Uma introdução ao poder através das lentes de Bertrand de Jouvenel

Por C.A. Bond

Poder ilimitado leva de fato, sempre, para a tirania? Como os poderes dominam uns aos outros e como o conceito de “indivíduo” foi sendo criada durante a história. Nessa análise sobre os escritos de Bertrand De Jouvenel, veremos as respostas para isso.

Em 1945, um livro notável foi publicado sob o título On Power: The Natural History of your Growth [i], que na época parece ter sido bem recebido. O autor, Bertrand de Jouvenel, viria a se tornar um membro fundador da sociedade do Monte Pelerin dois anos depois. Desde então, não tem se saído bem, o que é surpreendente quando se considera a profundidade e a visão do livro.

A teoria política de Jouvenel apresentada em On Power é aquela que fornece uma interpretação da sociedade humana e do papel do poder (especialmente o poder centralizador dominante, que é denominado “Poder”) como seguindo certos imperativos dependentes da posição relativa dos atores em questão. Essa concepção de poder reconhece tanto a natureza social do poder quanto a natureza expansionista do poder. Como Jouvenel escreve:

A dualidade é irredutível. E é por meio da interação desses dois princípios antitéticos que a tendência do Poder é ocupar um lugar cada vez maior na sociedade; as várias conjunturas de eventos o acenam ao mesmo tempo em que seu apetite o está conduzindo para novos pastos. Assim, segue-se um crescimento de Poder sem limites, um crescimento que é fomentado por exterioridades cada vez mais altruístas, embora a mola motriz seja ainda como sempre o desejo de dominar. [Ii]

É neste ponto que podemos agradecer a Jouvenel pelo modelo que ele fornece e também rejeitar suas tentativas de adaptar este sistema de insights para uma defesa da governança mista no livro VI. [Iii] Embora seja necessário reconhecer a dívida de Jouvenel , também é tão importante explicar exatamente como e onde desenvolvimentos posteriores de Jouvenel se afastam dele de uma maneira que retém a coerência de sua descoberta, ao mesmo tempo que rejeita sua adesão a um liberalismo clássico que, em essência, é um artefato cultural do mesmo poder conflito que ele descobriu.

O modelo, que podemos adotar sem a confusão proporcionada pela filiação política de Jouvenel, é aquele que mostra que o Poder atua tanto para sua própria expansão e segurança, quanto como um processo social em benefício dos que estão sob a alçada do Poder. Com essa base aproximada, podemos começar a ver o desenvolvimento da governança de uma maneira mais sofisticada e ver um processo que foi ocultado pela teoria liberal moderna; escondidos precisamente por aqueles elementos da modernidade que exigem que vejamos os humanos como agentes egoístas que trabalham por meios principalmente egoístas.

Basta revisar as obras da tradição liberal, como as de Thomas Hobbes, David Hume ou Adam Smith para ver que o agente humano na tradição liberal moderna é aquele que opera em uma base individual dentro de uma estrutura moral que leva o agente humano como entidade anti-social. Não é surpresa, então, que toda teoria liberal considere a governança como, na melhor das hipóteses, um mal necessário a ser mantido para evitar todo o conflito (Hobbes) ou como algo a ser rejeitado inteiramente como uma entidade imoral (vários anarquismos). Todos os aspectos da modernidade estão ligados por esses mesmos pressupostos éticos compartilhados aos quais todas as suas teorias devem estar de acordo. Se, ao contrário da tradição liberal moderna, o agente humano não é um agente anti-social agindo por interesse próprio determinado individualmente, mas sim social, então devemos ver as ações do agente humano sendo não apenas de acordo com o interesse do indivíduo baseado nas circunstâncias, mas também com o interesse percebido da sociedade em que o indivíduo reside. Isso valeria tanto para os súditos quanto para os governantes. O governante tirânico da mente liberal moderna, agindo aleatoriamente por crueldade porque não são restringidos por freios e contrapesos, provaria ser uma ficção.

O modelo estendido que pode ser derivado de Jouvenel é excepcionalmente simples, mas de importância devastadora. É simplesmente que, em qualquer configuração política, se houver vários centros de poder, então o conflito ocorrerá à medida que os centros de poder buscam assegurar sua posição e buscar expansão, o que será feito com o propósito ostensivo do bem da sociedade em mente. O centro de poder dominante se tornará o poder central. Este Poder dominante ampliará seu mandato e poder não por conflito físico direto (o que na verdade significaria uma guerra civil total), mas por meios apresentados (e vistos tanto pelos atores no poder quanto pelos que se beneficiam) como sendo benéficos para a sociedade em geral.

O exemplo da expansão do mandato dos monarcas da Europa e sua transformação no estado moderno é apresentado por Jouvenel para demonstrar esse modelo, e o quadro pintado é nítido e repetidamente apoiado por registros históricos. Como Jouvenel deixa bem claro: “É verdade, sem dúvida, que o Poder não poderia fazer esse progresso, mas pelos serviços muito reais que presta e sob a cobertura das esperanças despertadas por suas exibições do lado altruísta de sua natureza.” [4]

Por exemplo:
Para conseguir favores, o Poder deve invocar o interesse público. Foi assim que a Guerra dos Cem Anos, ao multiplicar as ocasiões em que a monarquia foi obrigada a pedir a cooperação do povo, acostumou-o, no final, após uma longa sucessão de imposições ocasionais, a um imposto permanente e resultado que sobreviveu às razões para isso. Foi assim, também, que as Guerras Revolucionárias forneceram a justificativa para o alistamento, embora os arquivos de 1789 revelassem uma hostilidade unânime ao seu início frágil sob a monarquia. O alistamento conseguiu a fixação. E assim é que tempos de perigo, quando o Poder age pela segurança geral, valem muito para ele em acréscimo ao seu arsenal, e estes, quando a crise passa, ele mantém. [V]

É claro que não é apenas em tempos de perigo público que o poder atua em nome do interesse público. A direção da competição do monarca não era apenas em direção a centros de poder externos para os quais a guerra aberta era socialmente permissível, mas também concorrentes internos na forma de barões e senhores para os quais a guerra aberta não era permitida (geralmente). Para eles, um processo que pode ser mais bem descrito como uma coalizão dos altos e baixos da sociedade estava em ação. Como Jouvenel observa com relação ao Poder:

O crescimento de sua autoridade atinge os indivíduos privados como sendo não tanto uma invasão contínua de sua liberdade, mas uma tentativa de derrubar várias tiranias mesquinhas às quais eles estão sujeitos. Parece que o avanço do estado é um meio para o avanço do indivíduo. [Vi]

Jouvenel desenvolve ainda mais sobre isso com o seguinte: “a monarquia, por meio de seus advogados, se interpõe entre os barões e seus súditos; o objetivo é obrigar os primeiros a se limitarem às taxas habituais e a absterem-se de tributação arbitrária. ”[vii]

A monarquia, então, engajou-se nessa aliança com o povo comum devido aos imperativos que sua posição relativamente fraca lhe impôs, e também como um meio de governar ostensivamente melhor. A monarquia era tudo menos um despotismo que a propaganda liberal moderna pós-iluminismo apresentou como, mas sim uma estrutura política sob restrições que eram genuínas – uma realidade para a qual estamos cegos devido aos pressupostos compartilhados fornecidos pela modernidade, ou seja, que passamos de um período de escuridão para a iluminação do governo liberal. Essas suposições foram perpetuadas pela expansão do Poder.

É aqui que podemos ir além de Jouvenel e refletir mais sobre a questão da liberdade pessoal, recusando-nos a nos engajar na defesa do liberalismo clássico e estando cientes dessas suposições de interesse próprio. Podemos então usar sua observação dessa aliança alto-baixo para fazer algumas afirmações surpreendentes que acredito estarem implícitas em seu trabalho. As bases dessas observações são fornecidas pela seguinte passagem:

Se a tendência natural do Poder é crescer, e se ele pode estender sua autoridade e aumentar seus recursos somente às custas dos notáveis, segue-se que seu aliado para todos os tempos são as pessoas comuns. A paixão pelo absolutismo está, inevitavelmente, em conspiração com a paixão pela igualdade.

A história é uma prova contínua disso; às vezes, porém, como que para esclarecer esse processo secular, ela o concentra em uma peça de um ato, como a do Doge Marino Falieri. A nobreza veneziana era tão independente do Doge que Michel Steno poderia insultar a esposa do Doge e escapar da punição que era tão ridícula a ponto de dobrar o insulto. Na verdade, esta nobreza estava tão acima das cabeças do povo que Bertuccio Ixarello, um plebeu, não foi capaz, apesar de suas façanhas navais, de obter satisfação por um tapa dado por Giovanni Dandalo. De acordo com a história aceita, Bertuccio foi até o Doge e mostrou-lhe a ferida em sua bochecha do anel do patrício; envergonhando o Doge de sua inatividade, ele disse a ele: “Vamos unir forças para destruir esta autoridade aristocrática que perpetua a humilhação de meu povo e limita tão estreitamente seu poder.” A aniquilação da nobreza daria a cada um o que ele queria – igualdade para o povo comum, para o absolutismo de poder. A tentativa de Marino Falieri falhou e ele foi condenado à morte.

Um destino semelhante se abateu sobre Jan van Barneveldt, cujo caso foi exatamente o oposto. Na história da Holanda, encontramos o mesmo conflito entre um príncipe que deseja aumentar sua autoridade, neste caso o Stadtholder da Casa de Orange, e autoridades sociais em seu caminho, neste caso os ricos comerciantes e armadores de Holanda. Guilherme, comandante-chefe ao longo de trinta anos difíceis e gloriosos, estava se aproximando da coroa e já a havia recusado uma vez, assim como César e Cromwell, quando foi abatido pela mão do assassino. O príncipe Maurice herdou o prestígio do pai, acrescido de vitórias próprias, e parecia prestes a atingir a meta, quando Barneveldt, tendo organizado secretamente uma oposição patrícia, pôs fim às ambições de Maurice pondo fim, através da conclusão da paz , a vitórias que se mostravam perigosas para a República. O que Maurice fez então? Aliou-se aos mais ignorantes dos pregadores, que eram, por feroz intolerância, os mais aptos a excitar as paixões das ordens inferiores: graças aos seus esforços, ele libertou a turba em Barneveldt e decepou-lhe a cabeça. Essa intervenção do povo permitiu a Maurício executar o líder da oposição em seu próprio poder crescente. O fato de não ter conquistado a autoridade que buscava não se deveu a nenhum equívoco na escolha dos meios, como ficou demonstrado quando um de seus sucessores, Guilherme III, se fez finalmente senhor do país por meio de um levante popular, no qual Jean de Witt, o Barneveldt desse período, teve sua garganta cortada. [Viii]

É uma posição sem controvérsia traçar as origens do liberalismo, do liberalismo clássico e da modernidade em geral até o Protestantismo e a Reforma. Se o que Jouvenel descreve na passagem acima e no restante de On Power estiver correto, então parece bastante evidente que as origens do protestantismo e seu sucesso são resultado desses mesmos conflitos entre esses vários centros de poder – algo que Jouvenel aponta com sua referência à igualdade sendo aliada do Poder. Parece que realmente igualdade e liberdade estão em conspiração com o Poder, pois o que era o descendente intelectual subsequente desses “pregadores mais ignorantes” senão a tradição liberal por si só? Portanto, temos um enigma. Jouvenel está escrevendo em defesa de uma posição política liberal que ele está claramente demonstrando ter sido propagada e favorecida por atores de poder em conflito com outros atores de poder. A pergunta que podemos nos fazer neste momento é: como isso está de acordo com a narrativa aceita do desenvolvimento do liberalismo? Porque as implicações radicais apresentadas pelo modelo de Jouvenel são que todo esse paradigma político e social foi favorecido e impulsionado não pelo discurso racional e pelo esclarecimento coletivo, mas na realidade como resultado de sua adequação e caráter benéfico em relação à expansão do Poder.

Ao fazer tal pergunta, o foco de nossa atenção deve, portanto, mudar de considerações populares do liberalismo como um discurso racional conduzido ao longo de muitos séculos para o qual o consentimento de agentes racionais e razoáveis ​​foi conquistado, para, em vez disso, uma consideração dele como sendo o resultado de ações institucionais. Com efeito, vamos a teoria Whig da história, do Progresso etc. para uma que identifica a modernidade como o resultado cultural do conflito institucional.

Felizmente, muito trabalho nessa nova interpretação do desenvolvimento histórico do liberalismo já foi feito, mas os autores em questão, como Jouvenel, não compreenderam totalmente as implicações de suas observações. Alguns dos exemplos recentes mais marcantes incluem The Myth of Religious Violence [ix] de William T Cavanaugh e Inventing the Individual [x] de Larry Siedentop, que ambos lidam com os eventos que levaram ao desenvolvimento do liberalismo moderno e além. Cavanaugh, em particular, é bastante convincente em chamar a atenção do leitor para a maneira pela qual o conflito institucional precedeu o desenvolvimento do liberalismo e a Reforma e Jouvenel nos convida a nos aprofundarmos nisso.

Citando os exemplos de Baruch Spinoza, Thomas Hobbes e John Locke, [xi] que apresentaram a divisão religiosa como a causa dos conflitos da Guerra dos Trinta Anos que levaram ao liberalismo, Cavanaugh observa que essa narrativa não tem base histórica. Mais pensadores liberais modernos seguiram posteriormente o nascimento do liberalismo aos chamados conflitos religiosos deste período, com Cavanaugh citando Quintin Skinner, Jeffrey Stout, Judith Shklar e John Rawls como exemplo disso. [Xii] O problema, como Cavanaugh se esforça destacar, é que as mudanças institucionais que deveriam ter sido introduzidas como resultado dos conflitos religiosos na verdade as pressagiaram e causaram. Para piorar as coisas, não há uma linha divisória clara entre as denominações no conflito. Para reforçar seu argumento, ele fornece amplos exemplos de conflito ocorrendo entre estados com as mesmas denominações, bem como colaboração entre diferentes denominações (incluindo Estados católicos e protestantes). A observação mais incisiva é fornecida pelo exemplo do conflito entre Carlos V e o papado:

Como Richard Dunn aponta, “os soldados de Carlos V saquearam Roma, não Wittenberg, em 1527, e quando o papado tardiamente patrocinou um programa de reforma, tanto os Habsburgos quanto os Valois se recusaram a endossar muito dele, rejeitando especialmente os decretos trentinos que invadiram sua autoridade soberana.” As guerras da década de 1520 foram parte da luta contínua entre o papa e o imperador pelo controle da Itália e da Igreja nos territórios alemães. [Xiii]

Cavanaugh até consegue encontrar uma citação maravilhosa do Papa Júlio III reclamando das ações de Henrique II da França: “No final, você é mais do que Papa em seus reinos … Não sei por que você deseja se tornar cismático.” [Xiv]

Claramente, aqueles em posições de poder não tiveram problemas em ver o cisma como um jogo de poder.

Como tal, podemos ver claramente o papel do mecanismo de poder de Jouvenel empregando seitas dissidentes no processo de expansão do poder. O emprego de seitas cismáticas e a promoção do que Jouvenel chamou de “o mais ignorante dos pregadores” [xv] torna-se um meio óbvio de estender o poder dos centros de poder em questão. Esta observação é apoiada pela tese apresentada por Cavanaugh de que a Reforma falhou nos estados que avançaram na absorção do poder eclesiástico pelo estado:
É indiscutivelmente o caso de que o reforço da diferença eclesiástica no início da Europa moderna foi em grande parte um projeto de elites construtoras de Estados. Como G. R. Elton coloca sem rodeios, “A Reforma manteve-se onde quer que o poder laico (príncipe ou magistrados) a favorecesse; não poderia sobreviver onde quer que as autoridades decidissem suprimi-lo.”[xvi]

Em contraste:
Onde a Reforma teve sucesso foi na Inglaterra, Escandinávia e muitos principados alemães, onde romper com a Igreja Católica significava que a Igreja poderia ser usada para aumentar o poder das autoridades civis. Para citar um exemplo, o rei Gustav Vasa deu as boas-vindas à Reforma na Suécia em 1524, transferindo o recebimento dos dízimos da igreja para a Coroa. Três anos depois, ele se apropriou de toda a propriedade da igreja. Como William Maltby observa, aceitar o luteranismo deu aos príncipes uma base ideológica para resistir aos esforços centralizadores do imperador e deu-lhes a chance de extrair consideráveis ​​riquezas das propriedades confiscadas da igreja. [Xvii]

Quanto a Larry Siedentop, seu trabalho sobre a história do indivíduo tenta constantemente delinear o mecanismo que Jouvenel fornece, que é indiscutivelmente a causa da invenção do indivíduo que ele traça. Não há razão para supor que o mecanismo de usar a retórica do individualismo e da igualdade como meio de minar os centros de poder concorrentes começou com a Reforma, e Siedentop confirma que não. Parece ser uma constante da estrutura política humana. O Siedentop fornece uma história ponto a ponto do processo de desenvolvimento do conceito de indivíduo como sendo um desenvolvimento moral impulsionado pelas autoridades da Igreja e, em seguida, por autoridades seculares (ponto em que temos o liberalismo). Siedentop faz isso empregando continuamente uma compreensão da sociedade européia cristã primitiva como sendo essencialmente corporativista, com a Igreja engajada em um processo de quebrar essa estrutura feudal usando concepções fundamentalmente anarquistas de sociedade baseadas na invenção do indivíduo. O relato de Siedentop é essencialmente jouveneliano sem perceber. Podemos até pegá-lo fazendo a observação Jouveneliana sobre desenvolvimentos antigos que levaram à invenção do indivíduo:

O longo período de ascendência aristocrática nas cidades gregas e italianas, fundado na família e seu culto, já havia reduzido a realeza a um papel religioso, destituindo reis de autoridade política. A razão para isso é bastante clara. Os reis freqüentemente faziam causa comum com as classes mais baixas. Eles formaram alianças com clientes e a plebe, dirigidas contra o poder da aristocracia. Desafiada tanto de fora (por uma classe que não tinha culto familiar ou deuses) quanto de dentro (por clientes questionando a ordem tradicional da família), a aristocracia das cidades realizou uma revolução política para evitar uma revolução social. [Xviii]

Como acontece com Jouvenel, podemos ver o processo de centralização e individualização como um fenômeno orientado pela estrutura política sem a adesão ideológica ao liberalismo; não estamos fazendo nenhuma afirmação moral aqui, meramente observando um mecanismo sistêmico óbvio. O próprio Siedentop chega perto de fazê-lo, como, por exemplo, quando observa da Roma cristã primitiva:

No entanto, no final do século III, uma parte das elites urbanas embarcou em um curso diferente para lidar com o imperador e os governadores provinciais, um curso que se baseou em suas crenças cristãs e permitiu que se tornassem os porta-vozes das classes mais baixas. Uma nova retórica serviu à sua tentativa de liderança urbana. Foi uma retórica fundada no ‘amor aos pobres’. Baseando-se nas características da autoimagem cristã – a inclusão social da igreja, a simplicidade de sua mensagem, sua desconfiança da cultura tradicional e seu papel de bem-estar – o “amor pelos pobres” tornou possível, argumenta Brown, um reagrupamento dentro das elites urbanas. Era uma retórica que refletia e servia a uma aliança entre os cristãos da classe alta e os bispos das cidades, que muitas vezes eram homens de cultura ou paideia.

Esta nova retórica foi colocada em uso “na tarefa sem fim de exercer o controle dentro da cidade e representar suas necessidades para o mundo exterior. [Xix]

Siedentop mostra que o bispo das cidades europeias promoveu o individualismo contra as autoridades seculares, e que isso foi levado adiante com o que ele chama de Revolução Papal. O papado começou uma série de políticas centralizadoras resultando na criação de uma burocracia em torno do escritório papal, que Siedentop afirma ter sido copiado por autoridades seculares. Este processo levou o papado a um conflito com as autoridades seculares que acabariam por levar à Reforma, e o próprio Siedentop identifica que foi impulsionado em grande parte pela dinâmica da posição da Igreja nos centros de poder da Europa Ocidental:

A segunda metade do século XI viu mudanças dramáticas. Determinados a definir e defender a igreja como um corpo distinto dentro da cristandade e a proteger sua independência, os papas começaram a fazer reivindicações muito mais ambiciosas. Eles começaram a reivindicar supremacia legal para o papado dentro da igreja, o que dentro de algumas décadas seria descrito como a plenitude potestatis do papa, sua plenitude de poder. [Xx]

O significado de tudo isso é esclarecido pela seguinte passagem que nos traz de volta a Cavanaugh:

Em meados do século XV, o papado – contando com a administração centralizada que havia sido criada desde o século XII – recuperou o controle sobre a Igreja. O projeto de reforma que a igreja não conseguiu realizar não morreu, porém. A causa da reforma da Igreja foi quase imediatamente assumida por governantes seculares que tiraram suas próprias conclusões da série de concílios gerais frustrados e do ressurgimento das pretensões papais. O rei francês, na Pragmática Sanção de Bourges (1438), e o império alemão, na Dieta de Mayence em 1439, introduziram maior autonomia e mais governo colegiado nas igrejas nacionais. Mas mesmo essas reformas nacionais patrocinadas por governantes seculares logo foram abandonadas como resultado da pressão papal e da diplomacia, devolvendo a situação na Igreja, pelo menos na aparência, a um absolutismo papal.

Mas foi apenas uma aparência. Pois o projeto de reforma, que havia iludido tanto os líderes da igreja quanto os governantes seculares, havia agora criado raízes entre o povo.

Foi mero acaso que os séculos XIV e XV testemunharam uma agitação popular tão generalizada dentro da igreja, com movimentos pietistas na Holanda e na Alemanha promovendo a desconfiança da autoridade clerical, enquanto os lolardos na Inglaterra e os hussitas em Praga criticavam abertamente a hierarquia da igreja estabelecida, especialmente o papado? Aos olhos de John Wycliffe, líder dos lolardos, a igreja havia perdido seu caminho, preocupada com a supremacia legal e o acúmulo de riquezas em vez de cuidar das almas, seu papel adequado. Wycliffe falou por muitos em toda a Europa quando pediu a tradução das escrituras em línguas populares, de modo que pudessem ser amplamente lidas e entendidas de maneira adequada, dando às pessoas uma base para julgar as reivindicações do estabelecimento clerical. A compreensão de “autoridade” estava dando uma guinada dramática, passando da aristocracia para a democracia. [Xxi]

Claramente não foi mero acaso que essa agitação popular ocorreu; foi claramente encorajado e permitido espaço pelos governantes seculares. Foi o resultado de centros de poder concorrentes tirando o controle um do outro. A ferramenta de individualização foi tirada das mãos da Igreja e usada contra ela. Jouvenel sugere que esses pregadores teriam apoio institucional. E no caso de John Wycliffe, ele teve o poderoso patrocínio de John de Gaunt, o rei de fato da Inglaterra. Isso confundiu muito os historiadores, mas não nos intrigou. Quanto a Jan Hus, temos o Arcebispo de Praga Zbyněk Zajíc e depois o Rei Wenceslaus IV. Parece ser uma lei geral que todos esses reformistas anticlericais também eram governos pró-seculares e sob a proteção de patronos em processo de centralização do poder e em conflito crônico com as autoridades eclesiásticas. Todos eles terminaram em confisco de propriedades da Igreja. Tanto Martinho Lutero quanto Guilherme de Ockham fornecem excelentes exemplos adicionais.

A questão surpreendente que devemos enfrentar agora é que não apenas Jouvenel indica que o papel do poder em minar outros centros de poder ao encorajar a igualdade e o individualismo continua na história, mas também continua até o presente. Será que a história do Ocidente e a história do liberalismo são o crescimento sempre crescente do poder centralizador e não simplesmente um desenvolvimento moral seguindo a razão? A secularização posterior desse projeto cristão de “individualização” que está corporificado no Iluminismo foi bem-sucedida em fornecer uma base a partir da qual explicar o valor ético desse desenvolvimento? Ou é em grande parte um resultado bastante irracional de conflitos de poder com autoridades seculares selecionando as teorias mais próximas, a fim de fornecer um brilho de legitimidade para suas ações?

A questão surpreendente que devemos enfrentar agora é que não apenas Jouvenel indica que o papel do poder em minar outros centros de poder ao encorajar a igualdade e o individualismo continua na história, mas também continua até o presente. Será que a história do Ocidente e a história do liberalismo são o crescimento sempre crescente do poder centralizador e não simplesmente um desenvolvimento moral seguindo a razão? A secularização posterior desse projeto cristão de “individualização” que está corporificado no Iluminismo foi bem-sucedida em fornecer uma base a partir da qual explicar o valor ético desse desenvolvimento? Ou é em grande parte um resultado bastante irracional de conflitos de poder com autoridades seculares selecionando as teorias mais próximas, a fim de fornecer um brilho de legitimidade para suas ações?

Dado esse quadro em mente, a questão fundamental é: em que ponto esse processo se torna prejudicial e suicida total? Além disso, agora que estamos cientes desse processo, não podemos olhar para os eventos que ocorrem atualmente em nossa sociedade e não identificar quais iterações atuais desta “individualização” são sintomáticas de conflito bruto desnecessário? Quais são claramente sem motivo?

Podemos então ver que esse mecanismo jouveneliano levanta questões profundas e abrangentes. Não é nem marxista nem liberal; em vez disso, concentra-se no papel dos centros de poder, ou autoridades concorrentes, como motores dos desenvolvimentos culturais sob sua alçada. As relações, imperativos e motivos desses centros tornam-se então fundamentais e, a partir disso, podemos começar a construir uma nova teoria política, diferente de todas as que existem atualmente.

Isso tudo tem aplicações profundas.

Link: http://euro-synergies.hautetfort.com/archive/2018/04/26/an-introduction-to-power-through-the-lens-of-bertrand-de-jouvenel.html#.YC5WRqOOFgI.twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *