Privilégio Branco: A Desconstrução de uma Fraude

O que é “privilégio branco”? Seria um conceito científico e acadêmico neutro, que revelaria de forma imparcial um aspecto da realidade ou seria apenas um discurso ideológico racista, voltado contra pessoas brancas no mundo todo, designando-as como inimigos políticos e se aproveitando do etnomasoquismo ocidental para sujeitá-las a níveis cada vez maiores de humilhação e expropriação por revanchismo, ressentimento e oportunismo? O escritor francês Georges Guiscard, autor de um livro sobre o tema, explica.

Nunca se falou tanto sobre privilégio branco. No entanto, sabemos pouco sobre sua genealogia e natureza. Quem são seus pensadores, seus ativistas, seus apoiadores, seus idiotas úteis?

O primeiro a usar a expressão foi o ativista comunista americano Theodore W. Allen. Em um livro publicado em 1975, ele argumentou que o conceito da raça branca era uma “invenção” para dividir os trabalhadores nas plantations coloniais: um sentimento de “privilégio branco” teria permitido criar uma hierarquia.

Em 1988, a feminista antirracista Peggy McIntosh popularizou o termo em seu ensaio “White Privilege: Unpacking the Invisible Knapsack” [Privilégio Branco: Desempacotando a Mochila Invisível]. Nela, ela enumera uma série de vantagens associadas à sua pele branca que são invisíveis para aqueles que desfrutam dela – Allen já falava do “ponto cego branco” – como a cor dos curativos que nos recorda que a norma no Ocidente é ter a pele branca.

McIntosh explica que ela pensava ingenuamente que “o racismo só poderia existir através de atos individuais de maldade” antes de perceber que o racismo é de fato um “sistema invisível” com o qual se “nasce”. Esta é a ideia central desta teoria: todo o Ocidente foi construído sobre o racismo para o benefício dos brancos, através da escravidão na América e da colonização na Europa. Este racismo, consubstancial a nossas sociedades, está presente em todos os lugares, embora muitas vezes difuso, assumindo a forma de discriminação sistêmica que prejudica permanentemente os não brancos.

Além desses dois pioneiros, o conceito de privilégio branco está enraizado em axiomas tipicamente marxistoides de relações entre dominantes e dominados, alimentados pela teoria crítica da Escola de Frankfurt e pelos pós-modernistas da Teoria Francesa. Estes intelectuais desenvolveram o quadro de referência, o das “estruturas de opressão” que se diz constituírem nossas sociedades. A expressão atual dessas ideias, consequência de nossas sociedades multirraciais, é a “teoria crítica da raça” na qual os brancos substituem esquematicamente a burguesia e os não brancos substituem o proletariado.

Nesta corrente mais específica, encontramos notadamente Kimberlé Crenshaw, uma feminista afroamericana que teorizou a interseccionalidade – ou seja, o acúmulo de discriminações – para recordar às feministas brancas que elas continuam sendo privilegiadas. Mais recentemente, figuras como Ibrahim X. Kendi ou Robin DiAngelo, o autor de White Fragility [Fragilidade Branca], cuja premissa é que uma pessoa branca que não aceita ser chamada de racista está demonstrando racismo. Este último exemplo ilustra uma das características do conceito de privilégio branco, que tem tudo a ver com raciocínio circular e viés de confirmação.

Os ativistas são em sua maioria minorias raciais e vêm de minorias. Por um lado, os convencidos, os políticos, os descoloniais motivados por uma forma de ressentimento, misturando ódio, inveja e uma cultura de desculpas. Rohkaya Diallo e Houria Bouteldja são, na França, bastante representativos deste fenômeno. Ao lado deles estão pessoas mais cínicas, que usam estas ideias para fins mais pessoais: notoriedade, dinheiro… Estamos pensando aqui em Assa Traoré, cuja posição como vítima funciona como um status social que lhe dá acesso à primeira página da Time e a um par de Louboutins, mas também, mais amplamente, de qualquer afromagrebino que rapidamente berrará sobre racismo para ganhar vantagem sobre um adversário ou atrair simpatia.

Os apoiadores são majoritariamente brancos. O capitalismo politicamente correto, que joga com os códigos do privilégio branco, mas também com os temas do lobby LGBT, tanto por motivações ideológicas quanto comerciais. A alta burguesia que procura sinalizar sua virtude moral, como Emmanuel Macron garantindo às colunas do L’Express que “ser um homem branco pode ser experimentado como um privilégio”. E, é claro, a coorte de sociólogos subvencionados – como Éric Fassin -, artistas e jornalistas que pregam a boa palavra da ideologia dominante.

Quanto aos idiotas úteis, eles são todos os brancos “politicamente corretos”, “esclarecidos” que aceitam sua expropriação em nome de um antirracismo etnomasoquista. Eles estão convencidos de que a “brancura” é um flagelo a ser erradicado, mesmo que isso signifique sua contrição e eventual submissão. Esta é uma forma de neoprotestantismo, uma ideia que desenvolvo em meu livro.

A noção de privilégio branco encontrou um forte aliado em Joe Biden. Como o senhor explica o apoio visceral da burguesia progressista a esta tese? Seria porque a esquerda “Terra Nova” americana – os democratas – encontrou uma maioria eleitoral composta de minorias (mas não a esquerda francesa)?

Joe Biden, que falou em junho do racismo sistêmico como uma “mancha na alma da nação” – um vocabulário que remete ao neoprotestantismo que eu mencionei – é de fato emblemático. Biden foi escolhido pelo Partido Democrata porque ele encarnava uma forma de equilíbrio que parecia taticamente apropriado. Ele sempre foi considerado um moderado e um centrista, o que tranquiliza os eleitores de direita que são resistentes ao estilo tumultuado de Trump.

Biden, no entanto, foi rápido em se comprometer com a esquerda politicamente correta, admitindo seu próprio privilégio branco e até ajoelhando-se diante dos manifestantes da Black Lives Matter. Há aqui uma mistura de estratégia política e ideologia. Primeiro, é uma estratégia que o jornalista americano Steve Sailer chamou de “a coalizão das margens”. Trata-se de unir todas as minorias – não brancos, LGBT, muçulmanos… – assim como as mulheres, que são mantidas em um sentimento de inferioridade estrutural ou desvantagem e patriarcal-racista, contra um inimigo opressor comum: o homem branco heterossexual e cristão. Segundo Sailer, esta abordagem levou à eleição de Obama em 2008.

Na França, a estratégia “Terra Nova” que você menciona segue este modelo. O abandono das classes trabalhadoras em prol coalizão das margens está explícita na “Contribuição nº 1” do think tank para o programa do PS em 2012, que afirma que, entre os imigrantes franceses e seus filhos, “a relação de forças direita-esquerda é extremo, da ordem de 80-20 ou mesmo 90-10”. A vantagem desta abordagem eleitoral é que a participação das minorias na população só tem como aumentar através do jogo demográfico, uma mudança que se acentua quando a esquerda chega ao poder.

Mas isto não é apenas um plano frio para tomar o poder: a ideologia desempenha um papel importante nesta mudança. São sempre as minorias fanáticas e intolerantes que conseguem vencer, porque se recusam a transigir. Elas são capazes de mais violência, mais intransigência. Isto é muito visível com o politicamente correto, cada vez mais exigente, pronto para excomungar os covardes que duvidam. Mais dinâmicos, mais convictos, estes vanguardistas arrastam os outros junto com eles… ou os expurgam, como podemos ver com a cultura do cancelamento que ataca prontamente os antigos aliados.

A evolução de Mélenchon ilustra perfeitamente este mecanismo, esta “espiral de pureza” analisada pelos sociólogos Bradley Campbell e Jason Manning em seu livro A Ascensão da Cultura de Vitimização. Um velho comunista secular que defendia “a ideia de que temos o direito de não gostar do Islã” em 2015, Mélenchon marchava quatro anos depois “contra a islamofobia” com os islamistas do CCIF. Ele foi apanhado por sua jovem guarda radical e acordou, inclusive Danièle Obono. Em sua defesa, Mélenchon ainda se recusa a falar sobre privilégio branco. Será que ele acabará, como Biden, colocando seu dedo na engrenagem por estratégia para acabar quase mais radical do que aqueles que ele quer seduzir?

Não há uma ironia no ressurgimento da “repressão racial” à esquerda da esquerda, que anteriormente havia perseguido severamente todas as suas manifestações?

A esquerda está em um voo perpétuo para frente; se não avança, cai. Este é o problema fundamental das ideologias de esquerda que querem substituir o real pelo ideal, o concreto pelo abstrato. É por isso que eles são conhecidos, pela rejeição da lei natural e da observação dos fatos em favor de teorias que devem ser absolutamente comprovadas. Como isto nunca funciona, deve-se encontrar uma explicação que é sistematicamente a de que é necessário ir mais longe, da mesma forma que o fracasso do comunismo foi explicado pela falta de comunismo.

Ao passar da velha oposição burguesia/proletariado para uma análise mais ampla dominante/dominado, a esquerda abriu a Caixa de Pandora das sociedades multirraciais. É claro que existe uma “norma branca” nos países da civilização europeia: nossas sociedades são feitas à nossa imagem, é uma herança, um patrimônio construído por nossos antepassados que se pareciam conosco. E, é claro, os não europeus nunca se integrarão completamente, nunca serão capazes de se integrar perfeitamente.

Haverá sempre alguns que serão capazes de se assimilar e viver com este fato. Mas este nunca será o caso para a grande maioria. O conceito de privilégio branco é em grande parte uma expressão do mal estar das sociedades multirraciais e fracas, onde as minorias sentem que podem substituir os nativos. Não se fala de privilégios han na China…

Ao jogar a carta do imigrante, a esquerda se trancou em uma leitura racial que vemos hoje perfeitamente assumida por Sandrine Rousseau, por exemplo. Pessoalmente, acho isto muito bom porque esta mudança de paradigma soa o toque de morte para o universalismo, o humanismo e o assimilacionismo, que eram todas quimeras. Quando digo que se pode reconhecer uma ideologia de esquerda por seu desejo de impor uma abstração sobre a realidade, incluo naturalmente o universalismo, que se baseia em uma visão abstrata do homem. É ao mesmo tempo agradável e irônico, de fato, ver a esquerda assim ultrapassada pelo monstro que ela criou. Mas é triste ver a direita conservadora agarrada à moda do modelo universalista, enquanto um clima pré-genocida em que os brancos são culpados de todos os males se instala. Ao nos identificar como brancos, nossos oponentes nos remetem à nossa natureza, ao nosso substrato étnico primário, do qual a cultura, embora essencial, é apenas uma emanação frágil. Os conservadores precisam entender que, nas palavras de Freund, “é o inimigo que nos designa”.

Fonte: Éléments

François Bousquet

<span style="color: #ffffff;">.</span>

1 Comment

  1. A esquerda pós-modernidade. já descobriu os culpados pelos males do Brasil: os imigrantes… Ex.: o padreco petista Jessé Souza. Os antepassados de Alberto Pasqualini, Brizola e Marighella. O radicalismo classe média é sempre marcado pela ignorância e por fazer o mesmo que acusam nos outros: racismo, xenofobia etc. E agora com a aprovação do Partido Democrata, que, depois de ajudar a destruir o Welfare State rooseveltiano, precisava de uma nova bandeira, demagógica. E ainda querem ditar quem tem o direito de se orgulhar de sua família e quem deve se envergonhar e se “desconstruir”. Eles é que precisam ser desconstruídos, antes que o “neoliberalismo progressista” transforme o Brasil em colônia eterna.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *