As Ambiciosas Reformas de Joe Biden

Em seus 100 primeiros dias Joe Biden já demonstrou que pretende implementar o mais rápido possível toda a agenda globalista neoliberal através de várias reformas, não obstante os diversos problemas de saúde e a instabilidade mental do presidente estadunidense já levam muitos congressistas a especularem sobre a possibilidade de declará-lo inapto, para colocar em seu lugar Kamala Harris, a garota propaganda do progressismo politicamente correto.

O Presidente Biden passou o primeiro mês de seu mandato avançando seu objetivo de reforma social e o segundo mês lançando as bases para sua política externa. Ainda não está claro qual será a terceira parte dos “100 dias”, que deve se concentrar em questões econômicas. Espera-se que envolva uma melhoria maciça da infraestrutura do país, financiada por um aumento de 30% nos impostos, de acordo com um keynesianismo levado ao extremo.

Não vou discutir aqui os méritos da política da administração Biden, mas apenas suas conseqüências.

A Reforma Societária

A esquerda ocidental desistiu de defender as nações e os pobres. Nos Estados Unidos, ela voltou à busca da Pureza na linha dos “Pais Peregrinos”. O objetivo é reparar os erros do passado (o massacre dos índios, a escravidão dos africanos, a destruição da natureza) e construir um mundo melhor baseado não na igualdade de cada indivíduo, mas na equidade das comunidades.

Os Estados Unidos são um país muito grande povoado por migrantes econômicos. No passado, ele selecionava candidatos por motivos de saúde e étnicos, mas sempre se viu como um refúgio para os pobres dotados de iniciativa. Nos últimos 40 anos, mais ou menos, eles têm enfrentado uma população de imigrantes ilegais, que nunca haviam experimentado antes. São de 11 a 22 milhões deles.

O Partido Democrata pretende abordar todo o problema (tanto as regras de imigração, o status de imigrantes legais como o de imigrantes ilegais), mas está relutante em fazê-lo com uma lei ou com várias. Isso recorda o projeto de lei do Senador Chuck Schumer (D-NY), que foi rejeitado apesar do apoio do Presidente Obama, porque era uma faca de dois gumes.

Primeiro, os democratas pretendem naturalizar os 5,6 milhões de pessoas que imigraram ilegalmente como menores (os chamados sonhadores) que, desde o Presidente Obama, não são mais deportáveis. Embora os democratas tenham uma maioria em ambas as casas do Congresso, não é de modo algum certo que esta lei será adotada. De fato, sem esperar por esta “anistia geral”, dezenas de milhares de sul-americanos partiram em marcha quando o Presidente Biden foi eleito, convencidos de que seriam bem recebidos pela “Terra dos Livres”. Sempre que possível, eles estão atravessando a fronteira mexicana em massa.

Mas esta acolhida vem em um momento em que o Partido Democrata não valoriza mais a noção de Pátria. Assim que a sessão do Congresso foi aberta, a Presidente Democrática da Câmara, Nancy Pelosi, apresentou um projeto de lei muito grande (R.H. 1) que reformaria o sistema eleitoral. O objetivo é transferir a responsabilidade pelas listas de eleitores estaduais para o governo federal. Como resultado, pelo menos 13 milhões de estrangeiros legais e especialmente ilegais, que estão nas listas federais, se tornariam eleitores. Embora alguns países concedam aos estrangeiros o direito de votar nas eleições locais, esta seria a primeira vez no mundo que eles poderiam votar não apenas nas eleições locais, mas também para o Chefe de Estado.

Este projeto se refere a um debate que data de vários anos atrás. Em 2016, 834.218 eleitores de Hillary Clinton votaram ilegalmente nas eleições presidenciais: eles não eram cidadãos, mas estrangeiros. Em 2017, o Presidente Trump criou uma comissão ad hoc para comparar as listas eleitorais elaboradas pelos estados federais com os dados do Departamento de Segurança Nacional. Isto já era para avaliar a fraude que os democratas tinham acabado de cometer. Mas muitos estados apresentaram listas inutilizáveis contendo apenas os nomes dos eleitores e nenhuma outra informação de identificação (tais como datas e locais de nascimento). A comissão foi incapaz de fazer seu trabalho e foi dissolvida.

Deve-se notar que a confusão entre cidadania e direitos de voto não é um problema apenas dos EUA. Na França, por exemplo, o Primeiro Ministro Jean Castex emitiu um decreto proibindo os cidadãos franceses que vivem no exterior de retornar à França durante epidemias, a menos que houvesse uma razão convincente para isso, o que equivalia a bani-los sem julgamento. Esta decisão foi obviamente anulada pelo Conselho de Estado (Justiça Administrativa), mas mostra que a classe dominante francesa, como sua contraparte americana, não está mais consciente do que é a cidadania.

O Partido Democrata não pára por aí. Ele também pretende transformar o modo de vida dos habitantes do país (não ouso escrever “seus concidadãos”); um poder que se arrogou a si mesmo em violação da Constituição dos EUA. A Administração Biden acaba de tomar uma série de medidas espetaculares para a “transição energética”, ou seja, na prática, para substituir veículos movidos a gasolina por veículos elétricos. De acordo com a estimativa de uma organização que acaba de criar, o Grupo de Trabalho Interagencial sobre Custo Social dos Gases de Efeito Estufa, o custo desta transição seria de cerca de 9.500 bilhões de dólares (9,5 trilhões de dólares). Pode-se imaginar o número de empregos perdidos e de famílias arruinadas. Este é exatamente o tipo de medida que causou a Guerra Civil. Na época, a idéia era transferir os poderes aduaneiros para as autoridades federais, que teriam desenvolvido os estados industriais do Norte e arruinado os estados agrícolas do Sul.

Por iniciativa do Missouri, 12 estados levaram o caso ao tribunal e estão exigindo a revogação das ordens executivas do Presidente Biden nesta área. Veremos como a Suprema Corte rege o caso.

Em qualquer caso, a transição energética não só está destruindo a sociedade americana, mas também privando o país de uma arma importante: eles são o maior exportador mundial de petróleo e se preparam para fechar todos os seus poços por decreto.

A Política Externa

Cheio de boa vontade, a administração Biden proclamou alto e claro que restabeleceria os laços dos Estados Unidos com seus aliados e os consultaria sobre todas as decisões que os afetassem. Anunciou também que as diferenças com a China não deveriam afetar a relação econômica, mas que aquelas com a Rússia eram insustentáveis.

Os europeus que haviam acreditado nestas boas palavras logo ficaram desapontados. Eles já deveriam ter suspeitado quando, para falar com eles, o Secretário de Estado, Anthony Blinken, falou em uma videoconferência com seu homólogo britânico para os alemães e os franceses, não com os 26.

Para começar, a União Européia, encontrando-se sem vacinas contra a Covid, pediu a Washington que vendesse as vacinas AstraZeneca em estoque nos EUA, onde elas ainda não estavam autorizadas. A Casa Branca recusou sem rodeios. A solidariedade com os aliados não se estende a salvá-los de um perigo mortal. Estes estoques foram imediatamente classificados como “estratégicos”, o que não acontecia até então.

Segundo episódio: Os Estados Unidos do Presidente Trump obtiveram a normalização das relações diplomáticas entre Marrocos e Israel ao reconhecer que o Saara espanhol não é um Estado independente, mas um território marroquino. A Espanha interpretou erroneamente a eleição do Presidente Biden como uma oportunidade para desafiar este desenvolvimento. Errado! Os Estados Unidos foram rápidos em ameaçar militarmente Madri para dissuadi-la de qualquer inclinação para intervir. Eles “esqueceram” de avisar que estavam organizando um exercício militar conjunto com Marrocos e “perderam” os mapas regionais. Numa bela manhã de março, o Estado-Maior espanhol atordoado viu dezenas de aviões armados dos EUA entrarem em seu espaço aéreo “por engano” nas Ilhas Canárias.

Terceiro episódio: os europeus foram excluídos das negociações sobre o futuro do Afeganistão, onde haviam destacado contingentes sob o comando dos EUA.

E, em quarto lugar, Washington decidiu forçar os europeus a interromper a construção do gasoduto Nord Stream 2. Para isso, o Departamento do Tesouro iniciou investigações em todas as pessoas e empresas envolvidas. São esperadas sanções, não contra os russos, mas contra os europeus, com exceção dos alemães.

O Departamento de Estado manteve dois dias de conversações com seus homólogos chineses. Em frente às câmeras de televisão, Antony Blinken encenou suas repreensões ao Tibete, Hong Kong, aos uigures e a Taiwan. Cortesia, os chineses engoliram os petiscos. Então, quando as portas se fecharam, o que tinha que acontecer aconteceu: Washington dissociou esta breve reprimenda dos interesses econômicos de sua classe dominante. Acabou com a política do Presidente Trump e retomou suas importações maciças, às custas de seus trabalhadores.

Onde as coisas tomaram um rumo inesperado foi com a Rússia. Em uma entrevista televisionada, o Presidente Biden insultou seu colega russo, chamando-o de “assassino”; uma avaliação chocante, para dizer o mínimo, de um país que gasta 8 bilhões de dólares por ano em assassinatos direcionados de seus opositores ao redor do mundo. Em apoio a suas observações, o Presidente Biden prosseguiu dizendo que seu homólogo “pagará as conseqüências”.

Historicamente, Washington reservou este tipo de insulto para os líderes do Terceiro Mundo antes de destruir seus países, nunca para um líder russo. Os europeus, reordenados pelos Estados Unidos, não se atreveram a reagir.

Após o momento de surpresa e a convocação de seu embaixador, Moscou respondeu através da voz do Presidente Putin. Ele ressaltou que às vezes projetamos quem somos sobre os estrangeiros que observamos. Em resumo, “é aquele que diz quem é”. Ele então convidou seu homólogo americano para participar de um debate ao vivo com ele diante de ambas as nações. Envergonhada, a porta-voz da Casa Branca disse que a agenda do Presidente Biden estava muito cheia para permitir que ele participasse. Washington não quer arriscar sua credibilidade em uma “batalha dos líderes”.

Será que o Presidente Biden logo será posto de lado?

Claramente, há preocupações com a saúde do Presidente Biden. Já relatamos várias vezes que ele está sofrendo da doença de Alzheimer. Em si mesmo, isto não é grave. Há outros que governam em seu lugar. Mas não conseguir identificá-los torna os Estados Unidos um regime opaco e absolutamente antidemocrático.

Vários congressistas democratas estão falando em particular sobre a possibilidade de declarar o presidente incapaz de governar e retirá-lo do cargo, e alguns estão pedindo publicamente que o poder de acionar a força de ataque nuclear seja retirado dele.

A Vice-Presidente Kamela Harris tem sido mais ativa na mídia, por enquanto jogando com suas credenciais feministas e de minoria negra. Claramente, ela está se preparando para sucedê-lo rapidamente. Previsivelmente, Joe Biden já até se referiu a ela sem querer como “Madame Presidente”.

Fonte: Voltaire Network

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da <em>Rede Voltaire</em> e da conferência <em>Axis for Peace</em>, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *