Vida Longa à Novorrússia! A Grande Reconquista Eslava Começa

Após uma longa espera, muito sangue derramado e grande sofrimento, Donetsk e Lugansk tiveram sua independência reconhecida. As injustiças históricas da geografia do leste europeu começam a ser, aos poucos, corrigidas. Apesar do desespero ocidental e das elites ucranianas estarem em fuga não há nada garantido, mas o caminho parece pronto para a recuperação da Novorrússia.

Sete anos desde 2014, era muito doloroso para mim comentar sobre o tema da RPD e da RPL e da Ucrânia em geral. Experimentei o fim da Primavera Russa como um drama pessoal e uma terrível perda. Fiz todo o possível – ao contrário das intenções de então do Kremlin, de realizar um referendo sobre a independência da RPD e do RPL. Algumas pessoas próximas a mim morreram na batalha por Donbass. Parte de mim – talvez a melhor parte – morreu lá. As notas que eu escrevi na primavera de 2014 equivaliam a um livro inteiro Ucrânia: Minha Guerra. Ele foi publicado e traduzido em vários idiomas estrangeiros. Na palavra “Novorossiya” todos estes anos eu experimentei uma dor aguda – física. Não consegui entender nosso governo, porque ele deteve o que não deveria ser parado, e não fez o que obviamente deveria ter feito. Eu não entendo nem mesmo agora. Estava bem claro para mim que este não seria o caso. Meu último discurso nos canais federais (no Canal Um) soou assim:

“Vamos perder o Donbass, vamos perder a Crimeia. Vamos perder a Crimeia, vamos perder a Rússia”.

Foi precisamente por causa de seu conteúdo que este se tornou o último.

Então, as negociações de Minsk começaram. Mas depois parei de dizer qualquer coisa sobre este assunto. Uma decisão errada logicamente seguiu outra. Tudo foi em vão. O Kremlin não estava pronto para agir decisivamente em uma situação que era geopoliticamente cristalina. Os globalistas nos tomaram a Ucrânia. E até que devolvamos tudo, eles não vão se acalmar e vão pressionar mais. Ninguém vai reconhecer a Crimeia até que os obriguemos a fazê-lo.

Trump, com seu realismo, foi uma janela de oportunidade para uma solução relativamente harmoniosa da situação. Ele não era um globalista. Mas isso não aconteceu. Quando o globalista e atlantista Biden novamente subiu ao poder, tudo se tornou fatal novamente. E agora, com um atraso de 7 anos de pesadelo, o Kremlin está fazendo o que já deveria ter feito há muito tempo. Aqui vemos o preço terrível da frase “antes tarde do que nunca”. Mas na verdade, é melhor do que nunca. Melhor do que nunca.

Hoje, 21 de fevereiro de 2022, reconhecemos a RPD e a RPL. Ademais, nas fronteiras anteriores ao início da operação punitiva. A população civil está deixando rapidamente o Donbass. Isso significa exatamente o que você pensa.

Passamos agora o ponto de não retorno. Não é mais possível voltar atrás. É tarde demais.

Entramos na Primavera Russa-2. Meus amigos, irmãos e irmãs de Donbass aguardaram. Como foram insuportáveis estes 7 anos. Eu não podia olhá-los nos olhos como com os sérvios após o bombardeio da OTAN em Belgrado. À época tínhamos que ajudar. E não ajudaram. Com o povo de Donbass não foi menos assustador e humilhante. Sim, nós não os abandonamos, não os traímos até o fim. Mas eles não o fizeram. Agora mesmo acordaram.

Eu nem faço a menor ideia do porquê agora. E como foi o processo de planejamento geopolítico nos 7 anos anteriores. Alguém pode achar que ganhamos tempo. Eu acho que o perdemos. Mas novamente – “melhor do que nunca”. E assim a página está fechada. Estamos entrando em um novo período.

Em tal situação, é imoral se distanciar, permanecer em silêncio, ou se retirar. Diante das pessoas e da história. Portanto, iniciamos a mobilização eurasiática russa. Vamos o mais longe que pudermos. Não vejo e não quero ver nenhum outro caminho, nenhum outro destino. A batalha pela Ucrânia, segundo Brzezinski, é uma condição para o renascimento de nosso império. Para evitar isso, foi feito Maidan e o golpe subsequente. Estritamente de acordo com os planos dos atlantistas. E a resposta dos eurasianos pode ser apenas uma. A mesma. Vamos começar com uma confissão. Já é um gesto. E isso é determinação.

Que Deus conceda que continue.

Após o Discurso do Presidente Vladimir Putin

Portanto, é isso! A parada do trem chegou. 7 anos de horror completados. O trem da história seguiu em frente. Naturalmente, isto é apenas o começo. Durante este tempo, sofremos perdas terríveis. Nossos entes queridos morreram. A estagnação se instalou nos nervos. As mentiras envenenaram sentimentos e pensamentos. O ponto de não retorno foi ultrapassado. Pela última vez direi: aqueles que há 7 anos apoiaram o “plano astuto” que não existia, para dizer de forma branda… Em uma palavra, daquela vez também estávamos certos. O povo da Primavera Russa. Guerreiros de Novorossiya.

Novorossiya é o território do futuro. E agora “a Crimeia é nossa” parecerá um compromisso e uma meia-medida. O espírito que vive no Donbass vai mudar tudo. Não apenas na Novorossiya, mas também na própria Rússia. Não é fácil tirá-lo da agenda.

O Presidente falou sobre a descomunização. Penso que ele quis dizer apenas que a Rússia tem mais de um século e que somos portadores de uma nova ideologia – não liberal, obviamente, mas também não comunista. Nós somos o povo do Império. Nós, russos, não somos pertencemos ao passado, pertencemos ao futuro.

A “Crimeia é nossa” separou a quinta-coluna do poder. Agora haverá um desprendimento da sexta-coluna. As flutuações de vários números no Conselho de Segurança são ou um disfarce (para as forças de segurança), ou a ponta do iceberg. Uma parte significativa da elite russa recebeu hoje um golpe esmagador. Em 2014, a sexta-coluna se entrincheirou para que o Donbass nunca se tornasse “nosso”. E durante 7 anos esta posição se manteve. Hoje, os portões da cidade racharam. O que acontece a seguir não será fácil. Provavelmente, será mais difícil do que parece. E, claro, Washington e Londres já incluem neste momento suas contramedidas. Algumas delas são previsíveis, mas outras não. Devemos nos preparar para o verdadeiro grande confronto.

Parabéns ao povo da Novorossiya. Foram vocês, com sua vida, com seu sangue, com sua fé, que tornaram possível este dia. Esta é a sua vitória. Lembremo-nos daqueles que já não estão mais conosco. Não, esta é uma expressão errada: nossos mortos estão sempre conosco, e somente eles estão verdadeiramente conosco, porque os mortos não traem.

Glória à Novorossiya! Este é o começo da grande Reconquista Eslava.

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 585

Deixar uma resposta