Os Perigos Do Transumanismo

“Transumanismo” é o movimento que confia a evolução humana à ascensão tecnológica. Essa ascensão tem exatamente o interesse de retirar o homem de sua identidade local, mas tornando-o cidadão global, cujos valores, visões e éticas são homogeneizados àquilo que a Inteligência Artificial reproduz, inexistindo a espiritualidade e a Tradição, existindo meramente a reprodução daquilo que a pós-modernidade considera “aceitável”.

Por Miguel A. Fernandez

“Transumanismo” é o movimento intelectual que tem como pretensão a simbiose teórica homem-tecnologia, afirmando o fortalecimento do potencial evolutivo humano. Essa corrente tornou-se comum atualmente nas sociedades de alta tecnologia, permeando de forma persuasiva as mentes de vastos setores de cientistas, seduzindo inclusive as mentes do público em geral, que utilizam a Inteligência Artificial em seu dia a dia.

Caracterizada por um jargão muito sofisticado e repleto de “ismos” que mesclam áreas de análise éticas, sociais e políticas, a corrente do “transumanismo” permite justificar intelectualmente ações no presente em nome exclusivo do futuro, sendo claramente um subproduto da ideologia do progresso que caracteriza as sociedades modernas.

Portanto, a ideia de tempo que o “transumanismo” abraça é linear e cronológica; consequentemente, não é por acaso que alguns dos principais proponentes dessa corrente de pensamento, como o futurista americano Ray Kurzweil, proponham a noção de uma “singularidade tecnológica” que – de acordo com Kurzweil – ocorrerá no futuro, uma vez que o desenvolvimento tecnológico da IA “ultrapasse a capacidade da humanidade de direcionar esse desenvolvimento”.

Nos argumentos de Kurzweil, podemos observar claramente uma transposição de narrativas messiânicas que provam o valor salvacionista que as sociedades de alta tecnologia conferem à tecnologia, e essa textura religiosa tem servido de forma eficiente para reforçar a mística que cerca algumas figuras públicas como Elon Musk, que enfaticamente abraça essa narrativa de terceirização da mente humana para inteligência artificial.

Como o “transumanismo” justifica ações humanas muito específicas em um nível coletivo, ele constitui uma forma estrita de propaganda que tem sido promovida e incentivada durante os últimos 50 anos por acadêmicos e corporações de alta tecnologia (MIT, Vale do Silício, etc.) especialmente para contrariar o pessimismo sociopolítico que emergiu no Ocidente após a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, quando ainda estava presente a memória de como um exacerbado progresso tecno-industrial pode facilmente levar à guerra e ao desastre. Foi então necessário reintroduzir na mente da população uma teimosa fé social na ideologia do progresso e do desenvolvimento tecnológico, ou seja, foi necessário tornar o desenvolvimento tecnológico uma religião.

Como resultado desta intensa propaganda, nas sociedades liberais ocidentais é possível discutir sobre inúmeros tópicos sociológicos, científicos e políticos, mas o questionamento da religião da tecnologia e todos os seus ramos sectários “transumanistas” é completamente proibido, devendo o crítico permanecer fora do influente establishment de pensadores patrocinados por corporações.

Mas qualquer pessoa que tenha uma compreensão mais aprofundada do fenômeno técnico em si deve perceber que as principais suposições do “transumanismo” são extremamente ingênuas e infantis, carecendo de qualquer compreensão séria do tipo real de relações que os humanos estabelecem com o cosmos tecnológico.

Não é por acaso que os “transumanistas” ignoram cuidadosamente as obras de Jacques Ellul, Marshall McLuhan e outros autores relevantes na área, porque essas obras demonstram que a condição humana já estabeleceu no passado relações simbióticas com a tecnologia, e que a técnica é sempre uma extensão doos sentidos humanos. Portanto, quando os “transumanistas” se referem ao aprimoramento do cérebro humano pela tecnologia como algo que evolui a condição humana e como algo que ocorrerá e para o qual devemos nos preparar, eles estão apenas expondo a ingenuidade de sua narrativa.

Além disso, a única ideia de inteligência humana ou biologia humana que os “transumanistas” aceitam é extremamente limitada pelos paradigmas cibernéticos da natureza que se tornaram comuns nos Estados Unidos desde a década de 1940, nos quais toda forma de conhecimento ou ciência é forçada a se render aos operativos de código, programa, algoritmo, feedback e controle.

Mas se os “transumanistas” ousassem quebrar a casca siliconizada de seus mais queridos paradigmas cibernéticos, teriam que reconhecer que os humanos sempre têm, aqui e agora, o potencial de transcender a condição humana e suas determinações biológicas sem ter que esperar por uma futura ” singularidade”.

Eles também teriam que reconhecer que a dinâmica biológica ainda está longe de ser redutível a explicações científicas baseadas em paradigmas cibernéticos.

Na verdade, a evolução espiritual do ser humano em direção à transcendência, aqui e agora, é o que pode ser referido como um caminho puro em direção a uma condição transumana real, já delineada em muitas tradições espirituais do passado; mas “transumanistas” consciente ou inconscientemente promovem uma ideologia de progresso em que o desenvolvimento espiritual é desencorajado no presente, podendo ser realizado eventualmente no futuro, entregando totalmente os sentidos humanos hoje a cada desenvolvimento tecnológico que surgir, ou em outras palavras: “os transumanistas” encorajam constantemente as populações em todo o mundo a se tornarem cada vez mais apegadas a qualquer novo dispositivo que supostamente “atualize” seus sentidos.

Como consequência, é muito comum ver a narrativa “transumanista” subjacente à propaganda de novas tecnologias que tendem a apresentar imagens de futuras sociedades utópicas onde a vontade humana não exigirá nenhum esforço, nem espontaneidade, nem qualquer tipo de iniciativa, visto que em tal sociedade os humanos terão apenas que se render passivamente aos ditames apresentados pelo novo Deus governante: Inteligência Artificial.

Os “transumanistas” não percebem que a tecnologia, como extensão do espírito humano, não tem os mesmos efeitos em indivíduos ou culturas, dependendo de seus valores específicos.

Qualquer extensão técnica sempre valoriza a idiotice do idiota e a inteligência do inteligente, ou seja, atende aos valores fundamentais da pessoa, mas não pode moldar os valores dessa pessoa, pois essa moldagem depende de aspectos existenciais e espirituais que transcendem a influência da tecnologia.

O interessante é que os adeptos dessa corrente não conseguem perceber que o desenvolvimento tecnológico não serve apenas como uma extensão dos valores centrais do indivíduo, mas, também pode ser usada como uma extensão muito poderosa do Estado. Assim, quando as pessoas, em um nível agregado, são persuadidas pelas narrativas “transumanistas” e aceitam o desenvolvimento tecnológico como algo “bom em si”, conferem também um poder tecnológico extremo ao Estado, permitindo o uso desse engrandecimento progressivo e centralizado tecnológico.

Recentemente, tivemos a chance de acompanhar essa persuasão durante o lançamento do anticovid, no qual a excelente narrativa “transumanista” serviu para evocar temporariamente a temeridade na população a partir de uma inoculação tecnológica que nada tem a ver com um vaccine clássico, demonstrando que a narrativa “transumanista” adquiriu muito mais poder nas mentes do que qualquer explicação médica séria.

O “transumanismo”, ao afirmar que visa a melhoria da condição humana exclusivamente por meio da tecnologia, na verdade serve como um pretexto muito sofisticado para degradar a condição humana à de um ser que terceiriza todo o seu poder às forças do desenvolvimento tecnológico, um desenvolvimento que serve o Estado global centralizado e todas as suas estratégias de crescimento, sejam elas expressas na forma de controle humano total ou de guerra.

Nenhuma das opções acima implica que o desenvolvimento tecnológico seja “bom” ou “mau” porque esse tipo de desenvolvimento não apenas transcende sempre os limites impostos pela moralidade humana, mas também transcende todas as visões de mundo antropomórficas e humanistas.

Este desenvolvimento visa o poder material a todo custo, e a questão que então surge é se tanto os humanos quanto as comunidades objetivam manter sua liberdade em meio a tais mudanças e então determinar seus próprios objetivos-valores, ou decidem se render aos objetivos definidos pelos Estados, que no contexto planetário de hoje são Estados que estão além de todo poder governamental e operam com base nos cenários determinados pela IA e todos os “transumanistas” que apoiam firmemente esse tipo de política sem rosto.

No primeiro caso é necessário compreender a nossa relação operativa com a técnica como antídoto contra a falsa visão da tecnologia promovida pela corrente de pensamento “transumanista”, e também é necessário descobrir como lutar contra essas forças subversivas nas específicas condições sociopolíticas e econômicas que já caracterizam o século XXI.

Fonte: The Solar Warrior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *