Operação Militar na Ucrânia: Análise Geopolítica

Infelizmente, a mídia de massa não informa absolutamente nada sobre as raízes geopolíticas do conflito ucraniano. Tudo é colocado em termos sensacionalistas e histéricos. Não obstante, é impossível entender esse conflito sem atentar para o projeto secular de cerco à Rússia para garantir o controle atlantista sobre o coração da Eurásia, considerado pelos primeiros geopolitólogos como chave para a hegemonia mundial.

O lugar da Ucrânia no confronto geopolítico da Terra e do Mar já foi descrito bastante e com algum detalhe. Além disso, é simbólico que o fundador da geopolítica, Halford Mackinder, foi o alto comissário da Entente para a Ucrânia durante a Guerra Civil na Rússia. E lá, no governo Wrangel da época, o fundador do eurasianismo, o geógrafo Peter Savitsky, que foi o primeiro no jornalismo russófono a mencionar o próprio termo “geopolítica” e delinear os principais pontos desta metodologia, trabalhou como assistente do Ministro das Relações Exteriores Peter Struve.

Geopolítica: A Guerra Contínua da Terra e do Mar

Mackinder formulou a teoria da grande guerra continental, a oposição entre a civilização do Mar (o Ocidente em geral, o Império Britânico mais estreitamente) e a civilização da Terra (Heartland, Rússia-Eurásia) um pouco antes, em 1904, em sua famosa obra O Pivô Geográfico da História. A Terra (Roma, Esparta) e o Mar (Cartago, Atenas) representam duas civilizações antagônicas, opostas em tudo – tradicional e moderna, espiritual e materialista, militar e comercial. O conflito entre eles é uma constante na história mundial.

A Eurásia como teatro de confronto geopolítico

Nos últimos séculos, quando o Grande Jogo, o confronto entre os Impérios Britânico e Russo, estava em pleno andamento, a grande guerra continental estava embutida no espaço da Eurásia. Neste espaço o “Heartland”, representava a Rússia. E a “civilização do Mar” — a Inglaterra. A Inglaterra tentou abraçar a Eurásia de fora, a partir dos oceanos. A Rússia respondeu por dentro, tentando romper o bloqueio.

A principal faixa de tensão se destacou no conceito especial de Rimland, a “zona costeira”. Ela se estendiada Europa Ocidental através do Oriente Médio, Ásia Central, para o Sudeste Asiático, Índia e China.

O objetivo do Mar era subjugar a Rimland. O objetivo da Terra era quebrar esta influência e romper o anel de anaconda cada vez menor. Esta era a razão do avanço da Rússia para a Ásia Central e o Extremo Oriente.

Daí a principal fórmula da geopolítica: “Quem controla a Europa Oriental controla o Heartland. Quem controla o Heartland, controla o mundo”. Esta é a teoria.

O Desmembramento da Grande Rússia

Em sua posição como Alto Comissário da Entente, Mackinder tentou colocar a teoria em prática. A Guerra Civil Russa deu à Civilização Marítima uma nova chance de empurrar as fronteiras da Mar para o leste, às custas dos territórios que abandonavam o poder russo – Finlândia, Polônia e, mais importante, Ucrânia.

Mackinder (como Savitsky) entendeu que a vitória dos bolcheviques levaria inevitavelmente a um confronto com o Ocidente e a uma tentativa de recriar o império russo de uma nova forma (que foi exatamente o que aconteceu). E diante desta perspectiva, Mackinder exigiu que o governo britânico fosse mais ativo na ajuda aos Brancos[1], os quais tentou convencer da necessidade de conceder a independência da Ucrânia. Ele também desenvolveu um plano para separar o Cáucaso do Sul, Belarus, Ásia Central, bem como a Sibéria Oriental e até mesmo alguns territórios do sul da Rússia. Mais tarde, em 1991, o colapso da URSS repetiu em grande parte o plano de Mackinder.

A Ucrânia e o Cordão Sanitário

A Ucrânia desempenhou um papel importante no quadro geopolítico de Mackinder. Este território, juntamente com a Polônia e os países da Europa Oriental, fazia parte do “cordão sanitário” (cordão sanitário), uma zona estratégica que deveria estar sob o controle direto da Inglaterra e da França (os aliados do Entente na época) e impedir a aproximação entre a Rússia e a Alemanha. Sendo retida por um “cordão sanitário”, a Rússia-Eurásia não poderia se tornar um verdadeiro império. Sem a Ucrânia, a Rússia não é um império. Além disso, a Ucrânia, hostil à Rússia e sob o controle direto dos anglo-saxões, cortaria a Rússia da Europa continental, onde a Alemanha, por sua vez, era uma Heartland, só que não global (como a Rússia), mas local, europeia. O conflito da Inglaterra com a Alemanha (anteriormente com a Áustria) era uma constante na geopolítica europeia.

Assim, o projeto da Ucrânia independente foi inicialmente dirigido contra a Rússia e foi supervisionado pelos anglo-saxões.

Os bolcheviques criam e simultaneamente desmantelam a Ucrânia

Sabemos que durante a Guerra Civil, os Brancos aderiram a uma política de restauração de um império unido e indivisível. Ao mesmo tempo, eles dependiam do apoio da Entente, que lhes impunha certas condições. Em qualquer caso, o governo britânico não concordou com Mackinder sobre a necessidade de um forte apoio aos Brancos em troca de seu acordo para a secessão da Ucrânia, e os Brancos perderam a guerra. Nessa configuração, portanto, o assunto foi retirado da agenda.

Os bolcheviques, por outro lado, inicialmente apoiaram a Ucrânia e promoveram ativamente círculos nacionalistas na crença de que estavam orientados contra o “czarismo”, mas mais tarde mudaram para uma política centralista, vendo que a Ucrânia não ia aceitar o poder bolchevique sem reclamar e buscou ceder aos anglo-saxões (o que então significava “capitalismo mundial”). Portanto, como Mackinder havia previsto, Lênin iniciou a captura direta da Ucrânia, que não tinha uma história estatal independente e era uma presa relativamente fácil para os Vermelhos. Os Vermelhos não conseguiram capturar a Polônia pelo mesmo esquema. Mas o território de Belarus, que foi reivindicado pela Polônia de Piłsudski, permaneceu com os Vermelhos.

Então, já sob a autoridade dos bolcheviques em 1922, Lênin deu à República Socialista Soviética da Ucrânia os vastos territórios que haviam sido parte do Império Russo – Slobozhanshchina, Donbass, Novorússia, assim como vastas áreas no norte (oblast de Chernigov) e no oeste (Malorússia propriamente dita). A Galícia permaneceu sob a Polônia, Bucovina era parte da Romênia. A Crimeia pertencia à RSSR.

Mas este arranjo territorial da Ucrânia não implicava na criação de um Estado. O poder bolchevique estendia-se a todos os territórios da URSS e, no espírito da ideologia internacionalista, não se podia falar da condição de Estado das repúblicas individuais. Era quase uma divisão puramente administrativa no contexto de um único poder. Era exatamente disto que Mackinder tinha medo.

Os bolcheviques criaram a Ucrânia e a aboliram (como um Estado independente).

A Ucrânia na URSS após a Grande Guerra Patriótica

Galiza, Volínia e Bucovina foram anexados à Ucrânia antes da Grande Guerra Patriótica e Transcarpátia – logo após a guerra. Mas neste ponto, a Rússia-Eurásia, na forma da URSS, moveu-se significativamente para o oeste, deslocando a fronteira da terra às custas da Rimland, e estabelecendo o controle sobre a Europa Oriental, que estava toda sob o poder de Moscou. Assim, a URSS rompeu e aboliu completamente o “cordão sanitário”, vindo diretamente para a Europa continental e confiscando, de fato, os territórios da Prússia (RDA).

Em tal posição – bem no fundo da Eurásia – a Ucrânia existiu até 1991. Ao mesmo tempo, para fins de expediente puramente administrativo dentro dos limites de um Estado absolutamente unitário, Khrushchev em 1954 transferiu a Crimeia para Kiev. Do ponto de vista geopolítico, porém, isso não significou nada, pois todas as fronteiras entre os súditos da URSS, as repúblicas federativas, eram condicionais e na prática não significavam nada.

O Atlantismo e o Mundo Bipolar

Durante a Guerra Fria, o Ocidente voltou à geopolítica. Foi assim que em 1949, seguindo os modelos de Mackinder, foi criada a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte). O termo “Atlântico” usado aqui, “Atlantismo” torna-se sinônimo de “civilização do Mar” no exato sentido em que Mackinder o entendia. “Atlantismo” é o Ocidente e seus aliados, o mundo capitalista com um núcleo anglo-saxão, com o centro no século XX mudando gradualmente de Londres para Washington, da Inglaterra para os Estados Unidos.

O mapa de Mackinder correspondia perfeitamente ao equilíbrio de poder na Guerra Fria, e os dois campos – comunista e capitalista – estavam estritamente alinhados com a Terra e o Mar. O bloco oriental era a Terra, com a URSS em seu centro como o Heartland. O bloco ocidental era o Mar, centrado no Atlântico (os anglo-saxões), mas incluía as colônias estratégicas do pós-guerra dos Estados Unidos – os países da Europa, Japão e outros Estados do Terceiro Mundo que proclamavam fidelidade ao capitalismo. Eles foram organizados em ordem escalonada na Ásia, África e América Latina, o que constituiu o mapa geopolítico do confronto global. A Terra e o Mar raramente se confrontaram diretamente (como durante a crise dos mísseis cubanos), e geralmente agiram através de seus regimes pró-soviéticos ou pró-americanos. E se a Terra estava diretamente envolvida – na Tchecoslováquia, Afeganistão, etc., então o Mar se opunha através de procuradores, grupos e movimentos anti-soviéticos sem intervir diretamente. E quando o Mar intervinha abertamente – Coréia, Vietnã, a Terra ajudava indiretamente, com conselheiros, diplomacia, economia, etc.

O Problema do Rimland

Durante a Guerra Fria, o problema do Rimland tornou-se novamente extremamente relevante. Assim, o cientista geopolítico americano Nicholas Spykman, revisando as teorias de Mackinder, chegou à conclusão de que é o Rimland que é a principal zona de confronto. Ele formula a lei da geopolítica da seguinte forma: “Aquele que controla o Rimland controla o mundo”. Mas esta não é uma nova geopolítica, mas uma reinterpretação – menor – do peso das zonas principais na teoria de Mackinder. Tanto mais que o próprio Mackinder começou com a “Europa Oriental”, ou seja, com o “cordão sanitário”, e ele pertence ao Rimland.

Em todo caso, a Guerra Fria do ponto de vista geopolítico foi uma batalha pelo Rimland. Moscou tentou expandir sua influência – através de partidos e movimentos esquerdistas – na Europa, no Oriente Médio, na Ásia, na África e na América Latina. Em um período, a China maoísta também fazia parte de um único campo socialista, ou seja, parte do Coração Eurasiático.

Atlantismo ao ataque

Quando a URSS começou a enfraquecer, os geopolíticos atlantistas (Z. Brzezinski, R. Gilpin, etc.) começaram a pensar e agir de forma mais vanguardista. Além do modelo bipolar e do deslocamento parcial do equilíbrio ao longo da periferia mundial e ao longo dos contornos da Eurásia, eles começaram a construir conceitos mais ousados de um mundo unipolar. Assim, as idéias de Mackinder recuperaram seu frescor e relevância. Para alcançar a vitória decisiva e final da civilização do Mar, era necessário fragmentar o bloco de Varsóvia, depois de preferência a URSS, e depois o que sobrasse dela. Em outras palavras, fazer avançar significativamente o Rimland às profundezas da Terra, restringindo-a e bloqueando o acesso aos “mares quentes”, onde a Rússia tentava constantemente chegar.

Um dos geopolíticos atlantistas mais consistentes foi Zbigniew Brzezinski. De volta à era bipolar, ele apoiou ferozmente as forças anti-soviéticas no Afeganistão, até e incluindo a Al-Qaeda. Brzezinski e Kissinger fizeram esforços no início dos anos 80 para finalmente separarem da URSS e China, procurando incluir a China na economia global e integrá-la gradualmente na civilização do Mar.

Quando os processos destrutivos na URSS começaram, os atlantistas aumentaram a pressão sobre a Europa Oriental, provocando, fomentando e apoiando sentimentos artificialmente anti-soviéticos/russófobos de todas as formas possíveis. De um ponto de vista geopolítico, o soviético e o russo coincidiam na época.

Com Gorbachev, o rápido colapso do campo socialista começou. A Terra estava se retirando, o Mar estava avançando. Portanto, não devemos nos surpreender com a expansão da OTAN para o Oriente. Isto estava originalmente embutido na teoria geopolítica do atlantismo. Nada mais poderia ser esperado da política atlantista.

A Criação da Anti-Rússia

Quando se tratou do colapso da URSS, os projetos da Mackinder para desmembrar a Rússia-Eurásia, tornaram-se ainda mais relevantes. As fronteiras condicionais das repúblicas dentro de um Estado unitário, completamente e firmemente controladas pelo Partido Comunista, de repente se tornaram as fronteiras dos Estados-nações soberanos. Todos os Estados pós-soviéticos foram criados de acordo com os moldes dos atlantistas. Estas entidades não têm outro sentido senão o de serem Anti-Rússia. Uma dessas “Anti-Rússia” era a própria Federação Russa. Mas como a Federação Russa ocupava o território do Heartland, mesmo que significativamente encolhido, ela ainda representa a Terra aos olhos dos cientistas geopolíticos atlantistas, ou seja, o inimigo. E para acabar com o inimigo, era necessário empurrar a OTAN mais profundamente para a Eurásia, e também tentar desmembrar a própria Rússia (a primeira campanha chechena, a onda de separatismo interno russo, etc.).

A Rússia nunca será capaz de se recuperar sem a Ucrânia

Todos estes processos Brzezinski compreendeu e ajudou a implementar na prática (como Mackinder fez anteriormente). Em seu famoso livro O Grande Tabuleiro de Xadrez, Brzezinski fala abertamente sobre a necessidade de desmembrar ainda mais a Rússia, de fortalecer o “cordão sanitário”, etc. Mais importante ainda, Brzezinski compreende o papel da Ucrânia nesta questão. Brzezinski diz que a coisa mais importante:

  • arrancar irrevogavelmente da Rússia a então hesitante Ucrânia,
  • transformá-la em um posto avançado do atlantismo e
  • impor o nacionalismo russofóbico como principal ideologia a seu povo.

Sem a Ucrânia, a Rússia jamais será capaz de se tornar uma potência soberana de pleno direito, um Império, um polo independente do mundo multipolar. Portanto, o destino da unipolaridade e do globalismo (para Brzezinski isto é quase a mesma coisa), depende se o Ocidente será capaz de implementar o desmembramento da Ucrânia. Afinal, se a Rússia e a Ucrânia se unirem – de uma forma ou de outra, a unipolaridade entrará em colapso e o mapa geopolítico mudará irreversivelmente novamente.

A batalha pela Ucrânia e contra a Rússia é uma constante histórica na estratégia geopolítica do Ocidente. Isto explica tudo, desde a declaração de independência através da Revolução Laranja de Yushchenko-Timoshenko até o Maidan e oito anos de preparação intensificada por Kiev sob instrutores atlantistas para operações militares para tomar o Donbass e a Crimeia.

O Nascimento da Geopolítica na Rússia: A Eurásia como Sujeito

Desde o início dos anos 90 na Rússia, justamente quando a URSS entrou em colapso e os agentes atlantistas chegaram ao poder (o ex-ministro das Relações Exteriores Andrey Kozyrev admitiu diretamente que era atlantista), ao contrário da atitude política e ideológica básica do liberalismo e do ocidentalismo, a Rússia – principalmente nos círculos militares (em particular, na Academia Militar do Estado-Maior General) – começou a desenvolver sua própria escola geopolítica. Ela estava baseada no eurasianismo, pois foram os primeiros eurasianos russos na década de 1920 que descreveram o mapa geopolítico do confronto entre a Rússia e o Ocidente, por fora da ideologia comunista (os eurasianistas eram Brancos). Suas ideias eram as mais adequadas na situação atual, diante da ofensiva da OTAN no Oriente e das próprias políticas incompreensíveis (em alguns lugares traiçoeiras) de Moscou. Os militares não podiam tomar como amigos aqueles cujas intenções e ações agressivas contra a Rússia eles registravam de hora em hora. Mas o governo liberal permaneceu surdo para a geopolítica. No entanto, a escola geopolítica não pôde ser destruída. Todos estavam ocupados com os fascinantes processos de corrupção total.

A geopolítica explicava perfeitamente o que estava acontecendo na Europa Oriental e no espaço pós-soviético nos anos 90 (o cerco do Mar à Terra, a expansão dos “cordões sanitários” e do território do Rimland), mas este entendimento permaneceu dentro dos círculos militares, que se ressentiam da política oficial, mas não tinham qualquer peso ou influência política na época. Os atlantistas, por outro lado, perseguiram metodicamente sua causa, alimentando e fortalecendo a Anti-Rússia, tanto fora como, em parte, dentro da própria Federação Russa.

Putin está mudando o vetor geopolítico

Tudo mudou quando Putin chegou ao poder. Ele começou a restaurar a soberania da Rússia, a se livrar dos agentes na liderança do país, a focalizar e desenvolver seu potencial militar, e a fortalecer a unidade da Rússia. A segunda campanha chechena, a introdução dos Distritos Federais e as mudanças na legislação fortaleceram a integridade territorial e reforçaram a vertical do poder. Putin gradualmente começou a se opor cada vez mais ao Ocidente e a seguir uma política de integração eurasiática no espaço pós-soviético. Em resumo, Putin devolveu à Rússia o status de sujeito de geopolítica, não seu objeto. Ele aderiu consciente e responsavelmente à grande guerra continental em nome da Terra.

Isto não podia faltar no Ocidente, o que levou ao aumento da pressão sobre os países pós-soviéticos para assumirem cada vez mais uma posição anti-russa, para se integrarem mais rapidamente nas estruturas ocidentais. Isso afetou todos os países pós-soviéticos, mas principalmente a Ucrânia. Dependia da Ucrânia determinar se a Rússia seria ou não capaz de restaurar plenamente sua soberania geopolítica. De acordo com as leis da geopolítica, sem a Ucrânia a Rússia não é um Império, não é um polo, não é uma civilização, mas com a Ucrânia ela é um Império, um polo e uma civilização. E esta fórmula pode ser lida a partir de duas posições – os olhos do Mar e os olhos da Terra. Obviamente, Putin a leu através dos olhos da Terra, na medida em que ele foi e continua sendo o governante do Heartland, consciente e poderoso.

O nacionalismo ucraniano como ferramenta geopolítica do atlantismo

Ao mesmo tempo, o iniciador dos cataclismos na Ucrânia foi o Ocidente atlantista. Mesmo as políticas neutras, moderadamente pró-ocidentais – multivetoriais – de Kuchma ou Yanukovich não lhes convinha. Os atlantistas pressionaram Kiev a se tornar agressiva e radical, atacando a Anti-Rússia o mais rápido possível. Kiev teve que atacar.

Isto explica a Revolução Laranja, o Maidan, e as razões para a atual operação militar russa.

O Ocidente estava lutando pela Ucrânia. Deve-se levar em conta que a Ucrânia não tem nenhuma história estatal, e os territórios em que está localizada são historicamente acidentais e são o resultado da criatividade administrativa dos bolcheviques. Quando Putin justificou a operação militar na Ucrânia dizendo que “Lênin criou a Ucrânia”, ele estava absolutamente certo. Entretanto, Lênin não criou a Ucrânia como tal, mas uma das zonas de controle bolchevique junto com outras. A nacionalidade, segundo a teoria bolchevique, tinha que ser completamente superada em uma sociedade internacional socialista. Lênin criou a Ucrânia e, de fato, a aboliu imediatamente.

Portanto, após 1991, havia povos e territórios no território da Ucrânia com história, identidade, língua e cultura completamente diferentes. Metade deles não eram de forma alguma diferentes dos russos. A segunda metade era de ucranianos mais ou menos russificados. E apenas uma minoria esmagadora professava uma ideologia nacionalista autodenominada. Mas somente esta minoria era capaz, segundo os geopolíticos ocidentais, de transformar os ucranianos em uma “nação” a um ritmo acelerado. Era um projeto geopolítico atlantista. Em outros países, o Ocidente erradicou cuidadosamente o nacionalismo, especialmente em suas formas radicais. Na Ucrânia, entretanto, o Ocidente agiu exatamente da forma oposta, apoiando ativamente todas as formas de nacionalismo até o mais extremo. Segundo os estrategistas atlantistas, esta era a única maneira de acelerar a formação de uma construção artificial, rigidamente russófoba, um simulacro virtual de uma nação. Por isso, a esfera da informação era tão importante, pois inculcava obsessivamente os ucranianos com um ódio infundado aos russos e a tudo o que unia nossos povos. Qualquer disparate era usado, até “a antiga civilização dos antigos ucranianos”, o que teria causado apenas um completo desnorteamento no Ocidente. Entretanto, toda a operação foi supervisionada pelos serviços secretos atlantistas, e é por isso que o Ocidente criou uma imagem artificial da Ucrânia como uma democracia jovem e abertamente vulnerável, sofrendo com a ameaça russa. De fato, uma mentalidade neonazista foi obsessivamente afirmada na sociedade, inextricavelmente ligada ao atlantismo e até mesmo ao globalismo liberal (não importa o quanto estes sistemas se contradigam, porque o globalismo nega o Estado, e o liberalismo qualquer identidade coletiva, e acima de tudo a identidade nacional).

O Confronto Final

A brusca virada russofóbica de Kiev e de toda a sociedade ucraniana foi o resultado dos eventos Maidan 2013-2014, culminando com a expulsão e fuga do Presidente Yanukovych. Yanukovych não era nem um político pró-russo nem um eurasianista. Ao contrário, ele era um pragmático míope, mas mesmo isto, do ponto de vista do Ocidente, era inaceitável. O Ocidente queria tudo. Observando o fortalecimento da Rússia de Putin e levando em conta os acontecimentos de 2008 na Geórgia, onde o Ocidente também colocou Saakashvili contra a Rússia, mas o resultado não foi claramente a favor da civilização do Mar, os atlantistas decidiram agir pelos métodos mais radicais.

O atual Presidente dos EUA Joe Biden, então Vice-Presidente, e outros membros de sua equipe, como Victoria Nuland, etc., estiveram muito ativamente envolvidos na derrubada de Yanukovych e na preparação do Maidan. O objetivo era o mesmo que o de Mackinder e Brzezinski: finalmente tirar a Ucrânia da Rússia e preparar o terreno para um violento conflito entre Kiev e Moscou.

Putin respondeu reunindo a Crimeia e apoiando o Donbass, mas isto não resolveu o problema geopoliticamente. Putin atrapalhou o plano de acelerar a adesão da Ucrânia à OTAN, que incluía a expulsão da Marinha russa de Sebastopol, impediu genocídios na Crimeia e no Donbass, mas a escala da Ucrânia era grande demais para continuar sua ofensiva eurasiática em 2014 e levar a defesa do mundo russo a sua conclusão lógica. Naquele momento, a Terra parou. O processo dos Acordos de Minsk havia começado, mas de um ponto de vista geopolítico, era óbvio que nenhuma solução pacífica poderia ser encontrada e o confronto direto inevitavelmente aconteceria mais cedo ou mais tarde. Além disso, a inteligência russa recebeu informações de que o lado ucraniano estava apenas aproveitando o adiamento para preparar uma operação militar no Donbass e depois na Crimeia.

As forças nacionalistas que haviam triunfado no golpe de Estado de 2014 em Kiev odiavam ainda mais a Rússia, fizeram propaganda maciça para lavar o cérebro da população, lançaram uma brutal operação punitiva contra os residentes de Donbass, que foram vítimas de um genocídio sistemático, e planejavam um ataque a Donbass e à Crimeia até a primavera de 2022. Ao mesmo tempo, Kiev, juntamente com o Ocidente, estava desenvolvendo planos para construir suas próprias armas nucleares. Além disso, havia laboratórios biológicos espalhados por toda a Ucrânia envolvidos em experimentos ilegais para produzir armas biológicas.

Tudo isso fazia parte de uma única estratégia geoatlântica.

Fonte: Katehon

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 585

Um comentário

  1. De fato, em geopolítica há interesses, não princípios. O autor é a prova, que gosta de “bossa nova” mas esquece que ela foi suplantada pela “jovem guarda”, que como o nome indica, foi estimulada pelos militares – que ele hoje apoia -, após o golpe de 64, pois exigia menos reflexão.

Deixar uma resposta