Quem realmente quer guerra na Ucrânia?

Putin nunca quis a guerra. Ao contrário, ele sempre fez o possível e o impossível para evitar um envolvimento militar direto da Rússia na Ucrânia. Ao longo de todos esses anos, as provocações ocidentais têm tentado atrair a Rússia para entrar na Ucrânia. A ideia é gerar uma ruptura entre Rússia e Europa, de modo que é necessário entender que a operação especial russa na Ucrânia foi uma decisão dolorosa para Putin, engajada apenas como último recurso.

A mais poderosa campanha de informação da mídia ocidental foi organizada contra a Rússia: desta vez eles estão tentando acusar Moscou de invadir a Ucrânia e organizando uma falsificação atrás da outra. Em particular, a Bloomberg já lançou desinformação duas vezes: primeiro publicaram uma notícia sobre o início da “invasão russa” em 5 de fevereiro (pela qual se desculparam mais tarde), e depois prefiguraram o “ataque” em 15 de fevereiro. Outros meios de comunicação não ficaram muito atrás da tendência: a Politico falou sobre o suposto “ataque” russo em 16 de fevereiro, e o The Sun até planejou o horário para o ataque russo – 04:00, horário de Moscou. Ou seja, manchetes e falsificações são preparadas com antecedência, e então a mídia ou edita os textos em tempo real ou pede desculpas pelo “erro”.

Mas não é possível dizer que se trata apenas de erro, já que as manchetes russofóbicas aparecem simultaneamente com declarações barulhentas de oficiais ocidentais. Por exemplo, o conselheiro de segurança nacional dos EUA Jake Sullivan disse que a Rússia “poderia atacar a Ucrânia a qualquer momento”, e até mesmo antes do fim das Olimpíadas de Pequim.

Contra o pano de fundo da histeria antirrussa ocidental, surge uma pergunta natural: quem realmente precisa de uma guerra no Donbass? Quem está provocando a Rússia a entrar em hostilidades e por quê? Este tópico foi discutido por especialistas russos e estrangeiros, jornalistas e blogueiros durante a conferência “Guerra Geopolítica do Ocidente contra a Rússia: O Caso Ucraniano”, que ocorreu em 15 de fevereiro na Câmara Pública da Federação Russa.

Por que o Ocidente precisa de guerra?

Maxim Grigoriev , diretor da Fundação de Pesquisa sobre Problemas da Democracia, membro da OPRF, enfatizou que a campanha de informação da mídia ocidental “está à beira do absurdo”, e nesse contexto, a confiança nos países ocidentais está se tornando cada vez menor. “Além disso, esta campanha já está se perdendo, assim como os países ocidentais: datas da invasão em constante movimento, histórias sobre o ataque ‘num futuro próximo'”, observou Grigoriev.

O diretor do Centro de Especialização Geopolítica Valery Korovin enfatizou que a escalada artificial da guerra no Donbass é uma prova de que o Ocidente precisa da guerra.

O Ocidente precisa da guerra por várias razões, Korovin continuou. “Primeiro, a guerra afastará a Rússia da Europa e criará um enorme número de problemas na construção de um eixo geopolítico, que de tempos em tempos começa a bicar, e tenta perceber que ela ocorre quase a cada década”, disse o especialista.

O segundo motivo, segundo ele, é a formação de um inimigo comum do Ocidente. Outrora, o terrorismo internacional e o islamismo radical foram designados como tal inimigo, mas surgiram dificuldades com a subjetivação do inimigo. E se o “terrorismo internacional” abstrato é difícil de tornar um inimigo claro, então, no caso da Rússia, é fácil fazê-lo. E a terceira razão é o colapso da consolidação da OTAN.

Entretanto, a insatisfação com o que está acontecendo está crescendo dentro da própria Europa. Korovin lembrou os protestos europeus: na França, estes foram protestos em massa dos “Coletes Amarelos”, na Alemanha – comícios pela proteção dos direitos das famílias, e nos Estados Unidos, os pobres estão exigindo educação e medicamentos a preços acessíveis.

Assim, resumiu o especialista, esta guerra é “urgentemente necessária” para o Ocidente.

“Se pararmos de reagir ao que está acontecendo na Ucrânia, a Ucrânia se tornará um trampolim para o avanço das forças armadas da OTAN”, disse ele, e do ponto de vista geopolítico, no caso de um confronto direto entre a civilização da Terra (onde a Rússia está localizada) e a civilização do Mar (Ocidente) – a guerra é inevitável”. E para evitar a guerra entre adversários, deve haver um território tampão.

De acordo com as previsões do cientista político, a retirada da Rússia do que está acontecendo no Donbass ameaça com genocídio a população local, e então o Ocidente poderá fazer reivindicações à Crimeia (o que também provocará uma guerra). Assim, nos encontramos “em uma situação de impasse conceitual”, porque não queremos a guerra e não podemos evitá-la de acordo com as leis geopolíticas.

Uma especialista do Movimento Internacional Eurasiático, Daria Platonova , chamou a atenção para o fato de que uma possível guerra tem como objetivo destruir as relações russo-europeias. “A guerra que está sendo jogada no mapa geopolítico (na Ucrânia) está sendo desdobrada para romper as pontes de interação entre a Rússia e a Europa”, ela enfatizou.

A cientista política lembrou o termo “cordon sanitaire”, que é importante no contexto da situação ucraniana, é um espaço que bloqueia a interação de dois polos (Heartland e Rimland).

Ao mesmo tempo, Platonova continuou, os europeus sentem cada vez mais a necessidade de mudança, e a agenda globalista não é mais o mainstream na política. “Recentemente, vemos como os povos europeus estão começando a despertar e a sair da hegemonia dos globalistas”. Isto é evidenciado pelos “Coletes Amarelos”, pelos Comboios da Liberdade e uma série de manifestações centradas em torno de valores tradicionais e uma certa crítica ao globalismo – que não é mais a corrente dominante na Europa”, observou o especialista. Ela acrescentou que as estruturas da OTAN estão sendo submetidas tanto à “esquerda” quanto à “direita” na Europa.

“Não é surpreendente que a pressão dos Estados Unidos e do mundo globalista ocidental esteja se intensificando – não apenas no campo militar através do fornecimento de Javelins – mas também no campo informativo, diplomático, político. Uma guerra híbrida está sendo travada contra a Federação Russa”, disse ela.

A especialista chamou a atenção para a ativação de operações informacionais e psicológicas contra a Rússia: falsificações, declarações políticas. Por exemplo, o Ministério das Relações Exteriores britânico tem todo um departamento para combater a “desinformação russa”, que na verdade é um departamento de informações ofensivas e operações psicológicas.

“A atual situação de guerra também implica um confronto ideológico. Estamos lidando com duas posições nas relações internacionais: A Rússia representa a posição de realismo (quando os interesses geopolíticos são primordiais), enquanto o Ocidente “coletivo” (embora, parece-me, há muito não seja mais coletivo) representa questões da luta pelos valores; o modelo que o Ocidente nos oferece é antitradição, estes são os valores da falsa igualdade, das minorias, do igualitarismo e dos direitos humanos.

É preciso pensar sobre a resposta ideológica da Rússia: o que poderíamos opor em termos de valor, concluiu o cientista político.

Estas perguntas são parcialmente respondidas por “Crianças do Donbass” – um novo filme dos diretores italianos Luca Belardi e Maia Nogradi , que recentemente, após visitas pessoais à RPD e à RPL, lançaram seu novo documentário sobre a vida nas repúblicas. Durante a conferência, eles apresentaram um fragmento de outro filme importante sobre Donbass: “Silêncio! Temos uma apresentação”. Como Nogradi observou, talvez hoje “a arte seja a última forma de proteger a identidade”. Belardi também chamou a atenção para o fato de que os retratos da mídia são parte da guerra, e no ambiente atual há o risco de “ser uma guerra entre verdade e mentira”.

Infoterroristas ocidentais

Alexander Malkevich , diretor geral do canal de TV de São Petersburgo, membro da OPRF , observou que o Ocidente está solucionando seus próprios problemas econômicos, chicoteando o horror da “ameaça russa”. “Vemos uma situação em que entendemos que não somos culpados por nada”, observou ele, “O horror está sendo qualitativamente exaltado na mídia ocidental, a abundância de falsificações, que não somos mais capazes de levar em conta”.

Ele recordou a investigação contra nossos canais de TV no exterior, incluindo o Russia Today, enquanto a mídia pró-ocidental (como a Radio Liberty) continua a publicar ativamente na Rússia. “Os infoterroristas do Ocidente estão trabalhando em nosso país contra nós – mas não reagimos a isso”, enfatizou Malkevich, “Somos obrigados a proteger nossas fronteiras, nossa soberania”. Ao mesmo tempo, deve-se tentar conduzir tais campanhas sem perdas de reputação, de modo a não aparecer como um “império do mal”, acrescentou Malkevich.

O analista, antropólogo e publicista italiano Eliseo Bertolazi enfatizou que a fase de propaganda da guerra precede a fase armada: de fato, tudo está pronto para as operações militares no Donbass, e o Ocidente está apenas esperando o início.

Além disso, Bertolazi observou que, apesar de todos os esforços, nenhuma tentativa da Rússia de provar sua própria inocência não são refletidas na mídia ocidental. “O que quer que a Federação Russa faça, isso não importa. Todos os esforços para resolver, não importa – a imagem da Rússia na mídia é de um “agressor”, – disse Bertolazi. Ele também recordou os dois pesos e duas medidas: quando há massacres, como a queima de uma casa em Odessa com numerosas vítimas, o Ocidente faz vista grossa a tais coisas. “E onde está o Ocidente com sua democracia? Isto é uma vergonha para a Europa”, disse o especialista.

“A guerra pode ser detida quando ambos os lados querem”, concluiu ele.

O editor-chefe do portal Geopolitica.ru Leonid Savin chamou a atenção para o grande número de falsificações no espaço informacional. “A mídia inimiga é fácil de identificar – Bloomberg, NYT, Washington Post, – disse o especialista, – mas há muitos outros meios de comunicação que trabalham em países amigos ou neutros – os chamados proxies (próximo ao conceito de “zona cinza” ou “guerra híbrida”). Nossos inimigos usam um certo grupo de pessoas, seus agentes, para influenciar a mente e a consciência em países que nos são amigáveis”.

Em particular, o Reino Unido gastou muito dinheiro patrocinando propositadamente tais projetos. “O objetivo estratégico é demonizar a imagem da Rússia”, disse Savin.

Por exemplo, na Sérvia, um país amigável para nós, também existem meios de comunicação russófobos. Outros exemplos estão na mídia indiana, alguns meios são amigáveis e apoiam a cooperação com Moscou, e alguns são abertamente contra a Federação Russa.

Ele chamou a atenção para a duplicidade de critérios do Ocidente, quando “protege” este ou aquele povo durante um conflito, e Moscou não tem permissão para fazer o mesmo no Donbass.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Sofia Metelkina

Analista política e geopolítica russa.

Artigos: 585

Um comentário

Deixar uma resposta