Ego4D: O Novo Projeto do Facebook na Era do “Capitalismo de Vigilância”

O próximo projeto do Facebook visa compensar o fracasso do Google Glass, é o Ego4D, um projeto de captura de fotos e vídeos, com o propósito de “facilitar” a vida do cidadão, mas cuja finalidade óbvia é a coleta de informações sobre todas as pessoas no mundo.

Não passa um dia em que as maravilhas da chamada aldeia global não nos surpreendam com novas e surpreendentes sugestões que logo “mudarão nossas vidas”; e sem nos perguntarmos, por muito tempo, não apenas “como” elas nos mudarão e “quando” e “quanto” elas farão parte de nossas vidas, mas, sobretudo, por que a tecnologia está tomando esta direção específica, nos acostumamos, em plena adesão aos magníficos destinos progressistas, a abraçar qualquer novidade que nos seja apresentada, por ser ontologicamente melhor. A ilusão sobre a figura daquele que acredita ser um consumidor, que ainda está convencido de que é parte integrante do sistema de tomada de decisão do mercado que através de suas preferências, escolhas e compras indica uma direção não pode deixar de despertar uma certa ternura.

Ego4D: O Mais Recente Prodígio de Zuckerberg

A última maravilha surpreendente vem da rede social por excelência: Facebook. Há alguns dias, o projeto Ego4D foi anunciado: “Hoje estamos anunciando o Ego4D, um projeto de AI de longo prazo no Facebook que visa resolver os desafios da pesquisa sobre percepção egocêntrica: a capacidade da inteligência artificial de compreender e interagir com o mundo como nós o fazemos, a partir de uma perspectiva de primeira pessoa”[1].

O Ego4D é mais um passo à frente no capitalismo de vigilância, magistralmente exposto por Shoshana Zuboff em seu “Capitalismo de Vigilância. O futuro da humanidade na era dos novos poderes[2]”, onde a autora, uma acadêmica de Harvard, detalha a última evolução do capitalismo intimamente ligado à Big Tech, sua concentração econômico-científica sem precedentes, sua constante onipresença e necessidade existencial de coleta de dados. Isto é especialmente do ponto de vista de previsão e condicionamento do comportamento.

Ego4D é um projeto envolvendo treze universidades e centros de estudos especializados espalhados pelo mundo, incluindo nossa própria Universidade de Catania[3], que já coletaram mais de 2.000 horas de vídeos em primeira pessoa[4], com setecentos participantes como protagonistas de suas vidas diárias (cuja privacidade o Facebook tem o cuidado de proteger[5]), para o entusiasmo da multinacional americana: “Isto aumenta muito a quantidade de dados egocêntricos disponíveis publicamente para a comunidade de pesquisa, já que este conjunto de dados é 20 vezes maior do que qualquer outro em termos de horas de filmagens”.

Do Real para o Virtual, do Virtual para o Real

Os dados coletados sob a perspectiva subjetiva, ao contrário da terceira perspectiva de uma câmera fixa, com o apoio de óculos inteligentes, óculos capazes de gravar material de vídeo[6], serão usados para treinar e implementar a inteligência artificial de amanhã, integrando-a com o cotidiano de nossos gestos. Isso nos deixa, ou pelo menos deveria deixar, com uma série de perguntas desconfortáveis sobre o próprio conteúdo do vídeo publicado pelo Facebook, onde a IA vai desde assistir receitas de cozinha ao vivo até nos lembrar onde escondemos o colar favorito de nossa avó. Tudo o que temos que fazer é perguntar ao nosso assistente de IA onde o escondemos, e ele não só saberá como também nos ajudará a encontrá-lo! Para deleite da vovó, e para desgosto dos amantes de provérbios que costumavam culpar a perda de objetos pelos “truques do diabo”, agora velhos e ultrapassados.

Os dados coletados, que são divididos em 1) memória episódica; 2) previsão; 3) manipulação de objetos; 4) transcrição de conversas audiovisuais; e 5) interações sociais, serão disponibilizados aos pesquisadores em novembro deste ano. O objetivo é implementar a pesquisa robótica, que poderia se beneficiar muito com a coleta de dados excepcionalmente difundidos.

Os dados serão então usados para permitir que a IA (inteligência artificial) se lembre do passado através da chamada “memória episódica”. Prever o futuro, atendendo a uma série de gestos ou operações. Embora seja feita referência a quão útil tudo isso pode ser para auxiliar as rotinas industriais, também é feita referência a uma realidade até agora apenas imaginada pela literatura distópica ou por algumas séries recentes de televisão[7]: “Os cinco pontos de referência identificados e estudados pelos pesquisadores podem ter um impacto significativo na construção de máquinas e sistemas de IA capazes de responder às seguintes perguntas: […] Como estamos interagindo? Compreender as interações sociais é a chave para melhorar e personalizar as experiências das pessoas, para que um sistema de IA possa lembrar com quem conversamos em uma festa ou conferência da qual participamos”.[8]

Anthony Burgess: “Nossa história moderna, irmãos, não é a história de pequenos egos corajosos lutando contra essas grandes máquinas” ou Frank Zappa: “Prefiro usar equipamentos eletrônicos ao invés de músicos. Eles cometem menos erros”?

Fonte: Il Primato Nazionale

[1] https://about.fb.com/news/2021/10/teaching-ai-to-view-the-world-through-your-eyes/
[2] Luiss Edizioni. 2019
[3] http://www.bollettino.unict.it/articoli/ricercatori-unict-tra-i-protagonisti-del-progetto-ego4d-sull%E2%80%99intelligenza-artificiale
[4] Os dados coletados serão disponibilizados aos pesquisadores em novembro desse ano.
[5] https://www.cnbc.com/2021/10/14/facebook-announces-ego4d-first-person-video-data-set-for-training-ai.html
[6] Em relação a isso, desde setembro estão disponíveis os Facebook Ray Ban, em colaboração com a Luxottica: capazes de tirar fotos e registrar em vídeo através de comandos vocais (superando a fraude do Google Glass);
[7] Ver, por exemplo, o episódio do Black Mirror: “The Entire History of You” https://movieplayer.it/serietv/black-mirror_2828/stagione-1/the-entire-history-of-you/
[8] http://www.bollettino.unict.it/articoli/ricercatori-unict-tra-i-protagonisti-del-progetto-ego4d-sull%E2%80%99intelligenza-artificiale

Valerio Savioli

Jornalista e escritor italiano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *