Putin decidiu encabeçar um levante contra a ordem hegemônica estabelecida há séculos pelos anglo-saxões

A Operação militar promovida pela Rússia no território ucraniano, além de questões territoriais e políticas envolvidas, representa uma reconfiguração da atual ordem hegemônica liderada pelos Estados Unidos.

Por Marcelo Ramírez

Chegou o dia tão esperado e tão temido. A Federação Russa decidiu que já eram suficientes os 8 anos de ataques sobre os civis do Donbass, agravados pela acumulação de forças militares ucranianas que também ameaçaram tomar a Crimeia.

A “cereja do bolo” foi a intensificação dos ataques sobre o Donbass e as declarações do Presidente Zelensky que diziam que seu país esperava obter armas nucleares, algo que no Ocidente era tido como algo menor, mas não é assim na Rússia, onde o Ministro de Defesa Serguei Shoigú manifestou que a Ucrânia tem capacidade real de obtê-las rapidamente por seu passado na URSS e também conta com lançadores de mísseis aptos para esse trabalho.

É complexo fazer prognósticos ou descrições do que está passando, porém, há alguns pontos que começam a ficar claros.

  • A guerra de informação e a ação psicológica alcançam níveis surreais. Sucedem-se sem intervalos imagens de equipes militares e soldados mortos ou rendidos que se apresentam inversamente ao que aconteceu, cheio de falsidades nas interpretações ou extraídos de outras épocas ou lugares;
  • A Rússia avançou com equipamentos leves para minimizar as baixas civis, apesar disso, conseguiu chegar a Kiev e outras cidades ucranianas, a maioria das quais foram cercadas;

Esta política decidida por Putin tem sido questionada no seu país por pessoas que creem que produz baixas desnecessárias. Moscou desdobrou apenas 1/3 da força militar que havia concentrado nas fronteiras e só agora começamos a ver os primeiros equipamentos pesados a circular na Ucrânia.

  • A força naval e aérea da Ucrânia foi destruída, há mais de mil instalações militares demolidas, entre elas as bases aéreas. Depósitos de armas, sistemas antiaéreos e de defesa contra mísseis foram eliminados em sua maioria. O controle marítimo e aéreo russo é total e isso significa e se a guerra continuar só haverá mais vítimas, mas o resultado final será a vitória russa;
  • O Ocidente respondeu como era esperado, depois de encorajar a Ucrânia em sua política bélica disse que não enviaria tropas e está recorrendo a um carregamento bastante complicado. Se a Rússia tiver o controle total dos céus, é praticamente impossível entregar armas pequenas mais do que em um conta-gotas, e a Rússia já avisou que destruirá todos os carregamentos de armas;
  • A Rússia, quando a invasão começou, avisou que qualquer potência estrangeira que tentasse intervir sofreria represálias nunca vistas na história. Isso foi reforçado com a colocação de tropas estratégicas em alerta de segurança máxima, que são aquelas que usam armas nucleares;
  • Onde a predominância do Ocidente é quase absoluta é na mídia, só se ouve uma voz que se caracteriza pelo desconhecimento da história e pela parcialidade com um relato infantil dos acontecimentos;

As redes censuram canais “pró-russos” e a UE bloqueia o acesso a meios internacionais de origem russa, como RT e Sputnik.

  • Todos os tipos de sanções econômicas são anunciados, fechamento do espaço aéreo europeu para as companhias aéreas russas, desconexão parcial do Swift, mas sem afetar o gás em que a UE está interessada. Muita ação espetacular, como aquelas no campo esportivo, que não afetam a Rússia, mas são apenas mais uma ação de propaganda;
  • As negociações para obter a paz são erráticas, ora parece possível uma solução e ora essa possibilidade está distante. A personalidade do ex-comediante Zelensky não ajuda o processo devido ao delicado equilíbrio interno onde o governo ucraniano tem entre seus membros setores fanáticos que buscam o extermínio daqueles cidadãos de origem russa, uma das faces mais visíveis do poder se encontra no Batalhão Azov, reconhecido por seu pensamento e iconografia pró-nazistas;

O que estamos detalhando é apenas um breve resumo dos eventos que devem ser considerados em uma estrutura mais ampla, como a compreensão do que está em jogo. A opção militar não vem porque Putin teve uma noite ruim, mas como resultado da humilhação a que o Ocidente submeteu a Rússia após a queda soviética em muitas áreas.

A expansão da OTAN sobre as fronteiras russas, quebrando as promessas feitas a Gorbachev no momento da dissolução da URSS, dando lugar posteriormente à atual Federação Russa. Pressão que se intensificou a partir de 1997, quando 15 países aderiram à OTAN tendo pertencido ao Pacto de Varsóvia.

Putin, em 2007, começou a alertar que isso ameaça a segurança da Rússia, no entanto, o Ocidente fez ouvidos moucos e continuou com sua política de cerco e estrangulamento.

Em 2014, a política de revoluções coloridas para colocar governos fantoches fez sua aparição na Ucrânia nos eventos do Euromaidan, onde o presidente Viktor Fiódorovich Yanukovych foi finalmente deposto, dando origem à sucessão de governos radicais que perdurariam até a eleição do atual presidente, um ator que se caracterizou pela sátira política.

A verdadeira razão desta luta é que a Rússia finalmente decidiu que não poderia voltar mais atrás e que a Ucrânia não poderia fazer parte da OTAN, mas não só isso, a Rússia pretende hoje redefinir os termos que regulam a atual ordem internacional hegemonizada pelo Ocidente e liderada pelos EUA.

Isso foi reconhecido por líderes europeus que acusam a Rússia de querer justamente minar a ordem atual.

Enquanto isso, a China se expõe o menos possível, mas deixa claro que não apoiará o Ocidente sancionando a Rússia, e a Índia também se distancia ao se abster da votação do Conselho de Segurança contra a Rússia.

Putin decidiu liderar o levante contra a ordem hegemonizada há séculos pelo mundo anglo-saxão. Ele se preparou financeiramente para resistir a sanções que já ultrapassam “100 rounds” desde o início deste século. Em 2018 apresentou suas novas armas que poderiam matar qualquer inimigo que o atacasse e agora decidiu que é hora de levantar a voz.

O Ocidente ignora e subestima as capacidades russas, apaixonado por sua própria história e liderado pela raça mais medíocre de líderes imagináveis, tem sido surdo às reivindicações russas por todos esses anos.

Nos dias que antecederam a crise ucraniana, os europeus também seguiram o exemplo e ignoraram as demandas de segurança por escrito exigidas pelo lado russo. O objetivo era provocar a invasão, pelo que incentivaram a Ucrânia a continuar atacando com força crescente os cidadãos de origem russa, forçando a situação diante do que Moscou denunciou como genocídio.

O Ocidente, ou pelo menos esses líderes precários que tem hoje, não conhecem as características mínimas da Rússia, criam sua própria propaganda para estereotipar Putin e colocá-lo como um “ditador louco a lá Hitler”. O problema é que a Rússia não é o que essas forças anunciam, e a decisão de Putin é calculada e determinada porque ele foi cercado e não tem outra escolha.

Os russos têm alertado que falam sério, que anseiam pela paz, mas não fogem da guerra.

Quem conhece a história, quem conhece o povo russo, sabe que não deve ser inimigo, porém, a miopia política levou o mundo a um beco sem saída.

Ninguém ganha com isso, hoje a UE verá sua economia seriamente prejudicada pelas próprias sanções que impõe, mas ainda assim os EUA também verão um declínio econômico.

Há apenas um vencedor no horizonte que é aquele que está redefinindo o mundo e que após a pandemia desencadeou uma crise energética e agora militar. Se a situação for contida, seu propósito de forçar a mudança econômica por meio de uma crise será de boa saúde, e se a situação se agravar para uma guerra mundial e termonuclear, veremos como seu plano de redução massiva de população também se consolida. Uma fórmula win-win para o globalismo que construiu uma armadilha perfeita cuja única saída parece ser Washington.

A Rússia não pode voltar mais atrás sem comprometer sua própria existência, e a UE está estupidamente empurrando uma guerra sob ordens do governo Biden.

Quando Donald Trump foi despejado do poder com uma eleição fraudulenta ignorada pela imprensa e pela Justiça e silenciada pela tecnologia, o progressismo celebrou a chegada de Joe Biden, um falcão cercado de falcões que, com uma política “inclusiva”, se diferenciava do “misógino, homofóbico e xenófobo Trump.”

Alguns de nós advertiram que o programa de Biden era o programa de Obama, o globalismo financeiro que promoveu a reconfiguração do mundo com base em seus interesses. Este programa estava levando a uma guerra mundial, que hoje ocorre na Ucrânia, mas mesmo que essa crise seja superada, você verá outras surgirem porque a diferença é profunda e não é este país.

Claro que a mídia se alinhou para nos dizer que o risco do fascismo planetário foi abortado e que agora uma era de inclusão estava chegando. Bem, um ano depois desse evento, vemos a verdadeira natureza deste governo americano.

É por isso que a decisão de haver ou não guerra mundial é dos EUA, se o povo americano que repudia seu próprio governo nas urnas não agir, o destino pode ser muito preocupante.

Os militares dos EUA são a outra esperança de que decidam se rebelar e “drenar o pântano”, se eles e/ou seu povo não o fizerem, desaparecerão da história junto com muitos outros povos, como os europeus que não conseguem sair da propaganda manipulada a que são submetidos.

Da América do Sul aguardamos o desfecho, e se alguém pode sobreviver a esta situação somos precisamente nós, distantes geograficamente da tragédia que se avizinha.

Fonte: KontraInfo

Imagem padrão
Marcelo Ramírez

Analista geopolítico e diretor da AsiaTV.

Artigos: 585

Deixar uma resposta