O Populismo e a Superação da Divisão Direita-Esquerda

O mais importante fenômeno político de nossa época é o populismo. A academia e a mídia se referem a ele pejorativamente, mas após o abandono da causa do povo pela esquerda, o povo encontrou na relação direta com líderes que os ouvem a solução para esse abandono. Apesar de suas insuficiência substantivas, o populismo aparenta ser o começo de uma necessária superação da distinção direita/esquerda.

Falarei rapidamente sobre o fenômeno populista. Durante os últimos 10 a 20 anos vimos como em diferentes países europeus, e mesmo fora da Europa, um novo fenômeno tem se desenvolvido, que temos chamado de populismo. Um rótulo bastante polêmico e pejorativo, mas uma categoria totalmente válida do ponto de vista da ciência política.

Entretanto, devemos nos perguntar sobre a causa do populismo: a causa principal se deve ao abismo que existe entre a classe política, sempre confusa, e o povo. Tanto na França como na Europa, assistimos ao abandono do povo pela esquerda, que sempre se apresentou como sua defensora histórica, mas desde o início do século XXI, esta última abraçou a lógica do mercado e da economia neoliberal. Ao mesmo tempo, a esquerda, tendo abandonado o povo, tentou substituir o proletariado por minorias sexuais, étnicas e culturais, com muito pouco sucesso.

O resultado de tudo isso foi uma crise geral que terminou com a revolta das classes populares contra as elites políticas, econômicas, financeiras e midiáticas. O descrédito em que essas elites caíram levou a um considerável aumento da abstenção nas consultas eleitorais, favorecendo o voto para movimentos ligeiramente diferentes, que têm sido chamados de populistas.

Além desta crise/desafio, devemos salientar que estamos passando por uma crise global generalizada da democracia liberal, ou seja, da democracia representativa e parlamentar, que não representa mais ninguém, a começar pelos cidadãos. O povo é testemunha de que os diferentes partidos políticos são guiados pelo mesmo discurso e que todos são dominados pela mesma ideologia: eles diferem apenas nos métodos que utilizam, mas todos buscam alcançar o mesmo objetivo. Portanto, o povo cai no abstencionismo, há uma crise de representação e o voto de protesto se espalha. Esta revolução social levou ao surgimento de movimentos populistas em diferentes países com sucesso variável, embora eles tenham se tornado fortes o suficiente para se tornarem um fenômeno global significativo. As primeiras vítimas dos partidos populistas foram os partidos governantes, ou seja, os velhos partidos que governaram a maioria dos países durante décadas e que se alternavam sem se renovarem de forma alguma.

Vimos como em diferentes países estes partidos caíram ou desmoronaram. Um exemplo é a França, onde o Partido Socialista já foi um dos maiores partidos neste país desde o século XIX e hoje tem apenas 5 ou 6% das cadeiras. Simplesmente extraordinário. Sem mencionar o Partido Comunista, que tinha sido o maior partido nos anos 50 e que hoje tem apenas 2 ou 3% dos votos. Tudo isso aconteceu depois de ter posto de lado a revolução, a ditadura do proletariado e adotado as frágeis propostas social-democratas.

Entretanto, devemos ter em mente que o populismo, a meu ver, não é uma ideologia, mas um estilo: um estilo que se baseia no uso e na vontade da palavra “povo”, que é elogiado, contrastando-o com a classe política dominante que, de uma perspectiva contra-hegemônica, é acusada de ter se tornado uma oligarquia transnacional que vive inteiramente de costas para o povo. É aqui que podemos ver uma transformação espacial do pensamento político: os velhos partidos governantes lutavam de acordo com uma distribuição horizontal das forças políticas que coincidia com a divisão esquerda-direita. A vida política foi caracterizada por esta linha horizontal onde de um lado havia a direita e do outro a esquerda. Portanto, a luta política para a seleção de um governante se dava em torno desta linha horizontal. Não obstante, esta forma horizontal de representação foi posta de lado e deu lugar a uma representação ou configuração vertical. Esta divisão vertical coloca o povo, as classes populares, na base, frente às elites, que estão no topo e cujo classismo não desapareceu, e que são acusadas de ter se desligado do povo, de torná-lo invisível e de não levar em conta seus problemas e preocupações. Isto levou a uma tripla crise que destruiu as velhas certezas do povo: 1) cultural (devido à imigração), 2) econômica e 3) finalmente social (devido à precariedade laboral). Foi assim que a classe popular, com todos os seus problemas, acabou formando um bloco unido que se opõe globalmente à casta dominante. Assistimos à superação da divisão esquerda-direita nas eleições presidenciais francesas de 2017, que foram disputadas entre Emmanuel Macron e Marine Le Pen. Esta divisão entre os que estão em cima e os que estão em baixo foi demonstrada pelo censo de votação. Marine Le Pen ganhou os votos das classes populares da base, enquanto Emmanuel Macron, uma espécie de contrapopulista, unificou as elites burocráticas ao seu redor e recebeu os votos tanto da burguesia liberal direitista como da burguesia liberal esquerdista. Isto mostra que estamos diante de uma configuração política completamente nova.

Agora, é muito difícil prever se o fenômeno populista será bem sucedido: se for bem sucedido, será perfeito. No entanto, é um fenômeno que devemos continuar a estudar e observar de perto. Pessoalmente, vejo o populismo como uma tentativa de superar tanto a lógica do liberalismo quanto a do capitalismo liberal por meio da defesa do povo. A lógica do liberalismo se apoia no indivíduo, que ele considera desligado de qualquer nação, cultura, status ou local de nascimento, eliminando assim qualquer forma de identidade coletiva. Em essência, estas seriam as contradições entre populismo e liberalismo.

Espero ter resumido bem e deixado claras as diferenças entre populismo e liberalismo.

Alain de Benoist

Escritor, jornalista, ensaísta e filósofo, um dos autores chave da Quarta Teoria Política, é autor de numerosas obras sobre uma vasta gama de temas, incluindo arqueologia, tradições populares e história da religião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *