Nasrallah: O sangue da jornalista Shireen Abu Akleh está nas mãos de líderes árabes

Discurso do secretário-geral do Hezbollah, Sayed Hassan Nasrallah, no dia 13 de maio de 2022, durante a última reunião eleitoral antes das eleições legislativas no Líbano, realizadas em 15 de maio.

[…] Antes de abordar as questões específicas desta reunião e nossa próxima batalha (eleitoral) em dois dias, deixe-me dedicar alguns minutos ao crime perpetrado pelos soldados da ocupação sionista que levou ao martírio da jornalista Shireen Abu Akleh.

Por um lado, Shireen Abu Akleh foi durante muitos anos testemunha dos crimes do inimigo, bem como testemunha da opressão contra o povo palestino e dos crimes diários, massacres, agressões e violações que sofre, tanto em termos da população (que é oprimida) e dos lugares santos (que são profanados). E hoje, ela se tornou a mártir oprimida, vítima de um desses crimes. Ela é, portanto, tanto a testemunha (chaahid) quanto a mártir oprimida (chahiid) [em árabe como na raiz grega desta palavra, “mártir” tem o duplo significado de testemunha e mártir, designando uma pessoa que morreu para atestar a verdade da religião].

Por outro lado, essa é a verdadeira face desse inimigo. Tal é a sua bestialidade que nunca mudou nem um pouco. Dos massacres de Deir Yassin (em 1948) a todos os massacres na Palestina, aos massacres no Líbano, em Qana, Sohmor e outras aldeias, ao massacre dos soldados egípcios presos no Sinai, etc., etc., etc. Esta é a verdadeira identidade de Israel, sua essência e natureza: monstruosidade, tirania, arrogância, derramamento de sangue e, nas profundezas da história, o assassinato dos Profetas [mencionado pela Bíblia e pelo Alcorão]. Nada mudou, absolutamente nada.

Aqueles que deveriam se sentir envergonhados, humilhados e degradados em primeiro lugar são todos os árabes-muçulmanos que se normalizam com o inimigo, sejam os regimes, governos, elites e indivíduos particulares que tentam persuadir nossos povos de que Israel é uma entidade cuja existência é natural (e irrevogável), uma escolha óbvia, um Estado bem estabelecido e desenvolvido com o qual se possa conviver em paz. A primeira coisa que me veio à mente enquanto assistia a essa mártir e seu sangue na TV é que seu sangue está nas mãos dos líderes e das elites (árabes-muçulmanas) que normalizam suas relações com Israel. Este sangue está no rosto, nas bochechas, nas têmporas, nos lábios e nas mãos deles.

A mensagem deste evento (trágico), ó meus irmãos e irmãs, é muito forte, tanto para o povo palestino, quanto para os povos árabes, muçulmanos, cristãos e para o mundo inteiro. Infelizmente, alguns foram rápidos em tentar mudar o debate sobre esse crime perigoso perpetrado pelo inimigo, transformando-o em um debate sobre a religião de Shireen Abu Akleh e sua filiação religiosa. Declaro a vocês que a mensagem mais forte no martírio desta mulher oprimida é que ela é cristã. A mensagem mais forte no martírio desta mulher oprimida é que ela é cristã. Esta mensagem declara a todos que Israel, a entidade usurpadora temporária, atacou muçulmanos e cristãos, tanto o povo palestino quanto os povos da região, e matou, oprimiu, expulsou, prendeu e destruiu as casas de muçulmanos e cristãos. Israel, a entidade usurpadora de ocupação, atacou lugares sagrados muçulmanos e cristãos. E apenas alguns dias atrás, durante o mês do Ramadã, vimos o comportamento sionista agressivo contra os fiéis muçulmanos que rezavam na sexta-feira na Mesquita de Al-Aqsa, e contra os cristãos durante o Grande Sábado do Fogo Sagrado na Basílica da Ressurreição (Igreja de o Santo Sepulcro).

A mensagem do martírio de Shireen Abu Akleh afirma que todos estão em perigo (contra Israel), seja suas vidas, seu sangue, seus filhos, suas propriedades, suas casas, seu futuro e seus lugares sagrados muçulmanos e cristãos. A mensagem afirma que essa entidade racista… Hoje, a única entidade na face da terra que declara abertamente seu regime segregacionista (Apartheid) é Israel.

Este regime desumano e tirânico contra todos os seres humanos (não-judeus) nunca mudará, porque esta é sua verdadeira identidade e essência. Não importa o que os normalizadores façam, não importa o que façam como demonstrações de hipocrisia, sua natureza bestial e criminosa sempre o levará a cometer erros e atos de imbecilidade que irão revelar sua verdadeira face e) destruir todos os seus esforços para aparecem como um Estado normal (com um rosto humano).

Esperamos que o sangue de Shireen Abu Akleh e o sangue dos homens e mulheres, jovens, adultos e crianças da Palestina despertem as consciências mortas e murchas e causem todo o bem e dignidade que resta neste comunidade árabe e muçulmana, tanto entre muçulmanos como cristãos, para se levantar.

Permitam-me também hoje apresentar as minhas condolências às famílias dos mártires em Nubl e Al-Zahra das forças de defesa locais ligadas ao Exército Árabe Sírio que viram hoje mais de 10 mártires tombarem num ataque descarado e aberto dos grupos armados terroristas no norte de Alepo.

Peço a Deus Altíssimo que conceda forças às suas famílias para suportar esta perda e consolar a sua dor. […]

Fonte: The Saker

Imagem padrão
novaresistencia_br
Artigos: 451

Deixar uma resposta