O que o governo mundial quer?

O filósofo Professor Aleksandr Dugin, que introduziu o termo originalmente inglês Conspirologia na Rússia e na França e escreveu um livro acerca do assunto, disserta sobre a estrutura das teorias da conspiração de uma perspectiva sociológica, aplicando-a ao contexto atual da pandemia do Coronavírus.

Hoje falaremos sobre as teorias da conspiração que são censuradas cada vez mais severamente em diferentes países. Escrevi o livro “Conspirologia” e, de fato, no início dos anos 90, introduzi esse termo na linguagem da ciência política russa. Esta é, em geral, uma palavra americana. Além disso, em um de meus primeiros discursos em Sorbonne, propus introduzir esse termo em francês, porque os franceses usavam o termo “conspirationnisme”, mas não o termo inglês “conspirology”. E eu introduzi esta versão do termo em russo. Dei uma palestra sobre teorias da conspiração em Sorbonne em 1899 … ou melhor, em 1989 (tenho tantos anos que posso até confundir séculos). Eu dei uma palestra sobre teorias da conspiração e usei este termo em inglês “conspirology” à maneira francesa – “conspirologie”: Esta palavra se tornou um neologismo para a língua francesa, e vários professores que estavam presentes na minha palestra disseram: “Isso é interessante, precisamos enriquecer nossa língua francesa pegando emprestada essa palavra anglo-saxônica de um filósofo russo que fez uma palestra sobre “conspirology”.

Tenho cerca de 30 anos ou mais de experiência no estudo da conspirologia – mas, falando sério, quanto mais estudo teorias da conspiração, menos fico inclinado a confiar nelas. Acredito que isso seja apenas uma espécie de fenômeno sociológico, isso é uma linguagem: as pessoas experimentam uma certa suspeita, um certo medo, uma certa sensação, às vezes um medo da incerteza. As pessoas não têm argumentos racionais para explicar os processos que ocorrem e se desenvolvem ao seu redor. As pessoas expressam seu desespero, sua profunda frustração com as estruturas do discurso dominante na sociedade – e tudo isso dá origem a teorias da conspiração. Na verdade, se essas próprias teorias muitas vezes parecem muito frívolas, então as razões de seu surgimento, as estruturas e algoritmos sobre os quais são construídas são muito sérias e têm, na verdade, um conteúdo sociológico muito profundo. Eles são sociologicamente confiáveis.

Deixe-me lembrá-los mais uma vez que do ponto de vista da sociologia e de seu fundador Durkheim, um “fato social” não é o que existe, mas aquilo em que a sociedade acredita. Se uma sociedade acredita em algo, então é um fato sociológico e social. Se a ciência diz que isso é um completo absurdo e o nega como um fato não científico, isso é outro assunto. O fato científico e o sociológico nem sempre se cruzam, pertencem a outros campos, outras disciplinas e, portanto, se queremos entender a estrutura e a natureza da sociedade, devemos concordar com essa regra sociológica. Se a sociedade acredita em algo, então existe para a sociedade, e se existe para a sociedade, então se comporta como se fosse real no sentido pleno da palavra.

Por exemplo, meus colegas da “Politica Hermetica” – um movimento francês de sociólogos que estudam vários fenômenos marginais, vários grupos extravagantes – citaram muitas vezes em suas pesquisas que, em resposta a alguma organização inexistente, como uma loja maçônica satânica, que não existia, alguém inventou, foram criadas para opô-la algumas organizações anti-maçônicas, anti-satanistas, mas que realmente existiram. Essas organizações fictícias podem levar à criação de uma organização real: as leis sociais são tais que em resposta a um fato social (real ou completamente inválido), alguma realidade incondicional (em todos os sentidos) também pode se desenvolver – no sentido sociológico e científico, em outras palavras, existe uma certa estrutura que irá combatê-la. Essa é a luta contra a sombra, a luta contra o inexistente. E no final, esse objeto inválido vai se materializar de uma forma ou de outra, porque se algumas pessoas estão brigando com alguém, e se essas pessoas, por sua vez, vão desagradar alguém, então quem não gosta vai dizer: “mas você está lutando conosco, nós somos aqueles com quem você está lutando.” E aí temos ficções puras, puras alucinações sociológicas puras: começa a haver algum conteúdo sociológico, alguma dimensão profunda.

É assim que a sociedade funciona. Portanto, se falarmos sobre vacinações e implante universal de chips, sobre a necessidade de reduzir a demografia – é a isso que se resumem os mais recentes mitos e temores, as teorias da conspiração associadas à era do coronavírus. A imagem dessa teoria da conspiração é tradicional: há vilões que exercem um tremendo poder e buscam escravizar toda a humanidade, sua parte significativa. Este é o princípio geral da teoria da conspiração.

Em diferentes épocas, em diferentes sociedades – dependendo do estado cultural – no lugar de quem é esse poder secreto global, eles colocaram o Diabo, como na Idade Média, e então as teorias da conspiração eram simples, porque todas elas se resumiam ao Diabo. O Diabo é um anjo caído, invisível, espírito maligno, ele é um pensamento maligno, está por trás de todo o mal do mundo, ele é o “príncipe deste mundo”. Preste atenção. Este é o protótipo do governo mundial. Ele, o Diabo, que governa este mundo é, consequentemente, o governo mundial. Aqueles que caem sob sua influência, o servem e lutam contra os poderes, reinos cristãos e até mesmo contra cada cristão. Uma teoria da conspiração em um contexto religioso deixa de ser apenas um delírio, pois se o governo mundial é liderado pelo Diabo, o príncipe deste mundo, e em sua vida pessoal a pessoa se depara com algum tipo de sedução diabólica ou mesmo com pecados, ou com espíritos caídos, que o empurram para o pecado, ela consequentemente se encontra no campo de influência do governo mundial.

E o pequeno demônio que vem e zomba de nós faz parte deste império global do príncipe deste mundo. Afinal, ele não está sozinho, o príncipe deste mundo deve ter uma comitiva: falcoeiros, cobradores de impostos etc. E todo esse império demoníaco envolve a humanidade e, em princípio, diz respeito a todos: cada pessoa pode enfrentar um cobrador de impostos como um mensageiro do príncipe, ou com o governo sob certas circunstâncias, encontrar um representante do governo mundial (a “face” do Diabo) em vida. Portanto, não há transtorno mental ou patologia específica nessa imagem religiosa do mundo. Esta não é nem mesmo uma teoria da conspiração, mas apenas uma visão religiosa, onde o Diabo está no lugar do governo mundial.

Mas com a secularização de nossas ideias religiosas, o lugar deste governo mundial, o lugar do Diabo (desde que deixaram de acreditar nele) permaneceu e ficou vago. E então, neste lugar estrutural da consciência humana, mitologia humana, tal compreensão religiosa da natureza do mundo, a natureza da história, a natureza dos processos políticos e, digamos, processos mentais, várias outras figuras são postas: maçons, conspiradores, sábios de Sião (em uma interpretação diferente), comunistas (para os liberais, a conspiração comunista era um assunto muito sério, especialmente na era do macarthismo), tecnocratas, grandes capitalistas (conspiração capitalista para esquerdistas). Em outras palavras, dependendo de qual grupo social certas camadas e certas pessoas pertenciam, a ideia desse governo demoníaco se formou, e é assim que ela foi interpretada.

Na era do coronavírus, portanto, esse cenário clássico da teoria da conspiração assumiu o seguinte caráter: no lugar do governo mundial, estão aqueles associados a essa epidemia ou quem a criou artificialmente (aqui entra uma citação de Bill Gates de que seria bom reduzir a população, porque a terra está superpovoada). E isso é o suficiente para dar um ímpeto poderoso para a acusação de que Bill Gates representa este governo mundial. Em seguida, são reveladas suas contribuições para a Organização Mundial da Saúde, bem como os fatos de quando produziram certas vacinas e medicamentos que enriqueceram grandes empresas farmacêuticas, o que representou um cartel a nível mundial. Em seguida, a autoridade dada à OMS no anúncio da pandemia – e tudo se encaixa. Como Jean Parvulesco escreveu muitas vezes em suas obras – “Tout se tient“, “tudo se encaixa”. Ou seja, nas teorias da conspiração, tudo converge mesmo quando nada se encaixa. Mas a sensação, o associativismo como parte de nosso processo mental, liga até mesmo coisas que não tenham correspondência direta, não coincidam em significado. Esta é uma estrutura associativa de pensamento que força a conexão de diferentes elementos: tout se tient. Tudo se encaixa! O que se encaixa? – Deixa para lá.

As teorias da conspiração são construídas em um mapa psiquiátrico ao invés de factual ou histórico. Portanto, Bill Gates disse algo tão suspeito, o Clube de Roma falou sobre os limites do crescimento, argumentando que tal crescimento demográfico levaria a uma catástrofe e exigiria algumas decisões revolucionárias: ou uma redução acentuada do padrão de vida ou guerras, o extermínio da população (e aqui são citados os limites exatos do crescimento humano a partir do relatório do Clube de Roma).

Mais adiante – uma pandemia de coronavírus é declarada. Então, começa o jogo das estatísticas: ou muitos morreram, ou poucos – ou superestimam ou subestimam o número de mortos. Além disso, todos estão em quarentena! Como resultado, a economia está entrando em colapso em escala global. Mas, afinal, alguns monopolistas, hiper-oligarcas – como os mesmos Gates ou Bezos – que há muito tempo são apresentados como membros do governo mundial, e eles realmente participam desses clubes (Bildenberg, CFR) ou organizações da vida real, que no início eram também modelos de sombra, e então eles reconheceram sua existência – assim, a teoria da conspiração mais uma vez provou ser bastante convincente.

Tanto o Bildenberg quanto o CFR, monopolistas e oligarcas do mundo real se encaixam perfeitamente nessa imagem, como uma imagem de vilões que querem escravizar a humanidade. Na verdade, Bill Gates, Hillary Clinton, Barack Obama, George Soros – desempenham o papel de tal demônio neste quadro. E então – “por que eles estão fazendo isso?” – Para espiar (daí os códigos QR, a ideia de introduzir a vigilância através da comunicação móvel, um sistema de reconhecimento de rosto para colocar as pessoas na matriz). Para realizar a próxima etapa, vacinar a todos: primeiro, fazer fortuna com isso, e por outro lado, injetar a vacina ou veneno, ou vírus, ou chips.

É assim que o mito global da era do coronavírus é essencialmente construído, reproduzindo a mesma estrutura antiga sobre o príncipe deste mundo – apenas em termos seculares e aplicada às realidades atuais. É assim que a sociedade (uma parte significativa dela, ou melhor, uma grande parte da humanidade) interpreta o que está acontecendo. Os sociólogos deveriam simplesmente agarrar suas cabeças neste momento – afinal, do ponto de vista da sociologia, se as pessoas pensam assim, é assim, e não importa, seja verdade ou não. Eles agem como se fosse. E, consequentemente, a reação oposta começa com Zuckerberg, que também se enquadra na categoria de governo mundial junto a Elon Musk, Peter Till e outros ultra-globalistas extravagantes, apoiadores da inteligência artificial, etc. Tecnocracia, vacinação, fragmentação e o estabelecimento do governo mundial convergem mais uma vez em um modelo – tudo isso na era do coronavírus assume um caráter completamente confirmado por novos códigos, novos níveis de rastreamento, restrições às liberdades, proibição e destruição de negócios etc.

No total, obtemos um enorme mapa da realidade social, onde uma parte significativa da população mundial (não só a nossa sociedade mas também a ocidental) acredita que tudo é assim. E qualquer ação, mesmo remotamente, que irá confirmar essas suspeitas, essas hipóteses – será instantaneamente lançada na coleção desta teoria da conspiração.

E aqui vemos também um momento interessante. A mídia oficial, redes globais, YouTube, Facebook e tudo o que existe. Sem falar da CNN e da mídia, agora são assistidos por pessoas de uma idade muito avançada – em outras palavras, essa transmissão unidirecional quando eles dizem “Você ouviu?” agora está reservado aos aposentados. Em todo o mundo, pessoas com menos de 70 anos utilizam formas interativas de obtenção de informações e, portanto, para elas as redes sociais, diversos tipos de modelos de redes de informação substituíram a TV (e não falo sobre isso, pois é para pessoas muito idosas e que podem assistir a qualquer coisa, porque na verdade não entendem nada, e há menos censura ainda).

Na Internet, onde circulam as principais fontes de informação, a censura é introduzida contra essa teoria da conspiração. Vejamos. Se uma pessoa que tem certeza de que existe um governo mundial que busca controlar tudo é informada de que qualquer um que falar em voz alta sobre essa teoria da conspiração está sujeito à repressão, e seus vídeos são removidos do canal do YouTube, suas postagens são excluídas em Facebook, e por isso também é multado – surge então a ideia de que ele tem toda a razão. Eis a prova, o último elemento que faltava: se for dito a uma pessoa que se trata de uma notícia falsa, que “não é assim, não é verdade” e, portanto, uma vez que “não é assim” e você não tem o direito de falar sobre isso, então esta é uma confirmação direta aos olhos de quem acredita nesta teoria, e que a conspiração é absolutamente real.

Quanto mais proibições contra tal teoria da conspiração, mais convicções haverá, mais milhões de pessoas acreditarão que tudo é assim, e que é necessário lutar efetivamente contra esta ameaça à vida da humanidade, é necessário buscar sobrevivência.

E assim ele já foi despido – por essas censuras severas e medidas repressivas que são dirigidas contra qualquer um que tente adicionar lenha a esta teoria da conspiração, sendo acusado de distorcer a verdade.

Como se apenas uma autoridade tivesse o monopólio da verdade – Zuckerberg ou Gates, ou mesmo algum governo no final. Claro, o governo pode exigir algo, mas não pode dizer: “Eu sei a verdade”. Quem é você para saber a verdade? Você não é um filósofo, não é Platão. Você é apenas um governo – isto é, uma organização técnica, uma espécie de cargo que foi encarregado de algo (por exemplo, garantir o funcionamento para que as pessoas não briguem em lugares públicos, paguem salários). Isso é tudo. Ninguém jamais deu monopólio a qualquer governo, mesmo nas épocas mais religiosas. Portanto, o governo pode expressar sua opinião, mas quando diz que “isso é verdade e isso não é” – é aí que surge o momento: o governo está em conluio com este governo mundial, ou seja, com Bill Gates, cumpre suas ordens, subornado pela OMS, grandes empresas farmacêuticas, e então essa fantasia se desenvolve novamente.

Portanto, me parece que esse mito da conspiração sobre vacinação, Bill Gates, chips, vigilância, deveria ser visto como ele é. As pessoas acreditam, vivem com esse conhecimento, constroem seu destino e seu comportamento sobre esses princípios e atitudes, e continuarão a fazê-lo, mesmo que seja proibido. E quanto mais proibições sobre tal teoria da conspiração, mais convicções haverá, mais milhões de pessoas acreditarão que tudo é assim, e que é necessário lutar eficazmente contra esta ameaça à vida da humanidade, é necessário buscar a sobrevivência. E de fato – seja para destruir as torres 5G, ou simplesmente para resistir à vacina. E o desejo de dar vacinação, vigilância e microchip com algum caráter legislativo simplesmente significa que ainda mais (milhões, bilhões) de pessoas passarão para o lado dos defensores desta teoria da conspiração.

Eu acho que essa questão é muito séria e acredito, como um especialista (talvez como um dos primeiros especialistas em teorias da conspiração na Rússia) que isso deve ser levado a sério: tudo deve ser analisado, pensado, deve ser profundamente compreendido – e é preciso, claro, levar em conta a posição e mesmo essa motivação interna, a estrutura das pessoas que compartilham esse tipo de ideias. É muito sério. Talvez as próprias ideias pareçam estranhas, mas há muitas coisas que parecem estranhas na vida. Portanto, você não deve ter medo das esquisitices, descarte arrogantemente as coisas que parecem extravagantes para você. Requer pesquisa, requer compreensão, requer interpretação e requer compreensão.

Fonte: Geopolitica.RU

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é<em> </em>um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *