Virgílio e o Cavalo de Troia: Como Compreender as Guerras Híbridas

Apesar da guerra híbrida se expressar por uma miríade de técnicas ela pode ser melhor vista como criação, controle e manipulação de narrativas. Sendo este o caso, a estratégia permanece a mesma desde o Cavalo de Troia.

Diuidimus muros et moenia pandimus urbis.

Até onde pode ir a credulidade divertida da plebe ocidental (guerra, vírus, vacina, crise…)? Caitlin Johnson falou do grande triunfo das narrativas na Venezuela.

O triunfo da narração de histórias:

“Se você puder substituir esta narrativa por outra, como pessoas poderosas estão tentando fazer atualmente, é teoricamente possível realizar um golpe de Estado por pura narrativa. Você não poderia pedir uma ilustração mais perfeita do poder do controle narrativo”.

É claro que se pode mudar o argumento e considerar que a ausência do uso da força militar pelo império ocidental é um sinal de sua decadência, marcada por um delírio visual-digital e histérico-midiático. Não somos mais tecnicamente capazes de lidar com os russos e os chineses, você entende… Por isso vamos voltar aos bons velhos métodos, à guerra psicológica ao estilo de Demóstenes!

Como diz Virgílio, e vamos relê-lo hoje: “Assim, se deixaram levar por truques e lágrimas fingidas, aqueles que nem o filho de Tideu, nem Aquiles de Larissa, nem dez anos de guerra, nem mil navios, haviam conseguido domar”.

O cavalo de Troia e a guerra de Troia sempre traumatizaram e com razão os ocidentais que, embora sejam descendentes culturais dos gregos, lamentaram o fim dos troianos. Entretanto, o fim de Troia foi merecido, já que os troianos, por cansaço, distração e humanitarismo, deixaram o monstro e seus assassinos penetrarem sua cidade. A guerra híbrida – ou guerra de alteração da percepção – já havia passado por lá, acompanhada de um ataque desarmante, a morte atroz de Laocoonte, sacerdote e protetor espiritual da cidade.

Relemos Virgílio (Eneida, II) com um MÍNIMO de latim:

“Muitos, espantados com a oferta à Virgem Minerva, que seria tão desastrosa para nós, se surpreendem com a enormidade do cavalo. O primeiro, Timetes, nos incitou a trazê-lo dentro de nossas paredes e a colocá-lo na cidadela. Esta perfídia foi de sua parte ou o destino de Troia já o queria dessa forma? Mas Cápis e aqueles cujas mentes são mais clarividentes nos incitam a jogar no mar este presente duvidoso dos gregos, sem dúvida uma armadilha, ou a queimá-lo acendendo uma grande fogueira por baixo, ou a furar seus lados e explorar suas profundezas secretas. A multidão incerta está dividida em opiniões opostas (Scinditur incertum studia in contraria uolgus).”

Na realidade, o dado está lançado, para dizer como o outro. Como o cão Ran-Tan-Plan de nosso impecável Goscinny, os troianos “sentem confusamente alguma coisa”, mas serão impotentes.

Continuando com Virgílio e Laocoonte:

“Mas aqui, à frente de uma grande tropa, Laocoonte, furioso, vem correndo do topo da cidadela, e de longe: ‘Cidadãos miseráveis’, grita ele, ‘qual é a sua loucura? Vocês acham que os inimigos já foram embora? Vocês acham que pode haver uma oferta dos gregos sem alguma traição? É assim que vocês conhecem Odisseu? Ou os aqueus se trancaram e se esconderam nesta madeira, ou é uma máquina feita contra nossas paredes para observar nossas casas e ser empurrada de cima para nossa cidade, ou esconde alguma outra armadilha. Não confiem neste cavalo, troianos. Em qualquer caso, temo os gregos, mesmo em suas oferendas aos deuses (Quicquid id est, timeo Danaos et dona ferentis)!'”

Depois vem o ataque. O ataque, como no nosso caso, serve ao poder aqui, sendo um produtor de horror capaz de quebrar a resistência psicológica e fazer as pessoas aceitarem qualquer coisa; e a morte de Laocoonte vai precipitar o colapso de Troia. Virgílio descreve então estas estranhas cobras:

“Eis que de Tenedos, junto às águas calmas e profundas, – digo-o com horror, – duas serpentes com imensos anéis – (horresco referens – immensis orbibus angues) se alongam pesadas no mar e avançam de frente para a costa. Seus peitos se erguem das ondas e suas cristas cor de sangue dominam as ondas. O resto de seus corpos deslizou lentamente sobre a superfície da água e suas enormes saliências arrastaram suas dobras tortuosas”.

A multidão então reagiu normalmente, culpando a vítima, Laocoonte:

“Por ora trememos e um medo inédito penetra em todos os corações (Tum uero tremefacta nouus per pectora cunctis insinuat pauor): dizemos a nós mesmos que Laocoonte foi justamente punido por seu sacrilégio, aquele que com um ferro afiado profanou esta madeira consagrada à deusa e brandiu um martelo criminoso contra seus lados”.

E então nos ferramos mal ao modo ocidental:

“Gritamos que devemos introduzir o cavalo no templo de Minerva e implorar à poderosa divindade. Nós violamos nossas muralhas; abrimos as muralhas da cidade. Todos começam a trabalhar. Rodas escorregadias são colocadas sob os pés do colosso; cordas de cânhamo são esticadas ao redor de seu pescoço. A máquina fatal atravessou nossas paredes, pesada por homens e armas.”

O entusiasmo se torna religioso, erótico, até sexual (me faz lembrar Marc Soriano que disse da Chapeuzinho Vermelho que ela queria ser comida pelo lobo, como nós pela guerra, pelo globalismo, pela ecologia):

“Ao redor, jovens meninos e meninas cantam hinos sagrados, alegres de tocar o cabo que o arrasta (funemque manu contingere gaudent). Ele avança, desliza ameaçadoramente para o coração da cidade. Ó pátria, Ó Ilion, lar dos deuses, muralhas dardanianas ilustradas pela guerra!”

A multidão está cega pela fúria, os Cassandras, como sempre, são ridículos e inúteis:

“Quatro vezes o cavalo bateu na porta, e quatro vezes sua barriga fez um barulho de armas. No entanto, continuamos, sem parar, cegos por nossa loucura (instamus tamen inmemores caecique furore), e colocamos no alto santuário este monstro da desgraça (monstrum infelix). Mesmo então a catástrofe que estava por vir foi anunciada pela boca de Cassandra; mas um deus havia proibido os troianos de acreditarem em Cassandra; e, infeliz por quem o teve no último dia, nós adornamos por toda a cidade os templos dos deuses com folhagens festivas”

A atmosfera festiva deste apocalipse não escapará aos leitores de Muray…

O que segue? Dorme-se bem, em Virgílio como em Nietzsche (como diz Zaratustra, “um pouco de veneno aqui e ali, para conseguir sonhos agradáveis. E muito veneno para morrer agradavelmente”):

“Entretanto, o céu gira e a noite se levanta do oceano, envolvendo com sua grande sombra a terra, o céu e as artimanhas dos Mirmidões. Eles invadem a cidade enterrada em sono e vinho (Inuadunt urbem somno uinoque sepultam): as sentinelas são abatidas; os portões são abertos; eles recebem seus companheiros e reúnem as tropas cúmplices”.

Nada terá sido poupado aos pobres troianos, nem mesmo as lamúrias humanitárias, a arma suprema dos globalistas e esquerdistas (pobres migrantes, pobres multibilionários sobrecarregados com impostos, pobres islamistas massacrados, pobres cadáveres desenterrados de Timisoara, pobres líbios sobrecarregados pela tirania, etc.). Esta é toda a passagem prodigiosa do agente Sinon que enfraquecerá as defesas dos troianos.

Este é o triunfo de contar histórias bobas através dos tempos. Ainda Virgílio:

“O renome…ele assusta as vastas cidades, um mensageiro tão apegado a mentiras e calúnias quanto à verdade. Sua alegria era preencher as mentes dos povos com mil rumores, anunciando igualmente o que tinha acontecido e o que não tinha acontecido” (Eneida, Canto IV).

Troia sucumbe:

“Estas palavras insidiosas, esta arte do perjúrio nos fizeram acreditar no que disse Sinon (Talibus insidiis periurique arte Sinonis credita res); e assim se deixaram enganar por truques e lágrimas fingidas aqueles que nem o filho de Tideu, nem Aquiles de Larissa, nem dez anos de guerra, nem mil navios haviam conseguido domar”.

O desaparecimento de Troia é 99% atentado (Laocoonte), ilusionismo e narrativa. E eles não vão mudar uma receita que funciona.

Deixamos a Céline concluir na véspera do massacre de 39-45:

“E os franceses estão bastante contentes, perfeitamente de acordo, entusiasmados. Essa besteira está além do homem. Um aturdimento tão fantástico desmascara um instinto de morte, um fardo para a vala comum, uma perversão mutilante que nada pode explicar exceto que chegou o tempo, que o Diabo nos apreende, que o Destino se cumpre.”

Fonte: Strategika

Imagem padrão
Nicolas Bonnal

Historiador e ensaísta francês.

Artigos: 120

Deixar uma resposta