O Problema da Pornografia

Cada vez mais endêmica, e consumida por adolescentes cada vez mais cedo, a pornografia é vista pela cultura hegemônica e pela mídia de massas como inofensiva e até mesmo como “benéfica”. Mas quais são as consequências reais do vício em pornografia para a saúde masculina e para os seus relacionamentos pessoais?

A pornografia está em toda parte hoje em dia. É impossível identificar quando isso aconteceu, mas em algum momento nas últimas décadas, a pornografia se tornou mainstream. Antigamente você tinha que ir à parte “esquisita” da cidade para pegar uma revista ou encomendar um filme pornô que vinha em uma embalagem marrom insuspeita. Agora, você pode encontrar pornografia praticamente em qualquer lugar que você procure. Na TV, em sua livraria local, e especialmente na internet.

Este movimento de popularização e normalização da pornografia é geralmente visto como uma libertação saudável dos costumes sexuais sufocantes das gerações mais velhas. Embora seja fantástico que a sociedade tenha superado seu puritanismo, eu acho que o pêndulo balançou muito quando se trata da ubiquidade da pornografia em nossa cultura. Infelizmente, os efeitos nocivos que a pornografia pode ter sobre homens e mulheres passam muitas vezes despercebidos pela mídia. Muitos homens ficam com a impressão de que a proliferação da pornografia é um fenômeno inteiramente saudável. Mas que efeito está tendo a pornografia sobre os homens? Quando olho em volta para os homens hoje, eu diria, sem equívoco, que ela está minando a sua masculinidade.

Uma abordagem razoável

A pornografia é uma questão tão polarizadora, que é fácil para as pessoas tomarem lados extremos ao lidarem com ela. Muitas vezes, as pessoas religiosas, apesar de muito sinceras em suas crenças, marcam a pornografia como lixo vil que transforma homens bons em pervertidos sexuais e leprosos impuros. Eu já assisti a muitos sermões da igreja onde a pornografia é abordada desta forma. No entanto, tal abordagem dificilmente ajuda os homens a pensar racionalmente sobre o assunto. Ao contrário, ela transforma a pornografia em um fruto proibido ainda mais desejável, empurra o consumo de pornografia para um fetiche clandestino secreto e impede que os homens sejam honestos em sua necessidade de ajuda.

O outro extremo vê a pornografia apenas como uma expressão saudável da sexualidade. A pornografia é encorajada abertamente a fim de ajudar as pessoas a descobrir o que lhes agrada sexualmente, não importa quão gráfico ou violento seja o material. As pessoas neste campo argumentarão que, desde que adultos consentidos estejam envolvidos e ninguém se machuque, então vale tudo. No entanto, esta abordagem não reconhece os efeitos prejudiciais que a pornografia pode ter sobre um indivíduo, sobre as mulheres e sobre a sociedade.

Nenhum dos extremos é útil. O que eu quero ter hoje é uma discussão franca, racional, sobre a pornografia e seus efeitos sobre os homens. Vou colocar minhas cartas na mesa desde o começo. Não acho que a pornografia seja boa em nenhum cenário. Eu simplesmente já vi muita gente sofrer com isso. Mas entendo que pessoas razoáveis podem discordar sobre esta questão.

A pornografia pode arruinar sua vida

Algumas pessoas têm argumentado que o uso de pornografia pode ser tão viciante quanto o uso de drogas. Pessoalmente, eu não gosto do rótulo de vício. É muito fácil esconder-se atrás dele como a razão pela qual você não pode mudar. Quando penso em vício, penso nas pessoas que sofrem sintomas de abstinência física quando finalmente deixam de fumar. Ainda não conheci ninguém que tenha tido tremores quando eles passam uma semana ou duas sem ver pornografia.

Não há dúvida, porém, de que a pornografia pode ser uma compulsão total. É mais como comida para um comedor compulsivo. Uma vez que você faz essas conexões de prazer em seu cérebro, elas podem ser muito difíceis de quebrar. E não é um exagero dizer que a pornografia pode arruinar sua vida. Eu sei de alguns casamentos que se romperam por causa do vício insaciável do cara por pornografia. E sei de namorados e namoradas de longa data que se separaram por causa disso. As histórias lá fora são reais e numerosas. O homem que sai da cama à noite e se esgueira de sua esposa para ver pornografia em seu escritório. O homem que guarda um esconderijo secreto de revistas em seu carro. O homem que assiste pornografia no trabalho e é despedido quando é pego. Eu poderia continuar.

Não nego que alguns homens podem consumir pornografia e não sofrer este tipo de conseqüências. Assim como conheço homens que bebem ocasionalmente e não são alcoólatras, conheço homens que se envolvem com pornografia e não se tornam usuários compulsivos de pornografia. Mas mesmo que você seja um desses homens que podem consumir pornografia sem se tornar dependente dela, ainda acho que há um argumento a ser defendido de que a pornografia deve ser evitada. Ela simplesmente não fará de você um homem melhor, no mínimo. E pode diminuir sua masculinidade por várias razões.

Como a pornografia mina a sua virilidade

1 – Ela objetifica as mulheres.

Um homem de verdade vê uma mulher pelo que ela é. Ele a respeita e à sua individualidade. Ele a vê como sua igual e como uma pessoa que merece respeito. É preciso muito trabalho e esforço para interagir com as mulheres, mas um homem de verdade tem bolas para fazer isso.

A pornografia, por outro lado, objetifica a mulher. Ele transforma as mulheres em “coisas” que só existem para gratificar o impulso sexual de um homem. A pornografia elimina qualquer necessidade de se conectar com uma mulher emocional ou intelectualmente.

Se você quiser ter uma idéia de como as pessoas de dentro da indústria pornográfica se sentem em relação às mulheres, basta perguntar a Bill Margold, um artista de longa data. Para Margold, a “razão de ser desta indústria é satisfazer o desejo dos homens do mundo que basicamente não se importam muito com as mulheres e querem ver os homens na indústria [pornográfica] se vingarem das mulheres que eles não poderiam ter”. Um escritor de filmes pornográficos (eles têm escritores?) disse que a pornografia cria a ilusão “de que as mulheres estão realmente em seu devido lugar e que não há um sério desafio à autoridade”.

Se você tem que ver pornografia para poder se sentir como um homem, você tem alguns problemas. Homens de verdade não precisam transformar as mulheres em coisas para se sentirem como homens.

2 – Ela sustenta uma indústria imunda

Quase nenhum homem que eu conheço contrataria uma prostituta para fazer sexo. A idéia de pagar a um estranho por sexo viola seu senso de decência. Mas a pornografia é basicamente prostituição, apenas a alguns passos de distância. Não importa como você a enquadra ou racionaliza, você está pagando a um estranho para ter sexo. É bastante nojento quando você dá um passo atrás: você está pagando as pessoas para fazer sexo para que você possa vê-las fazer isso. Nenhum homem jamais quereria que sua irmã fosse uma estrela pornô, então por que a irmã de outra pessoa pode fazer isso? Quanto mais pornografia é consumida, mais pornografia é feita. Mesmo que você esteja sentado em seu porão em Omaha, você tem uma mãozinha no crescimento da indústria.

3 – Ela vai alterar as suas expectativas em relação ao sexo.

A pornografia cria expectativas irrealistas na mente dos homens sobre amor e sexo. Na pornografia, as mulheres estão sempre com tesão e prontas para transar e têm corpos aerodinâmicos perfeitos. O melhor de tudo é que as mulheres não falam. Os homens não têm que se preocupar em chatear ou ter que interagir com as mulheres que eles vêem em vídeos. Os homens podem simplesmente ter o que querem, e ir embora.

A realidade é que as mulheres não querem transar o tempo todo, nem todas as mulheres têm tetas do tamanho de um melão, e as mulheres gostam de falar. Às vezes, muito.

Assim, homens obcecados por pornografia têm dificuldade em iniciar qualquer tipo de relacionamento significativo porque as garotas que encontram não estão à altura das mulheres em seus vídeos e em seus websites. E quando um homem estabelece uma relação sexual amorosa, muitos sociólogos têm observado que os homens que usaram pornografia vêem sua parceira através de um “filtro pornográfico”. Eles recorrem à fantasia impessoal de alguma cena pornográfica quando estão fazendo sexo, porque o amor por sua parceira não é suficiente para satisfazê-los.

O homem com cérebro pornográfico também empurra sua mulher para fazer coisas com as quais ela não está muito à vontade, procurando representar as cenas exóticas que ele viu no filme. E ele vai pensar que as mulheres se amarram nisso tudo. Em sites como Jezebel (cujas escritoras estão longe de ser mulheres puritanas) as mulheres reclamam que os homens desta geração às vezes fazem coisas como ejacular no rosto na primeira vez que fazem sexo, pensando que todas as mulheres acham que isso é realmente agradável. Que comentário triste sobre os homens de hoje.

Se você quer ter uma boa vida amorosa, evite a pornografia.

4 – Ela cria um ciclo que diminui seu prazer sexual

Enquanto a sociedade diz que mais é sempre a chave para a felicidade, a verdade é que é a moderação que é. Os receptores de prazer de nossa mente são mecanismos sensíveis. Quando se experimenta algo novo pela primeira vez, seja em viagens, comida ou pornografia, os estímulos ativam facilmente estes receptores. Mas após a exposição repetida aos estímulos, seu prazer atinge um platô. Neste ponto, as pessoas frequentemente procuram mais – mais comida, mais sexo, mais pornografia, etc., a fim de recuperar o prazer inicial que uma vez tiveram na experiência. Mas isto só inicia um ciclo vicioso no qual você deve buscar um estímulo cada vez maior e mais intenso para retornar ao seu nível inicial de prazer. Eventualmente, você sobrecarrega e entorpece seus receptores de prazer. Estudos têm mostrado que ao olhar para pornografia você se acostuma com o nível de grafismo que é retratado e depois precisa elevar esse nível para obter a mesma emoção. E onde esse ciclo vai terminar?

Embora a sociedade possa vendê-lo com a idéia de que quanto mais imagens sexuais você amontoar em sua vida, mais feliz você será, o oposto é verdadeiro. Para citar Naomi Wolfe:

A razão para desligar a pornografia pode se tornar, para pessoas atenciosas, não uma razão moral, mas, de certa forma, uma razão física e emocional; você pode querer repensar seu acesso constante à pornografia da mesma forma que, se você quiser ser um atleta, você repensa seu consumo de cigarros. A evidência está aí: Uma maior oferta de estimulante é igual a uma capacidade diminuída.

Afinal de contas, a pornografia funciona da maneira mais básica no cérebro: Ela é pavloviana. Um orgasmo é um dos maiores reforços imagináveis. Se você associa o orgasmo com sua esposa, um beijo, um cheiro, um corpo, é isso que, com o tempo, o excitará; se você abre seu foco para um fluxo infinito de imagens cada vez mais transgressoras de escravas cibersexuais, isso é o que será necessário para excitá-lo. A ubiquidade das imagens sexuais não liberta o eros, o dilui. Outras culturas sabem disso. Não estou defendendo um retorno aos dias em que se escondia a sexualidade feminina, mas observando que o poder e a carga do sexo são preservados quando há alguma sacralidade, quando ele não está sempre jorrando.

5 – Ela abala sua confiança masculina

A pornografia abala muito da confiança que você tem em você mesmo. Os homens geralmente se voltam para a pornografia quando estão deprimidos e solitários. Em vez de fazer o esforço de sair e conhecer mulheres de verdade, muitos homens tomam o caminho mais fácil com a pornografia. Na maioria das vezes, depois de conseguirem a sua dose, os homens se sentem ainda mais deprimidos e solitários porque a única intimidade que podem obter é com uma revista ou um vídeo na web. Isso os deixa sentindo-se vazios por dentro. Pior ainda, a pornografia pode se tornar uma muleta para um homem, o que, por sua vez, pode minar ainda mais sua confiança.

Fonte: Art of Manliness

Brett McKay

Fundador e editor-chefe da revista online Art of Manliness.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *