Paquistão: Qual será o futuro?

O primeiro-ministro Imran Khan conhecido por sua política que desagradou os EUA ao se aproximar da Rússia, China e Afeganistão, pressionou clãs oligárquicos com sua política de combate ao suborno e corrupção, vindo a sofrer destituição por voto de desconfiança inconstitucional, momento que suscita a possibilidade do Paquistão regredir sua soberania a ser um mero satélite dos interesses do Ocidente.

Em 9 de abril de 2022, a maioria da Assembleia Nacional do Paquistão votou pela destituição do primeiro-ministro Imran Khan. Embora a câmara alta do parlamento já tenha sido dissolvida pelo presidente Arif Alvi, a Suprema Corte considerou a ação inconstitucional, permitindo que os parlamentares se reunissem novamente para um voto de desconfiança. Após a renúncia do primeiro-ministro, o procurador-geral do país, Khalid Javed Khan, renunciou.

A oposição aplaudiu, enquanto os partidários de Imran Khan tomaram as ruas de Islamabad, Lahore, Karachi, Peshawar e outras grandes cidades. Imran Khan prometeu lançar uma luta contra o golpe organizado por potências estrangeiras. As forças armadas e a polícia foram colocadas em alerta máximo, as medidas de segurança foram reforçadas e os controladores dos aeroportos foram instruídos a não permitir que funcionários e políticos saíssem do país sem a devida autorização.

Em 10 de abril, durante uma reunião da Assembleia Nacional, a oposição nomeou Shahbaz Sharif como novo chefe de governo. Outro indicado para chefiar o governo do partido Movimento da Justiça foi o ex-ministro das Relações Exteriores Shah Mahmoud Qureishi. A votação ocorreu na Assembleia Nacional em 11 de abril. No entanto, o partido Movimento da Justiça boicotou a escolha do primeiro-ministro. Mesmo assim, obteve o quórum necessário. Este procedimento cancela as eleições antecipadas anunciadas anteriormente e agora ocorrerão dentro do cronograma em 2023.

Para um quadro completo do cenário político, são necessárias mais explicações.

O líder da Liga Muçulmana-N, Nawaz Sharif e sua filha Maryam foram condenados por corrupção sob Imran Khan, que foi particularmente zeloso no combate ao suborno, clientelismo e outras manifestações de corrupção política (embora Nawaz Sharif tenha renunciado anteriormente por esse motivo, o que levou a uma eleição antecipada na qual o partido Movimento pela Justiça de Khan ganhou). Embora já condenado e cumprindo sua sentença (sete anos de prisão e uma grande multa), Nawaz Sharif foi autorizado a ir a Londres para tratamento, mas ele nunca retornou ao Paquistão para continuar cumprindo sua sentença. Ele próprio, como seus parentes, representa um grande clã oligárquico no Punjab, o que levou alguns meios de comunicação a dizer que o irmão de Nawaz, Shahbaz Sharif, se tornaria o novo primeiro-ministro. Assim como seu irmão, Shahbaz Sharif tem um passado criminal e está sob investigação por corrupção em contratos de construção e lavagem de dinheiro desde 2018.

O dinheiro deste clã é mantido na Grã-Bretanha. Curiosamente, uma das iniciativas de Imran Khan foi uma tentativa de devolver os fundos exportados ao Paquistão. Uma anistia foi até mesmo declarada, embora poucos dos ricos demonstrassem um espírito de patriotismo. E quando os embaixadores da UE tentaram pressionar Imran Khan a condenar as ações da Rússia, a rejeição emocional do primeiro-ministro Shahbaz Sharif foi chamada de insulto, piorando as relações com a Europa e, portanto, ele teria sido instruído a renunciar.

Outra grande força de oposição, o Partido Popular do Paquistão, que tem sua base eleitoral em Sindh, também se opôs inicialmente às reformas de Imran Khan e criticou suas atividades de todas as maneiras possíveis. O ex-presidente e co-presidente do partido, Asif Ali Zardari, também representa a oligarquia, foi acusado de corrupção em 1990 e passou dois anos na prisão. Ele estudou na Grã-Bretanha e seus fundos também estão na Grã-Bretanha. Além de corrupção, ele é acusado de tráfico de drogas e tem problemas mentais.

A falecida Benazir Bhutto, sua esposa e a primeira mulher chefe de Estado, estava ativamente engajada com os EUA e se opôs ao poder do general Musharraf. Foi através dela que as ideias de minar o establishment militar paquistanês foram transmitidas e a Casa Branca adotou isso quando começou a pressionar Islamabad para realizar eleições democráticas.

Houve rumores de que Bilawal Bhutto-Zardari (filho da falecida Benazir Bhutto e Zardari) pode assumir o cargo de ministro das Relações Exteriores no novo governo. Dada a continuidade do clã familiar no partido, isso é bem possível, apesar de sua pouca idade (33). Entretanto, afirmou que tal decisão só seria tomada pelo seu partido. Mas depois esta informação foi confirmada.

Quanto às avaliações sobre as razões da intervenção, estas são frequentemente indicadas como a posição independente de Imran Khan, bem como os laços com a China e a Rússia. De fato, Imran Khan se mostrou uma figura incrível, que imediatamente após chegar ao poder disse que o Paquistão não seria moeda de troca nos jogos de outros países e não apoiaria o Ocidente em suas guerras regionais. Ele se recusou a condenar as ações da Rússia e estava em Moscou em uma visita oficial quando a operação especial na Ucrânia começou. Mas não se pode dizer que ele tenha tomado uma posição pró-Rússia. Claro que sob ele a questão da dívida do Paquistão, que estava “pendurada” desde os tempos soviéticos e impedia nossos países de intensificar o comércio e a cooperação econômica, foi resolvida. O fim desta questão permitiu que o lado russo entrasse no projeto do gasoduto Pakistan Stream, embora com algumas restrições devido a sanções. O Paquistão, por outro lado, aumentou suas compras de grãos da Rússia e planeja aumentar o volume em 2022.

Quanto à China, a cooperação entre os dois países começou a se fortalecer no início da década de 1970. Foi o Paquistão que atuou como intermediário entre a China e os Estados Unidos, o que levou a uma visita a Pequim do presidente Richard Nixon em 1972 e ao início de uma cooperação ativa entre os antigos inimigos (Washington estabeleceu a tarefa de separar a China da influência de a URSS, o que de fato foi realizado). Então, a China se tornou não apenas um parceiro político do Paquistão, mas também um doador econômico, tendo financiado o projeto-chave de sua iniciativa do Cinturão e Rota, o Corredor Econômico China-Paquistão, que inclui a gestão de Pequim do porto de águas profundas de Gwadar. A dependência da China é bastante extensa. Portanto, é improvável que o futuro governo venha a deteriorar as relações com seu principal doador. Como governador do Punjab, Shahbaz Sharif fez acordos diretamente com a China, o que permitiu o lançamento de grandes projetos de infraestrutura, evitando o clamor político. Portanto, para Pequim, sua candidatura seria bastante aceitável. A embaixada chinesa no Paquistão declarou oficialmente que, independentemente de quem esteja no poder, as relações entre os dois países permanecerão amistosas.

Uma questão importante continua a ser o acordo no Afeganistão. Imran Khan fez progressos significativos na integração dos pashtuns nas áreas fronteiriças do noroeste, que sob ele foram renomeadas Khyber Pakhtunkhwa. Pela mesma razão, o Talibã (proibido na Rússia), cujo núcleo é formado por pashtuns, causou certa ansiedade em Islamabad, o que estimulou uma série de negociações e acordos necessários. Mas deve-se ter em mente que os EUA acusaram quase abertamente o governo de Imran Khan de ajudar o Talibã, o que levou à queda de Cabul e à fuga vergonhosa dos militares dos EUA do Afeganistão. De acordo com o lado americano, o Catar desempenhou um bom papel de mediação para eles, então eles não precisarão dos serviços do Paquistão. Tendo como pano de fundo os ativos congelados no Afeganistão e a recusa dos EUA em continuar financiando o programa de assistência ao Paquistão, podemos supor que Washington agirá agora com uma vara em vez de uma cenoura em relação a Islamabad.

No geral, a atual crise política prejudica o Paquistão em primeiro lugar.

Os governadores de Punjab, Sindh e Khyber Pakhtunkhwa provavelmente renunciarão. Outra divisão de portfólios levará a uma revisão dos projetos e iniciativas atuais (por exemplo, Imran Khan tem sido um forte defensor de iniciativas ambientais e programas sociais). A escolha de Shahbaz Sharif como primeiro-ministro indica a vitória de uma oligarquia com laços estrangeiros. Certamente seu irmão Nawaz poderá retornar ao país e as acusações contra ele serão retiradas, o que levantará questões sobre de que lado está a lei neste país.

Um colunista de um grande jornal paquistanês, em um artigo intitulado “Masoquismo como política”, buscando capturar as especificidades das correntes postas em movimento, escreve que “Hoje, fantasiamos sobre quem pode dar a maior ‘surpresa’, quando enganar ainda mais nossos oponentes, como sacrificar o estado de direito no altar de nossos próprios egos”.

Existe um “mas”. A principal força política no Paquistão, apesar da fachada da democracia, são os militares. É deles que Imran Khan recebeu apoio nas eleições de 2018. É possível que a aprovação tácita dos militares à candidatura de Shahbaz Sharif se deva ao fato de eles terem um arquivo sobre ele, para que ele não tome medidas drásticas que possam prejudicar seus interesses.

Afinal, a palavra “crise” de origem grega também reflete bem a situação atual – é uma fratura ou uma fase de transição. O Paquistão pode escolher a soberania e a multipolaridade, como fez sob Imran Khan, ou pode voltar a ser um satélite das potências ocidentais.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 576

Deixar uma resposta