A UE e o seu Setor Energético após a Ucrânia

As sanções contra a Rússia abriram uma Caixa de Pandora energética. Os europeus descobriram que não estão preparados para substituir as importações russas e que as necessidades concretas entraram em contradição com o projeto de transição energética a curto prazo.

O conflito militar na Ucrânia afetou consideravelmente não apenas as partes diretamente envolvidas, mas também toda a Europa e, em certo sentido, todo o mundo, pois está levando a mudanças gerais na estrutura econômica, financeira e geopolítica global existente.

A expectativa geral é que o conflito militar e as sanções que o Ocidente e a Federação Russa continuamente impõem um ao outro aprofundarão a divisão e levarão à criação de um mundo multipolar, onde algumas superpotências dividirão o mundo em regiões, com cada uma delas dominando seus próprios territórios geográficos de influência. Esta teoria é particularmente popular entre os laboratórios de ideias analíticos russos, onde começou a ser discutida há mais de duas décadas (após o 11 de setembro de 2001, que foi um ponto de virada simbólico antes do fim do mundo controlado unicamente pelos Estados Unidos). Os analistas europeus começaram a discutir este cenário mais tarde e ele só se tornou oficialmente apresentado à mídia de massa e ao público de massa após o início do conflito na Ucrânia. O próprio ministro russo das relações exteriores, Sergei Lavrov, em sua primeira viagem ao exterior após o início do conflito, que não coincidentemente se deu em Pequim, anunciou que “a Rússia e a China querem uma ordem mundial multipolar, justa e democrática”.

Se este cenário para o desenvolvimento do mundo se concretizará ou não ainda não está claro, mas alguns pontos importantes se tornaram claros desde então e valem a pena ser mencionados. Em primeiro lugar, o conflito militar entre a Rússia e a Ucrânia, que em sua essência é um conflito em um nível muito mais profundo do que o aspecto militar e é, de fato, entre a Rússia e o Ocidente, levou a um ponto de não retorno entre as partes envolvidas. A situação agora é diferente da anexação da Crimeia onde, embora tensas, as relações entre Moscou e o Ocidente coletivo se conseguiram normalizar, especialmente sob a presidência de Donald Trump. Agora a Rússia jogou “vabanque”, tudo ou nada, e é claro que a situação é impossível de voltar ao que era antes, até porque Moscou não quer, como é evidente por suas ações. Outra coisa que já está clara é que o Ocidente coletivo (o mundo anglo-saxão e a União Europeia) não pode mais unir o resto do mundo em torno de suas posições. O que é bom para o mundo ocidental não é necessariamente bom para o resto do mundo. Regiões como a América Latina, Ásia e África não estavam interessadas na imposição de sanções contra a Rússia (porque isso é contra seus interesses econômicos), nem estavam interessadas ou envolvidas no conflito militar na Ucrânia em geral. Este fato mostra que o mundo já não é unipolar e o resto das regiões ousam expressar posições políticas que diferem das do Ocidente. No futuro, esta tendência se tornará cada vez mais evidente. O terceiro fato que este conflito demonstrou é que o sistema financeiro tal como existe agora irá mudar radicalmente. A exigência de Moscou de pagamento pelo gás em rublos, a moeda russa, mostra que novas moedas (incluindo as eletrônicas) ganharão popularidade e a hegemonia absoluta do petrodólar está chegando ao fim. Com ela também o domínio econômico e político de Washington.

E se o cenário de um mundo multipolar dividido em regiões se concretizar, a única questão em aberto é: quem serão as novas superpotências e quais serão suas regiões de influência? Por enquanto, três das superpotências são bastante claras – os Estados Unidos, a Federação Russa e a China. A Índia também é muito provável que se torne uma nova superpotência com sua própria esfera de influência. A situação da Grã-Bretanha é bastante incerta. O Brexit mostrou que Londres tinha grandes aspirações de manter suas posições e sua linha política independente de Bruxelas para estar entre as novas grandes potências, mas ainda é incerto se ela terá sucesso ou não. Londres continua a ter e a desempenhar um papel importante na região da Ásia Central, Paquistão e Turquia (a Grande Turânia), no entanto, como acontece, não tem mais a mesma presença na Índia. O destino da UE e como este projeto se desenvolverá no futuro também não está claro. De certa forma, o primeiro sinal de que o mundo está mudando, e que teve que ser profundamente analisado em Bruxelas, foi o Brexit. A saída de Londres pôs em questão toda a existência da UE, a essência de seu futuro, o próprio conceito do projeto europeu e estabeleceu um precedente muito perigoso. O fim da era Merkel, que era vista como uma figura central da política europeia, mostrou que por enquanto a UE não tem uma liderança forte que possa dar orientação política a todos os Estados membros. Como resultado, o futuro da Europa após o conflito na Ucrânia é mais incerto e mais vulnerável, pois ainda não está claro se a UE manterá sua estreita relação (e até certo ponto de dependência) com Washington, se se tornará mais independente e se manterá sua forma política atual.

Entretanto, seja como for o mundo depois da Ucrânia, uma coisa é certa por enquanto: novamente, depois da Primavera Árabe no Oriente Médio, o Velho Continente é a região que será mais afetada devido a sua proximidade com a zona de conflito e suas estreitas conexões econômicas tanto com a Ucrânia quanto com a Rússia. Acima de tudo, a UE será afetada economicamente devido às sanções impostas à e pela Rússia. Não se pode descartar que no pior cenário possível de fome e escassez de alimentos (Ucrânia e Rússia são os principais fornecedores de grãos para a região do Oriente Médio e África) a Europa possa ser novamente atingida por ondas de migração dessas áreas. Mas mesmo sem este cenário sombrio, há um risco real de que na nova ordem mundial e equilíbrio de poder, a Europa possa ser potencialmente o grande perdedor – tanto geopolítica quanto economicamente. Ela também tem mais a perder dado que até agora a qualidade de vida no Velho Continente é a mais alta do mundo.

Sem dúvida um dos maiores desafios e preocupações para a UE após o conflito na Ucrânia será o próprio fornecimento de energia e o aumento dos preços dos recursos energéticos, levando a uma inflação muito alta globalmente e daí para uma crise econômica estrutural. Alguns dos desafios para o setor energético estão diretamente relacionados com a crise na Ucrânia, enquanto outros não estão. E mesmo que Bruxelas tente falar a uma só voz em termos de política energética contra a Rússia, os interesses dos membros da UE no setor energético são muito diferentes. Isto se deve ao fato de que o impacto econômico das sanções difere de país para país. Por exemplo, um país como a Espanha será muito menos afetado do que a Bulgária, já que o primeiro tem uma menor dependência do abastecimento energético russo, enquanto o segundo ainda está quase completamente dependente deles. Por esta razão, será oferecido um olhar mais detalhado sobre o mapa energético da Europa, a fim de delinear cenários possíveis do que podemos esperar.

A tabela 1 mostra a produção de eletricidade per capita para a Europa por tipo de combustível. Os dados são de 2013 e embora haja algumas variações e mudanças uma década depois, esta tabela é importante para levar em conta como o aperto das condições econômicas e sanções contra a Rússia, o principal fornecedor de recursos energéticos da Europa, coloca em risco o Green Deal da Europa e a transição para uma economia com emissões zero. A UE fez enormes progressos na última década em direção a uma economia verde e aumentou significativamente a participação das energias renováveis em seu mix energético. Mas em tempos de crise econômica crescente em todo o mundo, os preços dos recursos energéticos disparam e, além disso, com fortes restrições a seu principal fornecedor de energia – a Europa corre o risco de voltar a suas fontes de produção de energia anteriores à transição verde. Na verdade, os primeiros sinais já estão aqui: tendo limitado ao máximo as importações de energia da Rússia e a fim de compensar a lacuna criada, alguns países anunciaram seus planos de reabrir a produção de energia não verde. Por exemplo, a maior economia da Europa, a Alemanha, após encerrar seus últimos reatores nucleares e após o início do conflito na Ucrânia, anunciou que não poderá encerrar gradualmente suas usinas elétricas a carvão, como planejado originalmente. O país excessivamente fortemente das importações de gás da Rússia anunciou em março de 2022 que estava criando reservas estratégicas de carvão que permitiriam que usinas elétricas operassem sem importações durante 30 dias de inverno[1].

O Green Deal que prevê uma economia ecologicamente neutra na Europa até 2050 requer grandes investimentos em novas tecnologias e reestruturação energética, que em tempos de conflitos militares, alta inflação e a próxima crise econômica podem não estar mais disponíveis. Muitos países da UE estão apoiando a Ucrânia, fornecendo ajuda militar e humanitária. Países fronteiriços como a Polônia, Romênia, Bulgária e Eslováquia também estão aceitando um grande número de migrantes ucranianos, e fundos destinados à transição energética e inovações no setor energético podem não estar mais disponíveis, pelo menos no futuro próximo. Ainda mais em tempos de aumento dos preços globais dos alimentos e do fornecimento de matérias-primas, uma transição rigorosa de emissões zero na Europa tornará as economias da UE não competitivas em escala global, já que o custo da energia para a produção na Europa se tornará ainda mais alto do que no resto do mundo. Por último, mas não menos importante, qual seria o impacto ecológico global se a Europa zerasse suas emissões, mas suas regiões vizinhas como o Oriente Médio, Rússia, Turquia e Norte da África não o fizessem?

O principal problema é que a Europa, apesar de aumentar sua participação de energia renovável, ainda é muito dependente das importações de energia, especialmente da Rússia. Dados da Comissão Européia[2] mostram que 40% das importações de gás natural da UE vêm da Rússia, 18% da Noruega, 11% da Argélia e apenas 4,6% do Qatar. Mas a Europa também é muito dependente da Rússia para a importação de combustíveis fósseis e petróleo (cerca de 30% do total das importações vêm de lá). Esta é uma dependência que poderia ser superada e substituída a longo prazo, mas não a curto prazo, caso contrário a própria UE corre o risco de uma catástrofe econômica. Em resumo, a Europa poderia substituir o fornecimento de energia da Rússia, mas não imediatamente e ainda não está claro qual será o preço social que os europeus pagarão por isso.

Na verdade, apesar de todas as intenções e estratégias de transição energética para o período de 1990 a 2020, a UE em geral tem mantido os mesmos níveis de importação de energia, apesar do grande aumento da participação das energias renováveis. Isto se deve ao fato de que, com a intenção de se tornar mais verde, muitos países fecharam seus setores energéticos intensivos em carbono, mas como não puderam compensar imediatamente este fechamento com energias renováveis, compensaram-no com importações, paradoxalmente principalmente da Rússia. A tabela 2 do Livro de Bolso Estatístico para 2020 da Comissão Europeia mostra as importações dos principais combustíveis na Europa para o longo período de 1990 a 2018.

Além disso, a dependência da UE das importações de gás natural aumentou significativamente de 1990 a 2018, enquanto as importações de combustíveis fósseis e petróleo permaneceram quase inalteradas. E embora a parcela de importação de recursos energéticos tenha diminuído para alguns países devido ao aumento da produção de energia renovável, a dependência média para a UE como um todo ainda é considerável. Alguns países como a Itália diminuíram sua dependência das importações de energia, outros como a Alemanha se tornaram mais dependentes de tais importações.

Os dados da Tabela 3[3], preparados com estatísticas do Eurostat, confirmam unanimemente o que foi dito anteriormente, ou seja, que a Europa substituiu em grande parte sua produção de energia por importações nas últimas duas décadas. A transição para energias renováveis é significativa, mas ainda está longe de ser suficiente para assegurar o funcionamento da economia europeia e, em tempos de crise econômica, a implementação de inovações e novas tecnologias pode eventualmente desacelerar devido à falta de recursos financeiros.

De acordo com dados do Eurostat[4], em 2020 a União Europeia produziu 42% de sua energia (contra 40% em 2019) e o restante foi importado. A diminuição das importações se deve à crise da Covid e ao abrandamento das economias europeias. O mix energético de toda a UE é composto por cinco tipos principais de combustíveis: produtos petrolíferos, incluindo o petróleo bruto que representa 35% do total (quase 30% é importado da Rússia), gás natural é 24% do mix energético total (quase 40% é importado da Rússia), energias renováveis 17% do mix energético total europeu, energia nuclear cerca de 13% e combustíveis fósseis sólidos 12%.

Como mencionado acima, um importante ponto de preocupação que impede Bruxelas de falar a uma só voz é que as fontes de energia nas misturas energéticas variam amplamente entre os países, de modo que cada país será afetado de maneira diferente pela situação atual e pelas sanções contra Moscou. Por exemplo, a Alemanha, apesar do aumento das energias renováveis, ainda depende fortemente dos combustíveis fósseis e do gás natural (97% dos quais são importados); países como Chipre e Malta são dependentes do petróleo bruto, a Itália e a Holanda são significativamente dependentes do gás natural (40% e 38% respectivamente); o mix energético da França consiste em 41% da energia nuclear; a Suécia e a Letônia têm a maior proporção de energias renováveis 49% e 40% e a Polônia e a Estônia ainda são dependentes dos combustíveis fósseis. Obviamente, os países que têm uma parte considerável de gás natural, petróleo e combustíveis fósseis em seu mix energético serão os mais afetados. Mesmo que não importem da Rússia, as restrições de importação russas e o aumento da demanda por esses produtos no mercado internacional levarão a um aumento significativo de preços que terá consequências econômicas e sociais.

Tomemos novamente a Alemanha como exemplo, que foi um dos motores do acordo verde europeu e nesse papel ela planejou eliminar os combustíveis fósseis de seu mix energético até 2045, de modo que o gás natural foi visto como uma ponte nesta transição. Agora, com a incerteza sobre o destino dos fornecimentos da Rússia, Berlim está discutindo opções para a construção de terminais de GNL para fornecer gás de diferentes fornecedores, já que outros países vizinhos como França, Holanda e Bélgica já possuem tais terminais. Segundo informações da Comissão Europeia, as importações de GNL representaram 20% do total das importações de gás da UE em 2021, cuja demanda é de cerca de 400 bcm por ano, tornando a Europa o maior importador de gás do mundo. A capacidade total de importação de GNL da UE é de cerca de 157 bcm por ano e os maiores importadores de GNL da Europa são a Espanha (21,3 bcm), França (18,3 bcm), Itália (9,3 bcm), Holanda (8,7 bcm) e Bélgica (6,5 bcm).

Entretanto, o GNL tem uma pegada ecológica maior do que o gás de gasoduto; os processos de resfriamento, transporte e liquefação também requerem muita energia. Outra preocupação que desagradou às organizações ambientais é o fato de o GNL dos EUA se basear em tecnologia de fraturamento hidráulico, considerada ecologicamente hostil e, portanto, proibida em muitos países europeus. Uma coisa positiva sobre a infraestrutura de GNL é que ela poderia ser utilizada para a produção de hidrogênio quando esta tecnologia for desenvolvida e implementada para uso em massa. Entretanto, o custo de implementação das futuras tecnologias de hidrogênio e o custo de construção de terminais de GNL no momento não pode ser subestimado. Além disso, algumas regiões do continente europeu como o Sudeste, Europa Central e Oriental e o Báltico ainda não possuem uma infraestrutura desenvolvida para o GNL, o que exigirá mais investimentos, e a maior preocupação dos usuários finais de gás e dos governos é que o GNL pode ser significativamente mais caro para o consumidor final. Este é um problema especialmente para os países da Europa Oriental onde a pobreza energética (consumidores que por razões financeiras não podem pagar suas contas ou não podem manter suas casas aquecidas a uma temperatura adequada) é bastante difundida. Entretanto, apesar de suas desvantagens e custos, dada a situação energética atual na Europa, a construção de terminais de GNL é uma opção a ser planejada e desenvolvida, embora a um preço mais alto.

O próprio setor de energia renovável tem algumas especificidades que precisam ser analisadas mais profundamente para que este setor não fique preso a este período difícil. Quando se fala de energia renovável do sol, vento ou água, deve-se considerar que cada país tem especificidades geográficas que o tornam menos ou mais adequado para desenvolver este ou aquele tipo de energia renovável. Por exemplo, alguns países têm mais sol, outros mais vento ou recursos hídricos e outros ainda não têm nenhum. Tecnologias como o hidrogênio para a produção de energia ainda precisam ser desenvolvidas para se tornarem mais difundidas na Europa a um preço aceitável. Outro desafio considerável para o setor de energia renovável na UE, se for para compensar parcialmente o fornecimento de energia russo, é o fato de que as tecnologias de armazenamento de energia devem ser desenvolvidas e implementadas em breve, caso contrário a energia renovável não é competitiva. A maior desvantagem é que sua produção não é estável durante o dia e ao longo das estações e, portanto, as instalações de armazenamento devem ser desenvolvidas para equilibrar, as quais não existem por enquanto. A falta de infraestrutura para o transporte e disponibilidade de energia de fontes renováveis também é um problema considerável para a maioria dos países.

Outro desafio considerável é que a maioria dos materiais para a produção de tecnologias de energia renovável, tais como painéis solares, baterias de armazenamento, carros elétricos, são feitos de metais raros e caros que a Europa importa. Isto significa, novamente de uma forma ou de outra, depender de fatores externos. Entre os principais metais para economias de baixo carbono estão o lítio, níquel, cobalto, manganês, cobre. Assim, em vez de ser intensiva em carbono, a economia da Europa pode se tornar intensiva em metal, contendo assim o risco de que o mundo possa ter escassez de alguns deles no futuro próximo.

Os gráficos de alguns dos metais mais procurados para a produção de tecnologias de energia renovável (estes gráficos não representam todos os metais utilizados e necessários nas novas tecnologias) mostram que as tendências não estão a favor da Europa, pois ela não possui reservas consideráveis destes recursos.

As tabelas seguintes mostram onde se encontram as maiores reservas de matérias-primas necessárias para a produção de tecnologias de energia renovável[5].

Os países com as maiores reservas de cobalto, lítio e metais de terras raras estão indicados nos mapas.

Os gráficos estão longe de ser detalhados e não incluem todos os metais utilizados em tecnologias renováveis, mas mostram claramente o risco potencial de que a UE possa trocar uma dependência por outra. Por exemplo, pode reduzir sua dependência energética da Rússia e aumentar sua dependência das importações de metais de países como a República Democrática do Congo ou a China. Isto repetiria a situação que aconteceu nas últimas duas décadas: muitos países europeus fecharam seus setores energéticos intensivos em carbono, mas aumentaram sua dependência das importações de energia da Rússia. Se não for estudada em detalhes, a história corre o risco de se repetir também com a energia renovável. Também se deve levar em consideração que a Rússia detém uma parte muito significativa dos metais raros utilizados nas tecnologias de energia renovável.

O último mas não menos importante dos desafios enfrentados pelas energias renováveis é que a reciclagem de metais usados ainda não está bem pesquisada e desenvolvida. Alguns metais poderiam ser reciclados enquanto outros, como os metais raros, ainda não o são. Consequentemente, a reciclagem ou armazenamento de baterias de lítio, painéis solares e outras tecnologias ainda precisam ser melhoradas, o que significa mais custos e investimentos nessa direção.

A transição de uma economia intensiva em carbono para uma economia intensiva em metal sem dúvida oculta muitos riscos, vulnerabilidades e pegadas ecológicas, além dos benefícios que já conhecemos. E a Europa precisa avaliar antecipadamente a que vulnerabilidades e dependências estaria exposta em seu caminho para o Green Deal.

A energia nuclear e especialmente o desenvolvimento de reatores nucleares de pequeno e médio porte poderia ser uma opção aceitável para muitos países da UE, especialmente aqueles que já possuem usinas nucleares, pois possuem o know-how e a capacidade tecnológica para implementá-la mais rapidamente. A energia nuclear, ao contrário da energia renovável, é muito estável em todas as épocas do ano e do dia e, neste sentido, poderia equilibrar a energia proveniente de fontes renováveis que depende de muitos fatores externos, como o clima. Muitos países do Oriente Médio, incluindo os maiores produtores mundiais de petróleo e gás, começaram a construir usinas de energia nuclear para equilibrar seu mix energético. Na UE, de acordo com estatísticas do Eurostat, as usinas nucleares geraram cerca de 24% do total de eletricidade em 2020, embora, devido a preocupações de segurança e no contexto da transição do Green Deal, a tendência tem sido de que este tipo de energia diminua. Atualmente 13 países da UE possuem usinas nucleares em operação e para aqueles que as possuem, e para a Europa como um todo, as usinas nucleares podem ser uma solução que pode aliviar parcialmente a crise de fornecimento de energia. Os padrões de segurança na Europa estão entre os mais altos do mundo e, ao aderir a eles, a energia nuclear poderia ajudar a Europa na situação extrema em que se encontra atualmente.

O setor energético europeu teve muitos desafios a enfrentar em conexão com a transição do Green Deal e tem agora o dobro dos desafios com o conflito em curso com a Rússia e os preços disparados dos recursos energéticos em todo o mundo. Ainda não está claro como o fornecimento de energia da Rússia irá proceder, especialmente durante a próxima estação de inverno. A estabilidade social e econômica do Velho Continente é posta em risco no caso de falta de energia.

Nesta situação extrema, a Europa deve buscar todas as soluções alternativas para se tornar mais independente das importações de energia e para manter sua economia competitiva. A transição do Green Deal não deve ocorrer agora a qualquer custo, mas somente após uma avaliação clara do preço econômico e social que os europeus têm que pagar por ela. No contexto dos novos equilíbrios geopolíticos, é mais importante do que nunca que a Europa permaneça unida, só então poderá manter sua importância geopolítica no cenário mundial. Mas, para preservar a União, Bruxelas deve levar em conta as novas realidades. Os Estados membros da UE são diferentes, seu potencial econômico é diferente, seus setores energéticos são diferentes e os interesses de todos os países devem ser levados em conta. A imposição unilateral do poder por Bruxelas ou a centralização impondo a vontade dos euroburocratas em Bruxelas apenas aumentará o ceticismo europeu entre os governos e cidadãos europeus.

Agora mais do que nunca é importante para a UE desenvolver sua concepção existencial no novo mundo com base nos interesses dos cidadãos europeus, mais do que nunca Bruxelas deveria colocar o bem-estar econômico e social de seus cidadãos em primeiro lugar. Para a definição do novo papel e dos novos pilares conceituais da União, a Europa precisa de uma nova filosofia existencial. Agora, mais do que nunca, as vozes dos laboratórios de ideias analíticos nacionais, professores universitários e cientistas deveriam ser ouvidas pelos políticos tanto em nível nacional quanto em Bruxelas. Nestes tempos turbulentos, diferentes opiniões devem ser ouvidas e cuidadosamente analisadas na Europa e em Bruxelas, sem esquecer que o inglês é agora apenas uma língua de conveniência na União.

Notas

[1] Euractiv.com, Germany reactivates coal power plants amid Russian gas supply threats, Nikolaus J. Kurmayer, March 9 2022, https://www.euractiv.com
[2] European Commission, Directorate-General for Energy, EU energy in figures: statistical pocketbook 2020, Publications Office, 2020, https://data.europa.eu/doi/10.2833/29877
[3] European Commission, Directorate-General for Energy, EU energy in figures: statistical pocketbook 2020, Publications Office, 2020, https://data.europa.eu/doi/10.2833/29877
[4] European Commission, https://ec.europa.eu/eurostat/cache/infographs/energy/bloc-2a.html?msclkid=da2575f2cf6111ec9aa87e67219bcc8d
[5] https://www.carbonbrief.org/explainer-these-six-metals-are-key-to-a-low-carbon-future?msclkid=e99f9f87cf0d11ecafcb44d752658f7d

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Ivelina Dimitrova

Especialista em Segurança Energética, tendo prestado vários serviços para o Ministério do Interior da Bulgária.

Artigos: 593

Deixar uma resposta