Dugin: “Não existe progresso. O progresso é uma ilusão”

Se há um crença absoluta da nossa geração é a fé no progresso, ou seja, de que o mundo hoje é melhor do que no passado, que a história consiste em uma melhoria constante do mundo e que o futuro será garantidamente melhor do que o presente. Mas será que o desenvolvimento linear é uma característica intrínseca da história, ou não passa de um paradigma ideológico no qual a humanidade foi convencida a acreditar?

Mais cedo ou mais tarde, alguém tinha que dizê-lo. A ideia de progresso é pura ilusão. Até nos separarmos deste preconceito, todos os nossos projetos e planos, análises e reconstruções históricas, todas as nossas ideias científicas repousarão sobre uma falsa base. Está na hora de dizer adeus à própria ideia de progresso.

Não há um desenvolvimento progressivo linear das sociedades humanas.

Uma vez que reconheçamos isto, tudo se encaixará imediata e instantaneamente.

A ideia de progresso foi inicialmente formulada por enciclopedistas no século XVIII, e tem origem na teoria herética de Joachim de Fiore sobre os três reinos – o do Pai, o do Filho e o do Espírito Santo. A tradição cristã ortodoxa reconhece a era do Antigo e do Novo Testamento, ou seja, a era do Pai e do Filho, mas o fim da civilização cristã é seguido por um curto período de apostasia, a vinda do Anticristo, e depois o fim do mundo. E nenhum reavivamento espiritual especial, nenhuma melhoria do cristianismo é esperada.

Quando a era do Filho termina, a humanidade cai – segue-se a degeneração, o colapso e a degradação. Joachim de Fiore e seus seguidores, em sua maioria franciscanos católicos, ao contrário, consideravam o futuro maravilhoso, e após a queda da civilização cristã medieval, eles profetizaram o início de algo ainda mais sublime e sagrado – o reino do “Espírito Santo”. Os enciclopedistas não mais acreditavam na “era do Espírito Santo”, assim como na Igreja e no próprio Deus. Mas a convicção no fim da cultura cristã era compartilhada e o fim da religião e o início de uma nova sociedade foram alegremente proclamados. Depois do cristianismo deveria chegar algo mais justo, mais perfeito, mais racional e mais democrático, mais avançado.

Foi assim que os ateus e materialistas – Turgot, Condorcet, Diderot, Mercier – desenvolveram a teoria do progresso universal da humanidade, que foi rapidamente elevada ao status de dogma absoluto. As pessoas da modernidade foram encorajadas a duvidar de tudo – Deus, homem, mente, matéria, sociedade, hierarquia, filosofia, mas duvidar do progresso… Não, isto é algo de sagrado.

Por que isto é axiomático? Por que a opinião de alguns pensadores – e não os mais brilhantes e impressionantes – de repente adquiriu o status de dogma? E por que não se pode dar ao luxo de criticar o progresso, de discuti-lo racionalmente, questioná-lo?

Há algum tipo de mistério nisto. Nos tempos modernos, o progresso não pode ser categoricamente refutado. Esta característica é comum a todas as ideologias políticas – liberalismo, comunismo e nacionalismo, a todas as escolas científicas – idealista ou materialista. A crença no progresso se tornou um tipo de religião. E a religião não exige provas. Quanto mais absurda, mais confiável.

Assim, com uma referência ao progresso, a Modernidade descartou a Antiguidade, a Idade Média, a teologia, as tradições de Platão e Aristóteles, a hierarquia, o Império, a monarquia, os fundamentos antigos do trabalho sagrado dos camponeses.

É claro que houve críticas ao progresso – tanto do lado dos tradicionalistas quanto de alguns pensadores que aderiram à ideia cíclica da lógica da história, e na escola dos estruturalistas europeus, e nas teorias dos novos antropólogos. O mito do progresso foi derrotado de forma convincente pelo notável sociólogo russo-americano Pitirim Sorokin.

Mas na consciência pública – e até mesmo no inconsciente coletivo – ele manteve sua posição dominante. Apesar de tudo – uma série de catástrofes políticas em larga escala, uma degeneração óbvia da cultura moderna, um colapso dos sistemas sociais, as descobertas sinistras da psicanálise, ou uma crítica irônica ao pós-modernismo, a humanidade ainda acredita cegamente no progresso. E assim continua a agravar a situação.

Mas basta admitir que foi uma heresia, uma hipótese infundada, completamente refutada pelo próprio curso da história, pois o quadro da realidade ao nosso redor voltará a se concentrar.

A civilização moderna está em um estado de profundo declínio. Esta é uma confissão amarga, mas não é o mesmo que desespero. Se tudo deu errado – e tudo realmente deu errado – vamos voltar à plenitude e à saúde, vamos restaurar tudo como estava – no estado que existia antes de dar errado. Além disso, a rejeição do progresso de forma alguma proíbe o reconhecimento da melhoria de certos aspectos da vida. Mas isso não o torna uma lei obrigatória.

Algo está melhorando. Algoestá piorando. Além disso, uma fase pode substituir outra. E em sociedades diferentes, estes ciclos – se eles tiverem algum algoritmo universal – podem não coincidir. Em algum lugar agora há progresso, e em algum lugar há regressão. Verão na Rússia, inverno na Argentina. Sem progresso, restauraremos tanto nossa racionalidade sóbria quanto nossa liberdade. Podemos fazer do mundo um lugar melhor, mas também podemos piorá-lo. É preciso pensar novamente toda vez que se vai fazer alguma coisa. Comparar, analisar, referir-se à história, repensar o legado do passado – sem qualquer arrogância ou preconceito. Nada está garantido, tudo depende de nós.

Portanto, vamos fazer com que nosso ser seja digno. Certamente melhor do que agora. Mas para dar pelo menos um pequeno passo nessa direção, é necessário descartar impiedosamente a idéia de progresso – essa heresia pervertida, perigosa e corruptora.

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é<em> </em>um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *