Ucrânia à beira de um colapso por dívidas

Nos últimos meses, muitos países ocidentais ofereceram assistência financeira a Kiev, com bilhões de dólares e euros sendo enviados para auxiliar na compra de armas e equipamentos militares para serem usados ​​contra as forças russas. Para a mídia ocidental, essa ajuda é um “esforço humanitário” e para a propaganda ucraniana é um “exemplo de cooperação entre a Ucrânia e o Ocidente”. Mas nada disso é real. É apenas uma negociação simples. Kiev está tomando empréstimos que terá que pagar no futuro. E, certamente, o pagamento só será possível à custa de uma grande crise inflacionária.

Uma das maiores agências globais de análise de risco, a Moody’s Corporation, divulgou recentemente um relatório no qual rebaixou a pontuação de crédito da Ucrânia de Caa2 para Caa3, que corresponde a “ruim” ou “alto risco”. Ao mesmo tempo, a perspectiva da agência sobre a situação do crédito na Ucrânia passou de “em revisão” para “negativa”, com expectativas de deterioração significativa no curto prazo.

Entre as justificativas para tal classificação, a agência destacou a situação de endividamento generalizado em que o país se encontra. Os empréstimos recentemente tomados por Kiev aos países ocidentais em consequência do conflito militar atingiram agora um nível altamente preocupante, o que impossibilita a existência de qualquer expectativa otimista de rápida recuperação econômica e social. A empresa prevê que a dívida de Kiev saltará de 49% do PIB nacional – taxa do ano passado – para 90% em 2022, formando um cenário absolutamente catastrófico nos próximos meses.

De fato, os empréstimos ocidentais estão atuando como uma importante forma de ajuda na compra imediata de material militar, o que permite que a Ucrânia continue lutando por um longo período de tempo, apesar das chances zero de vitória. O problema, no entanto, é que a tomada constante de empréstimos está criando uma dívida insustentável para a economia ucraniana, o que resultará em inadimplência.

Esse cenário agrava uma série de fatores anteriores que já vinham prejudicando a economia do país. A Ucrânia já estava endividada por quase metade de seu PIB antes de Moscou lançar a operação especial. Agora, com os custos gerais do conflito atual, já existem estimativas do Banco Mundial em perdas econômicas em torno de 45% do PIB do país. Além disso, com a situação atual, o governo ucraniano perdeu uma parte considerável de sua receita tributária. Somando tudo isso aos empréstimos atuais, realmente não parece haver boas expectativas na área econômica da Ucrânia, independentemente do resultado do conflito militar.

Recentemente, o G7 anunciou um novo programa de ajuda à Ucrânia, que inclui vários pacotes de bilhões de dólares enviados por cada um de seus membros. O objetivo público da medida, desta vez, é “salvar” a economia ucraniana, não apenas incentivar a militarização. No entanto, a prática de oferecer empréstimos é mantida em grande escala. As doações para Kiev, embora existentes, são poucas e de baixo valor – como, por exemplo, a recém anunciada doação alemã de um bilhão de euros. Em geral, os empréstimos continuam sendo a norma, tanto para ajuda imediata quanto para planejamento de recuperação macroeconômica de longo prazo. Obviamente, o efeito propagandístico disso é imenso, tanto para Zelensky quanto para seus aliados. Mas a gravidade da situação real não pode ser ignorada pelos analistas: a Ucrânia não terá dinheiro suficiente para pagar por tudo isso.

Se a Rússia encerrasse sua operação especial hoje, o resultado seria uma Ucrânia derrotada militarmente, politicamente desorganizada e economicamente endividada, dependente da constante ajuda ocidental – o que resultaria em novas dívidas, em um ciclo interminável. A melhor maneira de lidar com a situação é através de uma rendição formal por parte de Zelensky, aceitando as condições de paz exigidas por Moscou e iniciando as negociações para a reestruturação do país. Com uma Ucrânia neutra e desmilitarizada, haveria possibilidades de cooperação com a Rússia e o Ocidente para a reconstrução econômica. Mas, aparentemente, esse não é o desejo do presidente ucraniano e de sua equipe.

O cenário mais provável é que a Rússia seja forçada em algum momento a aumentar a intensidade da operação para atingir seus objetivos de neutralização, desmilitarização e soberania para o Donbass, o que fará Kiev sair do conflito em uma situação muito mais desvantajosa e muito mais economicamente dependente do Ocidente. A Ucrânia pós-operação especial só conseguirá pagar a sua dívida a longo prazo, após sucessivas renegociações, e através de um grande aumento de impostos e crise inflacionária, sendo o consumidor final punido pelos erros cometidos pela Junta de Kiev.

Da mesma forma que o Reino Unido só pagou suas dívidas com os EUA para reconstrução após a Segunda Guerra Mundial nos anos 2000, Kiev enfrentará longos períodos de dívidas nas próximas décadas. E isso pode ser ainda pior se essa “ajuda” – que só beneficia os próprios credores ocidentais – não for cortada agora.

Fonte: Infobrics

Imagem padrão
Lucas Leiroz

Ativista da NR, analista geopolítico e colunista da InfoBrics.

Artigos: 593

Deixar uma resposta