Os Radanitas da Cazária e a Difusão da Usura no Ocidente

As origens das dinastias bancárias contemporâneas, bem como da prática bancária e usurária no Ocidente, estão envoltas em mistérios. Um desses mistérios envolve o papel das migrações de comerciantes cázaros do Oriente para o Ocidente, por conta do colapso da Rota da Seda.

«Nummus nummum parere non potest»
(Aristóteles, Ética a Nicômaco)

Tornou-se comum nos últimos anos dizer que uma certa facção judaica de origem cázara teria se tornado muito poderosa após séculos de empréstimos de dinheiro. Estas reivindicações são baseadas na suposição de que a maioria dos judeus vem do antigo Canato da Cazária, que se converteu ao judaísmo para não ser subjugada por seus vizinhos cristãos e muçulmanos. Esta tese foi tornada famosa pela obra A Décima Terceira Tribo de Arthur Koestler (1976), que argumenta que os judeus ashkenazi europeus não são descendentes de antigos israelenses, mas de turcos cázaros que se converteram ao judaísmo no século VIII e depois migraram para a Europa Oriental nos séculos XII-XIII, quando o Império Cazar entrou em colapso. Esta teoria da ascendência ashkenazi de muitos judeus se tornou muito popular, mas não é aceita por todos os especialistas na área.

O conhecido historiador russo Lev Nikolaevič Gumilëv tem sido um dos mais ferozes críticos do papel desempenhado pelos judeus cázaros na história russa. Suas opiniões foram sem dúvida muito influenciadas por seu professor, Mikhail Artamonov (História dos Cázaros, 1962). Gumilëv, por sua vez, influenciou o crítico literário Vadim Kozhinov.

Os judeus chegaram ao território de Cazária em duas ondas distintas. A primeira onda é dos séculos V-VI, quando os judeus caraítas chegaram da Pérsia. A segunda onda consistia de judeus de Bizâncio nos séculos VIII e IX, que conheciam bem o Talmud. Os judeus foram divididos em caraítas e rabinos no século IX, sendo estes últimos seguidores ortodoxos dos ensinamentos talmúdicos que fugiram primeiro para Bizâncio e depois vieram para a Cazária devido à perseguição do Papa Leão III (795-816), que tentou convertê-los pela força ao cristianismo. Houve outro grupo de judeus que veio para a Cazária e se especializou no comércio internacional ao longo da Rota da Seda entre Europa e Ásia: os radanitas, cuja presença no comércio internacional da Espanha à China foi atestada no século IX pelo geógrafo persa Ibn Khordadbeh.

Alguns estudiosos atribuem a conversão dos cázaros ao judaísmo à influência dos radanitas sobre eles [1]. Gumilëv considerava os radanitas um grupo suprarétnico muito “diabólico”, já que o comércio internacional, disse ele, não beneficiava a maioria da população, mas os prejudicava, e isto se aplicava à Cazária, assim como a outros lugares. Isto porque a economia de intercâmbio natural fornecia à população local tudo o que ela precisava, enquanto que o comércio internacional não o fazia. Gumilëv também argumenta que os radanitas comercializavam utilizando as mercadorias que roubavam dos países do norte da Europa, sem mencionar que eram bem conhecidos por seu comércio de escravos, especialmente os eslavos.

Gumilëv afirma que os radanitas se infiltraram na nobreza turca cazar casando-se com suas esposas, mas a progênie desses casamentos mistos acabou ficando em segundo plano, a maioria deles emigrando para a Crimeia, onde professaram o caraísmo. Por outro lado, as crianças que tinham dois pais judeus eram socialmente muito relevantes e eram conhecidas por serem as únicas que tinham acesso aos estudos talmúdicos. O historiador russo argumenta que o judaísmo foi imposto à população, especialmente após a ascensão de Obadias ao poder no final do século VIII e início do IX. Obadias era um judeu rico que transformou completamente o canato e introduziu o judaísmo rabínico, enquanto perseguia violentamente cristãos, muçulmanos e pagãos. Entretanto, parece que em 730 o rei cazar Bulan já havia se convertido voluntariamente ao judaísmo.

A Cazária nunca se recuperou dos ataques do príncipe Sviatoslav de Kiev, que foi posteriormente morto por nômades pechenegues durante o cerco da Cazária em 972. Os pechenegues foram apoiados a partir de 968 pelos cázaros. Sviatoslav atacou as cidades cázaras de Sarkel, sua capital Itil e Samandar (c. 964-966) [2]. Itil em 980 foi ocupada pelos corásmios e forçada a se converter ao Islã.

Foi nessa época que os demais judeus radanitas foram forçados a migrar para o oeste, em direção à Espanha e especialmente para o centro comercial mais importante da península, Córdoba, onde gozavam de muita proteção. Gumilëv diz que o anticristianismo e a intolerância dos radanitas não diminuíram quando se estabeleceram na Europa Ocidental e que suas interpretações do Talmud moldaram o pensamento ocidental durante o último milênio[3].

O historiador israelense Moshe Gil sugere que o nome dos radanitas vem de Radan, uma região do Iraque [4]. Outros pesquisadores dizem que seu nome vem do árabe ar-Rahdaniya, que significa “aqueles que conhecem o caminho”, os “errantes” ou “judeus errantes”. Há também a tese de que seu nome está ligado ao rio Ródano (na Lombardia) que era muito frequentado pelos comerciantes que faziam grandes viagens.

A etimologia proposta por Gil vai muito longe para explicar o fato de que esses judeus eram defensores ferrenhos dos ensinamentos talmúdicos babilônicos; por outro lado, sabe-se que a Babilônia sempre teve um número significativo de judeus desde que foram exilados no século VI a.C. por Nabucodonosor II, que destruiu o Templo de Salomão. Sabe-se também que os judeus babilônicos ainda eram bastante poderosos na época da fundação do Califado Abássida, que durou de 750 a 1258 d.C.

De fato, durante a era abássida, Bagdá viu o surgimento de um governo de banqueiros conduzido por comerciantes judeus que emprestavam dinheiro ao Estado. A famosa família Neṭīra, com o nome de seu fundador, que era bem conhecida durante o século IX, vem à mente. Os filhos de seu fundador, Sahl e Isḥāq, seguiram os passos de seu pai e financiaram as dispendiosas expedições militares do califado. No entanto, os Neṭīra também foram apoiados por seu sogro Joseph b. Phinehas e seu associado Aaron b. Amram, banqueiros da corte do Califa Al-Muqtadir de Bagdá, que eram considerados os financiadores mais ricos da Mesopotâmia e da Pérsia ocidental na época. Como eram os banqueiros privados dos governantes locais, eles geralmente assumiam a função de jahbadh, ou seja, cobradores de impostos e responsáveis pela emissão de letras de câmbio em nome do governo, bem como emprestar dinheiro a longo prazo para a administração do califado. Ao mesmo tempo, eles emprestavam dinheiro aos vizires locais para seus assuntos privados [5]. Assim Bagdá tornou-se o centro financeiro da época, pois era uma das mais importantes travessias comerciais da antiga Rota da Seda.

Os radanitas, que eram poliglotas e parcialmente de origem persa, dominaram o comércio eurasiático (incluindo o uso do crédito) entre os mundos cristão e islâmico por pelo menos quatro séculos entre os séculos VII e X, embora seja muito provável que tenham desempenhado esse papel no período pré-islâmico. Alguns acreditam que também foram responsáveis pela introdução do papel no Ocidente, trazendo-o da China [6].

Os radanitas parecem ter estendido seu domínio comercial pela França, Alemanha e Polônia nos séculos V e VI; há até mesmo evidências de que eles já estavam na África, especialmente em Timbuktu (Mali), no século VIII. Muitos radanitas fugiram para a África no século XV devido à perseguição da Inquisição espanhola. No entanto, a maioria deles foi para a Holanda. De fato, os judeus sefarditas, especialmente os comerciantes marranos, como a conhecida família Mendes e mais tarde Yossef Nasi da Antuérpia – que se tornaram ricos controlando o comércio das colônias espanholas e portuguesas – transferiram suas atividades financeiras para a Holanda quando foram forçados a deixar a Península Ibérica pelo decreto de expulsão de 1492 [7]. As famílias bancárias marranas tornaram-se as maiores emprestadoras de dinheiro para as monarquias europeias no final do século XVII e início do século XVIII. Alguns judeus marranos migraram para Londres durante o reinado de Elizabete I (1558-1603), mas foi em 1664 e graças ao trabalho do rabino Menasseh ben Israel, um judeu português que se mudou para Amsterdã, e que apoiou Oliver Cromwell, Lorde Protetor da Commonwealth entre 1653 e 1658, que eles começaram a chegar em massa. Foram esses judeus sefarditas, espanhóis e portugueses que, via Amsterdã, chegaram a Londres e depois fundaram o Banco da Inglaterra em 1694.

Quando a influência napoleônica finalmente subjugou a Holanda em 1803, o centro financeiro da Europa mudou-se de Amsterdã para Frankfurt. Foi nessa época que o controle financeiro da liga antinapoleônica acabou nas mãos de Mayer Amschel Rothschild, judeu da corte de Guilherme I (1743-1821), que era o Príncipe-Eleitor de Hesse-Kassel [8].

A queda da dinastia Tang em 908, a destruição do Canato da Cazária em 968-969, seguida pelas invasões turcas do Oriente Médio, causou grande instabilidade e o desaparecimento quase total da rota comercial da seda. Isto levou ao surgimento de novos atores comerciais no mercado internacional que não mais se deslocavam por terra, mas por mar e giravam em torno das cidades-Estado marítimas italianas de Veneza, Gênova, Pisa e Amalfi, financiadas pelas nascentes famílias bancárias italianas.

Os radanitas se fundiram gradualmente com os povos onde haviam se estabelecido ou com outros judeus que também habitavam os territórios onde viviam, especialmente a Espanha, de modo que a partir dos séculos XI-XII, deixaram de existir como um grupo particular.

Notas

[1] Enc. of World Trade, “Radanites” 764; ver também Pritsak 265.
[2] Uma versão alternativa da história é mencionada pelo estudioso medievalista russo Aldo C. Marturano, segundo o qual “a campanha é uma mentira histórica lida na versão da Crônica dos Tempos Passados e eu sou da opinião de que ela deve ser minimizada. Pelo contrário! Segundo o historiador alemão Marquart, Svyatoslav não foi contra os cázaros, mas realizou campanhas punitivas em seu nome contra alguns povos rebeldes do Volga […] Svyatoslav em Itil não passou pela ilha dos mercadores nem atacou a ilha do grão-cã, já que o exército cá\aro ainda estava presente e em operação. (Aldo C. Marturano, Càzari e Russi, un’avventura ebraica medievale, Lulu Press, Raleigh 2016, pp.189-190).
[3] V. J. Rossman: Russian Intellectual Antisemitism in the Post-Communist Era. Lincoln, NE: University of Nebraska Press for the Vidal Sassoon International Center for the Study of Antisemitism (SICSA), Hebrew University of Jerusalem, 2002.
[4] Moshe Gil, “The Radhanite Merchants and the Land of Radhan,” Journal of Economic and Social History of the Orient 17, no. 3 (1974): 299-328.
[5] A. Harkavy, Teshuvot ha-Ge’onim, 4 (1887), nos. 423, 548, 552; L. Ginzberg, Geonica, 2 (1909), 87–88; Fischel, Islam, 6–44.
[6] Enc. of World Trade, “Radanites” 764.
[7] Outros judeus ibéricos emigraram, após o decreto de 1492, para a Itália, particularmente para Veneza, e para o Império Otomano, onde a presença de judeus era mais tolerada.
[8] http://www.jewishencyclopedia.com/articles/2444-banking.

Fonte: Centro Studi la Runa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *