Hong Kong e Tiananmen: 30 Anos (e não só) de Distância

Comumente se compara as manifestações dos últimos anos em Hong Kong com a situação dos protestos na Praça Tiananmen ocorridos há pouco mais de 30 anos. As circunstâncias, porém, não são análogas, tampouco houve analogia entre as causas ou mesmo entre as reações do governo chinês.

Os protestos de rua em Hong Kong, que vêm ocorrendo há mais de seis meses, têm sido frequentemente comparados, especialmente pela imprensa estrangeira, com os da Praça Tiananmen em 1989, cujo trigésimo aniversário foi comemorado este ano. Esta comparação teve o objetivo de enobrecer, na mídia, as atuais manifestações, evocando os trágicos acontecimentos ocorridos há trinta anos, e cujas imagens têm viajado pelo mundo. Além disso, contribuiu para tornar difícil para as autoridades da República Popular da China a gestão da situação atual. O paralelo também funcionou no sentido oposto, projetando na análise histórica dos acontecimentos de 1989 as características do fenômeno atual. Na realidade, as semelhanças são em grande parte superficiais, e não resistem nem mesmo a uma análise cursória.

Os eventos da Praça Tiananmen surgiram num contexto completamente diferente, no qual a China ainda era um país pobre e atrasado que havia iniciado há dez anos um processo de reforma econômica e política e abertura ao mercado, sob a liderança de Deng Xiaoping. O bloco soviético estava rangendo cada vez mais, empurrando a ala mais conservadora do Partido Comunista para se opor às reformas propostas pelo Primeiro Ministro Zhao Ziyang e pelo Secretário Geral Hu Yaobang, reformistas e aliados de Deng. Por outro lado, a população sentia os efeitos negativos das reformas, como o aumento dos preços e a perda de empregos públicos, e começou a exigir uma maior participação no governo. Acima de tudo, os estudantes, especialmente aqueles das ciências sociais e humanas, estavam sofrendo com a falta de oportunidades de trabalho e de espaço para discussão. Hu Yaobang, foi afastado do cargo após os protestos de dezembro de 1986. Foi sua morte em 15 de abril de 1989 que provocou as manifestações estudantis.

Em Hong Kong, o detonador foi, ao invés disso, um projeto de lei que prevê a extradição, em casos especiais, para países com os quais não há tratado. Concebido para o caso de Taiwan, que Hong Kong não reconhece oficialmente, também pode ser aplicado a Macau e à China continental. Esta lei foi imediatamente vista como uma ferramenta para suprimir a dissidência na Região Administrativa Especial, e deu origem a uma série de marchas e manifestações para impedir que a lei fosse aprovada, e também para exigir maior democracia (a começar pelo sufrágio universal) e autonomia em relação ao governo central chinês. Uma grande parte da classe média de Hong Kong, ou seja, a parte indígena da população (especialmente os jovens) que, por um lado, não se reconhecem na identidade chinesa, por razões etnoculturais e sociopolíticas, e por outro lado, são afetados pelos crescentes problemas sociais e econômicos de uma realidade contraditória como Hong Kong.

Mesmo no nível da modalidade e do desenvolvimento dos protestos, as diferenças são significativas. Os protestos de Tiananmen, no coração mesmo do poder chinês, foram essencialmente pacíficos, até que a ordem foi dada para limpar a praça e as ruas pela força. Na noite de 3-4 de junho, os estudantes, auxiliados por alguns da população, tentaram bloquear à força a entrada na cidade das colunas militares, utilizando barricadas e coquetéis Molotov. O custo em vidas humanas foi da ordem de centenas de civis (apenas uma pequena parte deles estudantes, quase nenhum na Praça), e cerca de vinte soldados e policiais. Por outro lado, em Hong Kong, apesar de ninguém ter sido morto nos confrontos (mas houve milhares de feridos), desde o início aos grupos de manifestantes pacíficos foram se uniram (com o apoio moral dos primeiros) manifestantes violentos, dedicados a atos de vandalismo e agressão violenta não só contra a polícia, símbolos e representantes do governo nacional, mas também contra os habitantes do continente – que agora constituem um terço da população de Hong Kong, onde ocupam as mais humildes posições sociais – acusados de simpatizarem com a República Popular.

Além disso, se os protestos de Tiananmen pudessem apresentar algumas ambiguidades, eles tinham como pontos de referência expoentes do governo que eram a favor de maior abertura, como Hu Yaobang e Zhao Ziyang, e haviam iniciado um diálogo com as autoridades. Eles faziam, portanto, parte da dialética política interna da República Popular, como os de 5 de abril de 1976, contra o Bando dos Quatro. Pelo contrário, no caso de Hong Kong, vemos como essas forças são abertamente separatistas, anti-chinesas, ocidentalistas e pró-imperialistas, a ponto de agitar bandeiras ou símbolos americanos e britânicos, como a Estátua da Liberdade e Pepe, o Sapo. O apoio ativo das forças estrangeiras, a começar pelos Estados Unidos, também é evidente neste caso, dada a substancial abertura de Hong Kong aos movimentos de pessoas e capital.

Mesmo do lado do governo, no entanto, muitas coisas mudaram. Na época, a China estava mais fraca e testemunhava em tempo real a desintegração do bloco soviético – a cúpula sino-soviética entre Deng e Gorbachev foi realizada precisamente durante os protestos (maio de 89). A mesma falta de unidade nos escalões superiores do PCC havia levado a uma reação dura, a fim de evitar que mesmo aberturas razoáveis pudessem degenerar de forma incontrolável. Após os eventos, Zhao e outros (incluindo o General Xu Qinxian, que se recusou a intervir militarmente) foram expurgados, mas houve muitos que criticaram a gestão dos eventos, desde Xi Zhongxun, pai de Xi Jinping e depois Vice-Presidente da Assembléia Nacional, até Wen Jiabao, Primeiro Ministro sob Hu Jintao (2003-2013) e depois Diretor do Escritório Central do PCC.

Hoje, por outro lado, a China é imensamente mais forte (só o PIB é, em paridade de poder de compra, 25 vezes o de 1989!) e se desenvolveu, não só em nível material, mas também em termos de soft power. As manifestações não põem em perigo o Estado chinês, mas Hong Kong, com seu status legal particular e sua contribuição desproporcional para a economia chinesa, é um ponto extremamente delicado, especialmente tendo em vista as relações com Taiwan. A ausência de mortes (ao contrário das manifestações nas democracias liberais como a França e o Chile) reflete, portanto, não só uma maior competência na gestão da ordem pública, mas também um claro desejo de evitar reações excessivas. Por sua vez, pela heterogênese dos fins, o caos e a violência dos manifestantes estão contribuindo muito bem para desacreditar a democracia ocidental aos olhos dos chineses comuns.

Fonte: Osservatorio Globalizzazione

Andrea Virga

Historiador, PhD em história política e autor do livro <span style="color: #0000ff;"><a href="http://www.novaeuropa.it/prodotto/cuba-dio-patria-socialismo/"><em>Cuba: Dio patria socialismo</em></a></span>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *