A revolta dos caminhoneiros canadenses expôs o ódio de classe da esquerda

Era de se esperar que diante de uma crise de essência trabalhista e popular que emerge no seio do liberalismo autoritário de Justin Trudeau, a esquerda fosse contundente em seu apoio aos caminhoneiros… Mas essa esquerda está sepultada.

Por Tom Slater

Precisamos de novos rótulos políticos. Isso ficou claro em meio à repressão do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau à revolta dos caminhoneiros – os protestos de caminhoneiros e seus apoiadores, que agora duram semanas, em Ottawa e em outros lugares, contra os mandatos das vacinas Covid.

Trudeau invocou a Lei de Emergências, pela primeira vez na história da legislação, permitindo que os bancos congelassem as contas de qualquer pessoa associada aos protestos sem necessidade de ordens judiciais. A vice-primeira-ministra Chrystia Freeland acrescentou que o governo está expandindo as regras sobre “financiamento terrorista” para cobrir criptomoedas e sites de financiamento coletivo. O seguro do veículo de qualquer pessoa envolvida nos protestos também pode agora ser suspenso, e a polícia recebeu novos poderes para prender ou multar manifestantes.

Por mais disruptivas que sejam algumas das táticas dos caminhoneiros – o objetivo do protesto, afinal, é causar uma ruptura – esse é um movimento notavelmente autoritário, feito por um primeiro-ministro “liberal” tentando desesperadamente defender suas políticas autoritárias de Covid. Desde então, o clamor do conjunto liberal internacional tem se destacado por sua ausência. Talvez não seja autoritarismo quando centristas fotogênicos o fazem.

Aqui vemos o Canadá de Trudeau seguindo o exemplo dos Estados Unidos de Biden, um governo “liberal” alegremente nomeando cidadãos dissidentes como uma ameaça terrorista doméstica. Mas igualmente vergonhosa – e reveladora – tem sido a resposta da esquerda supostamente pró-trabalhadora. Esquerdistas que alegam desejar a revolta da classe trabalhadora têm participado com entusiasmo da campanha de difamação contra os caminhoneiros e seus apoiadores.

Não se engane: o chamado Comboio da Liberdade é uma afirmação notável do poder da classe trabalhadora. Caminhoneiros de todo o Canadá desceram à capital para se opor aos mandatos de vacinas e às ameaças aos seus meios de subsistência que eles acarretam, obtendo apoio de vacinados e não vacinados. Os trabalhadores estão se recusando a fazer o que lhes foi dito e interromperam as cadeias de suprimentos em que trabalham todos os dias.

Isso pode ter sido desencadeado por uma nova regra que exige que os caminhoneiros não vacinados fiquem em quarentena quando retornarem dos EUA, tornando impossível para eles garantirem seu sustento.

Mas tudo isso rapidamente se transformou em um movimento populista contra toda a ‘classe dos laptops’ – a elite que precisou dos trabalhadores mais do que nunca durante a pandemia, trazendo-lhes suas entregas da Amazon, comida e outros produtos, enquanto eles digitavam nas redes sociais, em casa. E de que forma retribuíram? Forçando-os com punições, empobrecendo as regras sanitárias para Covid, uma após a outra.

Você pode ver o quanto esse protesto abalou as elites pela galeria dos bandidos que se uniu em oposição a ele. A Big Tech até tentou privar os caminhoneiros de doações, com a GoFundMe retendo milhões de dólares arrecadados para os caminhoneiros. E mesmo antes da tomada de poder de Trudeau, os bancos já haviam congelado contas associadas ao Freedom Comvoy.

O que temos lá é uma revolta da classe trabalhadora de baixo para cima, pelos direitos dos trabalhadores e contra o autoritarismo estatal, com políticos, banqueiros e tipos do Vale do Silício alinhados contra ela. E assim a resposta da esquerda foi naturalmente denunciar os manifestantes como escória de extrema direita e ficar do lado dos poderes constituídos.

Ecoando as difamações absurdas de Justin Trudeau – ele afirmou casualmente que os protestos estão cheios de ‘antissemitismo, islamofobia, racismo anti-negro, homofobia e transfobia’ – os esquerdistas fizeram melhor e apresentaram os caminhoneiros como um pretenso quarto Reich. Os esquerdistas canadenses os rotularam de “fascistas”. A revista socialista americana Jacobin os apelidou de “reacionários nocivos”, “populistas de extrema direita” e uma “frente para uma agenda anti-trabalhista de direita”.

Para não ficar atrás, o britânico Paul Mason escreveu um artigo tipicamente débil para o New Statesman. “Não há mistério sobre que tipo de movimento é esse: é o fascismo do século XXI”, escreve ele. Mason naturalmente pede que toda a força do estado seja usada para esmagar os manifestantes e cortar seu financiamento. Ele chama isso de “democracia autodefensiva”, tudo para acabar com essa onda revoltosa.

Tais sonhos febris nascem de puro preconceito, pois alguns incidentes isolados e elementos marginais foram usados deliberadamente para manchar todo o movimento. Como Rupa Subramanya, colunista do National Post, disse em um artigo: “Falei com cerca de 100 manifestantes, caminhoneiros e outras pessoas… e nenhum deles parecia insurrecional, supremacista branco, racista ou misógino.”

Se isso fosse um caso único… Essencialmente, toda vez que as pessoas da classe trabalhadora se revoltaram contra o establishment nos últimos anos, a esquerda se juntou aos centristas para denunciá-los como fascistas. O voto do Brexit? Fascistas! A revolta de Trump? Super fascistas! Os coletes amarelos? Fascistas franceses! É como um tique a esta altura, uma forma de Tourette político criado pela profunda desorientação da esquerda.

Nem todas as revoltas populistas são iguais. Algumas são mais positivas ou coerentes do que outras. Uma geração anterior de esquerdistas poderia ter esperado moldar esse descontentamento borbulhante com o status quo neoliberal. Mas os esquerdistas de hoje são tão enclausurados, tão burgueses, muito mais confortáveis na sala da faculdade do que no chão de fábrica, que eles não apenas não podem liderar essas revoltas, eles realmente não querem.

Em vez disso, repetidas vezes, eles deram credibilidade às campanhas da elite para demonizar os movimentos da classe trabalhadora, para pintá-los como o chocalho da morte do velho branco. Supostos radicais – afogados em suas políticas interseccionalistas divisórias – tornaram-se os idiotas úteis de uma classe dominante neoliberal desejosa de colocar os eleitores firmemente de volta em seu lugar após as revoltas populistas de 2016 em diante.

Os esquerdistas em todo o mundo ocidental se tornaram tão alienados da classe trabalhadora que, quando veem os caminhoneiros saindo às ruas, seu pensamento imediato é: ‘Ah, droga, os nazistas estão de volta’. Eles essencialmente agora temem o poder da classe trabalhadora. Eles pensam que é de fato fascista. O antifascismo demente é agora um dos muitos meios pelos quais esses posers burgueses vendem seu ódio de classe.

Sabemos há algum tempo que a esquerda está moralmente perdida, gasta intelectualmente e na cama com as próprias elites contra as quais afirma se rebelar. Mas a revolta dos caminhoneiros pode muito bem ser o último prego no caixão – para qualquer afirmação que os esquerdistas contemporâneos possam ter feito de estar do lado dos trabalhadores. A esquerda como a conhecíamos se foi e não vai voltar.

Fonte: spiked

Imagem padrão
Tom Slater

Editor e colunista da revista política "sp¡ked".

Artigos: 585

Um comentário

  1. This is a simplistic take that conveniently ignores crucial aspects of the Canadian disruptions — the stated desire of participants to overturn a democratically elected government and the convert manipulation by U.S. right-wing evangelicals to Russian social media meddlers, to name just two of those aspects. The true “working class” are the 90 per cent of Canadian truckers who are vaccinated and who continued to actually do their jobs throughout the disruptions.

Deixar uma resposta