Donbass está sangrando

Neste texto veremos como a situação do Donbass, o território disputado no leste ucraniano, tem se desenrolado nos últimos tempos.

Por Marina Harkova

Devido ao bombardeio das Forças Armadas da Ucrânia nos últimos dias nas repúblicas do Donbass, o número de mortos já chega a onze pessoas. O mês de agosto tradicionalmente traz uma “colheita” sangrenta em uma nova rodada de escalada de hostilidades. As mortes e tragédias de pessoas se tornaram estatísticas burocráticas e mensagens sem relevância.

“Pelo menos onze russos morreram: isso é motivo para incomodar os políticos e todos os tipos de “experts”, cujos parentes estão completamente seguros? Não são seus filhos e parentes escondidos em sótãos como nas comunidades de Dokuchaevsk, ou destruídos por metralhadoras nas trincheiras de Zaitsevo, queimados vivos em ambulâncias de evacuação, morrendo após bombardeios de drones. Portanto, é fácil e conveniente falar na pseudo-paz, supostamente alcançada graças ao acordo de Minsk, mas viver nesse simulacro é impossível.”

A situação é semelhante a um acidente subaquático: o sinal SOS está constantemente sendo enviado para o continente enquanto a sirene está ligada, mas os compartimentos estão trancados e ninguém ouve ou responde a gritos de socorro. Após as Olimpíadas, os preparativos para as eleições e a temporada de férias, a guerra no RPD mudou para o 10º plano e, entretanto, a guerra prolongada está destruindo, esgotando e sangrando as forças republicanas, esgotando recursos e aumentando a destruição de casas e a infraestrutura.

Em apenas três dias, oito soldados morreram ao mesmo tempo. Isso enquanto foi pedido aos ucranianos um regime de silêncio/1 em que eles confirmaram, a 93ª Brigada Ucraniana relatou um ataque de morteiro bem-sucedido perto da vila de Novaya Maryevka, quando um drone abriu fogo contra uma ambulância da marca VAZ que estava evacuando os soldados feridos de Donetsk, deixando o carro branco dos médicos militares em cinzas. Há um mês, a mesma tragédia aconteceu em Lozovsky, então quatro de nossos meninos também perderam a vida.

Assim que o funeral em Novaya Maryevka terminou, quatro soldados perderam a vida novamente: desta vez, durante o bombardeio perto da cidade de Petrovskoye. Bem ali, onde no outono de 2019 ocorreu o falso Acordo de Minsk. Para este evento, os canais de televisão enviaram tropas de jornalistas, que então relataram alegremente sobre “as grandes mudanças no processo de paz de Minsk e o evento histórico da retirada das tropas”. Na verdade, as Forças Armadas da Ucrânia imitaram uma retirada e alguns dias depois voltaram às suas posições abandonadas, de onde continuaram os bombardeios. Exatamente a mesma vitrine foi realizada na República Popular de Lugansk, perto da cidade de Zolotoe-5 (Mikhailovka). Também há batalhas e bombardeios lá e nada mudou. Os louros da manutenção da paz foram abundantemente regados com o sangue de milicianos e civis locais e a imitação da paz tornou-se uma continuação da guerra e enquanto a tensão vai aumentando.

Nos últimos dias de agosto, 123 cartuchos de munição foram disparados contra a República Popular de Donetsk e o número de bombardeios chegou a 5-10 por dia. Sob bombardeio estão cidades como Sakhanka, Leninskoye, Novaya Maryevka e as cidades de Gorlovka-Gagarin e Zaitsevo. Nos arredores de Donetsk, as aldeias de Vesyoloye, Staromikhaylovka, Aleksandrovka, a cidade de Dokuchaevsk e a aldeia de Signalny sofreram. A cidade de Sahanka foi totalmente arrasada por um calibre de 122 mm e os arredores de Gorlovka foram submetidos a enormes tiros de morteiros. As Forças Armadas da Ucrânia usaram obuseiros D-30 contra Staromikhaylovka, onde os projéteis explodiram dentro da aldeia e cinco casas foram danificadas ao mesmo tempo. Um morador da vizinha Aleksandrovka relatou o bombardeio: “As Forças Armadas da Ucrânia atingiram a aldeia com morteiros. Mais de vinte granadas de morteiros explodiram nas ruas onde vivem famílias e idosos que não têm para onde fugir desta guerra. “

Além do bombardeio, os drones ucranianos voam sobre os telhados das casas de civis e jogam bombas e enquanto as pessoas corriam para apagar os incêndios, os drones continuavam jogando bombas, ou seja, o operador ucraniano podia ver perfeitamente quem era bombardeado. As Forças Armadas da Ucrânia dispararam armas pesadas na cidade de Signalny no DPR, onde civis estavam escondidos em porões. Na noite de 3 de agosto, a vila de Kominternovo, distrito de Novoazovsky, foi bombardeada e dois civis ficaram feridos, uma mulher de 57 anos morreu no hospital devido aos ferimentos. Em Horlovka, um ataque de artilharia ucraniana destruiu quatro casas e a vila em chamas ficou sem energia. Em Zaitsevo, um drone ucraniano jogou bombas- mais dois soldados foram mortos. Dokuchaevsk mais uma vez sobreviveu ao bombardeio mais forte e onde as crianças se escondiam em abrigos, corredores e banheiros. A periferia ao norte de Donetsk, as cidades de Vesyoloye e Zhabunky também foram atacadas com morteiros.

Na República Popular de Luhansk (RPL), a cidade de Mikhailovka está sendo bombardeada. Perto da cidade de Metallist, as unidades da milícia do RPL abateram um drone de ataque ucraniano que se preparava para o bombardeio. Aqui está a opinião do ex-comandante do batalhão Vostok, Alexander Khodakovsky: “Em relação à eficácia do aspecto militar, este trabalho deixa muito a desejar por razões bastante compreensíveis. Hoje temos restrições às operações militares. O uso de fogo contra a Ucrânia é baixo, pois proibimos o uso de vários tipos de armas, independentemente da forma como o lado ucraniano atue. E temos que trabalhar levando isso em conta. Parece-me que temos todas as possibilidades, mas não usamos todo o nosso potencial para suprimir a atividade do inimigo e nessa direção gostaria de trabalhar de forma mais eficaz, mas isso requer vontade política, decisivamente, e isso requer outras diretrizes”.

E é assim que o miliciano com a insígnia “Stary” descreve a situação: “Ontem, fomos cercados por um calibre 152 milímetros. O inimigo está constantemente destruindo nossas posições com projéteis, tudo tem que ser restaurado de novo. As trincheiras desabaram e os telhados foram perfurados. A nossa artilharia não disparou em resposta. Somos alvos das Forças Armadas da Ucrânia e à nossa disposição apenas temos armas de pequeno porte e lançadores de granadas, é ridículo usá-los contra armas de longo alcance e autopropulsadas”.

“O RPD está pronto para lançar uma contra-ofensiva se Kiev cancelar todas as tentativas de resolver o conflito pacificamente”, disse Pushilin, mas não especificou por quem tal coisa seria realizada, uma vez que qualquer ofensiva supõe uma vantagem nas forças e equipamentos e se estas são insuficientes, então são palavras vazias, destinadas a alguém incompreensível. O grupo de 90.000 homens das Forças Armadas ucranianas não pode ser intimidado, por isso precisamos de argumentos mais fortes. Como apontou um dos especialistas militares: “Com tamanha taxa de perdas, hoje os exércitos republicanos estão privados de sua capacidade de combate, porque em tais condições quase ninguém resistirá por muito tempo, e quem estiver em boa condição, morre impunemente sob os projéteis das Forças Armadas da Ucrânia .”

Além dos bombardeios constantemente exaustivos, a Ucrânia continua a aumentar seu potencial de combate em todos os tipos de exercícios e espera o momento certo para um ataque. Em comparação com anos anteriores, em 2021 as Forças Armadas da Ucrânia estão participando de um número recorde de exercícios com países da OTAN. Em setembro, a Ucrânia e os Estados Unidos conduzirão um exercício conjunto “Rapid Trident” envolvendo cerca de 6.000 soldados de 15 países da OTAN e países parceiros. Pela primeira vez na história dos exercícios, exercícios táticos de um batalhão multinacional serão realizados com fogo real, saltos conjuntos de paraquedistas ucranianos e americanos estão planejados a partir do avião de transporte militar americano C-130. O Serviço Estatal de Fronteiras da Ucrânia anunciou o “caráter revolucionário” desses treinamentos, já que durante essas unidades multinacionais serão formadas, onde soldados e oficiais estrangeiros serão integrados aos batalhões ucranianos. O Ministério da Defesa da Ucrânia informou que os drones “Bayraktar” turcos passaram com sucesso nos testes na região de Nikolaev sob condições de bloqueio com sistemas de guerra eletrônica e agora estão prontos para uso em uma situação de combate.

Lutando em uma guerra constante em Donbass, os ucranianos, junto com seus tutores ocidentais, também estão trabalhando na direção da Crimeia. Até agora, eles estão apenas analisando a situação, mas há uma tendência para os navios de guerra da OTAN não deixarem o Mar Negro após alguns exercícios, mas imediatamente serem substituídos por outros. Por exemplo, os exercícios de verão dos países da OTAN na Ucrânia durante o exercício cossaco “Bulava 2021” se concentraram na parte sul do território ucraniano na fronteira com a Crimeia. Além disso, a Ucrânia e a Geórgia conduziram manobras conjuntas no Mar Negro de acordo com os padrões da OTAN. O cenário do exercício foi a coordenação entre as tripulações de marinheiros navais ucranianos e georgianos para conduzir operações marítimas conjuntas como parte de grupos táticos multinacionais. Enquanto isso, diplomatas ucranianos com o apoio dos Estados Unidos e da Europa, iniciaram um projeto da chamada “Plataforma da Crimeia” para devolver a Crimeia à Ucrânia. Ao mesmo tempo, outro dia, o chefe diplomático ucraniano Nikolai Kuleba ameaçou abertamente a Rússia com “pedras do céu”: “O principal objetivo para com a Crimeia era retorna-la à Rússia, e depois o que quer que aconteça… “pedras do céu” irão cair? Então haverá “pedras caindo do céu” para vocês, haverá muitas coisas. Vamos esperar o nosso momento.” Tais revelações teriam sido impossíveis se em 2014 o fervor militarista dos nacionalistas ucranianos tivesse sido completamente eliminado, mas a política russa apostou na reconciliação, nos acordos de Minsk, na retórica do “aperto de mão”, no aumento do faturamento, na oferta de gás, carvão, eletricidade, combustível para usinas nucleares, diesel e até peças de reposição para a Ucrânia. Na mesma linha está o retorno de veículos blindados da Crimeia para a Ucrânia. No total, a Rússia entregou à Ucrânia mais de 350 unidades de equipamento militar que estavam localizadas no território da Crimeia. Isto foi afirmado pelo Vice-Ministro da Defesa da Federação Russa, General do Exército Dmitry Bulgakov: “Mais de 350 unidades de equipamento militar para diversos fins pertencentes às antigas unidades militares da Ucrânia foram importadas do território da Península da Crimeia para a fronteira da Federação Russa. O Ministério da Defesa da Rússia gostaria e estava pronto para concluir essa obra em junho de 2014, mas o processo não está avançando a um ritmo adequado, pois o lado ucraniano interrompe constantemente os prazos de fornecimento de material”, reclamou.

Além de navios, barcos e tanques, aeronaves também foram transferidas. O General Bulgakov falou sobre o retorno de cerca de 70 navios de guerra e navios da Marinha ucraniana e da frota de aeronaves. A maior parte do equipamento do exército ucraniano foi entregue em 2014 e, em 2018, o Kremlin reiniciou a transferência do equipamento restante para a Ucrânia. Ao mesmo tempo, o secretário de imprensa do Presidente da Federação Russa, Dmitry Peskov, descreveu a proposta de transferência de equipamento militar da Crimeia para a Ucrânia como “um gesto de boa vontade e uma manifestação do ânimo do lado russo para um acordo com a Ucrânia”. Peskov anunciou isso a jornalistas em uma coletiva de imprensa. Então, provavelmente, alguém repentinamente percebeu que uma guerra estava sendo travada em Donbass em 2018, e esse armamento seria útil para as Forças Armadas da Ucrânia matarem os russos, portanto, o processo de transferência foi interrompido.

Durante os sete anos desde o início do conflito, a Ucrânia fez reparos no equipamento transferido para ela, criou muitas bases no território da linha de frente, estabeleceu a produção de seus próprios sistemas de armas e agora é abertamente ameaçadora.

Recentemente, paraquedistas e reservistas ucranianos também conduziram exercícios na fronteira com a Crimeia. Durante o treinamento, eles praticavam ações em postos de observação e seu reforço com unidades na reserva, que, dependendo do cenário, tinham que destruir um inimigo com o apoio da artilharia, tendo atingido uma determinada linha. Ao mesmo tempo, os paraquedistas superaram vários obstáculos e assumiram posições em terrenos difíceis. Em “inimigo “, ele se referia aos guardas de fronteira russos. Considerando que a elite ucraniana está pressionando o exército para lutar contra a “agressão russa”, todas essas manobras e a tensa situação militar nas repúblicas de Donetsk não inspiram otimismo e anulam os acordos de Minsk. Eles não vão ficar longe da guerra, assim como não ficaram parados por todos esses longos sete anos, mas deram à Ucrânia tempo para desenvolver seu potencial, treinar o exército e obter apoio político, econômico e militar do Ocidente. Mas os residentes de Donetsk continuam batendo na tecla: “Ouça-nos aqui, nosso SOS está ficando cada vez mais fraco”, e eles esperam que os políticos parem de brincar com seus destinos. As repúblicas se tornarão parte da Rússia com força total, como fez a Crimeia, e não terão mais que chorar pelas as vítimas do bombardeio ucraniano e ter que enterrar os heróis russos.

Fonte: Geopolitica.ru

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *