Vulnerabilidades dos EUA na Política Doméstica e Externa

Se os EUA tentam subverter todo o planeta, explorando as suas vulnerabilidades internas, é hora dos outros países do mundo começarem, também, a estudar as fraquezas dos EUA para explorá-las no futuro. Entre essas fraquezas estão as crescentes contradições ideológicas internas entre progressistas e conservadores, a estagflação na economia e não podemos, também, esquecer das disputas territoriais com o Canadá, dos crescentes sentimentos separatistas e das antigas reivindicações mexicanas a territórios perdidos no passado.

A nova rodada de confronto entre a Rússia e o Ocidente [1] nos obriga a pensar em como prejudicar os adversários sem recorrer a um conflito armado. Como o principal instigador da campanha anti-russa são os Estados Unidos, faz sentido considerar as fraquezas deste Estado a fim de explorá-las no nível geopolítico global.

Alguns problemas nos Estados Unidos não têm nada a ver com a agenda internacional e refletem a luta política interna e a degradação geral da cultura política. Por exemplo, a política de LGBTização da sociedade estadunidense atingiu um auge tal que os órgãos estatais deste país já dizem que as palavras “mãe” e “pai” são ofensivas, o que, naturalmente, é percebido pela parte conservadora da sociedade como ações inaceitáveis. [2]

A luta entre partidários dos valores tradicionais e sodomitas está em curso nas autoridades legislativas e judiciais de vários estados. Os republicanos estão explorando este tópico para se vingar nas eleições intermediárias. A polarização pode levar ainda mais à radicalização de vários movimentos sociais, muitos dos quais representam organizações militarizadas. E isto está permeado de uma beligerância armada aberta dentro do país por princípios ideológicos.

A economia estadunidense também não se encontra nas melhores condições. Em dezembro do ano passado, a inflação dos preços ao consumidor era de 6,8%, o que se mostrava como no ritmo mais rápido dos últimos 40 anos. A inflação já atingia uma alta de vários anos e, além disso, o país está experimentando uma bolha no mercado de ações e moradia causada pela compra excessiva de títulos pelo Sistema da Reserva Federal.

O conhecido economista Desmond Lachman, que trabalhou anteriormente no FMI, apontou: a última coisa que o Sr. Biden precisa antes das eleições intermediárias deste ano é que as bolhas no mercado acionário e habitacional dos EUA explodam. Entretanto, isto é exatamente o que poderia acontecer se o FED fosse realmente forçado a aumentar as taxas de juros a fim de matar o dragão inflacionário, que agora está recebendo um impulso adicional devido aos altos preços do petróleo.

Isto parece ser especialmente relevante dado que as bolhas tanto no mercado de ações quanto no mercado imobiliário foram baseadas na suposição de que as taxas de juros permaneceriam em seus atuais níveis ultrabaixos para sempre. [3]

Dado que é improvável que a situação russo-ucraniana seja resolvida no futuro próximo, há todas as chances de que os preços do petróleo permaneçam altos no futuro próximo, especialmente se forem impostas sanções ao setor petrolífero russo. Isto deixará a Reserva Federal com pouca escolha a não ser pressionar o freio da política monetária para evitar que as expectativas de inflação interna se enfraqueçam. [4]

O governo Biden também é duramente criticado pelo fato de que novas leis relacionadas com a alocação de fundos orçamentários para conter a China e apoiar o Pentágono irão direcionar dezenas de bilhões de dólares não para a educação, assistência médica e outras tarefas sociais. [5]

As disputas territoriais entre os Estados Unidos e seus vizinhos também podem ser um meio eficaz para desviar a atenção e criar confusão nas parcerias dentro dos membros da OTAN.

Embora haja um ditado bem conhecido que os Estados Unidos só tem México e peixe entre seus vizinhos, o Canadá representa exatamente o caso quando existem precedentes de disputas territoriais. E a degradação da economia pode aumentar essas tensões, já que as zonas reivindicadas pelos dois Estados são de interesse para a pesca e os frutos do mar, e também contêm quantidades significativas de recursos energéticos.

No total, há cinco áreas marinhas em que o Canadá e os Estados Unidos discordam sobre a questão de a quem pertencem. A deterioração das relações entre os países pode acontecer apenas por causa delas.

A primeira seção disputada é o Estreito de Juan de Fuca, que separa a Ilha de Vancouver na Colúmbia Britânica (Canadá) da Península Olímpica no Estado de Washington (EUA). A fronteira entre os dois países corre bem no meio do Estreito. Ambos os países concordam que a fronteira aqui deveria estar a uma distância igual. Mas cada lado utiliza pontos de base ligeiramente diferentes, o que leva a ligeiras diferenças na linha de fronteira.

Além disso, o governo da província de British Columbia rejeitou tanto a fronteira canadense quanto a americana, assim como todo o princípio da equidistância. Afirma o princípio da continuação natural, que afirma que um cânion submarino (também chamado de Juan de Fuca) é um limite adequado. Esta abordagem fala a favor da British Columbia, mas o governo canadense não quer abandonar o princípio da equidistância, que pode custar caro em outras áreas.

Na Entrada Dixon, o oposto é verdadeiro. Ao norte dela está a Ilha Príncipe de Gales. Apesar de seu nome real, a ilha é parte dos Estados Unidos. Ao sul da Entrada Dixon está o arquipélago canadense de Haida Gwaii, conhecido até 2010 como as Ilhas Rainha Charlotte.

As águas entre elas são ricas em peixes, atraindo predadores, albatrozes e, é claro, pessoas. Curiosamente, o conflito atual tem suas raízes no confronto entre o Império Russo e a Grã-Bretanha. A fronteira atual entre o Alasca e o Canadá corresponde ao Tratado de São Petersburgo de 1825. Este acordo entre a Rússia e a Grã-Bretanha traçou uma linha entre os interesses dos dois países no noroeste da América do Norte. Ele estabeleceu 54°40′ de latitude norte como a fronteira sul da América russa.

A disputa foi resolvida posteriormente por arbitragem internacional, em 1903. A atual fronteira terrestre fica a 35 milhas (56 km) a leste de onde o oceano se encontra com a costa, em algum lugar no meio das linhas reivindicadas por ambos os lados.

Os canadenses, no entanto, permaneceram insatisfeitos. Se a fronteira tivesse sido um pouco mais a seu favor, eles teriam acesso marítimo direto aos campos de ouro de Yukon. A arbitragem também determinou a fronteira marítima do Alasca com o Canadá. A chamada linha A-B corria do Cabo Muzon – o ponto mais ao sul da ilha de Dall, a ilha mais ao sul do Alasca – do leste para o continente. Isto deixou a maior parte da entrada de Dixon no lado canadense da linha.

Mas os americanos a viram de forma diferente. Eles acreditavam que a linha A-B estava relacionada com a fronteira terrestre; a fronteira marítima corria bem ao sul da linha. Isto corta a entrada de Dixon em dois: o norte leva aos EUA, o sul leva ao Canadá.

Ambos os governos ainda têm estes pontos de vista. Uma das razões pelas quais esta questão é tão difícil de resolver é o salmão do Pacífico na área, que vai para desova todos os anos.

Relativamente recentemente, nos anos 90, a competição entre pescadores canadenses e americanos nesta área se intensificou para as chamadas “guerras do salmão”, quando de tempos em tempos ambos os lados prendiam as tripulações um do outro. Em 1997, a situação atingiu um clímax quando pescadores canadenses bloquearam uma balsa do Alasca, mantendo efetivamente seus passageiros reféns por três dias. A situação está menos tensa agora, mas o problema principal ainda não foi resolvido.

Também no Mar de Beaufort há uma área disputada em forma de cunha ao norte de onde a fronteira entre o Alasca e o Território Yukon fica de frente para o mar. Esta fronteira terrestre se estende ao longo do 141º meridiano ocidental, conforme acordado no Tratado de São Petersburgo de 1825 entre a Rússia e a Grã-Bretanha.

O Canadá acredita que é necessário seguir esta linha 200 milhas náuticas (370 km) ao norte para o mar, e esta é a fronteira marítima. Mas os EUA argumentam que a fronteira marítima deve ser perpendicular à linha costeira quando ela sai para o mar. A diferença é uma área de cerca de 8.100 milhas quadradas (21.000 quilômetros quadrados).

A disputa se agita por causa das significativas reservas de petróleo e gás escondidas sob o gelo e a água. De acordo com o Conselho Nacional de Energia do Canadá, a cunha pode conter até 1,7 bilhões de metros cúbicos de gás e 1 bilhão de metros cúbicos de petróleo – o suficiente para atender às necessidades energéticas do país por muitos anos. E em poucos anos, estas reservas podem se tornar mais acessíveis à medida que o gelo se retira devido à mudança climática.

Há também a Passagem Noroeste, que representa uma rota através de vários canais pelo vasto arquipélago do norte, que tem estado congelada por muitos meses. Durante as últimas décadas, a mudança climática e a consequente redução do gelo marinho tornaram os canais do norte do Canadá mais convenientes para a navegação. Em 2007, uma embarcação comercial completou a viagem sem a ajuda de um quebra-gelo, o que aconteceu pela primeira vez na história.

Se a rota do norte pudesse passar superpetroleiros e outras embarcações grandes demais para o Canal do Panamá, ela reduziria significativamente sua única opção atual: viajar pelo Cabo Horn, na ponta sul da América do Sul. Como a temperatura geral na Terra continua a subir, a Passagem Noroeste se tornará cada vez mais adequada para o transporte marítimo, mesmo que seja apenas no verão. Isto significa que a disputa territorial sobre a Passagem Noroeste provavelmente se reacenderá.

Para o Canadá, o problema é bastante claro: qualquer via navegável potencial que se abra ao transporte marítimo internacional passará por águas canadenses sobre as quais o país exerce plena soberania, o que significa que o Canadá pode conceder acesso ou cobrar pedágios a seu critério.

Entretanto, os Estados Unidos e vários outros países argumentam que uma passagem viável para o noroeste seria de jure um estreito internacional aberto à passagem em trânsito sem restrições ou compensações.

Em 1969, o petroleiro americano SS Manhattan completou a passagem sem pedir permissão prévia aos canadenses, e para encerrar o assunto, o quebra-gelo da Guarda Costeira dos EUA no Mar Polar fez o mesmo em 1985. Apesar do último navio ter sido autorizado a ser revistado pela Guarda Costeira Canadense, a opinião pública no Canadá ficou furiosa, e um escândalo diplomático eclodiu.

Em 1986, o Canadá confirmou sua soberania sobre a Passagem Noroeste, mas os Estados Unidos se recusaram a reconhecer esta reivindicação. Para aliviar a situação, ambos os países assinaram um acordo de cooperação no Ártico em 1988, que não abordava a questão da soberania como tal, mas esclareceu algumas questões práticas.

De acordo com o direito marítimo, os navios em trânsito não precisam de autorização para passar, mas ao mesmo tempo não podem se envolver em pesquisas. O acordo assumiu que os navios da Guarda Costeira dos EUA e da Marinha dos EUA seriam sempre considerados como realizando pesquisas, portanto, seria sempre necessário solicitar permissão para trânsito.

O contrato era válido por cerca de dez anos. No final de 2005, foram publicadas fotografias do navio americano Charlotte no Pólo Norte. É claro, ninguém pediu permissão para a passagem do Canadá. A resposta do Canadá foi que ele decidiu não mais usar o termo “Passagem do Noroeste”, mas designou a área como “Águas Interiores do Canadá”.

Os Estados Unidos aderem a sua interpretação do direito internacional e se reservam o direito de tratar as águas internas do Canadá como águas internacionais. A propósito, eles defendem esta posição tanto no Mar do Sul da China como em outras áreas reivindicadas por outros países, chamando-lhe de “direito à livre navegação”.

Outro ponto de conflito é a Ilha Machias Seal ao largo da costa do Maine. Ela fica a menos de 10 milhas ao largo da costa do Maine. Os canadenses estabeleceram ali sua presença sob o disfarce do trabalho dos faroleiros. Os EUA a consideram sua. Em 2002, o Canadá permitiu que seus pescadores pescassem lá no verão, o que levou a um conflito direto com os pescadores do Maine.

Os direitos da população indígena, incluindo pedidos de indenização, a possibilidade de secessão do Texas, bem como o crescimento de sentimentos separatistas nos estados ricos (este já era o caso na Califórnia durante a Grande Depressão, quando o governo estadual impôs uma proibição de entrada e até cercou-o com uma cerca com arame farpado) – também apresentam casos interessantes que não podem ser descontados. E finalmente, a enorme população latino-americana, que está aumentando rapidamente, especialmente no sul do país. Uma lembrança da anexação de parte do México pelos Estados Unidos seria muito útil entre a comunidade latino-americana.

Notas

[1] https://russtrat.ru/analytics/26-fevralya-2022-0010-8991
[2] https://c-fam.org/friday_fax/biden-admin-says-mother-and-father-are-offensive/
[3] https://www.19fortyfive.com/2021/12/americas-growing-inflation-problem-who-is-to-blame/
[4] https://www.19fortyfive.com/2022/02/joe-bidens-next-economic-nightmare-an-oil-price-shock/
[5] https://fpif.org/the-u-s-competes-with-china-at-what-cost/

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 585

Deixar uma resposta