O Levante da Comuna de Paris

Escrito por Louis Alexandre
Evento praticamente esquecido no estudo da História, a Comuna de Paris faz 150 anos nessa semana. Indignados com a capitulação do governo entreguista francês e revoltados com uma burguesia que enriquecia cada vez mais em meio à pobreza generalizada, os cidadãos de Paris pegaram em armas em um levante patriótico e socialista contra o liberalismo das elites.

Tendo se tornado um mito para o movimento operário, a Comuna de Paris tem sido objeto de uma multidão de ataques e recuperações. Hoje, com o progressivo esquecimento das lições da história, sua memória está ameaçada de desaparecer por trás das janelas poeirentas dos museus ou de ser distorcida por seus coveiros. Parece-nos importante revisitar este evento fundador de nossa corrente de pensamento, refletir sobre o que realmente foi e extrair dele vigorosas lições para nossa luta atual.

A Comuna foi uma revolução impulsionada pelo patriotismo, portando uma concepção de socialismo hostil à centralização estatal e animada pelo amor à justiça e à liberdade. Ela não surgiu ex nihilo em 18 de março de 1871, mas foi o resultado de uma longa maturação, a conjunção de uma profunda crise social, uma catástrofe e o compromisso de homens e mulheres movidos por uma fé inabalável na Revolução.

O Povo de Paris se Levanta

A crise social é fruto dessa raiva popular diante de uma burguesia que estava ficando rica sozinha, apoiada pelo Segundo Império e depois por Thiers. Diante desta classe cada vez mais rica e arrogante, temos uma população de classe trabalhadora cuja condição continua a se deteriorar. De 1852 a 1870, o índice salarial médio em Paris subiu 30%, enquanto o custo de vida aumentou 42%. A catástrofe foi a derrota em Sedan para os prussianos em 2 de setembro de 1870. O regime de Napoleão III entrou em colapso miseravelmente como resultado de uma guerra mal preparada. Dois dias depois, o povo parisiense expulsou os últimos oficiais do Império.

Mas os políticos de fala mansa se apressaram a tomar conta de tudo. Como em 1789 e 1848, o poder foi confiscado pela burguesia. A partir daí, só se poderia pensar em capitular, porque os homens do novo governo “odiavam menos os prussianos do que os trabalhadores”. O medo toma conta quando vêem que os elementos mais resolutos do Povo – trabalhadores e artesãos, bem como os pequenos comerciantes dos subúrbios parisienses – querem continuar a guerra e libertar o país do invasor. Agrupados dentro da Guarda Nacional, eles exigiam armas para resistir. Jules Ferry, um membro do governo, disse desdenhosamente: “Não colocamos armas nas mãos de tantos maus súditos”. Na capital, não é mais possível contar as associações de distritos, patrióticos e revolucionários, que se organizam para enfrentar a ameaça prussiana. Os círculos operários das grandes cidades, trabalhados por ativistas revolucionários (principalmente os blanquistas), foram os mais ardentes em recusar um armistício que mutilasse o país e em exigir, como em 1792, uma levante em massa para defender o país em perigo. Após o cerco a Paris, eles lideraram uma heróica batalha de cinco meses. Apesar da fome e do frio do inverno, os parisienses resistiram.

Mas durante este tempo, o governo negociará em segredo com Bismarck e se recusará a vir em ajuda da capital. É o imundo Thiers, o homem dos grandes patrões e dos bancos, que está encarregado da direção das negociações. Thiers ainda é este político inescrupuloso, eleito pelos republicanos e conservadores juntos, aquele que, em 1850, quis suprimir o sufrágio universal, retirando o direito de voto de três milhões de indigentes que ele tratava como “vil multidão”. Seu objetivo era claro: “Fazer a paz e subjugar Paris”. A capitulação foi assinada em 28 de janeiro de 1871. O sofrimento e a escassez acumulados, a perda da Alsácia e de parte da Lorena e o pagamento de uma indenização de guerra de cinco bilhões de francos, tornaram a derrota odiosa e inaceitável para muitos. O patriotismo revolucionário da Comuna foi alimentado por um símbolo terrível: a entrada das tropas alemãs vitoriosas em Paris sob a aparente proteção das tropas que haviam permanecido leais ao governo. A eleição duvidosa de uma assembléia que apoiou esta política derrotista deu a Thiers plenos poderes para restaurar a ordem. Sua primeira medida foi abolir a Guarda Nacional e tentar desarmá-la. Ao mesmo tempo, ele exigiu o pagamento imediato dos aluguéis, suspensos durante o cerco, e das dívidas dos artesãos e pequenos comerciantes. Diante desta provocação intolerável, o Povo se une. Os acontecimentos então se seguiram em rápida sucessão. Na noite de 18 de março, o exército regular tentou apreender os canhões da Guarda Nacional no Butte Montmartre. Mas a operação falhou na confusão, em particular graças às mulheres dos bairros populares, trabalhadoras parisienses que haviam corrido para bloquear o confisco das armas. Os soldados confraternizaram com a multidão e se juntaram aos guardas nacionais. O governo, liderado por Thiers, foge assim que a notícia é anunciada e se refugia em Versalhes sob a proteção do Exército. O Povo se levanta e proclama a Comuna, o poder para os trabalhadores.

Poder para o Povo!

Durante 72 dias, o povo de Paris empreenderá uma experiência sem precedentes na história. Uma testemunha, Arthur Arnoul, relata este impulso libertador: “No Hôtel de Ville, há homens cujos nomes ninguém sabia, porque estes homens tinham apenas um nome: O Povo”. A “tradição” foi rompida. Algo inesperado havia acabado de acontecer no mundo. Nenhum membro das classes dirigentes estava presente. Estava acontecendo uma revolução que não era representada por um advogado, nem por um deputado, nem por um jornalista, nem por um general. Em vez disso, um mineiro de Creusot, um encadernador, um cozinheiro, e assim por diante.

Tal evento ocorrido em Paris revelou, repito, uma situação sem precedentes nos livros da história, uma página havia sido virada, um novo capítulo havia começado. Por sua vez, Jules Vallès, no Cri du peuple, o jornal por ele dirigido e que seria o mais popular durante toda a revolta, exclamou:

“A Comuna é proclamada num dia de celebração revolucionária e patriótica, pacífica e alegre, de intoxicação e solenidade, de grandeza e alegria, digna daqueles que viram os homens de 93 e que consola vinte anos de império, seis meses de derrotas e traição. O Povo de Paris, de pé em armas, proclamou a Comuna, que lhes poupou a vergonha da capitulação, o ultraje da vitória prussiana e que os tornará livres como os teria tornado vitoriosos”.

Diante da República burguesa e de Versalhes, a Comuna opõe uma República Social e Federativa. Para isso, é preciso primeiro garantir a justiça social e o equilíbrio entre o poder central e as liberdades locais. Um dos clubes revolucionários, em uma declaração solene, expressou este desejo: “É hora de pôr um fim ao velho mundo podre e corrupto que vive às nossas custas. Vamos conquistar e proclamar universalmente que aquele que não produz não deve consumir, e nosso esplêndido e grandioso trabalho será recebido como libertação”.

Como descrever a diversidade ideológica e social dos comunardos? É possível discernir várias tendências. Encontram-se nas fileiras dos insurgentes republicanos sinceros, ainda animados pela memória da “grande revolução” de 1789. Visceralmente anticlericais e consciente das questões sociais, seu compromisso era impulsionado pelo idealismo. Mais estruturados eram os blanquistas, ativistas revolucionários experientes e testados, sua experiência de golpes de força não precisava mais ser comprovada. Mas a ausência de Blanqui e de seus principais líderes, presos por Versalhes, os desorganizou logo no início da insurreição. Sob a liderança de Rigault e Eudes, eles se investiram na organização da defesa da cidade e foram a favor de um Comitê de Salvação Pública para se encarregar das operações. A Associação Internacional dos Trabalhadores (o Primeiro Grupo Internacional dos Socialistas Europeus fundado em 1864) também havia sofrido com a repressão imperial. Os homens da Internacional permaneceram em estado de expectativa. Dentro dela, Marx e os marxistas ainda estavam em minoria diante dos socialistas franceses inspirados por Proudhon e dos anarquistas agrupados em torno de Bakunin. A atitude de desprezo de Karl Marx em relação aos trabalhadores parisienses provavelmente teve origem na acalorada briga que ele teve com os representantes franceses da AIT. Durante a guerra, ele os insultou e se regozijou com a vitória do militarismo alemão, esperando que o eixo da revolução se inclinasse para o movimento operário alemão. O esmagamento da Comuna não parece tê-lo comovido muito, embora mais tarde ele tenha se mostrado solidário com a emigração dos proscritos parisienses para Londres. Sua atitude só mudaria quando ele viu a importância que o evento havia assumido na imaginação coletiva dos trabalhadores em toda a Europa. Em A Guerra Civil na França, ele tirou lições desta experiência fundadora. Entre as figuras mais destacadas da AIT, Eugène Varlin era famoso entre os trabalhadores por sua gentileza e generosidade. Ele também era conhecido por sua inteligência e honestidade escrupulosa. Ele esteve na linha de frente até os últimos dias da insurreição. A seu lado, Louise Michel, uma professora de 41 anos, uma libertária convicta e depois próxima dos blanquistas, que mostrará uma coragem admirável nas barricadas. A insurreição também conquistou alguns aventureiros e perdeu soldados como Louis Rossel, um oficial patriótico que se recusou a se render e se juntou ao “último fragmento da pátria” que a Comuna representava.

Durante as sete semanas de sua resistência à marcha impiedosa das tropas de Versalhes, a Comuna foi um caldeirão de generosas aspirações que se traduziram em toda uma série de medidas sociais. Se alguns deles permaneceram no nível de proclamação, deram seu verdadeiro significado à sua luta: constituição de um verdadeiro exército popular em torno da Guarda Nacional, abolição da pena de morte, separação da Igreja e do Estado, justiça e educação gratuitas, requisição de moradias burguesas vazias e entrega às associações de trabalhadores das fábricas, supressão da usura, leis que melhorassem as condições de trabalho…

A Semana Sangrenta

Um caldeirão revolucionário de culturas, a Comuna sucumbiu aos golpes de seus oponentes e, sobretudo, à sua falta de organização. Desde os primeiros dias da insurreição, a ausência de uma verdadeira liderança foi sentida. As hesitações dos inícios logo forçarão os comunardos a se limitarem à defensiva. O isolamento também será fatal para a Comuna. Embora as cidades de Marselha, Lyon, Toulouse, Narbonne, Le Creusot e Limoges se insurjam ao seu lado, a rápida intervenção do Exército impõe calma nas cidades provinciais. No campo, a propaganda reacionária dá origem ao medo dos “compartilhadores”, dos “bandidos vermelhos”. A Comuna não conseguiu unir a nação ao seu redor e superar o conservadorismo das províncias rurais. O General Galliffet dirigirá a repressão com implacável severidade. Em 21 de maio, após um bombardeio em grande escala, as tropas de Versalhes entraram em Paris. Diante de 130.000 soldados profissionais, a Comuna alinhou entre 3 e 5.000 combatentes da Guarda Nacional. O povo demonstrará uma coragem fantástica, incluindo mulheres e crianças que participarão dos combates nas barricadas. Cada barricada tornou-se uma barreira para a marcha do exército e, diante desta resistência feroz, os versalhistas massacraram os prisioneiros sem piedade.

As principais figuras da Comuna estavam na linha de frente e foi em completa desordem que as últimas batalhas foram travadas. Nesta loucura, podem ter sido cometidos erros (a queima de monumentos ou a execução de reféns), mas eles seriam superados em horror pela repressão versalhista. Os bairros operários da Bastilha, Belleville e do Templo foram o cenário da luta desesperada de um punhado de combatentes da resistência. Entrincheirados no cemitério de Père-Lachaise, os últimos comunardos foram capturados e fuzilados.

No final, estima-se que 30.000 foram executados, incluindo mulheres e crianças. Durante vários dias, o Sena ficou vermelho de sangue e os jardins públicos foram transformados em valas comuns. Os prisioneiros que escaparam da execução sumária, não raro foram linchados nos belos distritos. A burguesia de Versalhes corajosamente correu para o local, insultando e espancando, às vezes até a morte, os cativos. Mas a repressão não parou por aí. O exército e a polícia perseguiram impiedosamente os fugitivos, muitos dos quais foram para o exílio. Cerca de 40.000 pessoas foram presas. Seguiram-se julgamentos em tribunais militares, 270 execuções e 7500 deportações para a Nova Caledônia, mas a burguesia não conseguiu quebrar a esperança. A esperança que a Comuna deu à luz será transmitida. Lições serão aprendidas com esta derrota e os trabalhadores irão mais uma vez ao ataque. De nossa parte, podemos tomar o exemplo desses heróis do povo para liderar nossa luta pela libertação da Europa e pela justiça social.

Fonte: Rébellion

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *