Uso do medo para controlar comportamento na crise do Covid foi totalitário, assumem cientistas

De forma alarmante, grupo de psicólogos cientistas britânicos assume para o jornal britânico Telegraph a responsabilidade pela utilização perigosa de impor medo sobre o povo; seus depoimentos serão julgados no próximo inquérito público do parlamento.

Membros de um grupo de pesquisadores científicos da influência pandêmica do comportamento expressam arrependimento sobre métodos antiéticos.

Os cientistas assumiram em um comitê que encorajaram o uso do medo para controlar o comportamento das pessoas durante a pandemia de Covid, admitindo que o trabalho foi antiético e totalitário.

Membros do Grupo Científico de estudos do comportamento da influência pandêmica (SPI-B) expressaram arrependimento em usar tais táticas em um novo capítulo do papel da psicologia como resposta do governo ao Covid-19.

Também o SPI-B alertou em março do ano passado que os ministros necessitavam aumentar o “nível percebido de ameaça pessoal” do Covid-19 porque “um número substancial ainda não se sente o suficiente pessoalmente ameaçado”.

O psicólogo do grupo, Gavin Morgan disse: “Claramente, usar medo como meio de controle não é ético. Usar medo cheira a totalitarismo. Não é uma forma ética para nenhum governo moderno. Por natureza eu sou uma pessoa otimista, mas tudo isso me forneceu apenas uma visão mais pessimista das pessoas”.

Ele conversou também com a autora Laura Dodsworth, que passou um ano investigando as táticas governamentais para seu livro “A State of Fear”, publicado na segunda.

Em resposta ao livro, os ministros encontraram repetidas acusações de que eles avançaram a ameaça pandêmica para justificar os isolamentos e coagir o público a obedecer a eles – uma reivindicação que será examinada no próximo inquérito público que está por vir dentro das respostas pandêmicas.

A SPI-B é uma das empresas a estar no subcomitê assessor do Grupo Científico Consultivo de Emergências (Sage), liderado por Sir Patrick Vallace, o consultor científico chefe.
Um cientista do SPI-B contou à Sra. Dodsworth: “Em Março [2020] o governo estava muito preocupado com a conformidade e eles acreditavam que o povo não iria querer o isolamento. Havia discussões sobre o medo ser encorajado para a conformidade e as decisões eram feitas sobre como aumentar o medo. O jeito que usamos o medo era distópico”.

Outro membro do SPI-B disse: “Você poderia chamar de ‘controle da mente’ da psicologia: Isso é o que nós fazemos… claramente nós tentamos e vamos num caminho positivo, mas foram utilizado meios nefastos no passado”.

Um deles alertou que “pessoas estão usando a pandemia para tomar poder e impulsionar caminhos que não aconteceriam em outro momento… Nós temos que tomar muito cuidado com o autoritarismo que está se esgueirando dentro”.

Outro disse: “Sem a vacina, psicologia é sua arma principal… a psicologia teve um bom uso durante a epidemia atualmente”.

Além de avisos prévios sobre os perigos do vírus, o governo britânico está sendo acusado de alimentar o povo com dietas de más notícias, como as mortes e as hospitalizações, sem colocar os números de quantas pessoas já se recuperaram, ou também quantas mortes diárias estão acima ou abaixo da média.

Outro membro do SPI-B disse que eles estavam “atordoados pela utilização como arma da psicologia comportamental” durante a pandemia e que “os psicólogos não pareceram perceber quando a psicologia parou de ser tão altruísta e se tornou manipulativa. Eles possuíram muito poder e os intoxicou”.

O vice-presidente do grupo Recuperação do Covid de Tory MPs, Steve Baker, disse: “se é verdade que o estado tomou a decisão de aterrorizar o público para conseguir obediência de suas regras, isso levanta uma pergunta séria sobre que tipo de sociedade nós queremos nos tornar”.

“Se nós estamos sendo bem honestos, eu temo que a política do governo britânico hoje está nas raízes do totalitarismo? Sim, é claro que ele está.”

Fonte: The Telegraph

Imagem padrão
Nova Resistência
Artigos: 585

Deixar uma resposta