A Tecnologia é Inimiga Absoluta do Homem

Nos acostumamos a considerar os recursos tecnológicos contemporâneos como neutros, como meramente instrumentais, mas será realmente assim? A tecnologia tem dono? E, sendo este o caso, o que os povos que querem soberania devem fazer?

No caso de tecnologias de rede (tecnologia) – Google, Twitter, Youtube, Facebook, Instagram, etc. – vemos um fenômeno muito importante: eles se opõem à Rússia não porque dependam do governo dos Estados Unidos. Eles não dependem dele. Eles são as ferramentas dos globalistas, de uma oligarquia supranacional que ninguém elegeu. E ninguém lhes deu o direito de estabelecer suas próprias regras em uma escala global.

Mas se os EUA são liderados por um líder que não agrada aos globalistas, então todas estas redes se consolidam contra ele também – como foi o caso de Trump quando ele ainda era presidente dos Estados Unidos! E sua conta no Twitter já foi encerrada porque alguém não gostou do que ele disse. A pergunta é: quem?

Agora toda a Rússia foi bloqueada. Os globalistas estão castigando nosso país. Mas não se trata apenas de serviços online. A internet em si foi projetada e criada pelo Pentágono. E são os Estados Unidos que controlam domínios e nomes de domínios em escala global. Assim como eles controlam o SWIFT, o dólar e toda a infraestrutura econômica global, principalmente financeira. É o mundo deles, sua tecnologia, suas regras, e isso é especialmente óbvio agora.

Quem aceita estas regras torna-se imediatamente dependente delas. E isso inclui a Microsoft, Apple, iPhones e toda a tecnologia em geral, cujas chaves permanecem nas mãos das elites globalistas.

Eles governam o mundo, escondendo-se atrás de Estados, sociedades, governos e corporações.

Estas são as leis do Capital. Não se pode depender delas e ser livre ao mesmo tempo. Desconectar a Rússia do Ocidente é algo fundamental. A Rússia está rompendo com a escravidão em uma expansão estratégica inteiramente nova do Ser.

A tecnologia não é neutra. O mercado não é o território da livre iniciativa e da concorrência leal. Isso é um mito. O mercado e a tecnologia têm um senhor muito definido. E se ele não gosta de algo, pode mudar as regras a qualquer momento, porque as inventou e as impôs.

A tecnologia, por sua própria natureza, carrega o veneno do materialismo, da exploração, da violência e, por fim, do vício. Ela substitui o ser, a realidade, o trabalho, a vida, o sentimento, a moralidade, o amor. A tecnologia é alienação e não pode, mais cedo ou mais tarde, senão levar à substituição do real pelo virtual, a um mundo de desinformação total, simulacros, ilusões eletrônicas e impacto direto sobre a consciência das pessoas.

A tecnologia é inimiga absoluta do homem. Agora, mais do que nunca, estamos convencidos disso.

Não há tecnologia que pertença a todos e a ninguém. Tudo no mundo tem um mestre.

Spengler disse que quando a cultura morre, ela se transforma em uma civilização técnica. Hoje podemos ver por nós mesmos o que ele quis dizer. O Ocidente moderno perdeu completamente sua cultura. Tornou-se pura tecnologia.

Por isso, hoje ele declara guerra contra nós. Aqueles que ainda têm uma relação viva com a existência. Muitos russos estão presos na armadilha da tecnologia e não se imaginam sem ela. Eles são vítimas de uma terrível guerra psicológica da civilização.

É impossível abandonar completamente a tecnologia e as redes, pois nos encontraríamos indefesos diante de um inimigo insidioso e enlouquecedor. Mas o país precisa de suas próprias técnicas, de uma rede russa, de um método russo. Nossas técnicas não devem alienar e matar, mas animar e transformar. Ela deve conter conscientemente algo espiritual, algo profundamente russo.

A Rússia está enfrentando um teste muito sério. E a cada hora de operação militar especial na Ucrânia, as apostas na guerra com o mundo moderno, com o Ocidente e sua oligarquia global, estão aumentando rapidamente. Para vencer, o modo existencial tem que ser mudado bruscamente.

Precisamos de diferentes estruturas, diferentes mecanismos e diferentes personalidades, um despertar completo e profundo da própria essência de nosso povo. Esta é a batalha final contra o mal do mundo que temos cruzado através dos séculos de nossa difícil e bela história.

As máscaras caíram. A Rússia foi deixada sozinha com o elemento do mal absoluto. Estamos fora da matrix. Fomos desconectados dela. E este é um estado completamente inabitual. Os senhores da tecnologia acreditam que agora vamos morrer. Mas só agora começaremos a viver.

A viver como um povo livre e independente.

Fonte: Katehon

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

1 Comment

  1. Visão antinomista tipicamente gnóstica de condenar o pensamento racional, a técnica e a ciência em detrimento do arcaico. Continuem assim. Enquanto rezam, o Ocidente com sua pujança econômica fruto daquilo que vcs criticam vai desenvolver tecnologias cada vez maios letais que vão fazer o fracasso na Ucrânia parecer piada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *