Por Que a Ucrânia quer Guerra?

Após um longo período de congelamento do conflito, Kiev quer guerra aberta com o Donbass novamente. Considerando as mudanças geopolíticas internacionais, com troca do presidente dos EUA, podemos pressupor que essa decisão não partiu do governo ucraniano, mas daqueles que o controlam.

A Ucrânia quer guerra com a Rússia devido a uma combinação de fatores domésticos e internacionais, mas tal cenário seria desastroso para o país do Leste Europeu e serviria apenas aos interesses de alguns membros da elite política e de seus patrões estrangeiros.

O mundo inteiro está observando sem fôlego para ver se a Ucrânia e a Rússia entrarão em guerra por causa do Donbass, como muitos temem que possa estar prestes a acontecer devido a eventos recentes. Perguntei no início desta semana se “As vacinas são a verdadeira força motriz por trás da mais recente desestabilização de Donbass”, apontando o grande interesse estratégico que os EUA têm em provocar uma crise que colocaria uma pressão política sem precedentes sobre a UE para não comprar a Sputnik V da Rússia como os principais membros do bloco estão considerando no momento, mas há mais do que apenas isso nos níveis estratégicos comparativamente mais baixos.

A Ucrânia quer guerra com a Rússia devido a uma combinação de fatores domésticos e internacionais, incluindo o desejo de sua elite governante de se distrair de uma série de crises domésticas. Estes incluem seus esforços para acabar com a oposição cada vez mais popular através de uma série de caçadas de bruxas, atrair ajuda financeira ocidental de emergência para facilitar a recuperação de sua economia em dificuldade, e talvez se tornar suficientemente importante para o Ocidente para que eles possam finalmente receber as tão necessárias vacinas para sua população que até agora lhes foram negadas por razões inexplicáveis. Além disso, a poderosa influência das milícias ultra-nacionalistas (fascistas) também não pode ser descartada.

Na frente estrangeira, os EUA certamente nunca se cansam de causar problemas para a Rússia, como quer e onde quer que possam. No contexto atual, qualquer “guerra continuada” no Donbass poderia, em teoria, impor custos financeiros inesperados ao país, entre outras consequências potenciais, como servir de pretexto para mais sanções contra. Em termos gerais, os EUA também poderiam esperar poder manipular a ótica do conflito que discutivelmente estão tentando provocar para pressionar a Alemanha a sair de seu acordo para liquidar o gasoduto Nord Stream II, por mais improvável que esse resultado possa ser na realidade.

A elite política ucraniana e seus patrões estrangeiros seriam os únicos possíveis beneficiários de tal conflito caso os Estados Unidos conseguissem desencadear com sucesso, mas até mesmo eles poderiam sofrer um revés caso as Forças Armadas Ucranianas e suas milícias ultranacionalistas aliadas fossem decisivamente derrotadas no campo de batalha. Diante desse cenário provável, Kiev poderia solicitar urgentemente o apoio da OTAN, embora não esteja claro se algum apoio estaria disponível e, em caso afirmativo, até que ponto e se teriam um mandato para combater diretamente os rebeldes amigos da Rússia e talvez até mesmo a própria Rússia, caso ela intervenha para proteger sua fronteira e seus cidadãos.

O que até agora é certo neste ponto é que a Ucrânia quer a guerra. Isto é evidenciado não somente pelos argumentos anteriores acima, mas também por seu principal negociador no Donbass exigindo que o local das conversações de Minsk seja trocado de Belarus para algum outro lugar como a Polônia, apesar deste último ser indiscutivelmente um participante engajado neste conflito maior. Isto significa que Kiev não está interessado em continuar a buscar uma solução pacífica para sua guerra civil, o que já era óbvio para todos os observadores objetivos há bastante tempo, já que não foi outro senão o próprio governo ucraniano que se recusou a implementar plenamente os Acordos de Minsk.

Os rebeldes amigos da Rússia e o vizinho Estado epônimo que politicamente (e de acordo com alguns relatórios questionáveis, militarmente) os apóia há muito tempo vêm pedindo a Kiev que conceda ao Donbass o status especial que o governo ucraniano anteriormente concordou como resultado dos Acordos de Minsk. Os Estados Unidos têm constantemente pressionado seu cliente ucraniano a não implementar as reformas políticas prometidas a fim de manter o status do país como uma úlcera de Guerra Híbrida na fronteira da Rússia que poderia continuar corroer progressivamente seus legítimos interesses de segurança e eventualmente ser exacerbada externamente em um momento estratégico como o presente.

O momento atual das últimas provocações anti-Donbass apoiadas pelos EUA está ligado ao suposto sucesso iminente da “diplomacia de vacinas” da Rússia com a UE, o Nord Stream II está quase concluído, a série de crises internas da Ucrânia, mas também a ascensão de Biden ao poder. O Presidente e sua família têm um histórico de negócios corruptos com a Ucrânia, o que lhes dá interesse em apoiá-la militarmente além do que qualquer outro líder dos EUA possa ter prometido em tal situação. Isto, por sua vez, aumenta o perigo para a Rússia já que Biden poderia fazer o impensável, destacando tropas de combate dos EUA para a Ucrânia Oriental no pior cenário possível.

Como pode ser visto, a Ucrânia quer a guerra por seus próprios interesses, mas não teria nenhuma chance realista de provocá-la se não fosse o apoio dos EUA – e especificamente, da família Biden – para isso. Ninguém mais, muito menos a Rússia, quer que outro conflito exploda na Ucrânia Oriental, mas Moscou defenderá seus legítimos interesses de segurança relacionados com sua fronteira internacional e a segurança de seus cidadãos no Donbass, caso a situação piore muito em breve. Kiev corre assim o risco de abrir uma lata de vermes como resultado de sua marcha febril rumo à guerra, e enquanto os EUA e a Rússia podem não entrar em conflito, a Ucrânia ainda poderá entrar em colapso no final.

Fonte: One World

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro <em>"Guerras Híbridas"</em>.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *