A Anexação da Ucrânia Ocidental seria realmente conveniente para a Polônia?

A inteligência russa lançou o alerta de que a Polônia estaria realmente planejando entrar na Ucrânia Ocidental, tal como se suspeitava desde o início do conflito. O problema é que com o país já abalado pelas consequências das sanções contra a Rússia e pela absorção de milhões de refugiados ucranianos, a anexação do oeste ucraniano representaria um verdadeiro dreno econômico dos recursos poloneses. Será que valeria a pena?

O mini-império não natural de Lênin está à beira do que poderia ser seu colapso completo e final se o relatório do chefe espião russo Naryshkin sobre a trama da Polônia para dividi-lo estiver correto. Segundo fontes de inteligência de seu país, a Polônia está conspirando com os EUA para enviar suas tropas sob a cobertura de forças de paz para as porções da Ucrânia ocidental que costumavam estar sob o controle de Varsóvia durante a Segunda República Polonesa entre as duas guerras. Eles assumirão então o controle de instalações estratégicas da Guarda Nacional Ucraniana, após o que a Polônia cultivará políticos ucranianos pró-polacos para combater os neonazistas que historicamente são oriundos da região galega. O último passo será a incorporação política deste território na própria Polônia.

De fato, previ exatamente este cenário dois dias após o início da atual operação militar especial da Rússia na Ucrânia, tendo escrito que “a OTAN poderia querer traçar sua própria linha vermelha nos escombros do cada vez mais desmoronado Estado ucraniano, reanimando a República Popular da Ucrânia Ocidental, seja como um Estado independente autodeclarado que se junta imediatamente à aliança militar para ficar sob seu guarda-chuva nuclear, seja fazendo-a (re)unir-se à Polônia e alcançar o mesmo fim por esses meios”. Esta sequência de eventos parece estar prestes a acontecer, segundo Naryshkin, que disse que aconteceria sem um mandato da OTAN e envolveria uma chamada coalizão de interessados.

Possíveis parceiros poderiam ser a Hungria e a Romênia, países dos quais Stálin amputou parte de seu território histórico após a Segunda Guerra Mundial. Independentemente de seu envolvimento especulativo neste alegado plano de partição, qualquer movimento tangível da Polônia nesta direção indicaria que o Ocidente liderado pelos EUA acredita que o Estado ucraniano fracassou em consequência de eventos recentes. As fronteiras artificialmente criadas por este Estado não podem mais ser mantidas juntas depois que as forças russas varreram o leste e o sul da Ucrânia, onde permaneceram por mais de 60 dias, apesar da guerra por procuração da OTAN contra a Rússia através da Ucrânia que o Secretário de Defesa Austin admitiu oficialmente no outro dia.

Embora existam certamente alguns ultranacionalistas na Polônia que gostariam de ver a Ucrânia Ocidental (re)unida com seu país, este cenário na verdade acarreta custos econômicos e de reputação consideráveis para o partido governista “Lei e Justiça” (PiS para abreviar). Como expliquei no início deste mês, PiS é na verdade um falso movimento conservador-nacionalista que na realidade é apenas mais uma frente liberal-globalista da elite europeia. Em particular, “o exemplo conservador-multipolar de Orban expõe Kaczynski como uma fraude liberal-globalista”, especialmente após “a ucranização da Polônia coloca o último prego no falso projeto nacionalista do PiS”.

Os poloneses tornaram-se cidadãos de segunda classe em seu próprio país, enquanto os refugiados ucranianos andam por aí como cidadãos de primeira classe. Eles são tão privilegiados que recebem uma ampla gama de benefícios estatais, tais como moradia, transporte, alimentação e até mesmo prioridade para operações médicas de emergência por cima dos poloneses locais que têm que esperar bastante para receber esses tratamentos emergenciais. Em certo sentido, a Polônia tornou-se abruptamente uma sociedade semelhante ao apartheid, na qual os recém-chegados foram tratados pelos funcionários ainda melhor do que as próprias pessoas que os elegeram para o poder. Como expliquei pouco antes do início do conflito ucraniano, “a absorção planejada pela Polônia de milhões de refugiados ucranianos tem motivos ulteriores”.

Basicamente, Kaczynski calculou que ele poderia alavancar esta comunidade maciça de expatriados privilegiados para exercer influência sobre o resto da Ucrânia, como parte dos planos da Polônia para expandir sua “esfera de influência” através da “Iniciativa dos Três Mares” (3SI) sob um pretexto abertamente russofóbico que se assemelha a uma nova variante de fascismo. O problema, no entanto, é que suas bases não suportam se tornar cidadãos de segunda classe em seu próprio país. Eles votaram PiS em parte por causa de sua defesa estridente das fronteiras da Polônia contra os milhares de pessoas que tentaram invadir seu país, não porque ele abriu suas portas para milhões de refugiados ucranianos que desde então se tornaram “hóspedes privilegiados”.

Além das consequências políticas internas contraproducentes do suposto plano da Polônia de anexar a Ucrânia ocidental, há também as consequências econômicas óbvias. Dependendo de quanto território for tomado, mais de 10 milhões de pessoas poderiam ser adicionadas à população da Polônia, além dos mais de 3 milhões de refugiados que ela já hospeda. Excluindo os custos de assegurar o bem-estar geral dessas pessoas, a Ucrânia é considerada muito mais pobre e menos desenvolvida em todos os aspectos do que a Polônia, incluindo sua região ocidental, que é considerada muito melhor do que suas outras partes. Os custos de incorporação deste território e de sua população na Polônia poderiam ser da ordem de bilhões de dólares.

Até agora, a Polônia havia sido a economia da Europa Central e Oriental (CEE) com melhor desempenho, embora agora esteja passando por sua maior inflação em mais de duas décadas. Além disso, sua recusa em cumprir o movimento geoeconômico do presidente Putin de exigir o pagamento do gás em rublos é diretamente responsável pelo pior cenário econômico da Europa, o que provavelmente levará a preços mais altos, mais desemprego e, consequentemente, mais instabilidade política. Todos os custos relacionados com a possível anexação da Ucrânia Ocidental à Polônia serão pagos pelos contribuintes poloneses e virão às custas do desenvolvimento da população e do território dentro de suas fronteiras universalmente reconhecidas.

Levando esta observação em consideração, o cenário da anexação da Ucrânia Ocidental representaria de fato a maior transferência de riqueza polonesa desde a perda de “Kresy” após a Segunda Guerra Mundial. A estabilidade sócio-econômica da Polônia sofrerá, sem dúvida, e talvez seja irremediavelmente afetada por uma redistribuição tão radical da riqueza entre os milhões de refugiados em seu território e as pessoas que vivem na Ucrânia ocidental, que serão os destinatários desses investimentos astronômicos. Sendo este o caso, e levando em conta tudo mais que foi compartilhado nesta análise, é contrário aos interesses nacionais objetivos da Polônia anexar essa parte do mini-império não natural de Lenin, embora isso possa acontecer de qualquer forma.

Fonte: One World

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro "Guerras Híbridas".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *