Que países podem reivindicar territórios da Ucrânia?

Conforme a operação militar russa se prolonga e o governo ucraniano se recusa a negociar em termos razoáveis, a própria estatalidade ucraniana, que sempre foi artificial, começa a ficar sob risco. É o momento adequado para recordarmos quem são os países vizinhos à Ucrânia que reivindicam partes de seus territórios.

O conflito na Ucrânia mostrou a extrema fraqueza do Estado com a capital em Kiev. Ao ganhar independência em fronteiras em grande parte aleatórias que antes eram apenas administrativas, este Estado, após duas semanas de hostilidades, está entrando em colapso. Mesmo que os combates se arrastem indefinidamente, a derrota da Ucrânia é inevitável. No último caso, o próximo passo é reformatar o espaço político da antiga Ucrânia.

Neste caso, os vizinhos da Ucrânia podem se lembrar de suas reivindicações territoriais ou formular novas reivindicações. Quase todos os países vizinhos da Ucrânia têm essa oportunidade.

Rússia: todo o território da Ucrânia

A Rússia, como sucessora da Rússia Antiga, do Império Russo e da URSS, pode reivindicar todo o território da Ucrânia atual, incluindo Kiev e Galícia, no oeste do país. Como observou o presidente russo Vladimir Putin, “Ucranianos e russos são um só povo, um só todo”. E isto significa que não há necessidade de um Estado ucraniano separado.

Ao mesmo tempo, diferentes partes da atual Ucrânia podem determinar seu destino de maneiras diferentes, pois têm uma história e composição étnica diferentes. Assim, a região de Chernigov desde o início do século XVI fazia parte do Estado russo, embora etnicamente seja um território “pequeno-russo”. A Ucrânia Sloboda – região de Kharkov e Sumy – é também um território histórico do Estado russo, onde uma população para a qual o russo é nativo vive em grande parte.

Segundo os dados dos sociólogos ucranianos de 2017, a maioria da população das regiões de Kharkov, Lugansk, Donetsk e Odessa falava russo na vida cotidiana.

Sumy, Dnepropetrovsk, Nikolaiev, Zaporijia, regiões de Kirovogrado e Kiev são bilíngues. Estes territórios, juntamente com a Novorrossia (região do norte do Mar Negro), podem tornar-se parte da Rússia diretamente, principalmente a região de Kharkov.

A chamada Ucrânia Central – Galíca, Volínia, Transcarpátia, Podólia – pode formar um novo Estado confederado ucraniano, maximamente desmilitarizado e descentralizado: de acordo com as características da tradicional identidade rural ucraniana arcaica. Este Estado ou Estados poderão aderir à União da Rússia e Bielorrússia – ou, juntamente com Moscou e Minsk, formar uma nova entidade de integração.

A questão da independência do Donbass – dentro dos limites constitucionais das repúblicas populares de Luhansk e Donetsk – já foi resolvida. Estas regiões não poderão mais participar de nenhum projeto estatal ucraniano.

É importante compreender que nas condições da crise atual, somente a Rússia pode garantir a preservação da unidade do território da Ucrânia atual: não necessariamente no formato de um único Estado, mas um espaço mutuamente permeável onde os laços étnicos, culturais, econômicos e familiares não serão cortados. Com o envolvimento de outros Estados vizinhos (com exceção da Bielorrússia) na decisão do destino da Ucrânia, o espaço étnico eslavo oriental (e, mais estreitamente, o espaço “ucraniano”) será dividido por barreiras militares e civilizacionais.

Belarus: Polésia

A parte norte do território da Ucrânia, uma parte significativa – as regiões de Volínia, Rivne, Jitomir, Kiev, Chernigov e Sumy – a Polésia ucraniana, histórica e etnicamente ligada à Polésia bielorrussa. A Polésia – uma das maiores áreas florestais do continente europeu, um espaço pantanoso dividido entre a Ucrânia e Bielorrússia tem sido uma região relativamente isolada por muitos séculos, onde uma comunidade étnica, cultural e linguística especial de “poleschuks” foi formada.

Um dos fundadores do movimento político ucraniano no Império Russo e um dos autores do uso do termo “ucranianos” como etnônimo e politônimo, o historiador Nikolay Kostomarov, em meados do século XIX, separou os ” poleschuks” dos ” ucranianos”. Os primeiros, em sua opinião, são os descendentes da tribo eslava oriental dos drevlianos. Os segundos são os descendentes dos poloneses.

Mais tarde, o discurso nacionalista ucraniano passou a classificar os habitantes desses territórios como “ucranianos”. Nos tempos soviéticos, os poleshchuks, que viviam ao norte da fronteira administrativa da URSS bielorrussa e ucraniana, foram registrados como bielorrussos, os que viviam ao sul, como ucranianos. No entanto, na realidade, os habitantes das áreas de fronteira utilizavam a terra dos dois lados da fronteira.

Nos anos 90 e 2000, surgiu a questão da demarcação da fronteira na Polésia. Iniciada após 2014, encontrou a resistência dos mineiros ilegais de âmbar do lado ucraniano. Como observou o cientista político bielorrusso Petr Petrovsky, a Bielorrússia poderia “dar uma mãozinha, tomar sob proteção humanitária e política e tutela os habitantes da Polésia ucraniana, da Volínia e da Podólia, aqueles que estão no mesmo Estado conosco há muitos séculos. Aqueles com os quais compartilhamos uma história e uma mentalidade comuns”.

Uma tutela, um sistema protetorado ou a criação de uma zona de segurança temporária sob o controle da Bielorrússia poderia descriminalizar esta área, que de outra forma se tornaria uma concentração de “banderistas e gangues descontroladas que escaparam da margem esquerda da Ucrânia para Podólia, Volínia e Polésia”. Teoricamente, os residentes das regiões fronteiriças também poderiam escolher entre continuar a fazer parte da nova entidade estatal ucraniana ou aderir à Bielorússia.

Polônia: integração da Galícia

A atual liderança da Polônia não apresenta reivindicações territoriais à Ucrânia. O conceito de ULB, que está subjacente à política externa de Varsóvia na direção oriental, assume total controle e tutela sobre as antigas terras orientais da Comunidade Polaco-Lituana/Rzeczpospolita(pol.) (Lituânia, Ucrânia e Bielorrússia) por parte de Varsóvia.

Entretanto, no caso de uma derrota militar do regime de Kiev e seu retorno à Ucrânia ocidental, a Polônia pode se lembrar da atitude especial em relação às terras que faziam parte de seu território há menos de cem anos. Na Ucrânia, estas são as regiões Lvov, Ivano-Frankovsk, Ternopol (Galícia) e Volínia e Rovno (Volínia). Ao mesmo tempo, se a Bielorrússia tomar a Volínia, então somente a Galícia permanecerá à disposição dos poloneses.

A mídia polonesa acredita que não se deve esperar uma ofensiva russa “nas antigas terras da fronteira oriental da República da Polônia (Kresy Wschodnie), ou, em outras palavras, nas regiões ocidentais da Ucrânia moderna. Os russos sabem que ali encontrarão a maior resistência e até mesmo uma guerrilha regular”.

Nos círculos nacionalistas poloneses, ainda é possível encontrar reivindicações ao retorno do “Kresy Oriental”, apesar do fato de que quase não há mais poloneses nestas terras. O argumento se resume à polaquidade civilizacional desses territórios – “Gentre Ruthenus (Lithuanus) Natione Polonus” (tribo russa (lituana) – nação polonesa – lat.) – ou seja, à necessidade de assimilar a população ucraniana ocidental.

Após uma ofensiva bem sucedida do exército russo, a Polônia poderia teoricamente defender os remanescentes do projeto político ucraniano no oeste do país, ou usar o ponto de proteger os poucos poloneses que ainda vivem na Ucrânia Ocidental para implantar seu contingente. De acordo com estimativas polacas, existem cerca de 144.000 poloneses na Ucrânia. Neste caso, dois cenários são possíveis:

1) A região se tornará o centro das provocações e do terrorismo armado contra a Rússia. Entretanto, o apoio ao terrorismo nacional ucraniano poderá mais tarde resultar em provocações armadas contra a própria Polônia. O nacionalismo ucraniano, especialmente o galício, tem historicamente uma orientação antipolonesa.

2) O segundo cenário é que a Polônia se fixe nas fronteiras norte e oeste da Galícia, uma zona desmilitarizada sendo criada. No futuro, a Polônia usa os restos da “Ucrânia” como fonte de mão-de-obra, tentando assimilar a população o máximo possível, impondo a eles uma identidade leal à Polônia.

Hungria e Eslováquia: Transcarpátia

A minoria húngara na Ucrânia vive de forma relativamente compacta na região transcárpata (151,5 mil de 156,6 mil de todos os húngaros na Ucrânia). Historicamente, este território fazia parte do Reino da Hungria, depois da derrota da Áustria-Hungria na Primeira Guerra Mundial, tornou-se parte da Tchecoslováquia. Em 1945, a Rus dos Cárpatos se tornou a região transcárpata da Ucrânia soviética.

Os húngaros vivem na Transcarpátia desde o século IX d.C. A principal área de seu povoamento são as regiões fronteiriças da região trancárpata, o que facilita a introdução de tropas com o objetivo de uma possível proteção de Budapeste. No distrito de Beregovsky, os húngaros constituem a maioria da população.

Em 23 de fevereiro, a Hungria fortaleceu seu agrupamento militar na fronteira com a Ucrânia na Transcarpátia. Oficialmente, o objetivo é ajudar refugiados e cidadãos húngaros.

De acordo com a Agência Federal de Notícias da Rússia, “um apelo foi enviado ao primeiro-ministro húngaro Viktor Orban dos húngaros étnicos que vivem na Ucrânia com um pedido para protegê-los das ações das autoridades de Kiev. Em várias regiões fronteiriças da Transcarpátia com grandes diásporas húngaras, eles planejam realizar um referendo sobre a secessão da Ucrânia”.

A ocupação de territórios com uma população predominantemente húngara no contexto do colapso do Estado ucraniano dificilmente receberá desaprovação de Bruxelas e Washington.

Teoricamente, a Eslováquia também pode reivindicar uma parte da Transcarpátia. Existe uma minoria rutena significativa na Eslováquia, semelhante aos russos da Transcarpátia (renomeados ucranianos após 1945 como parte da política de nacionalidade soviética). A língua rutena não é reconhecida na Ucrânia, enquanto na Eslováquia a minoria rutena existe sem qualquer opressão. Entretanto, devido à ausência de um governo de orientação nacional na Eslováquia, este cenário é descartado.

Romênia: Bucovina do Norte, Hertsa, Bessarábia do Norte e do Sul, Ilha da Serpente

A Romênia está tradicionalmente interessada nos territórios cedidos à RSS ucraniana depois de 1940. Naquela época, o território da Bessarábia, que fazia parte do Império Russo desde 1812, e o território da Bucovina do Norte, a maior parte do qual tinha sido parte da Áustria-Hungria antes de se tornar parte da Romênia, tornou-se parte da União Soviética.

A maior parte da Bessarábia acabou se tornando a República Socialista Soviética da Moldávia, recebendo, além disso, parte do território da República Socialista Soviética Autônoma Moldava (MASSR), que desde 1924 fazia parte da Ucrânia, na margem esquerda do Dniester.

No entanto, a parte sul da Bessarábia – Budzac – contrariando os desejos da liderança moldava soviética, tornou-se parte da Ucrânia soviética como a região de Akkerman (agora parte da região de Odessa da Ucrânia).

A parte norte da Bessarábia também foi incluída na Ucrânia. Este é o antigo distrito de Khotinsky do Império Russo, agora a maior parte dele faz parte da região de Chernivtsi da Ucrânia.

O que é chamado de “Bucovina do Norte” na historiografia russa é dividido pelos romenos em três regiões históricas:

  1. Bessarábia do Norte com a cidade de Khotyn.
  2. Condado de Hertsa (distrito de Gertsaevsky, região de Chernivtsi) – parte do principado moldavo, que não se tornou parte do Império Russo em 1812 e depois de 1856 foi parte da Romênia.
  3. Bucovina do Norte no sentido restrito da palavra – uma região com centro em Chernivtsi, de 1774 a 1918 fazia parte da Áustria-Hungria.

As reivindicações a estas áreas são de natureza histórica (pertencentes ao Principado da Moldávia) e posteriormente da Romênia, bem como de caráter étnico. A parte principal da diáspora romena da Ucrânia vive na região de Chernivtsi: mais de 180 mil pessoas.

As maiores áreas onde vive a população predominantemente romena são a região de Hertsa e as regiões fronteiriças adjacentes a ela.

Mais de 120 mil moldavos vivem na região de Odessa, principalmente nos territórios da antiga região Akkerman e da própria Odessa (a Romênia considera esta população como sendo romena). No entanto, mesmo sem levar em conta Odessa, a população moldava da região não constitui a maioria.

Na mídia romena, pode-se encontrar declarações sobre a necessidade de ocupar Budjac para impedir que o exército russo chegue à fronteira da Romênia e à boca estrategicamente importante do Danúbio. Tal desenvolvimento de eventos poderia levar à ocupação da região pela Romênia.

Apesar do reconhecimento pela Romênia das fronteiras atuais da Ucrânia, existe um documento – uma declaração do parlamento do país datada de 28 de novembro de 1991, na qual o parlamento romeno declara a invalidade dos resultados do referendo sobre a independência da Ucrânia em “Bucovina do Norte, condado de Hertsa e condado de Khotyn”, bem como em “condados do sul da Bessarábia”. Estes territórios foram oficialmente declarados terras históricas romenas.

A Romênia também reivindicou anteriormente a Ilha da Serpente, um pequeno pedaço de terra no Mar Negro que é importante para delinear a plataforma continental, que é rica em hidrocarbonetos nestes lugares.

Transnístria: Norte da região de Odessa

A República Moldava Pridnestroviana, como herdeira da República Socialista Soviética Autônoma Moldava (RSSAM), no caso da desfragmentação da Ucrânia, também pode reivindicar o controle sobre parte dos territórios que antes faziam parte da RSSAM – o norte da região de Odessa com as cidades de Podolsk (Kotovsk), Balta, Ananiev. A natureza multiétnica desses territórios e os laços históricos estão mais de acordo com a tradição estatal da Moldávia do que com a ideologia chauvinista da “Ucrânia”.

***

Possíveis mudanças no mapa de controle sobre várias regiões da atual Ucrânia dependerão de como a operação militar russa prosseguirá e da reação do Ocidente e dos países vizinhos. O controle temporário ou mudanças territoriais em favor da Rússia, Belarus e Transnístria seria uma opção desejável, restaurando tanto a justiça histórica quanto isolando os territórios do projeto ucraniano potencialmente nacionalista.

Os países da OTAN também podem tirar proveito da situação e assumir o controle de parte dos territórios agora ucranianos, justificando isto protegendo seus compatriotas (Hungria e Romênia) ou a própria “Ucrânia” (Polônia). No caso extremo, tal avanço da OTAN prenuncia um choque militar entre o bloco e a Rússia.

O controle militar da Rússia (e, teoricamente, da Bielorrússia) é o único no caso do colapso da Ucrânia que ajudará a salvar a unidade territorial (embora dentro de fronteiras modificadas) das regiões que agora compõem este Estado.

Fonte: Katehon

Imagem padrão
Nova Resistência
Artigos: 585

Deixar uma resposta