Washington pretende restaurar seu status de hiperpotência com o conflito ucraniano

Muito pouco muda nas grandes estratégias estadunidenses. O projeto estadunidense para voltar a ser uma hiperpotência se assemelha à estratégia utilizada na primeira metade do século XX. Os EUA manipularam a Ucrânia a provocar a Rússia para poder enfraquecer seu rival na União Europeia e vender toneladas em armas, munições e equipamentos, além de certamente emprestar dinheiro e partir o bolo da reconstrução de qualquer Estado ucraniano que sobreviva.

A ressurreição dos Guerreiros Frios

Em dois meses, a operação militar especial russa contra os banderitas se transformou em uma verdadeira guerra entre os russos e as repúblicas populares do Donbass, de um lado, e os ucranianos apoiados pela OTAN, de outro.

Uma vitória ucraniana seria um golpe contra a Rússia e uma vitória russa marcaria a morte da OTAN. Nenhum dos dois protagonistas pode recuar. Portanto, todos os movimentos são permitidos.

Primeiro, os banderitas viram seus antigos aliados do Bloco Anti-Bolchevique das Nações (ABN) e da Liga Mundial Anti-Comunista (WACL) [1], como 3.000 milicianos dos Lobos Cinzentos Turcos, afluírem à Ucrânia.

Enquanto a ABN e a WACL, sem ter desaparecido completamente, foram substituídas pela secreta Ordem Centúria, os laços ideológicos anti-russos e a fraternidade desenvolvida durante as operações secretas da Guerra Fria ainda estão lá. Durante a guerra contra a Síria, os laços estabelecidos entre jihadistas de várias nacionalidades durante suas sucessivas batalhas sob o comando da CIA no Afeganistão, Bósnia-Herzegovina, Chechênia e Kosovo também foram notados.

Parece hoje que esta guerra está fadada a durar e a crescer. Estas redes continuam, portanto, sua mobilização. Por exemplo, por enquanto, nenhum combatente asiático foi denunciado, embora Chiang Kai-shek tivesse oferecido assistência muito significativa à WACL, chegando ao ponto de criar a Academia de Guerra Política do banderita ucraniano Yaroslav Stetsko em Taiwan. Esta escola era o equivalente ao Centro de Guerra Psicológica de Fort Bragg (EUA) e da Escola das Américas no Panamá, incluindo cursos de tortura. O governador de Mykolayev de origem koryo-saram, Vitaly Kim, poderia fazer a conexão com os sucessores do ditador sul-coreano Park Chung-hee.

A Liga foi completamente transformada em 1983 sob o conselho do straussiano Edward Luttwak [2]. Ela mudou seu nome para Liga Mundial para a Liberdade e Democracia (WLFD) quando a URSS foi dissolvida. Realizou seu último congresso em 23 e 24 de janeiro de 2022 em Taiwan, sob a presidência de Yao Eng-chi, um alto funcionário do Kuomintang. Tem um status consultivo na ONU e um escritório nas instalações da Organização. Continua a receber quase US$ 1 milhão em financiamento anual de Taipei. A lei de sigilo do governo taiwanês cobre suas atividades.

Por que morrer quando se pode explorar a angústia dos outros?

Enquanto os continuadores apoiados pela CIA de milícias de todo o mundo se juntaram aos banderitas, a OTAN está mantendo sua distância do exército ucraniano. Isto é para evitar um conflito direto entre os Estados Unidos e a Rússia, duas potências nucleares.

O Pentágono, portanto, convocou uma reunião em 26 de abril de 2022 em sua base alemã em Ramstein para forçar 43 de seus aliados a dar armas aos ucranianos. Sabendo que antes da guerra, o governo Zelensky considerava que um terço das forças armadas era composto de milícias banderitas, estas armas irão para os neonazistas. Todos os estados com serviços de inteligência competentes sabem disso. Mas eles são tão tetanizados pelo Tio Sam que somente Israel ousou boicotar esta reunião [3]. Entretanto, a influência de Washington já não é o que era: ela foi capaz de mobilizar a participação de 66 Estados para apoiar militarmente os jihadistas contra a Síria. Estes Estados representam um terço dos membros da ONU, mas apenas um décimo da população mundial. Podemos ver o quanto a posição dos Estados Unidos se enfraqueceu.

Além disso, este influxo de armas não torna mais necessário que o exército ucraniano ataque a República Moldava de Dniester (Transnístria), que abriga o maior arsenal de armas do continente europeu.

Em 29 de abril, a Casa Branca obteve do Congresso 33 bilhões de dólares em fundos adicionais para armar a Ucrânia. Isto eleva o orçamento militar da Ucrânia para o 11º maior do mundo.

Após dois meses de luta, as forças políticas americanas se mobilizaram para a guerra straussiana e imaginaram o que poderiam conseguir com ela. Para se tornarem a hiperpotência que já foram, os Estados Unidos tinham que repetir o placar desde o início da Segunda Guerra Mundial. Em 1939, ainda não haviam se recuperado da crise econômica de 1929. Nova York estava muito atrás de sua rival, Buenos Aires. A ideia brilhante havia sido deixar os europeus se despedaçarem, vendendo-lhes armas produzidas em massa em troca de suas joias de família. Washington não se comprometeu até 1942, e então apenas com a ponta dos dedos. A guerra resultou em 55 milhões de vítimas, das quais apenas 200.000 eram americanas. O truque foi ter alugado armas. Após a vitória, chegou o momento de fazer contas. Os britânicos foram forçados a desistir de seu império, enquanto as dívidas soviéticas se estenderam por mais de 60 anos. Eles só foram liberados por Vladimir Putin.

O Congresso deveria portanto aprovar rapidamente a “Ukraine Democracy Defense Lease Act of 2022”, que já foi aprovada pelo Senado (S. 3522). Economicamente, também, a Segunda Guerra Mundial continua [4].

Esta é uma aplicação da “Doutrina Wolfowitz” de 1990: evitar por todos os meios o desenvolvimento de um rival dos Estados Unidos, com prioridade para enfraquecer a União Europeia.

Se esta medida é uma racionalização logística e um excelente investimento econômico, é também um desperdício militar: o manuseio da maioria destas armas requer um longo treinamento que os combatentes ucranianos não possuem. Portanto, eles não poderão utilizá-las a curto prazo. Além disso, estas armas só podem ser utilizadas na linha de frente, mas não podem ser transportadas para lá porque as estações elétricas já estão destruídas e as locomotivas diesel européias não são adaptáveis à bitola das ferrovias ucranianas e russas. Além disso, as ferrovias já foram fortemente bombardeadas.

Dada a corrupção do Presidente Volodymyr Zelensky, é previsível que, incapaz de usar essas armas, ele as venderá no mercado negro. Elas ressurgirão em outros campos de batalha, desta vez nas mãos de atores não-estatais. Em dois meses, este brincalhão já conseguiu desviar centenas de milhões de dólares. Enquanto isso, seu povo está sofrendo.

A estratégia americana de se tornar novamente o centro do mundo só funcionará se a guerra se espalhar para o Ocidente. Não estou falando das inevitáveis operações militares contra a Transnístria [5], mas do envolvimento econômico dos membros da União Europeia.

Até hoje, somente os poloneses e búlgaros se recusaram a pagar pelo gás russo em rublos e, portanto, estão privados de abastecimento. Todos os outros membros da União Europeia já concordaram em pagar em rublos, mas não diretamente à Gazprom, através de intermediários bancários. Os protestos poloneses de que o país está prestes a mudar de fornecedor não ajudam: Varsóvia importará gás russo de outros países europeus, que pagarão em rublos. A única diferença é que ele terá que pagar um intermediário adicional.

Ao seguir seu senhorio americano, os europeus devem, portanto, esperar tanto uma queda acentuada em seu padrão de vida quanto a perda de suas joias de família. Ninguém parece se importar.

Rumo ao desmantelamento da Ucrânia

No momento, as operações militares russas estão estritamente limitadas à destruição da enorme infraestrutura de defesa ucraniana, da qual o Ocidente não tem ideia. A fase móvel da guerra ainda não começou. Após meses de bombardeio, espera-se que ela ocorra apenas durante o verão e deve ser rápida. O exército russo se oferecerá então para deslocar a população convencida pelos banderitas para a parte restante da Ucrânia.

A guerra despertou apetites irredutíveis. A Polônia, que considerou a possibilidade de anexar o enclave de Kaliningrado no mês passado, está agora considerando ocupar a Ucrânia ocidental. Ela já havia ocupado esta região, a Galícia, durante o período entre as guerras, quando o Império Austro-Húngaro foi desmembrado. A ideia seria implantar ” forças de manutenção da paz ” e permanecer lá. No entanto, a guerra polaco-ucraniana deixou más recordações entre os dois povos e foi justamente neste contexto que os banderitas foram formados. A propósito, Stepan Bandera mandou assassinar o Ministro do Interior polonês, Bronisław Pieracki. Os banderitas afirmam ter vingado a repressão de seu partido, mas a realidade é que Bandera já era membro da Gestapo nazista e estava preparando a invasão da Polônia pelo Terceiro Reich.

A Romênia não disse nada por enquanto, mas posicionou suas tropas. Quando a guerra se estender à Transnístria, não hesitará em questionar a existência tanto da Transnístria quanto da Moldávia, ambas romenas no século XX. A Hungria cobiça a Transcarpátia ucraniana, que perdeu quando o Império Austro-Húngaro caiu. Os governos ucranianos discriminaram sua população predominantemente húngara após a “Revolução da Dignidade” (o golpe de Estado de 2014). Assim como o russo, seu idioma foi proibido. Hoje, a Transcarpátia está em paz. As tropas russas não a atacaram. Ela serve de refúgio para os ucranianos contra a oposição interna. A Eslováquia está de olho apenas em alguns vilarejos.

A Rússia, por outro lado, que só queria reconhecer a independência da Crimeia (já parte da Federação Russa) e das Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk, anunciou em 24 de março que pretendia anexar toda a Ucrânia meridional a fim de ligar a Transnístria, a Crimeia e o Donbass.

Como resultado desta escultura polaco-romeno-magiar-russa, espera-se que a Ucrânia perca metade de seu território e seja reduzida a seus ossos nus.

Rara tentativa positiva

Em 26 de abril, o Secretário Geral da ONU, Antonio Guterres, foi ao Kremlin com duas propostas.

Criar uma comissão conjunta ONU-Rússia-Ucrânia para coordenar os esforços humanitários; Criar com o pessoal da ONU e da Cruz Vermelha Internacional um corredor de saída da fábrica Azovstal em Mariupol para os civis que desejem partir.

Até agora, os ucranianos propuseram corredores humanitários para a Moldávia e Polônia, enquanto os russos propuseram corredores para Bielorússia e Rússia (sabendo que os banderitas serão presos e julgados lá). Nenhum acordo foi alcançado.

Quanto à fábrica Azovstal em Marioupol, não se sabe se algum civil se refugiou lá. O exército russo criou um corredor de saída que 1.300 soldados usaram para se render, mas nenhum civil passou. Os prisioneiros de guerra ucranianos afirmaram que há civis sendo usados como escudos humanos pelos banderitas, o que Kiev nega. Uma personalidade turca, que favorece uma aliança com a China e a Rússia ao invés dos Estados Unidos, Doğu Perinçek, alegou que 50 oficiais franceses estavam presos no interior, sem que esta imputação fosse verificável [6]. A Rússia pediu à ONU que viesse verificar as condições de detenção destes 1.300 prisioneiros, o que eles não fizeram. Era uma questão de Moscou levantar suas exigências humanitárias a fim de obtê-las para os prisioneiros russos dos ucranianos. Muitos vídeos estão circulando atestando os maus-tratos e torturas a que estão sendo submetidos.

Antes da abertura das negociações, o presidente russo Vladimir Putin reiterou publicamente a posição de seu país: A Rússia rejeita as regras estabelecidas pelo Ocidente e exige o respeito à Carta das Nações Unidas (que foi objeto da proposta de um tratado de paz bilateral EUA-Rússia em 17 de dezembro de 2021 [7].

O Secretário Geral da ONU explicou então que, segundo a opinião geral, a Carta da ONU condena a invasão de um país soberano. O presidente russo respondeu que se tratava de um caso especial: A Ucrânia declarou publicamente que não implementará os acordos de Minsk registrados pelo Conselho de Segurança e atacou sua própria população de Donbass com armas pesadas. Após oito anos de resistência, essas populações votaram pela independência e seus governos pediram ajuda à Rússia, o que foi feito nos termos do artigo 51 da Carta.

Vladimir Putin se referiu então à decisão do Tribunal Internacional de Justiça sobre a independência do Kosovo. O Tribunal declarou que o direito dos povos à autodeterminação poderia ser aplicado sem o consentimento da autoridade central à qual eles estavam anteriormente sujeitos. Isto não foi contestado. Em Kosovo, entretanto, foi a Assembléia Nacional que proclamou a independência, enquanto em Donbass foi o povo que a proclamou diretamente em um referendo.

No final da discussão, as Nações Unidas e a Cruz Vermelha Internacional concordaram com a Rússia em estabelecer um procedimento para a evacuação de civis da fábrica Azovstal em Mariupol.

Propaganda de guerra

Enquanto isso, a propaganda de guerra continua. É impressionante notar que os dois lados estão se dirigindo a alvos diferentes e usando métodos diferentes.

Londres e Washington procuram convencer os ocidentais de sua narrativa. Eles não se dirigem aos ucranianos, muito menos aos russos. Eles impõem seus pontos de vista através da repetição e depois seguem em frente. Concentram-se em minar os neonazis ucranianos, em encenar belas imagens [8] e em denunciar os crimes atribuídos aos russos.

Por exemplo, eles alegaram que o exército russo havia cometido um massacre de civis em Bucha. Seus líderes falaram de um possível “genocídio”, o crime mais grave que pode ser julgado. Os especialistas explicaram que as vítimas haviam sido baleadas com armas automáticas. Mas quando os cientistas forenses invalidaram esta versão [9], Kiev reprimiu a notícia, acusando dez soldados russos, cuja identidade é desconhecida.

A propaganda ucraniana se concentra em duas questões: a invenção de vitórias militares elogiadas pela imprensa ocidental, mas rapidamente negadas, e a atribuição de crimes abomináveis ao exército russo, também rapidamente negados.

Por sua vez, Moscou considera o Ocidente como pessoas que não querem aceitar a realidade e, portanto, não podem mudar de ideia até que tenham perdido. Portanto, ela se dirige apenas aos russos e ucranianos, que considera terem sido enganados de boa fé pelos banderitas. Em vez de se comunicar sobre os acontecimentos atuais, a Rússia abre seus arquivos militares [10] para mostrar que os banderitas nunca tiveram qualquer hesitação em assassinar ou mesmo torturar outros ucranianos. Acima de tudo, ela atesta que nunca, absolutamente nunca, os banderitas combateram os nazistas. Desse modo, ela derruba a história oficial da Ucrânia de acordo com a Wikipedia e a OUN(B) por quem os banderitas lutaram tanto contra os nazistas quanto contra os soviéticos. A imprensa ocidental não retransmite estas revelações porque as obrigaria a se posicionar contra os banderitas. Além disso, documentos alemães, também revelados por Moscou, mostram que o regime nazista e os banderitas, juntos, conceberam um plano para aniquilar as populações do Donbass. Este plano, se não foi executado durante a Segunda Guerra Mundial, conheceu um início de execução pelos banderitas de Kiev após 2014.

Notas

[1] “The World Anti-Communist League: the Internationale of Crime”, por Thierry Meyssan, Tradução Anoosha Boralessa, Rede Voltaire, 12 de maio de 2004.
[2] Edward Luttwak é um eminente estrategista e o historiador oficial do exército israelense. Ele era um dos quatro mosqueteiros de Dean Acheson (os outros três eram Richard Perle, Peter Wilson e Paul Wolfowitz). Em 1968, ele publicou o Golpe de Estado: Um Manual Prático, que em 2000 se tornou o livro de mesa de café dos membros do Projeto para um Novo Século Americano e foi implementado em 11 de setembro de 2001. Ele ameaçou o presidente francês Jacques Chirac, em nome dos straussianos, declarando no noticiário televisivo France 2 em 9 de dezembro de 2003: “Chirac tem uma conta a pagar para Washington! Ele tem uma longa conta a pagar em Washington e, em Washington; há uma decisão óbvia de fazê-lo pagar a conta. Chirac quis comer às custas dos Estados Unidos na arena diplomática e, é claro, ele pagará”. Ele também ameaçou o chanceler alemão Gerhard Schröder. Depois disso, nenhum líder ocidental ousou questionar a versão americana dos ataques, e a França serviu à CIA na Geórgia e no Haiti.
[3] Da mesma forma, o Parlamento israelense é a única assembleia nacional ocidental que se recusou a convidar o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky para uma sessão plenária. Para não se desligar de Washington sem ter que endossar um regime neonazista, o Knesset apenas organizou uma conferência de zoom com os deputados que desejavam participar.
[4] “Ucrânia: a Segunda Guerra Mundial continua”, por Thierry Meyssan, Tradução Roger Lagassé, Rede Voltaire, 26 de abril de 2022.
[5] “Washington persegue o plano de RAND no Cazaquistão, depois na Transnístria”, por Thierry Meyssan, Tradução Edouard Feoktistov, Rede Voltaire, 11 de janeiro de 2022.
[6] Seu partido, Vatan, deu uma conferência de imprensa sobre isto: “Özgür Bursalı: Macron 50’den fazla Fransız subayını ölüme terk etti”, Aydinlik, 22 Nisan 2022.
[7] “Russia wants to force the US to respect the UN Charter”, por Thierry Meyssan, Tradução Roger Lagassé, Rede Voltaire, 4 de janeiro de 2022.
[8] “London to deploy White Helmets in Ukraine”, Rede Voltaire, 27 de abril de 2022.
[9] “Pista descoberta em Bucha”, Réseau Voltaire, 26 de abril de 2022.
[10] “Desclassificação de documentos expondo crimes de Banderite”, Rede Voltaire, 30 de abril de 2022.

Fonte: Voltaire Network

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da <em>Rede Voltaire</em> e da conferência <em>Axis for Peace</em>, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *