um novo dilema. Como lidar com o envolvimento direto da Polônia na guerra contra nós?

Historicamente, o Império Russo e mais tarde a URSS se expandiram para o oeste em etapas. Uma área após a outra foi conquistada pela Polônia e pelo Império Otomano, até a Segunda Guerra Mundial, quando a Ucrânia ocidental também foi incluída na URSS. Claro, este não foi um processo linear: também houve partições da Polônia, que acabaram sob o domínio direto da Rússia durante séculos. E mesmo antes disso houve batalhas por Kiev entre os príncipes de Vladimir e da Galicia. Houve várias tentativas de criar um estado metropolitano separado no oeste da Ucrânia, distinto da metrópole da Grande Rússia. A Ucrânia era uma fronteira, uma zona de transição entre duas civilizações, a russa (eurasiana) e a europeia ocidental, e, primeira entre as três, também a turco-islâmica, da qual o Império Russo também arrancou a Novorússia, povoando-a com os seus, tanto camponeses da Grande Rússia quanto cossacos da Pequena Rússia.

O destino da Ucrânia foi, portanto, mudar de mãos, daí a dupla identidade de ser russo ou anti-russo, daí a lealdade e a traição profundamente enraizadas na cultura fronteiriça. Taras Bulba e seu filho. Bogdan Khmelnitsky e Mazepa. A fronteira atravessa famílias, corações.

A intensificação do papel da Polônia no conflito agrava o grau de guerra entre a Rússia e o Ocidente, civilização contra civilização.

Teoricamente há duas soluções:

1) Concordar em dividir a Ucrânia, tentando tomar para si o máximo possível e permitir que a Polônia aja por conta própria e não em nome da OTAN;

2) Seguir até o fim sob o risco de o confronto chegar ao nível nuclear.

Desde o início da operação, eu havia assumido que em algum momento chegaríamos exatamente a esse dilema, mas pensei que viria à tona durante a luta por Kiev. Os acontecimentos se desenrolaram segundo uma lógica um pouco diferente, que não invalida as regularidades geopolíticas básicas, mas as molda cada vez de forma original e imprevisível. É por isso que é uma história viva que tanto pode seguir as linhas do destino como delas partir. Levantar a questão do fim do CFE e quaisquer negociações antes da libertação completa da Novorússia é pura traição – algo que apenas um “agente estrangeiro” poderia argumentar, mas a questão da Ucrânia ocidental não é tão clara.

Se não houvesse risco de guerra nuclear, eu estaria inclinado a apoiar a ideia de assumir o controle de todo o território ucraniano. Isso coincide com os objetivos declarados do presidente de desmilitarização e desnazificação, para os quais é necessário o controle total do território. É assim que o procedimento militar funciona, então não há necessidade de ficar chocado. É claro que receberíamos uma bomba-relógio dentro de nosso território, mas depois dos excessos inerentes à ação militar, a normalização tanto do leste quanto do oeste da Ucrânia exigiria esforços extraordinários de nossa parte em qualquer caso.

As coisas se tornaram muito brutais e sangrentas para que esperemos soluções simples. Toda a Ucrânia é um desafio para nosso próprio ser, e se administrarmos o Oriente, de alguma forma administraremos o Ocidente. E, acima de tudo, preservaremos a Igreja.

Dito isto, libertar somente a Novorússia – com ou sem Kiev – não seria uma “traição” direta. Este plano pode ser considerado sem trair o destino russo. Há espaço para realismo político, para pesar os prós e contras e considerar as consequências, mas não houve essa oportunidade de iniciar uma operação. É uma questão de ser ou não ser, e se decide pelo ser. A posição dos traidores está quebrada e, acima de tudo, a decisão é irreversível.

Com a Polônia, no entanto, a situação é diferente, mas de certa forma não menos tensa. Se é dever de um patriota exigir das autoridades a libertação completa da Novorússia, na minha opinião, na situação com a Polônia é dever de um patriota aceitar a decisão a ser tomada pelo Supremo Comandante.
Uma verdadeira vitória começa com a libertação da Novorússia. O que vem depois disso é com Deus.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 593

Deixar uma resposta