A Propaganda de Guerra se atualiza

Se a Rússia está vencendo no campo de batalha militar ucraniano, então no campo de batalha informacional ocidental, os EUA estão triunfando de lavada. O conflito ucraniano está servindo para que o Ocidente refine as suas técnicas informacionais, baseadas em fake news.

O dispositivo OTAN

“Subjugar o inimigo pela força não é a mais alta arte da guerra, a mais alta arte da guerra é subjugar o inimigo sem derramar uma única gota de sangue. – Sun Tzu, A Arte da Guerra.

O general francês Philippe Lavigne, do Comando Aliado de Transformação (ACT) da OTAN, supervisiona a pesquisa sobre novos métodos de propaganda.

Seu comando tem 21 centros de excelência, incluindo um de propaganda, o Centro de Excelência em Comunicação Estratégica (STRATCOM) em Riga, na Letônia[1]. Ele criou o Centro de Inovação da OTAN (iHub) sob a direção do francês François du Cluzel, ex-professor do Collège militaire interarmes de Coëtquidan. Ele financia pesquisas na Universidade John Hopkins e no Imperial College of London sobre habilidades cognitivas. Esta pesquisa cobre todo o domínio cognitivo com várias aplicações que vão desde soldados biônicos até a propaganda de guerra.

A idéia geral da OTAN é acrescentar aos cinco domínios habituais de intervenção (ar, terra, mar, espaço e cibernético), um sexto: o cérebro humano. “Enquanto as ações nos cinco domínios são realizadas para ter um efeito no domínio humano, o objetivo da guerra cognitiva é fazer de cada um deles uma arma”, escreve François du Cluzel.

Se a propaganda de guerra foi baseada, durante a Primeira Guerra Mundial, em informações falsas popularizadas por grandes escritores; então na repetição de mensagens selecionadas durante a Segunda Guerra Mundial; hoje ela é concebida como um ato ilusionista[2]. Trata-se de mover as pessoas para distrair sua atenção e esconder delas o que elas não devem ver. Eles julgam o que veem com as informações desinteressantes que lhes são dadas. Desta forma, conseguimos, sem mentir para eles, fazê-los ver bexigas como lanternas.

Estamos vivendo a primeira aplicação desta técnica, por ocasião da guerra na Ucrânia.

Para me fazer entender, primeiro apresentarei algumas informações a serem ignoradas, depois voltarei sobre o tratamento da guerra pela televisão estatal francesa. Eu teria obtido o mesmo resultado se tivesse usado um exemplo alemão, britânico ou americano.

A responsabilidade dos líderes ocidentais pela guerra na Ucrânia

No Ocidente, a narrativa da guerra na Ucrânia coloca toda a culpa unicamente no presidente russo, Vladimir Putin, e secundariamente nas figuras políticas e financeiras de seu regime. Entretanto, esta versão é claramente falsa se considerarmos os relatórios diários dos observadores da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE). Eles testemunham que ouviram um ataque do Donbass (ainda ucraniano) pelas forças de Kiev na tarde do dia 17 de fevereiro. Todas as agências noticiosas relataram que pelo menos 100.000 civis haviam fugido para o Donbass ou para a Rússia. Além disso, os principais líderes políticos da OTAN ouviram o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy dizer-lhes na Conferência de Segurança de Munique que ele pretendia adquirir armas nucleares contra a Rússia. É evidente que não foi Moscou, mas Kiev, que desencadeou as hostilidades.

Ninguém pode imaginar que Kiev tenha desencadeado esta guerra contra um inimigo muito superior sem ter recebido garantias prévias de aliados aparentemente capazes de defender o país contra a Rússia. Esta só pode ser a OTAN ou os Estados Unidos e possivelmente as outras duas potências nucleares, a França e o Reino Unido.

A primeira reunião em que esta guerra foi apresentada como desejável foi realizada, ao nosso conhecimento, na Câmara dos Deputados, em 5 de setembro de 2019. Ela foi organizada pela Rand Corporation, o grupo de reflexão do lobby militar-industrial dos EUA. O objetivo era apresentar dois relatórios, “Hiperestender e Desequilibrar a Rússia” e “Esticar a Rússia: Competindo a partir de um terreno vantajoso” para os parlamentares[3]. A ideia principal é usar contra ela a particularidade sobre a qual a Rússia baseia sua defesa. Por ser um território enorme que os russos defendem movendo-se e praticando a “estratégia da terra queimada”, basta forçá-los a se deslocarem para o exterior para esgotá-los.

A importância deste evento nos é mostrada pelo incidente que afetou nosso colaborador, o geógrafo italiano Manlio Dinucci. Seu artigo sobre o assunto foi censurado por seu jornal, Il Manifesto, que ele teve que abandonar[4].

Três eventos atestam o envolvimento dos Estados Unidos, do Reino Unido e da França na preparação secreta da guerra.

Em 24 de março de 2022, foi publicado um vídeo de uma conversa telefônica de 22 minutos entre o ministro britânico da Defesa, Ben Wallace, e os comediantes russos Vladimir (Vovan) Kuznetsov e Alexei (Lexus) Stolyarov. Um dos russos estava se fazendo passar pelo primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, que Wallace nunca conheceu.

  • Perguntado se o Reino Unido ajudaria Kiev a adquirir armas nucleares, Wallace respondeu que tinha que consultar o Primeiro Ministro Boris Johnson e que “O princípio é que apoiaremos a Ucrânia como um amigo em qualquer escolha que fizerem. Em uma frase, ele deixou de lado o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares.
  • Sobre a questão dos mísseis leves antitanque da próxima geração que o Reino Unido acaba de enviar ao exército ucraniano, Ben Wallace admitiu que eles não estavam funcionando corretamente e que peças de reposição também haviam sido enviadas.
  • Mas é especialmente sobre o assunto OTAN que a linguagem de Ben Wallace tem sido muito prolixa. O ministro britânico mais uma vez convidou a Ucrânia a aderir à Aliança Atlântica. De passagem, ele revelou sem querer que o Reino Unido vinha enviando instrutores militares para preparar o exército ucraniano há vários anos.

O governo de Boris Johnson usou todos os meios à sua disposição para esconder, ou melhor, minimizar, estas declarações. Ele alegou que a entrevista durou apenas 10 minutos e proibiu o YouTube/Google de transmitir a cena inteiro. A mídia ocidental foi convidada a falar sobre seu erro sobre a bomba atômica e a cobrir os outros dois pontos. É assim que os britânicos sempre fazem: não para negar tudo, mas para fazer desaparecer os pontos mais perigosos.

Em 25 de março de 2022, o Presidente Joe Biden visitou o Palácio do Congresso em Rzeszów, Polônia. Ele estava acompanhado pela diretora da USAID, Samantha Power (ex-embaixadora na ONU), e pelo presidente polonês, Andrej Duda. Vale a pena notar que Andrej Duda fez seu parlamento aprovar uma lei negando o papel do Estado polonês nos crimes neonazistas e autorizando uma ação legal contra qualquer pessoa que os mencione. Joe Biden falou com várias ONGs para elogiar sua assistência aos refugiados ucranianos. Em seguida, ele fez um discurso para seus soldados da 82ª Divisão Aerotransportada, estacionados ali[5]. Ele também os visitou no refeitório e falou com eles sem um teleprompter ou câmeras fotográficas. Como sempre em tais momentos, o velho (79 anos) revelou segredos de Estado. De acordo com as testemunhas, ele lhes agradeceu por seu compromisso na Ucrânia por muito tempo, embora oficialmente nunca tenha havido soldados americanos naquele país.

Em 29 de março de 2022, o general Eric Vidaud, diretor da inteligência militar francesa, foi demitido. Nenhuma explicação oficial foi dada. Parece que, na realidade, o General Vidaud havia destacado homens sob a instrução direta do pessoal privado do Presidente Macron, em 2021 quando ele era comandante de operações especiais, para supervisionar o regimento Azov. Imediatamente, cinco helicópteros ucranianos tentaram fugir de Mariupol, o bastião do regimento Azov. Dois foram abatidos em 30 de março. Os sobreviventes foram feitos prisioneiros pelo exército russo. Eles falaram imediatamente. Os soldados do Comando de Operações Especiais são colocados, para todos os assuntos logísticos, sob as ordens do Chefe de Estado Maior das Forças Armadas, General Thierry Burkhard, mas recebem suas ordens diretamente do chefe das Forças Armadas, o Presidente Emmanuel Macron.

As relações entre os presidentes Macron e Putin esfriaram drasticamente.

Como a propaganda de guerra mascara a realidade

Na França, o Estado tem a France-Télévision para sua própria população, sendo a France-2 o canal mais assistido, e a France Médias Monde para o exterior. Este último grupo depende diretamente do Ministério das Relações Exteriores e transmite a France-24 em vários idiomas.

Para começar, a France 2 propôs um noticiário ao vivo de Lvov (Ucrânia), apresentado por sua estrela, Anne-Sophie Lapix, em 14 de março de 2022[6]. Este noticiário reúne todos os dias um pouco mais de 20% do público. A jovem mulher mostrou muita destruição e refugiados traumatizados. Ela caminhou pela cidade, mas não percebeu o imponente monumento a Stepan Bandera, o líder dos colaboradores nazistas ucranianos. Ela também questionou o prefeito de Lvov, Andriy Sadovy, sem explicar que ele é um dos principais oligarcas do país. Ela não lhe perguntou sobre seu grupo de mídia, do qual sua esposa é a diretora. Portanto, ela não lhe perguntou sobre as observações feitas no dia anterior em seu canal, 24 Канал, pedindo a morte de todos os russos, mulheres e crianças incluídas, de acordo com o método defendido pelo SS Adolf Eichman[7]. Em nenhum momento foi especificado que este programa era uma iniciativa do oligarca banderita Andriy Sadovy e sua esposa, ambos antigos clientes da agência Publicis de Arthur Sadoun, o marido de Anne-Sophie Lapix.

O espectador que ignora as homenagens ucranianas aos nazistas e as exortações a seguir seu exemplo só pode chorar pela acumulação de sofrimento que lhe foi mostrada. Ele não pode duvidar que os russos são mentirosos e criminosos e que os ucranianos em geral são vítimas inocentes.

Em 25 de março, a França 24 em inglês, em sua coluna Verdade ou Falsidade, relatou a entrevista do Ministro da Defesa britânico Ben Wallace por comediantes russos. Seguindo as instruções do gabinete de Boris Johnson, o canal de televisão do Ministério das Relações Exteriores francês zombou de suas declarações sobre a bomba atômica a fim de melhor esconder as que se referem à ineficiência de suas armas antitanque e especialmente as que se referem à presença de instrutores militares britânicos na Ucrânia por vários anos. A jornalista apresentou os comediantes como youtubers, enquanto eles trabalham para o canal NTV, o que lhe permitiu não mencionar que eles são censurados no YouTube no país da 1ª emenda e da liberdade de expressão. A coluna foi produzida pela jornalista Catalina Marchant de Abreu, uma especialista em desmascarar fake news (sic).

O pico foi atingido em 31 de março com a France 2 News[8]. A France-Television, que até agora negava o caráter ideológico do regimento Azov, transmitiu uma reportagem sobre esta formação. A televisão pública admitiu que, em 2014, ela havia sido infiltrada por elementos neonazistas, citando um de seus fundadores, Andriy Biletsky, mas assegurou que desde então havia se transformado em uma respeitável força de defesa. A França-2 não mencionou um de seus outros fundadores, Dmytro Yarosh, um agente da OTAN e ex-coordenador dos neonazistas europeus e jihadistas do Oriente Médio contra a Rússia[9], que se tornou conselheiro especial do comandante-chefe dos exércitos ucranianos[10].

A França-2 fez referência a um antigo relatório da ONU sobre tortura, mas não à descoberta de suas prisões especiais pelo exército russo[11], nem às recentes declarações da ONU sobre o assunto. O relatório também não explicou o que os banderitas são na história da Ucrânia e reduziu a importância dos neonazistas ao uso da suástica. Assim, depois de ter encoberto o problema, o canal estimou o perigo entre 3.000 e 5.000 homens, enquanto a Reuters nos assegura que os paramilitares banderitas representam hoje 102.000 homens divididos em numerosas milícias incorporadas à Defesa Territorial[12].

Notas

[1] “The NATO campaign against freedom of expression”, by Thierry Meyssan, Translation Pete Kimberley, Voltaire Network, 5 December 2016.
[2] “The techniques of modern military propaganda”, by Thierry Meyssan, Translation Pete Kimberley, Voltaire Network, 18 May 2016.
[3] Overextending and Unbalancing Russia, James Dobbins, Raphael S. Cohen, Nathan Chandler, Bryan Frederick, Edward Geist, Paul DeLuca, Forrest E. Morgan, Howard J. Shatz & Brent Williams, Rand Corporation, April 2019. Voir aussi les détails du plan dans Extending Russia : Competing from Advantageous Ground, Raphael S. Cohen, Nathan Chandler, Bryan Frederick, Edward Geist, Paul DeLuca, Forrest E. Morgan, Howard J. Shatz & Brent Williams, Rand Corporation, May 25, 2019.
[4] « Ukraine : tout était écrit dans le plan de la Rand Corp. », par Manlio Dinucci, Traduction Marie-Ange Patrizio, Réseau Voltaire, 8 mars 2022,
[5] «Remarks by President Biden During Visit with Service Members of the 82nd Airborne Division», Joe Biden, White House, March 25, 2020.
[6] Video available on: https://www.france.tv/france-2/journal-20h00/3130515-edition-du-lundi-14-mars-2022.html.
[7] “Ukraine Channel 24 calls for the extermination of all Russians, including women and children”, Voltaire Network, 17 March 2022.
[8] Video available on https://www.france.tv/france-2/journal-20h00/3171237-edition-du-jeudi-31-mars-2022.html
[9] “The CIA Coordinates Nazis and Jihadists”, by Thierry Meyssan, Translation Roger Lagassé, Al-Watan (Syria) , Voltaire Network, 19 May 2014.
[10] “Dmitro Yarosh returns as adviser of Ukrainian Army commander”, Voltaire Network, 21 February 2022.
[11] “Secret prison discovered in Ukrainia”, Voltaire Network, 21 March 2022.
[12] The article was modified on the Reuters site. However, one can consult: «On the edge of war», Prasanta Kumar Dutta, Samuel Granados & Michael Ovaska, January 26, 2022. On peut y lire que les «paramilitaires» sont 102 000, soit 40 % des forces armées ukrainiennes.

Fonte: Voltaire Network

Imagem padrão
Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Artigos: 585

Deixar uma resposta