Derrubar e derreter estátuas demonstra que os EUA não são diferentes do ISIS

Segue a sanha politicamente correta insana de derrubada e substituição de estátuas nos EUA. Se fosse um modismo exclusivamente local e sem impacto apenas assistiríamos de longe, rindo, mas como quase tudo que se passa lá, trata-se aí de um projeto global, que segue se espalhando pelo planeta com o objetivo de nivelar a história e preparar o mundo para a ditadura aberta e direta do Capital.

Um museu na Virgínia está propondo fundir uma estátua do general confederado Robert E. Lee e usar o bronze para criar uma nova obra de arte pública. Este ato voluntário de vandalismo politicamente correto mostra que o auto-ódio dos Estados Unidos não tem limites.

A estátua foi retirada da exibição pública depois de ganhar notoriedade como o foco dos motins de Charlottesville de 2017, Unite the Right/Antifa. E agora foi apresentado um plano pela Jefferson School African American Heritage Center para derreter a estátua de Lee e usar o metal para novas obras de arte, a serem escolhidas através do “envolvimento da comunidade”. Este processo de arte democrática, por si só, soa duvidoso e pós-modernista, e provavelmente resultará em uma série de formas obtusas sem sentido e mal feitas de bustos do George Floyd.

As organizações que apoiam esta proposta (incluindo a Open Society de George Soros) prometeram $590.000 para o projeto até agora, que tem sido rotulado como uma recontextualização – um ato tipicamente emocionante e pseudo-intelectual de falar, a forma neoliberal de dizer “vandalizado, destruído, substituído”.

Gregory Downs da Universidade da Califórnia declarou que o plano do museu era uma abordagem criativa para “confrontar o passado e ajudar as pessoas a entender melhor o passado”. Naturalmente, este tipo de declaração banal é completamente sem sentido, com tons de “algo que um professor preocupado com seu trabalho deveria dizer”. É fumaça e espelhos, uma dança engraçada para desviar a atenção, evitando verdades difíceis.

A verdade aqui é que um museu deseja destruir uma estátua histórica. Não é para isto que servem os museus, nunca, por qualquer razão, independentemente do tipo de museu ou de como se interpreta o passado. A lógica por trás da proposta é outro exemplo de uma nação que odeia sua história e odeia seu presente. A maquinação da horda politicamente correta não conhece limites escrupulosos, todos os limites são marcados por truques de linguagem e emoção. Até que um novo limite – ou um novo baixo – seja atingido.

Este é um passo além da simples remoção da estátua, como a “recolocação” da estátua de Teddy Roosevelt do Museu Americano de História Natural, em Nova Iorque. Isso já foi ruim o suficiente. São historiadores destruindo a história para satisfazer a máfia politicamente correta.

Há um ano, Sarah Parcak, professora de arquitetura antiga na Universidade do Alabama em Birmingham, fez uma série de tweets explicando como os manifestantes antifa poderiam derrubar e destruir monumentos com sucesso. Isto ocorreu quando os vândalos estavam vandalizando o Lincoln Memorial, memoriais da Segunda Guerra Mundial e outros locais icônicos.

A Sra. Parcak, uma egiptóloga, chegou ao ponto de dizer que os obeliscos também “poderiam ser mascarados de monumentos racistas” e exigir vandalismo. “PS para QUALQUER pessoa que possa estar interessada em como derrubar um obelisco com segurança de um egiptólogo que nunca em um milhão de anos pensou que este conselho pudesse vir a ser útil”, ela tuitou. Ela não perdeu sua posição na universidade por nada disto.

Na América de hoje, pode-se esperar que os professores de arquitetura antiga e museus inteiros não apenas tolerem, mas procurem ativamente a destruição de esculturas e monumentos históricos – aqueles mesmos objetos que estão sob sua proteção. O reverso de sua função teleológica primária. É como um dentista que apenas arranca todos os seus dentes, ou um mecânico que quebra cada carro que vê.

Uma pequena reviravolta de pensamento e algumas palavras complicadas, e seu propósito essencial é completamente revertido, e eles se tornam como o ISIS destruindo Palmyra – eles possuem um fervor fundamentalista semelhante para destruir. Porque nada pode impedir uma moralização politicamente correta – uma “recontextualização” – de eventos históricos ou verdades.

Todos os argumentos apresentados através do prisma examinador de slogans, como “racista” ou “sexista”, estão abertos ao julgamento contemporâneo sob pena de morte. Mesmo as moralizações que ocorrem enquanto falamos, que hoje são consideradas “politicamente corretas”, estão sujeitas a recontextualização mesmo amanhã – e possivelmente podem consideradas culpadas dependendo de como os marcadores de moralidade se modificaram nas últimas 24 horas.

Culpados.

Se realmente nada pode resistir a este processo de dissolução, então não há muito sentido em continuar o carnaval, pois nenhuma nação que realmente se odeia pode continuar existindo por muito tempo. Há muitos que pensaram que, baixando a cabeça, seus empregos e sua subsistência poderiam permanecer seguros. Que ao não dizer nada, ao ceder a última regra moral defendida pela imprensa corporativa, lhes seria permitido alimentar suas famílias por mais um dia.

E sim, serão recompensados pelo cumprimento, por não dizer nada, ou mesmo por aplaudirem ao derrubarem as estátuas. Mas em cada esquina, todos os dias, para todos, uma nova “regra” está esperando por seu cumprimento.

Senão.

Fonte: RT

Brendan Heard

Escritor, pintor e designer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *