Um Novo Fôlego para a Europa: Estariam os antiglobalistas se fortalecendo?

As vitórias de Orban na Hungria e Vucic na Sérvia, bem como as boas chances de Marine Le Pen na França indicam que, longe do que foi dito por muitos acadêmicos e jornalistas anos atrás, o populismo não só segue uma tendência firme na política internacional, como ele continua se fortalecendo.

As eleições em três países europeus obviamente não refletem o confronto mítico entre “democracia” e “autocracia”.

A publicação globalista americana The New York Times observa que “a luta entre democracia e autocracia está ocorrendo não apenas na Ucrânia”, mas também em toda a Europa.

A vitória de Aleksandr Vučić nas eleições presidenciais na Sérvia, assim como a vitória de Viktor Orban na Hungria, são prova da vitória, segundo o jornalista David Leonhardt, dos inimigos da democracia. O autor aponta que o próximo “terremoto geopolítico” poderá ocorrer na França, onde o primeiro turno das eleições presidenciais será realizado em 10 de abril de 2022.

Hungria

A vitória de Orban nas eleições parlamentares não foi tão óbvia. Pela primeira vez em muito tempo, a oposição apresentou um único candidato – e não um qualquer, mas um simpatizante e colaborador das estruturas de Soros, Peter Marki-Zai, que passou parte de sua vida no Canadá. Contra o pano de fundo da posição neutra da Hungria e da recusa de Viktor Orban em fornecer armas à Ucrânia, a operação para mudar o regime para o lado do campo globalista foi lançada a toda velocidade. Entretanto, algo deu errado e Orban manteve seu assento com mais de 60% dos votos. Marki-Zai, que exigiu ativamente apoio para a Ucrânia no conflito, bem como a adesão a uma dura política de sanções anti-russa, foi derrotado.

O próprio Orban, após ser eleito, chamou Zelensky, Soros, a mídia internacional e os burocratas da UE de seus oponentes. Pelo que Orban é impulsionado? Enquanto seus opositores na mídia internacional o acusam de ser um agente do Kremlin, o Ministro das Relações Exteriores húngaro Péter Szijjarto observa que o governo húngaro não está disposto a “arriscar a vida e a segurança do povo húngaro”. Ao mesmo tempo, houve relatos de uma possível transição de algumas empresas húngaras (em particular, a empresa de energia MVM) para acordos com a Gazprom em rublos. Em 6 de abril, Viktor Orban e Vladimir Putin tiveram uma conversa telefônica.

A posição da Hungria, isolada da retórica globalista, demonstra não tanto um “rumo pró-russo”, mas uma política de senso comum e compromisso com uma civilização na qual os interesses de seu próprio povo, e não das “elites mundiais”, são primordiais. Portanto, Orban convidou Putin para conversações de paz na Hungria. Afinal, a Hungria, assim como a Rússia, está interessada em estabelecer a paz na Ucrânia.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky chamou Orban de “praticamente o único na Europa que apoia abertamente Putin”. Pode-se acrescentar que hoje Orban é praticamente o único que tenta ser orientado pelos interesses do país, e não pela ditadura liberal ocidental. O New York Times chamou a Hungria de “a quinta coluna da OTAN”.

A sensação destas eleições é a entrada no parlamento húngaro do partido Patria Nostra [1]: populistas de direita que se opõem ao envio de tropas da OTAN para o país, à entrada da Ucrânia na UE e à ditadura globalista sanitária. O partido, formado por ex-membros do Jobbik, liderado por Laszlo Toroshkay (prefeito da cidade de Ashotthal), recebeu 6%. A “Patria Nostra” é um “novo tipo” de partido de direita, antiglobalista que se opõe conscientemente à ideologia do “Grande Reset”.

Sérvia

Em 3 de abril, foram realizadas eleições presidenciais e parlamentares na Sérvia. O Presidente Aleksandr Vučić, como esperado, venceu as eleições presidenciais. Nas eleições parlamentares – seu “Partido Progressista Sérvio” (SPP) – em coalizão com o Partido Socialista da Sérvia e a União dos Húngaros de Voivodina, obteve 43,78% dos votos.

Aleksandr Vučić já declarou que continuará no caminho da cooperação com a Rússia. A Sérvia dará atenção especial à neutralidade militar e à cooperação com a Rússia no setor energético. Anteriormente, Moscou e Belgrado assinaram um contrato de fornecimento de gás natural que é extremamente vantajoso para a Sérvia e expira em 31 de maio. Em 6 de abril, Vučić telefonou para o presidente russo Vladimir Putin. Foi levantada a questão de um futuro acordo de gás. Ao mesmo tempo, Vučić enfatizou que a Sérvia continuaria em seu caminho rumo à adesão à UE.

Um dos resultados importantes das eleições é a passagem de três forças políticas de “direita” para o Parlamento, as quais receberam assentos na Assembleia devido à sua postura pró-russa e ao apoio à operação militar especial russa na Ucrânia. Estas são as coalizões “Dveri” [2], “Nada” [3], o partido “Zavetniki” [4]. Isto mostra que o apoio da Rússia é um fator político importante. O Presidente Vučić também tem sido apoiado porque desfruta da reputação de um líder que não discute com a Rússia. No entanto, Vučić dificilmente deve ser considerado um “populista” ou um “político pró-russo”, ao contrário, ele é um oportunista pragmático que tenta encontrar um equilíbrio entre diferentes centros de poder. Portanto, não se esqueça que na votação da ONU, a Sérvia condenou a Rússia, embora não tenha apoiado sanções.

“Deve-se esperar que Vučić continue a política de equilíbrio no futuro”, disse o especialista geopolítico Aleksandr Bovdunov a Katehon. Entretanto, no contexto de uma verdadeira guerra entre a Rússia e o Ocidente, não será fácil sentar-se em duas cadeiras. O Ocidente usará todos os seus recursos de influência para extrair da liderança sérvia passos que poderiam ser interpretados como anti-russos”.

França

Um importante campo de batalha do globalismo e do continentalismo na Europa é a França. Em 10 de abril de 2022, acontecerá o primeiro turno das eleições presidenciais, e embora Emmanuel Macron e Le Pen estejam novamente na liderança, o contexto do que está acontecendo é diferente do de 2017.

Primeiramente, o publicista conservador e de direita Eric Zemmour, que se tornou literalmente o “cisne negro” da cena política francesa, teve uma influência significativa que fez com que a “janela de Overton” mudasse politicamente. Graças a ele, a questão da “imigração”, a “Grande Substituição”, a política antifrancesa do presidente em exercício Emmanuel Macron, a questão da identidade voltou a ocupar um lugar de destaque. Seus rivais na ala direita, tanto Le Pen (que tem suavizado consideravelmente sua agenda de direita desde 2017) quanto a republicana Pecrésse, tiveram que acompanhar seu sério rival. Também pode ser observado que, sob a influência de Zemmour, Macron, Le Pen e Pecrésse viraram-se para a direita.

Le Pen prestou muita atenção à questão da segurança em seus slogans, Pecrésse começou a construir sua campanha sobre a retórica anti-islamista (embora os partidários de Zemmour duvidassem de sua sinceridade, inclusive investigando possíveis ligações com os islamistas). Macron, que é chamado de “camaleão político”, também voltou à questão da segurança.

Em segundo lugar, em 2022, Macron é um candidato com uma “reputação manchada”. O acompanha também uma série de escândalos: a venda da empresa de construção de máquinas Alstom à empresa americana General Electric, o envolvimento da empresa americana McKinsey em uma consultoria de saúde e evasão fiscal por 10 anos, uma investigação de alto nível sobre corrupção e lavagem de dinheiro do ex-segurança de Macron, Alexandre Benalla. Além disso, uma discussão bastante absurda sobre o sexo da esposa de Macron (várias publicações afirmaram que ela era transgênero). Acrescente-se a isso uma série de falhas da política econômica de Macron (e os subsequentes protestos em larga escala tanto dos sindicatos quanto dos Coletes Amarelos), uma crise de segurança, problemas sanitários (colapsos pandêmicos que expuseram a fraqueza e a incapacidade do sistema de saúde francês de trabalhar em alta velocidade), e também em conexão com o conflito na Ucrânia, a incapacidade do presidente de agir como um “pacificador”.

“Todo o ‘período de cinco anos’ do governo Macron é, à sua maneira, um fiasco da política externa francesa, um triunfo do globalismo e a rejeição francesa de seus próprios interesses nacionais, na minha opinião”, o especialista Aleksandr Artamonov comentou para a Katehon sobre os resultados do primeiro mandato do Macron.

Os fracassos na África afetaram significativamente a reputação de Macron: a entrada confiante da República Centro-Africana na esfera de influência russa, o conflito com a liderança malinense e a expulsão das tropas francesas de lá, substituídas por especialistas russos. Além da Rússia, a Turquia também está entrando na África Ocidental, uma região de influência tradicional francesa, tentando se aproximar do Níger, um país que Paris, após deixar Mali, considera crucial para manter a influência no Sahel. O Níger é também a principal fonte de urânio para a indústria nuclear francesa. Macron prometeu em 2017 que ele reiniciaria as relações com a África. Agora ele é acusado de neocolonialismo, manifestações antiguerra estão ocorrendo em países africanos, os militares chegaram ao poder em Mali, Guiné e Burkina Faso, defendendo a soberania de seus países.

A crise ucraniana, embora tenha legitimado temporariamente Macron, deu-lhe um golpe a longo prazo, pois foi Macron quem falou várias vezes antes do início da operação com o argumento de que ele havia conseguido evitar a ofensiva russa contra a Ucrânia. O discurso fortemente alterado, no qual, após o início da Operação Militar Especial da Federação Russa, a posição globalista já havia sido claramente manifestada com o apoio da França à Ucrânia (incluindo o apoio militar), bem como a dura política de sanções contra a Federação Russa, afetou a posição da França. De volta à política globalista pró-americana, o país começou a sofrer as consequências: um aumento nos preços dos recursos energéticos, matérias-primas, trigo, fertilizantes, ração animal, etc. Tudo isso já começou a afetar a França e é particularmente evidente para a maioria da “periferia” francesa. E é esta “França periférica” que apoia Le Pen.

E há apenas alguns meses, parecia que a realidade política francesa estava novamente se transformando em um clássico confronto entre esquerda e direita. Entretanto, quando a instabilidade chegou à região, esta incrível nova divisão híbrida (antiglobalistas/globalistas) se revelou novamente e as eleições se tornaram um campo de batalha para o povo e as elites.

As eleições em três países europeus, naturalmente, não refletem o confronto mítico entre “democracia” e “autocracia”. Ao contrário, eles sublinham que mesmo diante da crescente pressão do núcleo anglo-saxão do Ocidente, as tentativas de suprimir todas as forças soberanistas e populistas como supostos “cúmplices da Rússia” têm tido pouco sucesso. A guerra de facto que o Ocidente declarou sobre a Rússia não está abortando, mas, em certa medida, exacerbando suas contradições internas. Neste contexto, novas forças soberanistas e populistas estão surgindo e fazendo progressos. Os líderes comprovados com políticas pragmáticas se sentem seguros diante das turbulências regionais e globais. As posições das forças antiglobalização estão se fortalecendo, enquanto os liberais, incapazes de encontrar uma resposta adequada aos novos desafios, o expressam no discurso de propaganda “autoritarismo versus democracia”, que nada tem a ver com a realidade.

Fonte: Katehon

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *