Alain de Benoist: “A OTAN é uma ameaça para a Europa”

Entrevista por Nicolas Gauthier
A OTAN, criada para resistir à URSS, devia ter desaparecido com esta. Aconteceu o oposto, ela seguiu se expandindo até chegar às fronteiras da Rússia. Com isso, ela suplantou e esmagou qualquer perspectiva de autonomia europeia, e na medida em que a estratégia dos EUA se baseia em enfrentar a Rússia na Europa, com o uso de armas nucleares, a existência da OTAN ameaça a própria sobrevivência do continente europeu.

Já tivemos a oportunidade de falar da OTAN, uma organização que logicamente deveria ter sido dissolvida ao mesmo tempo que o Pacto de Varsóvia, uma vez que foi criada com o único objetivo de resistir à União Soviética, que agora desapareceu. Mas este não foi o caso, pois ela evoluiu para uma vasta organização de “defesa global” que agora opera em todo o mundo. Quais são suas prioridades hoje?

Todos sabem que hoje seus inimigos designados são, em primeiro lugar, a Federação Russa, em segundo lugar, a China. O fato novo é que com a eleição de Joseph (“Joe”) Robinette Biden, o partido de guerra está de volta. Os Estados Unidos já retomaram os bombardeios contra a Síria, Putin está sendo chamado de “assassino” por Biden, e novas sanções acabam de ser aprovadas contra a China. Ao mesmo tempo, uma vasta ofensiva de propaganda está em andamento para “cimentar a centralidade do vínculo transatlântico”, ou seja, para fazer os europeus acreditarem que os inimigos dos Estados Unidos são necessariamente seus próprios. Isto é um retorno à chantagem de proteção da era da Guerra Fria: pede-se aos europeus que se alinhem com as posições de Washington em troca da proteção americana, e assim se comprometam a fidelidade ao Comandante Supremo Aliado na Europa que é, como sempre, um general americano. Em resumo: protetorado contra vassalização.

Isto também é dito na tribuna recentemente publicada no mensuário Capital, que foi assinada por vários oficiais superiores militares. O mínimo que se pode dizer é que seus signatários não se atrevem a falar, pois dizem que a soberania da França está diretamente ameaçada pelos projetos da OTAN…

A carta aberta dirigida a Jens Stoltenberg, Secretário-Geral da OTAN, pelos membros do Círculo de Reflexão Interarmas, é de fato uma acusação real contra o projeto “OTAN 2030”, que define as missões da Organização para os próximos dez anos. O projeto é descrito como um “monumento de pacífica má-fé”, o que tem o mérito de ser claro. Mas é preciso ir mais longe se quisermos entender o que está em jogo.

O fato importante é que a doutrina da OTAN tem evoluído constantemente nos últimos anos no sentido da integração do combate nuclear em todas as etapas da batalha. Em 2008, a OTAN já se recusava a assinar o Pacto Europeu de Segurança proposto por Moscou. Em 2010, na cúpula de Lisboa, a defesa americana contra mísseis balísticos criada na Europa assumiu um caráter claramente dirigido contra o “inimigo russo”. A partir de 2015, os primeiros mísseis anti-míssil americanos em pacotes de 24 lançadores Mk 41, plantados ao redor de toda a Rússia, não foram mais projetados como permitindo apenas fogo defensivo, mas também fogo ofensivo. Em 2019, os Estados Unidos rasgaram o Tratado sobre Forças Nucleares de Alcance Intermediário, assinado em 1987 por Gorbachev e Reagan. Recentemente, um grupo de dez especialistas nomeados por Stoltenberg, em seu livro OTAN 2030: Unidos por uma Nova Era, defendeu o posicionamento de novos mísseis nucleares de médio alcance equipados com bombas nucleares B61-12 na Europa. Isto nos leva de volta ao conceito de uma “batalha nuclear avançada”. Isto significa que o conceito de um ataque nuclear tático de teatro foi reescrito e que a OTAN agora considera a Europa como seu futuro campo de batalha, com os Estados Unidos, naturalmente, permanecendo o único mestre da espiral em direção à opção nuclear.

Quando Emmanuel Macron declarou há dois anos que a OTAN estava “em estado de morte cerebral”, ele causou uma sensação, com a declaração sendo interpretada como um apelo aos europeus para que criassem uma defesa comum própria. Aparentemente, este não foi o caso.

Na entrevista a que você se refere, Macron também disse que “se aceitarmos que outras grandes potências, incluindo aliados, incluindo amigos, se coloquem em posição de decidir por nós, nossa diplomacia, nossa segurança, então não seremos mais soberanos”. O Chefe de Estado estava falando ouro. Mas, infelizmente! ele se contentou em tocar a flauta, já que o esperado salto em frente não ocorreu. Quando, em 2009, Nicolas Sarkozy decidiu reintegrar a estrutura militar da OTAN, ele também trompeteou no fato de que ele estava, assim, removendo um obstáculo ao estabelecimento de uma defesa europeia. Isto foi igualmente ilusório. Ou igualmente enganoso.

Ainda mais significativo: após as declarações de Donald Trump levantando o espectro da retirada de Washington, ter-se-ia pensado que os europeus estariam mais seriamente preocupados em prover sua própria segurança. Aconteceu o contrário. Em vez disso, todos os governos europeus se envolveram em gestos de lealdade, na esperança de influenciar a posição dos Estados Unidos. Todos eles se lançaram em assaltos de genuflexão atlantista sobre questões como a designação da China e da Rússia como novos inimigos comuns, a inclusão do espaço entre os teatros de operações da OTAN ou o acesso dos EUA aos programas de armamento europeus. A própria França finalmente alinhou-se com as posições americanas e não tem mais uma voz original sobre qualquer assunto. Se assim não fosse, começaria por se dissociar das sanções contra a Rússia e restauraria as relações diplomáticas com a Síria!

Uma Defesa Européia não está prestes a ver a luz do dia pela simples razão de que a maioria dos Estados europeus, a começar pela Alemanha, não a querem, não só porque a consideram muito cara e imaginam que bons sentimentos são suficientes para estabelecer o equilíbrio de poder, mas também porque sabem muito bem que é impossível defender a Europa sem tomar o lugar da OTAN, que é sua preservação. Como diz o General Vincent Desportes, “quanto mais o guarda-chuva americano é uma quimera, mais os europeus se apegam a ela”. Enquanto os Estados Unidos têm um orçamento militar de quase US$ 750 bilhões (em comparação com menos de US$ 70 bilhões para a Rússia), os orçamentos militares da maioria dos países europeus são indigentes, estes mesmos países, além disso, preferem adquirir aviões de guerra e sistemas balísticos americanos em vez de europeus para agradar ao complexo militar-industrial americano.

Macron estava muito errado ao falar sobre a OTAN estar “em morte cerebral”. A OTAN não está, de forma alguma, com morte cerebral. É a Europa que está, pois ela se recusa a se equipar com os meios de poder. O General Vincent Desportes também diz sem rodeios: “a OTAN é uma ameaça para a Europa”, antes de acrescentar que “o futuro da Europa é eurasiático, não euro-atlântico”. Um fato óbvio que aparentemente ninguém quer reconhecer. O despertar será terrível.

Fonte: Boulevard Voltaire

Alain de Benoist

<p align="justify">Escritor, jornalista, ensaísta e filósofo, um dos autores chave da Quarta Teoria Política, é autor de numerosas obras sobre uma vasta gama de temas, incluindo arqueologia, tradições populares e história da religião.</p>

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *