Análise Militar da Operação na Ucrânia do Ponto de Vista dos EUA

Os EUA estão analisando atentamente cada aspecto da operação militar russa na Ucrânia e experimentando com várias hipóteses para aperfeiçoar seus próprios mecanismos de guerra híbrida. É necessário, portanto, que a própria Rússia e os outros países do mundo prestem atenção nos relatórios e análises produzidas no âmbito estadunidense porque indicam futuras iniciativas, experimentos e desenvolvimentos na máquina de guerra dos EUA.

Em 23 de março, a mídia ocidental fez outro plantio de informações sobre as “perdas do exército russo” na Ucrânia, indicando que cerca de 40.000 soldados foram mortos, feridos, capturados ou desaparecidos. Ao mesmo tempo, o Wall Street Journal, que primeiro deu esta notícia [1], refere-se a um alto funcionário anônimo da OTAN, e o resto da mídia cita o Wall Street Journal.

Esta propaganda ocidental e este anseio não é mais surpreendente e é bastante compreensível. Muito mais interessantes são as tentativas dos militares e especialistas em política militar ocidental de considerar as táticas e estratégias de combate que são usadas na Ucrânia de ambos os lados.

Em 5 de março, o Washington Post apontou uma mudança nas táticas das operações militares. [2] Foi observado que os ucranianos tentaram infligir o maior número possível de perdas ao exército russo, enquanto a Rússia provavelmente aumentará seu poder de fogo. A publicação citou vários especialistas militares. Rob Lee acredita que a vantagem da Rússia está em conduzir uma guerra convencional com o uso de tanques e unidades mecanizadas de infantaria.

Portanto, os ucranianos precisam se concentrar em ataques contra este equipamento durante horas de escuridão com a ajuda de dispositivos de visão noturna. E o congressista Jason Crow, que serviu no Afeganistão e no Iraque, disse que a descentralização do exército ucraniano é o melhor ativo no momento, o que, curiosamente, contradiz os indicadores necessários para a adesão do país à OTAN.

Outras estimativas não são menos interessantes. Michael Kofman e Ryan Evans observam que a Rússia está travando uma “guerra de atrito”. [3] Esta é uma das abordagens clássicas, que consiste em enfraquecer o inimigo por constantes ataques e exaustão, forçando-os a gastar todos os seus recursos. Obviamente, em tal estratégia, a vitória estará do lado do participante do conflito que tem mais recursos e reservas. E esta é claramente a Rússia. Portanto, continuam as intensas discussões nos países da OTAN sobre a necessidade de abastecer as Forças Armadas ucranianas a fim de continuar a infligir danos às tropas russas, apesar das perdas de mão de obra.

O conhecido especialista militar Michael Mazarr está tentando entender as causas do conflito e como responder a elas. Ele escreve que em nenhum caso devem ser tomadas decisões precipitadas, e “a melhor resposta a tragédias imperiosas é uma deliberação robusta, tanto pública quanto dentro do governo, que realiza exatamente o tipo de análise consequencialista e baseada em resultados que os provedores de imperativos procuram – mesmo que inconscientemente – evitar”.

As principais perguntas que devemos fazer sobre qualquer ação proposta na Ucrânia incluem: Esta política fará uma diferença mensurável na guerra? Será que ela corre o risco de ultrapassar algum limiar objetivamente definido, como a realização de operações de combate reais? O que a Rússia poderia fazer com o ato? Como poderia responder? Existem alternativas que atingiriam o mesmo efeito, com menor risco? Quais são os possíveis efeitos de segunda ordem? O ato está de acordo com os interesses nacionais americanos em jogo?

O efeito de um julgamento imperioso é ignorar tais questões inconvenientes. Se já tivessem sido feitas perguntas suficientes – pelas pessoas certas, no momento certo, com a seriedade necessária – os Estados Unidos poderiam ter evitado catástrofes como a Baía dos Porcos ou a invasão do Iraque.

A paz global está em jogo na guerra mais ampla que poderia se espalhar a partir da Ucrânia. Nesta crise, os Estados Unidos enfrentam uma obrigação inegável: fazer as perguntas certas antes, e não depois, de agir em larga escala; verificar seu senso de dever e compromisso moralista; e, desta vez, ter certeza de encontrar seu caminho para uma ação sábia, em vez de um caminho para o desastre”. [4]

Esta é uma avaliação mais equilibrada. Ela também indica a necessidade de um atraso na tomada de decisões nos círculos político-militares dos Estados Unidos e da OTAN.

Outro aviso vem do Major Joseph Bedingfield, que diz que a falta de pensamento histórico no exército dos EUA não lhes permite entender o que está acontecendo na Ucrânia. Ele escreve que as atuais reuniões e briefings da OTAN falam apenas sobre o estado atual da crise e das doutrinas operacionais.

“Poucas, se alguma, dessas conversas inclui uma perspectiva histórica sobre variáveis como a expansão da OTAN para o leste, o passado de Putin e como ele molda sua visão de mundo, ou a complexa relação da Rússia com a Ucrânia. Isto é desconcertante dado o uso que Putin faz da história revisionista para justificar sua invasão”.

Talvez os oficiais do Exército acreditem que a história não os prepara suficientemente para resolver os problemas modernos. No entanto, se o Exército quer preparar oficiais para entender e vencer em ambientes complexos como a Ucrânia, deve primeiro reverter uma cultura ahistórica e restaurar a mentalidade histórica dos oficiais”. [5]

Mas ao implementar esta abordagem, há um risco de entender a história a partir de uma posição que justifique os interesses de um determinado grupo político. Não há garantias de objetividade no estudo da Rússia pelos militares americanos.

Caitlin Lee da Associação da Força Aérea Instituto Mitchell e a Corporação RAND está mais preocupada com o estado das forças armadas dos EUA em conexão com as circunstâncias atuais na Ucrânia e em torno de Taiwan.

Ela escreve que “os líderes da defesa enfrentam um dilema constante: sem um grande impulso no orçamento da defesa, eles não podem fornecer forças para tudo, e também lhes falta a direção estratégica e operacional que precisam priorizar de forma consistente. Portanto, eles recorrem à cobertura de suas apostas de várias maneiras. Uma das mais insidiosas é a adoção de uma estratégia de ‘espalhar como manteiga no pão’ as forças dos EUA em todo o mundo”. [6]

Em sua opinião, “O Departamento de Defesa precisa encontrar um equilíbrio entre o planejamento deliberado e ágil dentro do processo de alocação de forças do Sistema Global de Gestão de Forças <…> os formuladores de políticas de defesa devem permanecer humildes quanto ao estabelecimento de objetivos estratégicos em um mundo perigoso e em mudança”.

O autor não promete alinhar magicamente a posição global com os objetivos estratégicos declarados, uma vez que ainda são necessárias uma liderança de cima para baixo e objetivos estratégicos claros. Isto indica que as prioridades e tarefas não são coordenadas na liderança dos EUA agora, as opiniões dos militares e políticos diferem, e as decisões não são tomadas razoavelmente, o que ameaça problemas para os próprios EUA.

Uma avaliação semelhante está contida em um relatório de Anthony Cordesman, ex-empregado do Departamento de Estado dos EUA. Ao mesmo tempo, ele diz que a operação na Ucrânia pode ser uma prévia para melhorar as capacidades da China e o crescimento de outras ameaças regionais. [7]

Outros pesquisadores da RAND, William Marcellino e Michael McNerney, notam a importância das redes sociais neste conflito, que atuam como um catalisador, incitando e estimulando a vontade de lutar. [8]

Embora os autores só percebam o que o lado ucraniano está fazendo (memes sobre o “fantasma de Kiev” ou várias maldições contra o exército russo), perdendo completamente de vista o quão eficazmente a Rússia está trabalhando no espaço da mídia (incluindo a proibição de algumas redes sociais americanas).

Eles escrevem que “tudo isso tem implicações para os EUA e para o Departamento de Defesa”. A pesquisa RAND e os eventos na Ucrânia mostram como é fundamental a vontade de lutar para combater os resultados. Além disso, em um mundo conectado de mídia social, imagens e mensagens podem contar rapidamente uma história que apoia ou degrada poderosamente a vontade de lutar. A vontade de lutar é difícil de avaliar (é muito mais fácil contar os tanques) e, com raras exceções, as primeiras avaliações das perspectivas da Rússia na Ucrânia são em grande parte ignoradas e focadas no material. Mas os Estados Unidos e seus aliados podem precisar compreendê-la e prestar contas”.

Muito provavelmente, o trabalho do ecossistema da mídia russa ainda está sendo cuidadosamente estudado nos Estados Unidos e na OTAN, mas até agora os resultados não são compartilhados. Pode haver várias razões – inconsistências com a apresentação da mídia ocidental, onde há muita desinformação; relutância em reconhecer a onda de patriotismo dentro da Rússia e o apoio aberto de vários países (Sérvia, Síria, Belarus, etc.) e a divulgação dos fatos de mentiras pelas autoridades ucranianas.

Em um contexto mais amplo, o pesquisador sênior de defesa Michael Johnson apresenta sete pontos que os Estados Unidos e seus aliados da OTAN devem levar em conta. [9]

  1. Os Estados Unidos não devem mais se envolver em guerras eternas. O pressuposto aqui é que os Estados Unidos e a OTAN devem evitar conflitos militares diretos com a Rússia na Ucrânia devido ao risco de uma escalada nuclear. No entanto, a falsa escolha entre extremos de intervenção arbitrária e restrição excessiva muitas vezes ignora a dissuasão defensiva como uma alternativa racional para evitar a guerra e promover a prosperidade.
  2. Uma grande guerra na Europa ou na Ásia não acontecerá por causa da interdependência econômica. O apoio a sanções pode enfraquecer os cidadãos ocidentais que sofrem por mais tempo devido aos efeitos dessas sanções sobre as finanças compartilhadas, a energia e as cadeias de abastecimento.
  3. Basear as forças terrestres da OTAN na Polônia e nos Países Bálticos é uma ameaça provocatória à Rússia. Não há vontade política ou capacidade militar na OTAN para invadir a Rússia, e Putin sabe disso.
  4. A Rússia nunca atacará a OTAN por causa do Artigo V.
  5. A OTAN pode dissuadir a Rússia com poder aéreo; o estacionamento de forças terrestres na Europa Oriental é desnecessário.
  6. Os Estados Unidos devem cooperar com a Rússia na estratégia “Kissinger Reverso” contra a China. Parece improvável que a verdadeira cooperação russa para conter a China aconteça até que uma verdadeira democracia russa permita uma redução das tensões com o Ocidente, ou quando a China apresentar uma ameaça direta à Rússia. Nenhum dos cenários parece realista em um futuro próximo ou mesmo distante.
  7. Os Estados Unidos deveriam deixar a segurança europeia para os europeus, a fim de concentrar a estratégia de defesa e os gastos na China. Como a China se torna uma superpotência buscando dominar a Ásia e exercer influência global, é verdade que os americanos não podem mais se importar mais com a segurança europeia do que os europeus.

A opinião de Johnson reflete uma ampla tendência dentro dos Estados Unidos sobre o tema da ameaça da China e a relutância em travar uma guerra em duas frentes.

Há também avaliações mais específicas que são interessantes do ponto de vista da informação e das operações psicológicas.

Kane Tomlin (ex-soldado do Exército dos EUA e agora diretor de programas especiais do Departamento de Aplicação da Lei da Flórida) acredita que “de acordo com o Modelo de Identidade da Vítima (VIM), <…> os EUA e a Comunidade de Inteligência Ocidental (IC) desempenharam um papel central na inevitável derrota da Rússia em sua guerra com a Ucrânia”.

A principal hipótese do VIM é “que um pré-requisito para formas organizadas de violência coletiva é um elemento de liderança organizacional motivado que convença seus seguidores de seu status de vítima dentro do grupo. Esta vitimização em grupo legitima as causas de retaliação declaradas do grupo, subsume a responsabilidade individual ao grupo e permite que membros do grupo psicologicamente normais cometam violência contra seus agressores percebidos”. [10]

Tomlin diz que “a contribuição da comunidade de inteligência para a derrota da Rússia é notável porque esta pode ser a primeira vez que tal papel foi tão instrumental para o esforço de guerra sem que os EUA disparassem um tiro… As pessoas precisam comprar uma mentalidade macrovítima, também conhecida como “vitimização por procuração”, a fim de diminuir nossas inibições normais contra a violência fora do grupo. Eventos como Pearl Harbour e o 11 de setembro foram eventos de macrovitimização altamente eficazes principalmente porque aconteceram de serem verdadeiros ataques a um “inocente EUA” de nossa perspectiva <…> Entretanto, esses eventos não precisam ser necessariamente factuais para funcionar para o alvo dentro do grupo, neste caso os russos, porque o mecanismo da lesão não importa tanto quanto o efeito da lesão em si”.

Este efeito psicológico é apoiado pela disseminação de falsificações e por uma campanha de propaganda intensificada dentro da UE e dos Estados Unidos, dirigida contra a Rússia, por um lado, e mostrando a Ucrânia como uma vítima, por outro. Naturalmente, os fatos da agressão da Ucrânia em Donbass têm sido mantidos reprimidos desde 2014. A seletividade na escolha das informações e ataques à consciência das pessoas comuns é um mecanismo obrigatório no processo de vitimização.

No entanto, Tomlin não fala sobre outra nuance psicológica – a crescente frustração entre os militares e políticos ucranianos. A OTAN não veio em auxílio da Ucrânia, e a população das cidades libertadas é extremamente amigável com os militares russos, culpando os batalhões nacionais e neonazistas pelo que aconteceu.

Questões de psicologia e antropologia são levantadas por Mary Harrington, mas a partir de uma posição ligeiramente diferente. Ela se pergunta por que mercenários e voluntários de países ocidentais estão vindo para a Ucrânia. A resposta é que, no Ocidente, eles não podem perceber sua masculinidade. [11] A sociedade liberal-democrática atual vem suprimindo tais instintos há muito tempo, que agora escaparam graças à propaganda maciça.

De fato, por que todos esses “heróis” recém-nascidos não queriam ir ao Donbass ou à Síria como voluntários para realizar suas qualidades masculinas, ajudando a combater o terrorismo e a salvar civis? Provavelmente, isto é uma consequência da influência desta mesma máquina de mídia ocidental, que mostra apenas a imagem que é benéfica para os encomendantes.

Resumindo a conclusão, pode-se notar que na grande mídia, mesmo onde os comentários dos especialistas militares são publicados, o cenário da iminente derrota da Rússia e o espírito de luta dos ucranianos são normalmente animados. Enquanto em sites especializados e em centros de análise, os analistas militares são mais precisos em suas avaliações. Embora haja um elemento de propaganda e simpatia óbvia na escolha das partes do conflito militar, a abordagem geral sugere a necessidade de rever a estratégia dos EUA em geral e as capacidades limitadas da OTAN em particular.

Notas

[1] https://www.wsj.com/livecoverage/russia-ukraine-latest-news-2022-03-23/card/russia-lost-up-to-40-000-troops-in-ukraine-nato-estimates-xyZjWxinMDHzdeRZvAeD
[2] https://www.washingtonpost.com/national-security/2022/03/05/ukraine-military-strategy/
[3] https://warontherocks.com/2022/03/in-the-fourth-week-is-russia-revising-its-war-aims-amidst-attrition/
[4] https://warontherocks.com/2022/03/duty-bound-to-disaster-beware-the-imperative-in-foreign-policymaking/
[5] https://smallwarsjournal.com/jrnl/art/ahistoric-army-cannot-understand-putins-war-ukraine
[6] https://warontherocks.com/2022/03/the-u-s-militarys-force-management-tug-of-war/
[7] https://www.csis.org/analysis/us-national-security-looking-beyond-war-ukraine
[8] https://www.rand.org/blog/2022/03/the-will-to-fight-in-the-age-of-social-media.html
[9] https://www.rand.org/blog/2022/03/after-russias-ukraine-invasion-seven-assumptions-the.html
[10] https://smallwarsjournal.com/jrnl/art/how-western-intelligence-mortally-wounded-russias-war-effort-ukraine
[11] https://unherd.com/2022/03/why-western-men-gave-up-on-war/

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 120

Deixar uma resposta