Como o “metaverso” criará um inferno virtual na Terra

Um mundo tão isolado, desconectado da realidade e da natureza das coisas pode alimentar as paixões desenfreadas que odeiam toda restrição moral. Um espaço como esse pode passar rapidamente de Alice no País das Maravilhas para um hospício.

O próximo passo na revolução cibernética é o tão chamado metaverso, uma poderosa plataforma de computação que vai além de qualquer coisa vista até hoje. É propagandeado como a nova geração da Internet, facilitando experiências intensas e abrindo novos mercados. Alguns temem que esse metaverso piore os vícios atuais das mídias sociais. Outros veem isso como uma distração muito mais prejudicial, especialmente entre os jovens.

No entanto, ninguém considera as implicações morais do projeto. O metaverso prejudicará as almas. Tragicamente, as pessoas não veem razão para envolver Deus e moralidade com uma invenção tecnológica aparentemente fora do domínio privado da religião. Pior de tudo, o clero não mostra nenhum sinal de reconhecer o problema. Não está nem no radar.

Porém, a questão existe. O metaverso é um ataque metafísico na visão de mundo da Igreja. Oblitera a natureza de um universo criado por Deus. E possibilitará atos imorais que ofenderão gravemente a Deus.

Um processo de imaginação e destruição

O metaverso deve ser entendido no contexto de um processo de esforço contínuo da modernidade para colocar a humanidade, e não Deus, no centro de todas as coisas.

De fato, a modernidade tem uma obsessão em imaginar novos mundos sem Deus. O Iluminismo introduziu maneiras de estender a realidade até seus limites desenvolvendo novas tecnologias, filosofias e estilos de vida.

Os tempos modernos deram início à glorificação do indivíduo. A sociedade tornou-se uma coleção de pessoas, “a pilha arenosa de indivíduos” de Hobbes, cada um guiado pelo interesse próprio e mantido em ordem por um forte Estado de Direito encontrado em seu Leviatã.

Assim, o individualismo moderno tendia a destruir as estruturas externas — tradição, costume ou comunidade — que atrapalhavam o interesse próprio. Destruiu muitos mecanismos morais que facilitavam a prática da virtude em comum. Criou uma ordem acelerada na qual o homem é o centro de tudo, e a religião foi relegada a um assunto privado.

A pós-modernidade estilhaça a sociedade

A ordem da modernidade foi abalada pela pós-modernidade dos anos 1960, que propunha libertar a imaginação e remover todas as amarras morais. O pós-modernismo levou o individualismo ao extremo através do uso de novas tecnologias, filosofias e estilos de vida. A sociedade foi virada de cabeça para baixo por drogas psicodélicas, rock e a revolução sexual.

Pela mesma lógica em que a modernidade idolatrava o interesse próprio, o individualista pós-moderno faz do “direito” de autogratificação o único direito absoluto — mesmo quando tal comportamento é autodestrutivo. O individualista pós-moderno procura destruir essas estruturas internas — lógica, identidade ou unidade — que impedem a gratificação instantânea. As narrativas “desconstruídas” da pós-modernidade isolaram ainda mais os indivíduos e os levaram a criar suas próprias realidades fora de Deus e Sua moralidade.

No entanto, a modernidade e a pós-modernidade ainda estavam de alguma forma ancoradas a uma realidade externa da qual as pessoas não podiam escapar inteiramente. Havia limitações físicas e ontológicas que mantinham a imaginação sob controle. Um homem podia se identificar com algo que não era, mas o desejo não alterava a realidade. Além disso, suas imaginações não eram evidentes para todos ao seu redor.

Entre em uma nova fase de percepção da realidade

A introdução do metaverso agora está mudando essa dificuldade de alterar a realidade. É parte do que muitos futuristas chamam de Quarta Revolução Industrial.

Seguindo os passos da modernidade e da pós-modernidade, a próxima etapa no processo é autoimaginar-se fora da realidade. Os obstáculos que se interpõem no caminho são a maneira atual de perceber a natureza, a existência e o ser.

Esta próxima onda de inovação e tecnologia permitirá que os indivíduos mergulhem em um mundo de sua própria criação. As pessoas se tornarão avatares, ou seja, representações cibernéticas de homens, mulheres, animais ou coisas que “vivem” na ciberesfera. Eles serão capazes de estarem onde quiserem — seja na lua, em cima de prédios ou em “um campo de unicórnios”. Essa plataforma pode ser habitada por extraterrestres, anjos, demônios ou qualquer coisa que siga as fantasias envolvidas.

As pessoas farão coisas sobre-humanas onde os atos aparentemente não terão consequências. Embora não mude o que existe, cria poderosamente a mentira de que as imaginações são mais reais do que a realidade.

Essa enorme plataforma virtual é muito mais do que uma extensão da Internet, ela permite que as pessoas vejam a rede mundial de computadores. Essa fase “incorporará a Internet, colocando as pessoas no meio dela”. Neste novo reino, a imaginação domina.

Não é ficção científica

Este projeto não é mais coisa de ficção científica. É discutido em meios de comunicação como o The Wall Street Journal. Todas as empresas de mídia social estão colocando as peças no lugar. Mark Zuckerberg acabou de renomear o Facebook, chamando-o de Meta. Ele investirá US$ 10 bilhões e contratará 10.000 novos funcionários para construir esse novo mundo.

“O metaverso será a maior revolução nas plataformas de computação que o mundo já viu – maior que a revolução móvel, maior que a revolução da web”, diz Marc Whitten, da Unity Software, em um artigo do Wall Street Journal.

O multiverso propõe um universo paralelo tridimensional de realidade virtual e aumentada, onde avatares digitais se encontrarão em números ilimitados. As pessoas serão equipadas com óculos especializados e até equipamentos táteis avançados, que lhes permitirão sentir e tocar coisas remotas em tempo real. Eles podem misturar o mundo real com o imaginário.

Daren Tsui, chefe executivo da Together Labs Inc., diz: “A experiência do avatar parecerá tão real que você dificilmente poderá dizer a diferença entre uma reunião virtual e uma reunião física. E a experiência virtual será melhor.”

Criando um mundo de ilusão sem consequências

Existem três grandes problemas com o metaverso.

O primeiro é que incentiva as pessoas a se desvincularem da realidade criando um mundo delirante sem consequências ou significado. As pessoas são livres para desafiar a natureza fazendo coisas impossíveis, como caminhar na lua ou assistir a um jogo de beisebol do monte do arremessador. As coisas mais absurdas se tornam possíveis dentro de um mundo imaginado desvinculado da realidade.

As pessoas não estão mais presas ao tempo e podem viajar pelo que imaginam ser o passado ou o futuro. Até a morte é superada com avatares e algoritmos conspirando para trazer de volta o que parecerá ser parentes falecidos ou figuras históricas com as quais se pode conversar ou interagir.

As pessoas serão livres para fazer coisas com os outros (que podem ou não existir) ou até mesmo cortar seus braços sem consequências. Toda fantasia, mesmo a mais macabra, pode se tornar realidade no metaverso. Abrirá assim espaços escuros e sinistros que facilitarão atos pecaminosos ou suas simulações.

Um mundo tão isolado, desconectado da realidade e da natureza das coisas, pode alimentar as paixões desenfreadas que odeiam toda restrição moral. Um espaço como este pode passar rapidamente de Alice no País das Maravilhas para um hospício. A frenética intemperança da atual Internet e das mídias sociais já está causando problemas psicológicos e sociais. Quão mais exponenciais serão as habilidades do metaverso de afogar as pessoas em seus frenesis e depressões?

A destruição da identidade

A segunda razão para se preocupar com o metaverso é que ele iguala identidade com escolha. O paradigma pós-moderno já permite que uma pessoa se identifique como outra coisa. No entanto, essa identificação só existe na mente da pessoa iludida. O público geralmente pode perceber a ilusão.

No entanto, o metaverso muda essa percepção. A pessoa torna-se o modelo perfeito daquilo que é desejado e não pode ser. A pessoa não precisa ser uma pessoa, mas pode ser um animal, uma planta ou uma coisa. Uma pessoa não precisa ser um único ser, mas uma cacofonia de seres sem unidade neste mundo de fantasia.

Essa mentira de identificar o eu com a liberdade é possibilitada pelo metaverso. O filósofo existencialista Jean-Paul Sartre escreveu que “o homem é liberdade”, o que torna as pessoas essencialmente ilimitadas. Em seu livro O Ser e o Nada, Sartre disse que “a liberdade nada mais é que uma escolha que cria para si suas próprias possibilidades”.

O metaverso é a realização dessa ideia distorcida de liberdade que se revolta contra as limitações contingentes da natureza humana. Procura transformar os indivíduos nos deuses de suas fantasias.

A demolição da metafísica

No entanto, o aspecto mais perigoso do metaverso é a demolição da visão metafísica da vida que conduz a alma ao Criador.

Todos, até mesmo crianças, se engajam na metafísica. A natureza humana e especialmente a alma, exigem uma compreensão racional do eu e do universo. Assim, uma definição clássica de metafísica é uma investigação filosófica sobre princípios e causas últimas. Ao se engajar na metafísica, os indivíduos buscam a natureza das coisas que existem e as encaixam em uma visão coerente.

Uma visão verdadeira das coisas torna dolorosamente clara a natureza finita e contingente de cada ser humano. No entanto, através da compreensão dos desígnios da Criação, as pessoas veem que o objetivo da existência transcende as limitações físicas e sociais. Eles perseguem este caminho para o Criador como refletido na natureza. Esse processo confere significado e propósito à vida à medida que as almas se esforçam em direção ao seu final em Deus.

A revolução transumana

As filosofias que informam o metaverso são contrárias a essa visão metafísica clássica. Não há tentativa de entender a natureza das coisas, mas apenas a experiência ilimitada de eventos aleatórios. Essa noção “transumana” do mundo entende a humanidade como um processo em constante evolução. O engenheiro do “Grande Reset”, Klaus Schwab descreve essa próxima fase como a chegada da “fusão dos mundos digital, biológico e físico”.

A ideia do metaverso é consistente com a perspectiva do autor best-seller do New York Times, Yuval Noah Harari. Um escritor frequente sobre esses assuntos, ele visualiza abertamente um futuro sem alma, livre arbítrio, um eu unificado ou Deus. O dele é um mundo algorítmico de experiências aleatórias onde cada um é o que quer que venha a ser. Ele afirma que não existem religiões, mas apenas ficções poderosas, como o metaverso, onde as pessoas “criarão mundos virtuais inteiros, completos, com infernos e céus.”

O autor não está sozinho em acreditar nesse futuro assustador. Ele fala para uma classe progressista de cientistas, empresários e acadêmicos do Big Data e do Vale do Silício, onde estão todos a bordo com a tarefa de mudar a natureza e a realidade humana por meio de artifícios como o metaverso. Eles não fazem segredo de sua rejeição da Criação de Deus e da ordem moral.

A necessidade de rejeição

Essas são preocupações urgentes diante do metaverso que se aproxima. Nem todas as suas aplicações conterão a dose completa desses planos destrutivos para a humanidade. No entanto, a direção geral está levando a um admirável mundo novo sem Deus. Tais conclusões não vêm de teorias da conspiração, mas são reveladas abertamente pelos promotores do metaverso.

Assim, o metaverso deve ser rejeitado porque sua visão de mundo é contrária à da Igreja. É aflitivo que algo tão grande possa aparecer no horizonte, e os pastores de almas têm tão pouco a dizer sobre isso. Na sociedade ímpia de hoje, a apostasia da prática da Fé é causada muito mais por invenções tecnológicas como essas do que por disputas teológicas abstratas.

Igualmente aflitivo é que as pessoas não desejam ver onde isso vai levar. A história mostra que quando as pessoas dão rédea solta às suas paixões, isso acaba em desespero niilista. A experiência esmagadoramente imoderada do prazer metaverso acabará por exigir as sensações mais intensas da dor existencialista. Assim, o processo de decadência da modernidade seguirá seu curso completo: do interesse próprio à autogratificação, da autoimaginação à autoaniquilação.

De fato, um mundo dominado por delírios, absurdos e negação do ser, regras de fantasias bizarras, onde significado e propósito são obliterados, deve ser chamado por outro nome. Os visionários seculares do metaverso estão projetando um inferno virtual na Terra.

Fonte: Life Site

Imagem padrão
John Horvat II

Acadêmico, pesquisador, educador, palestrante internacional e autor do livro "Return to Order"

Artigos: 451

Deixar uma resposta