Todos os Governos Têm a Obrigação de Defender seus Povos Contra a Imigração Ilegal

Conforme pseudo-refugiados tentam invadir a Polônia a partir de Belarus, com o objetivo de chegar na Alemanha, aumentam as críticas aos métodos duros usados pelo governo polonês para manter os migrantes longe. Não obstante, todo governo tem pleno direito de defender seus povos contra a imigração ilegal e suas consequências e isso é algo que deve ser recordado apesar de possíveis críticas merecidas pelo governo polonês.

A Polônia tem sido alvo de intensas críticas tanto de amigos como de inimigos por sua abordagem firme na resposta à Crise Migratória do Leste Europeu. O líder da Europa Central e Oriental impede à força que migrantes violentos invadam sua fronteira de uma forma que os críticos afirmam violar o direito internacional. Varsóvia também alegou ridiculamente que Moscou está puxando os cordelinhos de Minsk para travar a chamada “guerra híbrida” contra a UE via “Armas de Migração em Massa”. Além disso, a Polônia participou das guerras ocidentais conduzidas pelos EUA que destruíram países muçulmanos como o Afeganistão e o Iraque, que é a origem das diversas crises migratórias que causaram tantos problemas à UE nos últimos anos. Ela também está liderando o esforço ocidental para sancionar Belarus e realizar mudanças de regime contra sua liderança.

O que tudo isso significa é que o governo polonês não é tão “inocente” quanto se apresenta, mas isso também não significa que seu povo deva ser punido coletivamente pelas armas de migração em massa por causa disso. Sendo claros, as armas de migração em massa podem ser empregada independentemente por traficantes de seres humanos, cujas ações são então exploradas por forças políticas autointeressadas para fins estratégicos contra outros. Neste contexto, a Polônia também não é “inocente”, pois ela está aproveitando esta invasão de imigrantes ilegais em sua fronteira oriental para provocar uma crise muito maior Leste-Oeste entre a Rússia e os EUA/UE com o objetivo de minar o progresso incipiente que tem sido feito em direção à sua aproximação desde a Cúpula Biden-Putin do verão passado. A Polônia acredita que isto está ocorrendo às custas de seus interesses, daí seu motivo para sabotá-la.

O sucesso ou não neste aspecto é um assunto totalmente diferente, mas é crucial que os observadores reconheçam que a Polônia não é “inocente” nesta crise. Mesmo assim, eles também devem reconhecer que seu governo tem a obrigação de defender seu povo da imigração ilegal, assim como todos os governos do mundo inteiro. Os povos não devem ser punidos coletivamente e seu sofrimento se tornar tema de schadenfreude para outros simplesmente porque alguém pode não gostar das políticas que seu governo executa em seu nome. Essa linha de pensamento é perigosa porque corre o risco de justificar moralmente a agressão ocidental contra a Rússia, China, Irã, Síria e outros, sob o pretexto de que esses governos acreditam que é aceitável punir coletivamente essas populações por razões políticas.

A realidade do mundo é tal que apenas uma porcentagem quase estatisticamente insignificante da população de um determinado país participa de fato da formulação direta da política estatal. As decisões dessas elites, por sua vez, influenciam de forma desproporcional suas próprias sociedades e as de outros. É compreensível que aqueles da segunda categoria mencionada que às vezes são vitimados por essas decisões ficariam ressentidos e desejariam vingança, mas é extremamente difícil para aqueles em suas sociedades realmente responsabilizar as elites estrangeiras. Por esta razão, muitos vivem vicariamente tirando um prazer sádico derivado da punição coletiva da sociedade daquele governo hostil, inclusive através de meios como armas de migração em massa aos quais eles mesmos se oporiam se sua própria sociedade estivesse sendo vitimizada por elas.

Na verdade, muitos dos membros da comunidade da mídia alternativa defenderam orgulhosamente a Grécia, Macedônia, Sérvia e Hungria durante a Crise Migratória de 2015. Apoiaram a defesa desses povos inocentes por seus governos contra aquela invasão de imigrantes ilegais, apesar de todos eles estarem alinhados com a OTAN (a Sérvia é um parceiro oficial da OTAN para aqueles leitores que talvez não estejam cientes, apesar de sua política externa-militar oficialmente neutra). Nenhum desses países, entretanto, é tão russofóbico e militarmente provocador em relação a Moscou quanto a Polônia, o que pode explicar a duplicidade de critérios de muitos na comunidade da mídia alternativa que experimentam schadenfreude ao pensar na ameaça que esta última invasão de imigrantes ilegais representa para o povo polonês. Em outras palavras, eles, de maneira hipócrita, sinalizando virtude em oposição à OTAN neste caso.

Não se pode enfatizar o suficiente que existem motivos razoáveis para criticar a resposta enérgica do governo polonês a esta crise, que alguns afirmam poder estar violando o direito internacional, mas isso deve ser feito sem se alegrar com o sofrimento potencial do povo polonês, que é vítima dos violentos imigrantes ilegais que estão tentando invadir a fronteira de seu país e se espalham por toda parte no caminho para seu destino alemão desejado. Refugiados reais pedem asilo no primeiro país seguro em que entram, seja Belarus ou qualquer outro a que tenham ido antes de viajar para aquela antiga República Soviética a partir da qual estão tentando invadir a Polônia. Somente migrantes econômicos continuam viajando para seu país preferido, enquanto os invasores o fazem de forma violenta.

O governo polonês pode ser culpado por sua abordagem tática para defender a fronteira, apesar da improbabilidade de que a ONU venha a impor custos àquele país por suas supostas violações do direito internacional. Ela também pode ser corretamente criticada por explorar politicamente estas armas de migração em massa a fim de provocar uma crise maior Leste-Oeste, esperando assegurar egoisticamente seus interesses, sabotando a aproximação incipiente entre a Rússia e os EUA/UE. Entretanto, ninguém deve jamais se alegrar com a punição coletiva de pessoas inocentes que vivem em uma sociedade representada por um governo com o qual se possa ter desavenças. Essa é precisamente a abordagem neoconservadora e criptofascista que muitos na comunidade de mídia alternativa costumavam criticar corretamente sempre que viam ocidentais expressando isso contra outros.

Fonte: Oriental Review

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro <em>"Guerras Híbridas"</em>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *