Os “2 Minutos de Ódio” contra os Russos 24 Horas por Dia

Tolstói, Tchaikovsky, Dostoievski, strogonoff, vodka e Bolshoi, tudo isso está sendo banido, varrido e cancelado no Ocidente, conforme a mídia de massa insufla o ódio contra os russos e transforma Putin em “inimigo número 1 da humanidade”. As massas mais sensíveis à influência midiática reagem pavlovianamente, em demonstrações reminiscentes dos “dois minutos de ódio” de “1984”.

Vocês conhecem Pavlov, o brilhante Ivan Petrovich Pavlov (1849-1936)? O próprio tipo do cientista russo: com a barba grossa cheia de migalhas, com o ar de um padre tipo Dostoievski e de um revolucionário em seu melhor domingo. Muito bonito, muito digno, muito 1900. Os russos que vencem na vida tendem a deixar seu nome associado à invenção que os tornou famosos: Kalashnikov e seu fuzil de assalto, Tupolev que fez os mamutes voarem com seus grandes aviões, Stakhanov, incansável corredor de maratona de cadências infernais, Molotov e seu coquetel de vodka com fósforo. Este é o caso de Ivan Petrovich Pavlov. Obviamente, ele preferia os cães aos homens. Eu não o culparia por isso. A melhor coisa no homem é o cão, disse o maravilhoso Alexandre Vialatte. O fato é que foi em cães que Pavlov exerceu seus dons de observação, que eram inigualáveis e que lhe valeram o Prêmio Nobel de Medicina em 1904. Foi ele quem descobriu os reflexos condicionados em cães. O cão primeiro saliva ao aparecimento do biscoito, depois saliva em antecipação ao aparecimento do biscoito, e finalmente saliva mesmo quando não há mais biscoito.

A russofobia é feita do mesmo material. Sua função gástrica é semelhante à do cão. Seu biscoito? Ódio do mundo russo, politicamente correto antieslavo, putinofobia ilusória. À vista de um russo, a glândula salivar do russofóbico o empurra aos latidos; e isso é tudo o que ele faz, late, late, mesmo quando não há mais necessidade de latir!

A lista negra da cultura russa

Não sei se vocês são como eu, mas é fascinante o que tem acontecido na mídia ocidental desde que a Rússia entrou na Ucrânia em 24 de fevereiro. É um festival belicoso russofóbico que tem sido rodado em loop como um LP antigo riscado. É como estar no 1984 de George Orwell. Em sua distopia, Orwell imagina que todos os dias existem os “dois minutos de ódio”, um ritual diário de liberação de tudo o que há de mais apodrecido em nós. É um escape para sentimentos reprimidos, frustrações e ressentimentos acumulados, mas mais do que isso, é uma forma de comunhão negativa, uma orgia unificadora, socialização através da dessocialização, como os rituais com bonecos de vodu, mas desta vez presos a bonecas russos.

Bem, estes “dois minutos de ódio” são agora 24h/dia. É uma corrida para ver quem pode ir mais longe na russo-satanização. Tudo o que normalmente é proibido é aqui encorajado, recomendado, prescrito. E certamente os russos não têm direito ao respeito que geralmente é reservado aos jihadistas, aos loucos de Alá e aos degoladores de turbante. Você não vai ter meu ódio! Ah, você pode apostar! Bem, sim, você o terá e o terá com todas as opções e todas as variedades. Sem amálgamas! Oh sim, você vai! Sem essencialização ! A boa piada! Sem incitação ao racismo! De jeito nenhum! O Facebook, a maior plataforma de censura do mundo, não decidiu modificar temporariamente suas sacrossantas regras de uso para permitir declarações de ódio os russos? Tudo no ponto. Quando não é Tolstói que é banido, é Tchaikovsky que é desprogramado, Dostoievsky excluído, Rússia Today e Sputnik desconectados, o Bolshoi colocado sob embargo, para não falar da FIFA e das federações de atletismo que estão pedindo um boicote a tudo o que é russo, até os gatos russos que não fizeram nada e que a Federação Internacional de Gatos baniram de suas competições. E até mesmo o Eurovision que ejetou a Rússia. Portanto, não veremos Pussy Riot ganhar o concurso; e isso é uma boa notícia para a arte lírica russa.

Matem todos os russos, Deus reconhecerá os seus!

Quanto a Putin, nem falemos. É a síntese de Adolf Hitler, Genghis Kahn, Drácula e Ivan, o Terrível. Mesmo Saddam Hussein não recebeu tal tratamento midiático. Ele tem realmente unanimidade contra si. E a unanimidade sempre assinala uma grande disfunção no regime de liberdades. Deste ponto de vista, a França não é melhor do que a Rússia – e mesmo na Rússia, uma jornalista brandiu um cartaz antiguerra durante o programa local de notícias TF1. Ela está arriscando muito, eu concordo. Mas não temos visto nada parecido na França. Conheço bem os jornalistas, eu sou um deles. Os jornalistas adoram os bandidos, isso lhes permite se fantasiar de vigilantes, mas é para soar o alarme e acabar com a besta. O vocabulário da caça é rico em lições. A matilha, o festim, o canil. Pavlov ficaria satisfeito. E todos esses latidos em coro, sem desafinar. Normalmente há desafino. Desta vez, nenhum. Fascinante, repito. A unanimidade reina em Paris, assim como a ordem reinava ontem em Varsóvia e hoje em Kiev.

A cultura do cancelamento triunfa até aqui, num universo até então relativamente poupado, geopolítico, de relações internacionais. A Rússia é “cancelada”, apagada, negada, com uma fúria iconoclasta digna das guerras religiosos. E é de fato uma guerra religiosa que está sendo travada hoje, ou pelo menos tem todas as características, a começar pela primeira e mais característica delas: a punição coletiva, a erradicação definitiva do inimigo. Matem todos, Deus reconhecerá os seus!

Na antiga e clássica ordem mundial civilizada que prevaleceu na Europa até o início do século XX, não havia punição coletiva. No Congresso de Viena em 1815, foi Napoleão quem foi punido, não a França ou os franceses. Segundo o grande jurista alemão Carl Schmitt, o principal mérito desta concepção do direito internacional era que ela permitia deixar de lado a doutrina medieval da “guerra justa”, que fazia do inimigo um “criminoso” e um “bárbaro” a ser eliminado, e não um adversário com o qual se podia concluir uma paz. Portanto, sim, os russos terão todo o nosso ódio, mas acima de tudo, sem amálgama!

Fonte: Éléments

Imagem padrão
François Bousquet

.

Artigos: 585

Deixar uma resposta