A Ucrânia será uma “Grande Israel”?

Há algumas semanas, o governante ucraniano Volodymyr Zelensky disse que a Ucrânia deveria se tornar uma “Grande Israel”. Simultaneamente, as relações entre a Ucrânia e Israel são firmes e profundas. Torna-se necessário analisar as raízes dessa conexão.

Em uma entrevista coletiva realizada em 5 de abril de 2022, o Presidente Volodymyr Zelensky prefigurou o futuro da Ucrânia do pós-guerra declarando que o país deverá se conformar com o modelo israelense. A Ucrânia, disse ele, “será mais como o Estado judeu do que como a Europa Ocidental”[1]; de fato, terá que se tornar uma “Grande Israel”, onde a sociedade será altamente militarizada e as forças armadas estarão envolvidas em todas as instituições[2]. 2] Por outro lado, a “Forbes” observou, “as semelhanças com Israel são muitas (…) Algumas delas foram analisadas pelo think tank Conselho do Atlântico e por numerosos analistas”[3]. De fato, foi um prestigioso e distinto companheiro do Conselho do Atlântico[4], o ex-embaixador americano em Israel Daniel Shapiro, que reavivou a ideia do presidente ucraniano, acompanhando-o com algumas indicações essenciais para a sua realização[5].

Seja qual for seu desenvolvimento, a ideia de uma futura “Grande Israel” na Ucrânia não pode deixar de lembrar um fato histórico crucial: nos territórios entre o Dnepr e o Don uma vez esticou o reino dos cazares, um povo das estepes que no século VIII se converteu ao judaísmo em grande proporção, contribuindo decisivamente para a etnogênese do judaísmo ashkenazi. De fato, a presença dos cazares na Ucrânia data do século VIII, quando o Canato Cazar estendeu suas fronteiras ocidentais ao vale do Dnepr, de modo que no início do século X uma comunidade substancial de cazares judaizados foi estabelecida em Kiev. Aqui, escreve Aleksandr Solzenitsyn, “já desde a época de Igor [de Novgorod-Seversky] a cidade baixa se chamava Kozary; Igor transferiu prisioneiros judeus de Kerč para lá em 933, em 965 prisioneiros judeus vieram da Crimeia, em 969 vieram cazares de Itil e Semender, em 989 de Cherson, em 1017 de Tmutarakan. Estudiosos mais recentes confirmam a origem cazar do ‘elemento judeu’ em Kiev, no século XI”[6]. Também em Kiev, o mais tardar em 930, quando a cidade ainda estava sob o domínio dos cazares, a Carta Kievana foi escrita em hebraico, sendo o documento mais cazar mais antigo atualmente disponível[7]. Portanto, a conclusão retirada destes e de outros dados por um erudito respeitado da Questão Cazar, Kevin Alan Brook, parece mais do que legítima: “é altamente provável que os judeus modernos da Ucrânia (e outros judeus ashkenazi) sejam até certo ponto descendentes dos judeus originais da Rússia de Kiev, incluindo os cazares (…) As tradições orais do século XIX sugerem que os descendentes dos cazares continuaram a viver na Ucrânia até tempos recentes”[8]. Já a Enciclopédia Judaica, publicada em São Petersburgo nos anos imediatamente anteriores à Revolução de Outubro, informava que o judaísmo russo era originário dos “judeus das costas do Mar Negro e do Cáucaso”, que adotaram o iídiche somente no século XVII. Uma posição semelhante é expressa por outro estudioso, Peter Golden, em relação à origem cazar dos judeus da Lituânia e da Rússia Branca: “É muito provável”, escreve ele, “que os elementos judaicos cazares, especialmente aqueles que haviam aculturado nas cidades, tenham contribuído para a formação das comunidades judaicas eslavas da Rússia de Kiev, que foram definitivamente absorvidas pelos judeus de língua iídiche que, da Polônia e da Europa Central, entraram na Ucrânia e na Bielorússia”. Em relação à Ucrânia e à Polônia em particular, Arthur Koestler aponta que a própria toponímia revela antigos assentamentos cazares[10]. Aos dados toponímicos podem ser adicionados aqueles fornecidos por antropônimo: em Kiev e Odessa, por exemplo, o sobrenome judeu Kazarinsky é atestado[11].

O judaísmo ucraniano, provavelmente de ascendência cazar, deu uma contribuição fundamental tanto para o regime de ocupação da Palestina (basta mencionar os presidentes e ministros israelenses como Levi Eshkol, Golda Meir, Moshe Sharett, Yitzhak Ben-Zvi, Ephraim Katzir, Yuli-Yoel Edelstein, etc.) bem como a instituições internacionais como o Parlamento Judaico Europeu, estabelecido sob proposta da União Judaica Européia (EJU) fundada por dois milionários ucranianos de origem judaica, Vadim Rabinovich e Igor Kolomoysky.

Titular de três cidadanias (ucraniana, israelense e cipriota), presidente do Parlamento Judaico Europeu e da Ob’edinennaia Evreiskaia Obščina Ukrainy (Comunidade Judaica Unida da Ucrânia), governador do oblast Dnipropetrovs’k de março de 2014 a março de 2015, fundador do PrivatBank, proprietário de um time de futebol e do canal de TV Jewish News One (com sede em Bruxelas), Igor Kolomoysky financiou a milícia nacionalista Pravy Sektor e os batalhões Azov, Aidar, Dnipro-1, Dnipro-2, Donbass. Dono do canal de TV que com o programa Sluha narodu (Servo do Povo), que garantiu o sucesso do ator Volodymyr Zelensky, Kolomoysky apoiou a candidatura deste último em 2019 com seu império midiático, e colocou seu próprio advogado como seu conselheiro eleitoral.

Com Volodymyr Zelensky como presidente e Volodymyr Groysman (também judeu) como primeiro-ministro, Kiev se aproximou ainda mais de Tel Aviv. Em 2020, a Ucrânia se retirou de um comitê da ONU criado em 1975 para permitir ao povo palestino exercer seus direitos de autodeterminação, independência e soberania nacional e o direito de retornar às suas casas e propriedades das quais havia sido desapropriado. Por sua vez, o regime sionista enviou seus instrutores à Ucrânia para o treinamento militar do exército de Kiev. Quanto ao fornecimento de armas, fontes oficiais israelenses tiveram o cuidado de minimizar, admitindo apenas o envio de equipamentos de proteção, depois que a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, em entrevista à Rádio Sputnik, denunciou a presença de mercenários israelenses ao lado do Batalhão Azov[12].

Para ser honesto, não parece provável que os atuais epígonos dos cazares sejam capazes de reavivar as glórias de seus ancestrais, transformando a Ucrânia em um “Grande Israel”, segundo o piedoso desejo expresso pelo Presidente Zelensky. Já há doze séculos, de acordo com as crônicas, o príncipe russo Svyatoslav I foi ao ataque contra os cazares; estes “foram ao encontro dele liderados pelo príncipe Kagan, e se enfrentaram, e na batalha Svyatoslav dominou os cazares e conquistou a cidade de Belaja Vezha”[13]. Alguns anos depois, em 969, os russos ocuparam toda a bacia do Volga, até Itil, a capital da Cazaria.

Notas

[1] Zelensky: L’Ucraina del dopoguerra sarà come Israele sulla sicurezza, https://www.shalom.it, 5/4/2022.
[2] Russia-Ukraine war: Zelensky says ‘Big Israel’ a model for post-war Ukraine, middleeasteye.net, 5/4/2022.
[3] Elisa Serafini, Tecnologia, intelligence, difesa e startup: come l’Ucraina potrebbe diventare una nuova Israele, https://forbes.it, 19/4/2022.
[4] O Conselho Atlântico é um laboratório de ideias que visa “promover a hegemonia americana e fomentar acordos internacionais baseados no papel central da comunidade atlântica para enfrentar os desafios do século XXI”. Em 11 de maio de 2022, o Conselho do Atlântico entregou o Distinguished Leadership Award por seus serviços ao Presidente Mario Draghi e a dois representantes da Ucrânia: a embaixadora de Kiev em Washington Oksana Markarova e a cantora Jamala, vencedora do concurso Eurovision em 2016.
[5] Daniel B. Shapiro, Zelenskyy wants Ukraine to be ‘a big Israel.’ Here’s a road map, atlanticcouncil.org
[6] Aleksandr Solgenitsin, Due secoli insieme. Ebrei e Russi prima della rivoluzione, Controcorrente, Napoli, 2007, vol. I, p. 15.
[7] Norman Golb – Omeljan Pritsak, Khazarian Hebrew Documents of the Tenth Century, Cornell University Press, Ithaca, 1982.
[8] Kevin Alan Brook, The Jews of Khazaria, 2a ed., Rowman & Littlefield Publ., Lanham-Boulder-New York-Toronto-Oxford 2006, p. 177.
[9] Peter B. Golden, An Introduction to the History of the Turkic Peoples, Otto Harassowitz, Wiesbaden, 1992, pp. 243-244.
[10] Arthur Koestler, La tredicesima tribù. Storia dei cazari dal Medioevo all’Olocausto ebraico, UTET, Torino, 2003, p. 115.
[11] Per una più ampia trattazione dell’argomento: C. Mutti, Chi sono gli antenati degli ebrei?, “Eurasia”, 2/2009.
[12] Zakharova: “Mercenari israeliani combattono con il reggimento Azov”, newsonline.it, 4/5/2022.
[13] Racconto dei tempi passati. Cronaca russa del secolo XII, Einaudi, Torino, 1971, p. 37.


Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici.

Artigos: 593

Deixar uma resposta